In order to view this object you need Flash Player 9+ support!

Get Adobe Flash player
Joomla! Slideshow

VELO CAB2012


SAM BIRD VENCEU NA FÓRMULA E

 

SAM BIRD CONQUISTOU NA MALÁSIA O PRIMEIRO PÓDIO PARA A DS VIRGIN

 

Autor de uma soberba recuperação no circuito de Putrajaya, Sam Bird conformou todos os prognósticos ao alcançar o primeiro pódio da temporada 2015-16 para a equipa DS Virgin Racing. Depois de uns bons treinos livres, as qualificações de Sam Bird viram-se comprometidas por um toque na curva nº 3 do circuito malaio. Ocupando o 14º lugar na grelha de partida, os elementos pareciam jogar contra o piloto britânico de 28 anos, mas no final de uma corrida excelente, ele obteve o 2º lugar, logo atrás do vencedor, Lucas di Grassi. Esta jornada foi frustrante para o seu colega de equipa, o francês Jean-Éric Vergne, que se viu obrigado a abandonar logo na primeira curva, após um acidente com Nick Heidfeld e Jacques Villeneuve. A meio da corrida, Sam Bird efectuou a sua troca de monolugar incluído no segundo grupo de pilotos. Ficou, então, numa boa posição, pois regressou à pista no 9º lugar. Depois de todas as paragens nas boxes, a condução cautelosa de Sam Bird, bem como uma gestão eficaz da bateria, permitiu-lhe progredir na hierarquia da prova. Comprovando a mesma maestria que lhe permitiu impor-se nesta pista no ano passado, Bird aumentou ainda mais o ritmo, a três voltas da bandeira de xadrez. Aproveitando-se da luta que opunha Loïc Duval a Robin Frijns, o britânico encontrou a trajectória ideal para passar ambos os adversários, ascendendo ao pódio e depois, aproveitando a quebra de suspensão na última volta do monolugar de Jérôme d’Ambrosio, Bird apossou-se do 2º lugar final. Acumulando 24 pontos, após ter pontuado nas duas primeiras provas da temporada, o piloto da DS Virgin Racing ocupa, agora, o 3º lugar do Campeonato de Pilotos. Um resultado que ainda teve mais valor dado que um dos sistemas de recarga do monolugar de Sam Bird se avariou a menos de uma hora da partida da prova, obrigando a que equipa DS Virgin Racing tivesse, por isso, que reconstruir com enorme urgência toda a secção traseira do seu monolugar. «Quero dedicar este resultado a toda a equipa DS Virgin Racing! Todos trabalharam muito para reparar o problema que surgiu mesmo antes da partida,» declarou Sam Bird à chegada. «Estavam debaixo de uma imensa pressão, já para não falar das terríveis condições de trabalho, com o forte calor e tanta humidade sentidos! Sabemos que precisamos de andar depressa para progredir no campeonato, mas também sabemos que é preciso estar sempre no final. Foi isso que aqui fizemos hoje!» Por sua vez, Jean-Éric Vergne referiu: «Foi extremamente frustrante ver a minha corrida terminar tão depressa. Ainda não sei bem o que se passou, mas fiquei sem ter sítio para onde ir logo na primeira curva. Por outro lado, sinto-me muito contente pelo Sam e pela equipa. Foi um verdadeiro esforço colectivo!» «Estamos orgulhosos por termos conquistado um novo pódio, aqui em Putrajaya, depois de ter ganho com o Sam no ano passado,» acrescentou Alex Tai, Director de Equipa da DS Virgin Racing. «Associada à fiabilidade da cadeia de transmissão da DS, a sua tenacidade permitiu-nos obter um grande resultado. Quero também saudar os esforços de toda a equipa, que não se poupou a esforços para substituir dois componentes da viatura mesmo antes da partida.» O Campeonato FIA de Fórmula E toma agora a direcção do Uruguai, sendo que o próximo ePrix terá lugar em Punta del Este, a 19 de Dezembro.

 

Putrajaya2015-DSVirgin-0921 CopyPutrajaya2015-DSVirgin-7D2 6205_CopyPutrajaya2015-DSVirgin-1592 CopyCAMPEONATO FIA DE FÓRMULA E 2015- CAMPEONATO FIA DE FÓRMULA E 2015-16-PILOTOS PILOTOS PILOTOS Pos Nº Piloto Equipa Pontos 1 11 Lucas DI GRASSI ABT Schaeffler Audi Sport 43 2 9 Sébastien BUEMI Renault e.Dams 35 3 2 SAM BIRD DS VIRGIN RACING FORMULA E TEAM 24 4 Nick HEIDFELD Mahindra Racing Formula E Team 17 5 27 Robin FRIJNS Andretti Formula E Race Team 16 ... 17 25 Jean-Éric VERGNE DS Virgin Racing Formula E Team 0 ... CAMPEONATO FIA DE FÓRMULA E 2015- CAMPEONATO FIA DE FÓRMULA E 2015-16-EQUIPAS EQUIPAS EQUIPAS Pos Equipa Pontos 1 ABT Schaeffler Audi Sport 49 2 Renault e.Dams 36 3 Mahindra Racing Formula E Team 27 4 DS VIRGIN RACING FORMULA E TEAM 24 5 Dragon Racing 22

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Brazilian Grand Prix Preview: Sao Paulo, November 12-15, 2015

MEDIUM AND SOFT COMPOUNDS FOR ONE OF THE SHORTEST LAPS
OF THE YEAR, RUN ANTICLOCKWISE

NEW ASPHALT HAS MADE A DIFFERENCE TO TYRE WEAR AND DEGRADATION

ALL TYPES OF WEATHER POSSIBLE: FROM THE RECORD TEMPERATURES
OF LAST YEAR TO TORRENTIAL RAIN

 The P Zero White medium and P Zero Yellow soft compound have been nominated for this year’s Brazilian Grand Prix: the most popular combination of the season, which has been selected for the ninth and final time in 2015.
Brazil is one of the shortest but most intense laps of the year, with the circuit running in an anti-clockwise direction, which is quite unusual in Formula One. There is plenty of work for both the tyres and the drivers – as the Interlagos track requires a high degree of physical effort – and the situation is often made more complex by variable weather conditions. Last year, the hottest track temperatures recorded all season were in Brazil, but the race has also been affected by heavy rain in the past. If it remains dry, Interlagos is ideal territory for the versatile medium and soft slick compounds.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “Interlagos is one of those historic venues that has helped to shape the history of Formula One, so it’s a pleasure to come here and experience once more the unique atmosphere and passion from the local fans, at the end of what is our first American triple header in Formula One, with races in the United States, Mexico and now Brazil. South America and Brazil in particular is one of Pirelli’s biggest global markets, so this is a particularly important race for us, as we are so widely represented here. The changes to the asphalt at Interlagos last year altered the pattern of tyre behaviour, so it will be interesting to see how that affects tyre usage this year. Traditionally, Interlagos is quite a high-energy circuit for tyres, so we would expect to see two or three pit stops for the majority of competitors. As always though, we will only have an accurate picture of the real situation after the opening free practice sessions on Friday.”

The biggest challenges for the tyres:
The re-asphalting of the circuit last year changed the abrasion levels of the surface, and it is also possible that there will be some additional patches of new asphalt again this year. Other improvements to the circuit this year include a new pit complex.

The circuit is rear-limited, with the right-rear tyre being the most stressed due to the anti-clockwise layout – which is also the case at the next and final venue on the calendar, in Abu Dhabi.

Tyres are often subjected to combined forces at Interlagos: in other words lateral and longitudinal demands at the same time. This raises the temperature of the compound. Downforce levels are generally high, with aerodynamic and mechanical grip requirements roughly in equal proportion.

Last year’s strategy and how the race was won: There was heatwave last year, so this was not entirely typical of what we would expect to see this time. In 2014, Nico Rosberg won the race for Mercedes using a three-stop strategy. He started on the soft tyre and then changed to the medium on laps seven, 26 and 50. The highest-placed two-stopper, Kimi Raikkonen, finished seventh.

Expected performance gap between the two compounds: 0.9 seconds per lap.

The Pirelli team choose their race numbers: #77, Didem Portakal, logistics manager
“There’s a very simple reason behind this: 77 is the year of my birth, so it’s an obvious choice really.”

Who we’re following on Twitter this week: @HaasF1Team. They’ve got drivers, they’ve got a car and they’ve even got an engine. Haas is going to be the most intriguing arrival into Formula One for quite a while, and their Twitter account is the place to find out exactly how it’s all going to happen.

The tyre choices so far this year:

P Zero Red P Zero Yellow P Zero White P Zero Orange
Australia Soft Medium
Malaysia Medium Hard
China Soft Medium
Bahrain Soft Medium
Spain Medium Hard
Monaco Supersoft Soft
Canada Supersoft Soft
Austria Supersoft Soft
Britain Medium Hard
Hungary Soft Medium
Belgium Soft Medium
Italy Soft Medium
Singapore Supersoft Soft
Japan Medium Hard
Russia Supersoft Soft
USA Soft Medium
Mexico Soft Medium
Brazil Soft Medium

alt

alt

 

DI GRASSI VENCE NA FÓRMULA E

 

Lucas Di Grassi vence na Malásia e é líder da Fórmula E

Foi a segunda vitória da carreira do piloto brasileiro na categoria dos carros elétricos. Piloto da ABT Schaeffler Audi Sport soube poupar o carro no calorão malaio e, mais uma vez, sobressaiu

O início da campanha de Lucas di Grassi na temporada 2015-2016 da Fórmula E é bastante semelhante ao que o brasileiro desempenhou na primeira temporada da história da categoria: quando em 2014 o piloto da ABT Schaeffler Audi Sport venceu na abertura em Pequim e foi segundo em Putrajaya na Malásia, o paulistano de 31 anos só inverteu os resultados na atual disputa. Foi segundo na China e venceu, na madrugada deste sábado (7), o e-Prix de Putrajaya, segunda etapa do campeonato. E é o novo líder da temporada.

"Estou muito, muito feliz. A corrida de hoje foi o melhor exemplo de que na Fórmula E o principal não é a velocidade pura, mas também um trabalho perfeito da equipe, estratégia ideal e gerenciamento tanto de energia como de temperatura", comemorou.

Sabendo da dificuldade de vencer os carros da Renault e.Dams, mais rápidos, Di Grassi teria que abusar na estratégia e no gerenciamento de seu equipamento. Foi o que ele fez. No calorão úmido de 40 graus da cidade malaia, vários competidores tiveram problemas de temperatura nas baterias de seus carros - entre eles, os dois Renault e-Dams, de Nicolas Prost e do então líder Sébastien Buemi.

"Dava para perceber o quanto estavam difíceis as condições com a quantidade de areia que se acumulou nos meus olhos e no meu carro. Foi uma corrida extremamente dura, determinada pela temperatura das baterias. Felizmente conseguimos gerenciar esta questão melhor do que os outros, e fizemos um trabalho fantástico. A equipe foi perfeita com a estratégia, conseguimos a vitória e agora estamos na liderança do campeonato", disse.

Largando da sexta posição, Lucas foi superando seus adversários até assumir a ponta pouco depois da rodada de pit stops ao ultrapassar o Aguri do português Antonio Félix da Costa e o Renault de Prost, que sofria com a temperatura da bateria com seu carro entrando em modo de segurança. Loïc Duval, parceiro de Lucas na condução do Audi R18 e-tron quattro no Campeonato Mundial de Endurance (FIA WEC), começou a se aproximar do brasileiro, mas com um toque no muro não representou mais uma ameaça e Di Grassi cruzou a linha de chegada com quase 14 segundos de vantagem para Sam Bird, da DS Virgin, o segundo colocado - uma inversão do resultado da mesma prova no ano passado.

"Fizemos tudo certo, o que merece uma boa festa. No entanto, não vamos descansar sobre os louros desta vitória: estamos indo na direção certa, mas queremos ser ainda melhores para nos manter brigando na frente", destacou Lucas, que agora lidera a disputa com 43 pontos, contra 35 de Buemi, que apesar do abandono deste sábado, fez a pole position e ainda conseguiu marcar a volta mais rápida, garantindo mais três pontos.

"Foi uma corrida muito difícil, em que a temperatura foi o fator principal. Foi um jogo de xadrez a 200 por hora, talvez a mais difícil em termos de estratégia por causa do gerenciamento de potência, de energia, de temperatura e de recuperação. Estou feliz com o resultado, liderando o campeonato. É muito importante neste estágio inicial se aproveitar de erros e problemas de adversários. O carro tem potência e confiabilidade, mas a briga vai ser dura com a Renault e vamos fazer o possível para melhorar e continuar na luta", encerrou.

Agora, a Fórmula E faz um intervalo de um mês e meio para a longa viagem da Ásia à América do Sul para a terceira etapa da temporada, no e-Prix de Punta del Este, no Uruguai, no dia 19 de dezembro.

Lucas di Grassi é patrocinado em sua campanha na Fórmula E por Eurobike, TAG Heuer, Qualcomm, e KNM.

Resultado do e-Prix de Putrajaya
Top-10
1-) LUCAS DI GRASSI (BRA), ABT Schaeffler Audi Sport - 33 voltas em 50min17s449 (média de 100,8 km/h)
2-) Sam Bird (GBR), DS Virgin Racing - a 13s884
3-) Robin Frijns (HOL), Andretti - a 29s776
4-) Stéphane Sarrazin (FRA), Venturi - a 32s628
5-) Bruno Senna (BRA), Mahindra - a 34s404
6-) Antonio Félix da Costa (POR), Team Aguri - a 36s925
7-) Daniel Abt (ALE), ABT Schaeffler Audi Sport - a 37s283
8-) Nelson Piquet Jr (BRA), Nextev TCR China Racing - a 40s623
9-) Nick Heidfeld (ALE), Mahindra - a 52s904
10-) Nicolas Prost (FRA), Renault e.Dams - a 53s695

Classificação da Fórmula E após duas etapas:
1-) LUCAS DI GRASSI - 43 pontos;
2-) Sébastien Buemi - 35
3-) Sam Bird - 24
4-) Nick Heidfeld - 17
5-) Robin Frijns - 16
6-) Stéphane Sarrazin - 14
7-) Loïc Duval - 12
8-) Bruno Senna - 10
9-) Jérôme D’Ambrosio - 10
10-) Antonio Félix da Costa - 8

 

 

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Mais uma vez, no lugar mais alto do pódio
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Lucas di Grassi vence o e-Prix de Putrajaya, na Malásia
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Brasileiro agora é o líder da temporada
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Piloto da ABT Schaeffler Audi Sport largou em quinto
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Soube administrar o equipamento e foi superando seus adversários
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
No final, Lucas cruzou a linha de chegada com boa margem para o segundo colocado
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Foi a segunda vitória de Di Grassi na Fórmula E
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
No pódio, muita comemoração e a liderança do campeonato
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
O pódio da etapa, com Sam Bird em segundo e Robin Frijns em terceiro
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Próxima etapa é o e-Prix de Punta del Este, no Uruguai, em 19 de dezembro
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Lucas di Grassi é patrocinado por Eurobike, Qualcomm, TAG Heuer, e KNM
Alta | Web

 

FALTA DE SORTE PARA ANTÓNIO FELIX DA COSTA

FALTA DE SORTE PARA ANTÓNIO FELIX DA COSTA

 

Sentimento misto, por um lado melhorarmos a performance aqui na Malásia com o 4º tempo na qualificação, mas perder um 2º lugar desta forma (problema electrónico) a sete voltas do fim é inglório... Acabei em 6º, é frustrante mas vamos olhar para o lado positivo e trabalhar forte para a próxima da FIA Formula E em Punta del Este!

 

NOVA SIMBOLOGIA

NOVA SIMBOLOGIA PARA A ANTIGA FÓRMULA RENAULT

 

O logo da nova Fórmula 3.5 V8.

 

ASTON MARTIN NA F 1?

ASTON MARTIN NA F 1 ???

 

Nos bastidores do circo da Fórmula 1 fala-se com uma certa insistência na vinda da Aston Martin, tomando o lugar da Force India.O rumor tal proporções (nada foi ainda confirmado oficialmente), que já surgem sugestões de decoração para o monolugar de 2016.A1 CopyA2 CopyA3 Copy

 

A F 1 NO MEXICO

A Fórmula 1 pelos vistos fez as pazes com o público no regresso à Cidade do México. E desta feita o truque foi imitar o ambiente do... Futebol.

 

HYPE ENERGY

 

Hype Energy announces winners of the Abu Dhabi Grand Prix Competition

 

 

 

On 2nd November, 2015, Hype Energy were thrilled to announce the winners of their Abu Dhabi Grand Prix Competition. For the past 3 months, Hype Energy fans were busy on social media as they entered the contest for a chance to win anall-inclusive trip to Abu Dhabi for two!

 

Hype would like to congratulate Prathik Khanna Neeraj and Jonathan Francis Wilde on winning the coveted prize, a once in a lifetime Sahara Force India experience at the Abu Dhabi Grand Prix. The winners will get to meet the team drivers Nico Hulkenberg and Sergio Perez during the Grand Prix Finale weekend. The winners will be busy and energised as they get a front-row view of the Grand Prix and will get to meet the Hype Energy team!

 

The contest, which began on July 16th, invited Hype Energy fans to enter on Twitter and Facebook. Fans were encouraged to follow or like Hype Energy’s social media pages and tag the friend they’d like to bring along while using Hype’s signature hashtag, #iHYPEhere.

 

Over 20,000 people entered and over 2 million people were reached as we promoted the competition on our social channels. The competition was open globally and we saw entrants from every continent.

 

Hype Energy is an official partner of the Formula One™ Sahara Force India 2015 team. The Hype Energy brand and ethos integrates seamlessly into the F1™ lifestyle and atmosphere. 

 

Hype Energy launched in 1994 as one of the first energy drinks brands in the market. It is now led by CEO, Bertrand Gachot, a former Formula One™ racing driver and 24 Hour Le Mans winner.

 

Hype Energy would like to thank everyone who entered and congratulate again the lucky winners! Keep your eyes peeled for what’s next with Hype Energy and Sahara Force India.

 

SUSIE WOLF TERMINA CARREIRA

SUSIE WOLF TERMINA CARREIRA

 

 

HA LLEGADO EL MOMENTO DE QUITARSE EL CASCO

Casi todo en la vida se reduce a la elección del momento oportuno, especialmente en mi mundo. Para mí, ha llegado el momento de quitarme el casco y descansar.

La Carrera de Campeones será mi despedida. A los 8 años ya conducía karts por una pista de la costa oeste de Escocia, por lo que considero un gran honor poder representar a mi país en una carrera que me permitirá competir con algunos de los más grandes pilotos del mundo.

Ha sido un viaje increíble con muchos momentos de gloria y también de sufrimiento. Me considero una persona privilegiada, pues he conseguido convertir mi gran pasión en mi profesión.

He tenido la suerte de ser educada por unos padres brillantes que nunca me hicieron sentir que los deportes de motor eran solo para niños y que estaba desviándome del camino preestablecido por mi género. Siempre me hicieron creer que podía conseguir lo que quisiera si me esforzaba lo suficiente y no desistía.

Con 13 años, mi sueño y objetivo principal pasó a ser la Fórmula 1. Qué cerca estuve de conseguirlo. Deseé y luché arduamente para conseguir estar en la parrilla de salida pero, teniendo en cuenta este comienzo de año y la situación actual de la F1, me temo que no va a ser posible.

Mi instinto me dice que ha llegado el momento de pasar página. Es el momento de explorar, encontrar nuevos desafíos y obligarme a conocer nuevos entornos. Para todos los deportistas es difícil saber dónde poner el límite, pero en mi caso considero que este viaje a llegado a su fin.

En retrospectiva, hay algunos momentos clave que siempre destacarán. La final del Campeonato Mundial de Karting, mi primer podio en la Fórmula Renault y ser finalista al premio BRDC al Piloto joven del año; pero por lo que más me siento agradecida es por mi gran debut con Mercedez Benz en el Campeonato Alemán de Turismos.

Era mi gran oportunidad. La aproveché y acepté el desafío. No solo fueron unos excelentes 7 años, también me brindó la oportunidad de conocer a un hombre que creía en mis  
sueños, que siempre me ha animado a dar lo mejor de mí y que sigue inspirándome todos los días. Un hombre con el que tengo la suerte de haberme casado.


Mi progreso en el mundo de la Fórmula 1 representa mucho más que a un piloto de carreras que simplemente intenta alcanzar la cumbre de su deporte. También representaba una posibilidad, la esperanza de volver a ver a una mujer en la parrilla de salida. Aproveché la situación, me contagié de la energía de mis seguidores y trabajé duro. Estaban quienes deseaban que tuviese éxito. También quienes no.


Solo puedo decir que lo dí todo. ¿Considero que la F1 está preparada para acoger a una buena piloto de carreras que pueda competir a los más altos niveles? Sí. ¿Creo que es posible para una mujer? Por supuesto. ¿Lo veremos en poco tiempo? Lamentablemente, no. Hay dos baches cruciales, uno es que no hay muchas niñas que se inicien en el pilotaje de karts desde pequeñas y otro es que no tendrían ningún modelo a seguir. A veces, se necesita ver para creer.

 

 

Quiero llamar la atención sobre estos dos baches. Me gustaría ayudar a la siguiente generación con un pequeño legado. Con la ayuda de la MSA (Asociación británica de Deportes de Motor), vamos a lanzar una nueva iniciativa cuyo objetivo principal es celebrar los triunfos conseguidos por mujeres en los diferentes deportes de motor, tanto en competiciones como fuera, pero que al mismo tiempo nos permita transmitir a las siguientes generaciones la idea de que los deportes de motor son una opción. Me atreví a ser diferente y quiero servir de inspiración a otros para que hagan lo mismo.


Finalmente, decir que estoy entusiasmada por lo que me trae el futuro y, aunque estoy cerrando esta puerta, ya estoy impaciente por abrir la siguiente. ¡Siempre para adelante!

 

 

A OPINIÃO DE NIKI LAUDA SOBRE O GP.MÉXICO DE F 1

 

Niki Lauda sobre o sucesso popular do GP do México. Já agora, se fosse possível meter Portugal na lista...

Mercedes non-executive chairman Niki Lauda believes the returning Mexican Grand Prix set a new benchmark for Formula 1 events.
Despite attendances falling at a number of venues, the return of Mexico to the calendar for the first time in 23 years sparked crowds and scenes rarely seen in F1 in recent years.
More than 300,000 passionate fans attended Autodromo Hermanos Rodriguez over the three days, creating a carnival atmosphere the like of which three-time world champion Lauda claims he had never seen throughout his time in F1.
"It was the best I've ever seen in all my life - the best, honestly, what they have produced here; I've never seen so much of this," he said.
"The way they organised it, the way it happened, the whole crowd is going with it and that's it. Unbelievable.
"You could feel the crowd on the grid. Everything worked - the cars, the people, the drivers. It was a perfect interlink, and that's why the race was so successful."
The stadium section, in particular, proved highly memorable, with the circuit scything its way through a packed 30,000-seat amphitheatre.
As to the magic ingredient, Lauda said: "The magic is the Mexicans, the magic are the organisers who made this happen.
"The way they organised the spectator places, for me it was the best I've ever seen, and then the podium right in front of all the people.
"Formula 1 got back to where you could feel it and touch it, and I think this was the most important thing."
Asked as to his message to F1 supremo Bernie Ecclestone, Lauda replied: "Copy this race for all the others.
"Now [the promoters at other venues] have seen it anyway on television, how good it can be done."


As to whether F1 should return to other more traditional venues, Lauda said: "It all depends if the organisers in South Africa or Argentina are able to do a race like this. It was perfect."

 

EQUIPAS DE FÓRMULA 1 CONFIRMAM PILOTOS

EQUIPAS DE FÓRMULA 1 CONFIRMAM PILOTOS

 

A equipa de Fórmula 1 da Red Bull confirma Ricciardo e Kvyat para 2016. Se há pilotos, é porque há motor, logo carro, logo presença no campeonato em 2016, quando muito se falava que a equipa poderia abandonar.Um assunto a ser seguido de perto-

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

A PIRELLI TEST WILL BE HELD IN ABU DHABI AFTER THE GRAND PRIX
TO TRY OUT NEW TYRES FOR 2016

ULTRASOFT COMPOUND TO MAKE ITS TRACK DEBUT

ULTRASOFT WILL HAVE PURPLE MARKINGS NEXT YEAR,
AS CHOSEN BY THE SOCIAL MEDIA COMMUNITY

 Following an agreement ratified by the FIA World Council, Pirelli will hold a tyre test in Abu Dhabi after the final grand prix of the 2015 season.

The one-day test will take place on Tuesday 1 December from 9am-9pm continuously, dedicated to slick tyre development.

Teams have been asked to run preferably race or reserve drivers, and they will not be allowed to try new parts nor alter the cars during the test.

All of the teams involve will field one car each, but participation is voluntary.

Pirelli will define the test programme for each car. The tyres used during this test will not be considered as part of the testing allocation for 2015.

The Italian tyre firm requested the Abu Dhabi session in order to develop a new construction for the 2016 slick tyres as well as test the new Ultrasoft compound, which will form part of the P Zero Formula One range next year.

The Ultrasoft will be distinguished by purple markings on the sidewall. This colour was chosen by fans who were asked to vote for either purple or silver via Pirelli’s social media channels. Purple was a resounding winner, capturing 85% of the votes.

alt

alt

 

DI GRASSI EVOLUI NA FÓRMULA E

 

Após pódio na estreia, Lucas di Grassi mira evolução

Fórmula E faz a segunda etapa da temporada nas ruas de Putrajaya, na Malásia

O circuito de 2.560 metros da cidade de Putrajaya, na Malásia, recebe a segunda etapa da temporada 2015-2016 da Fórmula E. Palco onde, ano passado, Lucas di Grassi fez uma de suas melhores corridas depois de ter largado da 18ª posição para cruzar a linha de chegada em segundo lugar. Na etapa de abertura do campeonato deste ano, em Pequim, o brasileiro da ABT Schaeffler Audi Sport começou bem, também em segundo, mas a uma distância razoável do vencedor Sébastien Buemi, da Renault e.Dams.

"Foi uma corrida com resultado bom, melhor possível, já que não conseguiríamos lutar pela vitória. Os carros da Renault estão muito rápidos, então para nós acabou sendo um ótimo resultado, começando com o pé direito. Pequim foi uma boa reestreia porque é sempre muito bom abrir a temporada com um pódio. Entretanto, não competimos na Fórmula E para chegar em segundo. Por isso a preparação da equipe começou já na manhã seguinte à corrida na China. Sabemos exatamente onde temos que trabalhar para reduzir a diferença para o time de fábrica da Renault", afirmou o piloto de 31 anos.

Na temporada em que a grande novidade é a construção própria pelas equipes dos conjuntos do chamado trem de força, composto por motor elétrico e transmissão, algumas equipes se destacaram mais que outras. Claras evoluções por parte de Renault e.Dams, Mahindra, Dragon e também da ABT Schaeffler Audi Sport, equipe defendida por Lucas di Grassi, foram notadas na primeira etapa.

"A gente conseguiu estar até cinco segundos mais rápidos por volta em comparação à última temporada. É uma evolução muito grande", destacou.

Por isso, a equipe ABT Schaeffler Audi Sport adiantou os preparativos para a segunda etapa trabalhando, principalmente, na análise dos dados de telemetria tanto do carro de Lucas di Grassi como de seu companheiro de equipe Daniel Abt. O brasileiro espera agora diminuir a diferença que separa seu carro dos de Sébastien Buemi e Nicolas Prost.

"Vai ser uma briga bem difícil para vencer este campeonato. Acho que até mais difícil que no ano passado, pelo fato de eles (Renault e.Dams) estarem na frente com o carro, mas vamos melhorar e tentar evoluir o máximo para que possamos lutar por vitórias já nesta corrida. Espero que exista uma redução desta diferença entre eles e nós já neste final de semana", diz Lucas.

O treino classificatório e a corrida serão mostrados ao vivo pelo Fox Sports na madrugada deste sábado (7) às 2h30 e 3h30, respectivamente. A largada acontece às quatro horas da madrugada, no horário de Brasília.

 

 

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Fórmula E faz neste sábado (7) a segunda etapa da temporada 2015-2016
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Corrida será nas ruas de Putrajaya, na Malásia
Alta | Web

FIA Fórmula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Lucas di Grassi parte em busca de mais um resultado positivo em sua campanha
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
"O pódio foi o melhor resultado possível", disse
Alta | Web

FIA Fórmula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Começo com pódio foi positivo, mas Lucas quer brigar por vitórias
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
"Não competimos na Fórmula E para chegar em segundo", destaca
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Brasileiro espera evolução da equipe para alcançar a principal concorrente
Alta | Web

 

DI GRASSI EVOLUI NA FÓRMULA E

 

Após pódio na estreia, Lucas di Grassi mira evolução

Fórmula E faz a segunda etapa da temporada nas ruas de Putrajaya, na Malásia

O circuito de 2.560 metros da cidade de Putrajaya, na Malásia, recebe a segunda etapa da temporada 2015-2016 da Fórmula E. Palco onde, ano passado, Lucas di Grassi fez uma de suas melhores corridas depois de ter largado da 18ª posição para cruzar a linha de chegada em segundo lugar. Na etapa de abertura do campeonato deste ano, em Pequim, o brasileiro da ABT Schaeffler Audi Sport começou bem, também em segundo, mas a uma distância razoável do vencedor Sébastien Buemi, da Renault e.Dams.

"Foi uma corrida com resultado bom, melhor possível, já que não conseguiríamos lutar pela vitória. Os carros da Renault estão muito rápidos, então para nós acabou sendo um ótimo resultado, começando com o pé direito. Pequim foi uma boa reestreia porque é sempre muito bom abrir a temporada com um pódio. Entretanto, não competimos na Fórmula E para chegar em segundo. Por isso a preparação da equipe começou já na manhã seguinte à corrida na China. Sabemos exatamente onde temos que trabalhar para reduzir a diferença para o time de fábrica da Renault", afirmou o piloto de 31 anos.

Na temporada em que a grande novidade é a construção própria pelas equipes dos conjuntos do chamado trem de força, composto por motor elétrico e transmissão, algumas equipes se destacaram mais que outras. Claras evoluções por parte de Renault e.Dams, Mahindra, Dragon e também da ABT Schaeffler Audi Sport, equipe defendida por Lucas di Grassi, foram notadas na primeira etapa.

"A gente conseguiu estar até cinco segundos mais rápidos por volta em comparação à última temporada. É uma evolução muito grande", destacou.

Por isso, a equipe ABT Schaeffler Audi Sport adiantou os preparativos para a segunda etapa trabalhando, principalmente, na análise dos dados de telemetria tanto do carro de Lucas di Grassi como de seu companheiro de equipe Daniel Abt. O brasileiro espera agora diminuir a diferença que separa seu carro dos de Sébastien Buemi e Nicolas Prost.

"Vai ser uma briga bem difícil para vencer este campeonato. Acho que até mais difícil que no ano passado, pelo fato de eles (Renault e.Dams) estarem na frente com o carro, mas vamos melhorar e tentar evoluir o máximo para que possamos lutar por vitórias já nesta corrida. Espero que exista uma redução desta diferença entre eles e nós já neste final de semana", diz Lucas.

O treino classificatório e a corrida serão mostrados ao vivo pelo Fox Sports na madrugada deste sábado (7) às 2h30 e 3h30, respectivamente. A largada acontece às quatro horas da madrugada, no horário de Brasília.

 

 

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Fórmula E faz neste sábado (7) a segunda etapa da temporada 2015-2016
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Corrida será nas ruas de Putrajaya, na Malásia
Alta | Web

FIA Fórmula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Lucas di Grassi parte em busca de mais um resultado positivo em sua campanha
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
"O pódio foi o melhor resultado possível", disse
Alta | Web

FIA Fórmula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Começo com pódio foi positivo, mas Lucas quer brigar por vitórias
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
"Não competimos na Fórmula E para chegar em segundo", destaca
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Brasileiro espera evolução da equipe para alcançar a principal concorrente
Alta | Web

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2015 Mexican Grand Prix – Race – infographics

alt

alt

 

DS VIRGIN PRONTA PARA A MALÁSIA

 

DS VIRGIN RACING QUER IMPOR-SE DE NOVO NA MALASIA

 

O Campeonato FIA de Fórmula E volta à Malásia no próximo fim-de-semana, palco onde Sam Bird, piloto da DS Virgin Racing, espera reproduzir a soberba prestação que o levou a impor-se no Circuito de Putrajaya no ano passado. Tendo como colega de equipa Jean-Éric Vergne, piloto que vai descobrir o traçado malaio, Sam Bird irá tentar repetir o verdadeiro recital de condução que o transportou até àquele que foi o seu primeiro sucesso na Fórmula E da temporada passada. Figurando entre os locais mais emblemáticos do calendário, o circuito urbano de Putrajaya segue ao longo de Putrajaya Boulevard, tendo como pano de fundo o magnífico complexo Perdana Putra, que abriga os gabinetes do Primeiro-Ministro malaio. Sétimo classificado na primeira jornada da presente temporada, corrida em Pequim há duas semanas, o londrino contabiliza 6 pontos. Já o seu colega de equipa francês cruzou a linha de chegada fora dos lugares pontuáveis, em 12º lugar. «Há, seguramente, muito trabalho em perspectiva,» afirmou Bird na capital chinesa. «Mas não poderia querer melhor que Putrajaya como cenário para a próxima jornada. A Malásia foi, sem dúvida, um dos momentos fortes da nossa primeira temporada, tal como a minha vitória em Londres.» Também premiado com o FanBoost na China, Bird espera que a sua equipa possa beneficiar regularmente de um aumento de energia suplementar, através deste sistema de votação online, único no mundo do desporto automóvel. «Fiquei deliciado e também um pouco surpreendido por ter conseguido o FanBoost em Pequim! Apenas conseguimos isso uma única vez no ano passado, por isso espero que este ano eu e o Jean-Éric possamos aproveitá-lo um pouco mais esta temporada.» «Sentimo-nos encorajados pelo ritmo demonstrado em Pequim, nomeadamente com o nosso 12º lugar na Qualificação» confessou Jean-Éric Vergne, preparado para a sua estreia em Putrajaya. «Vamos poder aproveitar estes pontos positivos na Malásia e espero ajudar a equipa a alcançar o mesmo sucesso que obteve em 2014.» «Em Pequim, não conseguimos mostrar todo o nosso potencial» referiu Alex Tai, Director da equipa DS Virgin Racing. «Devemos, portanto, reter aquilo que aprendemos na China para sermos mais competitivos na Malásia. As nossas performances no ano passado, em Putrajaya, dão-nos uma motivação enorme. Espero poder ter a sensação do dever cumprido, na noite do próximo Sábado!» Os fãs podem, desde já, fazer as suas votações no FanBoost através da aplicação oficial, o portal de internet www.fiaformulae.com/fanboost ou ainda via Twitter e Instagram, graças ao hashtag #FanBoost, seguido de #SamBird ou #Jean-Eric Vergne. CAMPEONATO FIA CAMPEONATO FIA DE FÓRMULA DE FÓRMULA DE FÓRMULA E 2015/2016 PROGRAMA ( PROGRAMA (2ª prova ª prova ª prova, Putrajaya, Malásia , Putrajaya, Malásia , Putrajaya, Malásia) Sexta-feira, 6 de Novembro de 2015 , 6 de Novembro de 2015 , 6 de Novembro de 2015 15h00 - Shakedown 16h45 - Sorteio dos Grupos de Qualificação Sábado, 7 de Novmebro de 2015 Sábado, 7 de Novmebro de 2015 07h45 - Treinos Livres 10h00 - Qualificações Grupo 1 10h10 - Qualificações Grupo 2 10h20 - Qualificações Grupo 3 10h30 - Qualificações Grupo 4 10h45 - Super Pole 14h04 - Corrida CLASSIFICAÇÃO - CLASSIFICAÇÃO -Pilotos Pilotos Pilotos CLASSIFICAÇÃO –

 

CLASSIFICAÇÃO –Equipas Equipas Equipas Lugar Equip1 Pontos 1 Renault e.Dams 30 2 Dragon Racing 22 3 ABT Schaeffler Audi Sport 18 4 Mahindra Racing Formula E Team 15 5 NEXTEV TCR Formula E Team 8 6 DS VIRGIN RACING FORMULA E TEAM 6 7 Team Aguri 4 8 Venturi Formula E Team 2 9 Andretti Formula E Race Team 1 Para mais informações sobre o DS Virgin Racing Formula E Team, siga-nos no site:

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2015 Mexican Grand Prix – Race

 NICO ROSBERG WINS FROM POLE IN THE HIGHEST TEMPERATURES
SEEN ALL WEEKEND

 TWO STOPS FOR THE MAJORITY OF COMPETITORS
BUT STRATEGIES AFFECTED BY SAFETY CAR

 SPEEDS GET EVEN HIGHER AS TRACK EVOLVES: VETTEL CLOCKS 366 KPH

 Nico Rosberg has won the first Mexican Grand Prix in 23 years from pole, with a two-stop strategy. Using a soft-medium-medium strategy, he beat his team mate Lewis Hamilton to secure a 10th one-two of the season for Mercedes and move back to second in the driver points standings.

Behind them, the race strategies were affected by a safety car with just 20 laps to go. This effectively allowed a ‘free’ pit stop, which meant that those contemplating another stop could do so without a big penalty.

The exception was local hero Sergio Perez, driving for Force India, who stopped only once and finished in a points-scoring eighth: reinforcing his reputation for excellent tyre management. Perez was the only one-stopper in the race, with the vast majority of drivers stopping twice and a handful stopping three times: although none of the three-stoppers managed to score points.

An extra dimension to today’s race was added by the highest track temperatures seen all weekend, despite earlier predictions of rain. With 46 degrees of track temperature and an increasing amount of rubber on the new surface, the pattern of wear and degradation seen in practice and qualifying was altered. The extra traction also helped to increase the very high top speeds seen in the thin air of Mexico, with Sebastian Vettel recording 366kph on the straight. Williams driver Felipe Massa clocked 352kph on the straight even without DRS assistance.

As the race went on and the track evolved, the medium tyre in particular came into its own, with the fastest lap being set by Rosberg (lap 67) on this compound at a pace about one second off the pole position he had set on soft tyres.

All the drivers started on the soft tyre compound, apart from the two McLarens as well as Ferrari driver Kimi Raikkonen, who started on the medium compound.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “As expected we saw two stops for the majority of competitors, at what turned out to be quite a complicated race strategically because of a surface that kept on evolving, track temperatures a full 12 degrees higher than we experienced yesterday, and a safety car towards the end of the race. Formula One’s return to Mexico has been a spectacular success, with an amazing and vibrant atmosphere from start to finish. As Nigel Mansell said when he interviewed the drivers on the podium: Viva Mexico! It’s good to know that some things don’t change: when Mexico last returned to F1 in 1986 a Pirelli-equipped car won, thanks to Gerhard Berger and Benetton, and the fans are still brilliant.”

Fastest times of the day by compound:

Soft Medium Intermediate Wet
First  Kvyat       1m21.549s  Rosberg  1m20.521s  0  0
Second  Ricciardo 1m21.625s  Hamilton 1m20.723s  0  0
Third  Sainz       1m22.172s  Bottas     1m21.585s  0  0

Longest stint of the race:

Soft  Lewis Hamilton   28 laps
Medium  Sergio Perez      53 laps

 Truth-O-Meter
We predicted a two-stopper as being the best choice for the 71-lap race: starting on the soft tyre, changing to soft again on lap 23 and then to medium on lap 46. Rosberg chose a two-stopper with a similar pit stop window to our prediction but only did one opening stint on the soft at the start of the race. He moved to the medium on lap 26 and then to the medium again on lap 46. The strategy was affected by higher temperatures than seen previously during the weekend and continuous track evolution.

The full pit stop summary is available in the attached pdf document.

alt

alt

 

SEGUNDO O JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO O JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

ESTA PODERÁ SER UMA SOLUÇÃO...DIGAMOS INTERESSANTE PARA A F 1

 

UMA IDEIA: tornar a F1 outra vez sexy. Será que seremos capazes?

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2015 Mexican Grand Prix – Qualifying

 MERCEDES DRIVER NICO ROSBERG CLINCHES FOURTH
CONSECUTIVE POLE POSITION

 LEWIS HAMILTON THE ONLY DRIVER TO GET THROUGH Q1
JUST WITH THE MEDIUM TYRE

 FASTEST TOP SPEEDS SEEN IN FORMULA ONE THIS YEAR

  Mercedes driver Nico Rosberg has clinched pole position for the fourth consecutive time, using the P Zero Yellow soft tyre to set a lap of 1m19.480s. It was the 13th Mercedes one-two of the season in qualifying. The high-altitude and thin air characteristics of Mexico City, together with its long pit straight, meant that the highest top speeds were seen in Formula One this year.

Mercedes driver Lewis Hamilton was the only driver to get through Q1 using the medium tyre only, before all the drivers started Q2 on the soft tyre: worth about an extra 1.5 seconds per lap around the Autodromo Hermanos Rodriguez. The only exception was Ferrari’s Kimi Raikkonen, who did just one lap on the medium before taking no further part in the session.

With track temperatures falling in the final part of Q3, the first runs on the soft tyre were faster, sealing pole position for Rosberg from Hamilton, with Ferrari’s Sebastian Vettel in third. All the drivers in the top 10 utilised their allocation of soft tyres for qualifying and the race, meaning that they will all have used tyres tomorrow.

The strategy calculations are complex here for a variety of reasons: firstly because of the unfamiliarity with the track, and secondly because every session held so far has been run in disparate conditions, with a high degree of track evolution. This means that it has been difficult to get an accurate picture of the way that the tyres behave.

Despite some predictions of rain – which is the case tomorrow as well – conditions remained dry all day, with just a few spots of rain at the end of Q2, while track temperatures remained in excess of 30 degrees during qualifying.

The final free practice session this morning was held in warm conditions, with Rosberg finishing ahead of his team mate by just 0.014s, and 12 drivers covered by just one second.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “It was another variable day in Mexico, featuring warm weather as well as some spots of rain – so this range of conditions made it quite difficult for the teams to work out the best tactical choices. We’ve seen that tyre wear is low on account of the slippery and new surface, but track evolution is still on-going, which has closed the performance gap between the two compounds slightly as more rubber is laid down. There are a few strategy options open: while a one-stopper is entirely possible, a two-stopper might turn out to be quicker, depending on degradation rates, the individual pace of each car and the situation with traffic.” 

The Pirelli strategy predictor:
The strategy is a complex one for the Mexican Grand Prix, with weather conditions expected to be at the forefront of calculations for the 71-lap race. As wear rates are low, one stop is possible, but two stops could well be quicker. The fastest two-stop strategy is: start on soft, change to soft again on lap 23, then medium on lap 46. For a one-stop strategy, it makes no difference to the overall time whether you start on soft or medium. Those starting on soft should change to medium on lap 30, while those starting on medium should change to soft on lap 40.

Fastest compounds in FP3:
1 Rosberg 1m21.083s Soft new
2 Hamilton 1m21.097s Soft new
3 Ricciardo 1m21.201s Soft new
Top 10 tyre use:
Rosberg 1m19.480s Soft new
Hamilton 1m19.668s Soft new
Vettel 1m19.850s Soft new
Kvyat 1m20.398s Soft new
Ricciardo 1m20.399s Soft new
Bottas 1m20.448s Soft new
Massa 1m20.567s Soft new
Verstappen 1m20.710s Soft new
Perez 1m20.716s Soft new
Hulkenberg 1m20.788s Soft new

alt

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2015 Mexican Grand Prix – Practice Sessions

NEW ASPHALT CREATES A SLIPPERY SURFACE WITH LITTLE GRIP
DURING OPENING FREE PRACTICE SESSIONS

 VARIABLE AMBIENT AND TRACK TEMPERATURES, WITH SOME SPOTS OF RAIN
DURING FP2: MORE RAIN POSSIBLE FOR QUALIFYING AND RACE

 MAJOR TRACK EVOLUTION HAS A SIGNIFICANT IMPACT ON THE TIMES DURING
BOTH SESSIONS

 A new track always creates unique challenges, with fresh asphalt frequently offering little grip due to oil in the tarmac rising to the surface, and no rubber previously laid down to enhance adhesion.

These factors meant that it was difficult for the drivers to find grip today: a situation that was complicated by the variable track and air temperatures, which culminated in light rain during FP2. Over the course of the afternoon session, the track temperature dropped by eight degrees, making it very hard for the teams to get an accurate read on tyre behaviour.

The weather in Mexico seems to be equally uncertain for the rest of the weekend, with a possibility of rain for qualifying and the race. All four compounds were run today, although only Williams driver Valtteri Bottas used the Cinturato Blue full wet for an installation lap in FP1. The intermediate, medium and soft tyres were used extensively, with the soft tyre proving to be more than two seconds per lap faster than the medium. This was due to the high degree of track evolution seen today, combined with the effect of rain in the FP2 session. The asphalt in Mexico has a very closed surface, limiting the permeability of the surface.

As usual, the drivers completed longer runs during FP2 on both slick tyre compounds: although it remains to be seen how useful this information will turn out to be. Establishing tyre temperature was one of the biggest challenges, but as the circuit rubbers in and evolves, this will become easier. Toro Rosso’s Max Verstappen was fastest in FP1 on the medium tyre: with nearly seven seconds separating the fastest from the slowest car. In FP2, Mercedes driver Nico Rosberg was quickest on the soft tyre: more than four seconds faster than Verstappen in the morning. 

Paul Hembery, Pirelli Motorsport Director: “Today was all about grip and track evolution. As usual on a new surface, there’s a very shiny new top layer of oil and grease that makes it very hard to find traction. As time goes on, the top of the surface eventually gets grated away and more rubber is laid down: but this doesn’t happen instantly. The weather today didn’t help either with very variable temperatures and then rain at the end of FP2. So this has made what’s already a very hard job for the teams in preparing for a new track even more difficult, because there isn’t enough consistent information to get an accurate picture of what conditions will be like for the rest of the weekend. However, these challenging circumstances bring out the best in Formula One, with the teams having to make the most of limited information to extract the best possible performance. Even though today was just free practice, the atmosphere was absolutely incredible: the stadium section in particular is set to be a highlight of the lap on race day.”

FP1: FP2:
1.Verstappen 1m25.990s Medium used 1.Rosberg 1m21.531s Soft new
2.Kvyat 1m26.295s Medium used 2.Kvyat 1m21.776s Soft new
3.Raikkonen 1m26.295s Medium used 3.Ricciardo 1m21.868s Soft new

Tyre statistics of the day:

Soft Medium Intermediate Wet
kms driven * 1342 2727 558 4
sets used overall ** 19 55 22 1
highest number of laps ** 30 27 11 1

* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined.
** Per compound, all drivers combined.

Pirelli fact of the day:
Lewis Hamilton registered a speed of 362.3kph on the speed trap in FP1. This is fractionally faster than Red Bull’s Daniel Ricciardo managed at Monza last year, when he set a benchmark of 362.1kph. Even though the cars run high wing angles in Mexico, the reduced air density at 2200 metres above sea level means that drag is minimised – enabling record top speeds.

alt

alt

 

NOVO RECORDE PARA UM F 1?

NOVO RECORDE PARA UM F 1?

 

Felipe Masse e o seu Williams foram os  autores da maior velocidade do ano durante os treinos na Cidade no México - o Williams voou a 364,4 km/h!

 

GUTIERREZ NA HAAS F 1

 

Haas F1 Team anuncia Gutiérrez como piloto de corridas para 2016

 Numa conferência de imprensa realizada na principal sala do Museu Soumaya, o fundador e presidente da Haas F1 Team anunciou Esteban Gutiérrez como piloto de corridas da sua equipa, que realizará a sua estreia no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 em 2016.

Gutiérrez fará equipa com Romain Grosjean, que já tinha sido anunciado pela Haas a 29 de Setembro numa conferência de imprensa na sede dos Estados Unidos da equipa, em Kannapolis, Carolina do Norte. A Haas F1 Team é a primeira equipa americana desde há trinta anos.

Gutiérrez, de vinte e quatro anos, é actualmente o terceiro piloto da Scuderia Ferrari, o parceiro técnico da Haas F1 Team. Gutiérrez juntou-se à Scuderia Ferrari em 2015, depois de passar as temporadas de 2013 e 2014 na Sauber F1 Team, equipa que usa motores Ferrari.

“Conheci o Esteban através da nossa relação com a Ferrari e, depois de verificar o sucesso que lá obteve na sua função, ficou claro que ele era uma excelente escolha para a nossa equipa”, disse Haas. “Ele é jovem e sedento de sucesso, mas não inexperiente. Os seus dois anos de Fórmula 1 dão-lhe uma boa experiência de corrida e ao longo da actual época com a Ferrari como terceiro piloto pôde verificar em primeira mão as metodologias que torna a Ferrari numa potência da Fórmula 1.

Estamos felizes por ter o Esteban no seio da nossa equipa. Com ele e com o Romain temos uma dupla de pilotos forte que nos ajudará a desenvolver o nosso carro e a marcar alguns pontos na nossa temporada de estreia”.

Gutiérrez pilotará pela primeira vez para a Haas F1 Team durante o teste de pré-temporada que se realizará no Circuit de Catalunya, Barcelona, entre os dias 22 e 25 de Fevereiro. O segundo teste será também em Barcelona, entre os dias 1 e 4 de Março, e posteriormente, o Grande Prémio da Austrália será disputado a 20 de Março, em Melbourne.


“Esta é uma excelente oportunidade que decorre do tempo que passei com a Ferrari e eu tirarei o máximo de partido dela”, disse Gutiérrez. “O Gene Haas acredita em mim e eu acredito na filosofia como ele aborda a Fórmula 1. Possuir um lugar num carro competitivo com motores Ferrari é muito especial e eu aprecio a fé que ele tem em mim. Confio que juntos poderemos alcançar grandes resultados”.

Sempre dissemos que procurávamos pilotos experientes e é isso que temos com o Romain e o Esteban”, disse Guenther Steiner, o chefe de equipa da Haas F1 Team. “O Romain disputou mais Grandes Prémios, mas o Esteban tem um conhecimento profundo dos procedimentos da Ferrari. Ele aprendeu com os melhores, no seu papel de terceiro piloto, o que significa que sabe como têm desenvolvido os seus carros actuais. Ele foi muito importante nisso e será de extrema importância no desenvolvimento dos nossos carros, na Haas F1 Team”.

“Esta noite, estamos particularmente orgulhosos da Telmex e da Telcel Racing Team, não apenas pelo automobilismo mexicano, mas também pelo desporto em geral no nosso país”, disse Carlos Slim, o presidente da Telmex-Telcel Racing Team. “Hoje, podemos confirmar o talento e a experiência do Esteban Gutiérrez, que continuará a sua carreira na Fórmula 1 como piloto oficial da Haas F1 Team, com quem estamos muito satisfeitos por podermos iniciar esta nova aventura”.

Gutiérrez iniciou a sua carreira em 2004, ao disputar os três últimos eventos do Challenge Mexicano Max Rotax, em karting. Venceu a competição do Norte do México em 2006 e terminou em quarto no Mexican Grand Nationals. Paralelamente, registou cinco vitórias em cinco corridas na Camkart Challenge Mexico Series.

Em 2007 deu o salto para os monolugares, quando Gutiérrez evidenciou o seu talento na temporada inaugural da Fórmula BMW USA Series. Registou nove pole-position e venceu por quatro vezes, totalizando oito pódios, o que lhe permitiu assegurar o triunfo de Rookie do ano e o segundo lugar do campeonato.

O potencial evidenciado por Gutiérrez na América prosseguiu na Europa, quando integrou a Fórmula BMW Europe Series, em 2008. Com sete vitórias, seis delas consecutivas – Gutiérrez venceu o campeonato. Com dezassete anos, o mais jovem mexicano a vencer um campeonato internacional, Gutiérrez pôde experimentar pela primeira vez um Fórmula 1, testando com a Sauber F1 Team como prémio por ter vencido a competição europeia.


O defeso despertou o interesse da ART Grand Prix, uma das mais importantes equipas das fórmulas de promoção europeias. Juntos competiram em 2009 na Fórmula 3 Euro Series, tendo Gutiérrez registado pódios em Nurburgring, Alemanha, e Dijon, França.

A criação da GP3 Series, em 2010, permitiu a Gutiérrez e à ART Grand Prix imporem-se como a bitola. Registaram cinco vitórias, oito pódios, permitindo a Gutiérrez conquistar o título inaugural a dois eventos do final.

Com dois campeonatos em dois anos, a Sauber F1 Team contratou Gutiérrez para as funções de pilotos de testes e de reserva em 2011. Este papel permitiu a Gutiérrez continuar a competir, subindo à GP2 Series, onde venceu na quarta ronda, em Valência, Espanha. Em 2012, Gutiérrez continuou as suas funções de piloto de testes e de reserva na Sauber enquanto competia na GP2. A sua evolução foi impressionante, dado ter alcançado três vitórias a caminho do terceiro lugar no campeonato.

Depois de verificar o crescimento de Gutiérrez, a Sauber F1 Team apontou-o como piloto de corridas para a temporada de 2013 ao lado de Nico Hulkenberg. Gutiérrez efectuou a sua estreia na Fórmula 1 no Grande Prémio da Austrália em Março de 2013, qualificando-se no décimo oitavo lugar e terminando no décimo terceiro posto, o melhor estreante do plantel. Os seus primeiros pontos chegaram mais tarde, no Grande Prémio do Japão, em Suzuka, ao ver a bandeirada de xadrez no sétimo lugar.

A segunda temporada com a Sauber F1 Team produziu como melhor resultado um décimo segundo posto, conquistado na prova de abertura da temporada de 2014, no Grande Prémio da Austrália. Mas apesar da falta de resultados, a perseverança e o estilo de pilotagem de Gutiérrez despertou o interesse da Scuderia Ferrari. A equipa italiana assinou com ele para desempenhar o papel de terceiro piloto, juntando-se ao tetracampeão de Fórmula 1, Sebastian Vettel, e ao Campeão do Mundo de 2007, Kimi Raikkonen.


Em 2016, o Gutiérrez trará para a Haas F1 Team os seus conhecimentos e a sua capacidade de pilotagem, fortalecendo a parceria técnica com a Scuderia Ferrari.HaasPT FT_15003_Copy

 

BIRD CONQUISTA PRIMEIROS PONTOS

 

BIRD CONQUISTOU OS PRIMEIROS PONTOS DA DS VIRGIN RACING EM
PEQUIM
No coração da capital chinesa, Sam Bird, piloto da DS
Virgin Racing, marcou os seus primeiros pontos da
temporada, no final de uma corrida ganha por Sébastien
Buemi.
Sétimo classificado ao cair da bandeira axadrezada, o britânico
marcou seis pontos. O seu colega de equipa, Jean-Éric Vergne,
terminou a prova fora dos lugares pontuáveis, em 12º.
Ao sagrar-se vencedor do FanBoost, Sam Bird viria a beneficiar de um suplemento de energia de 100 kj
durante a segunda metade da corrida. Largando da 9ª posição da grelha, subiu rapidamente ao 6º lugar,
antes de conhecer um contratempo que o atirou para o 11º posto. O londrino de 28 anos reagiu, no entanto,
no meio do pelotão, efectuando várias ultrapassagens ousadas, progredindo na hierarquia e assegurando
preciosos pontos para a equipa na China.
«Foi uma corrida frustrante,» confessou Bird à chegada. «No entanto, foi bom ter conseguido marcar os nossos
primeiros pontos. Houve sinais positivos, mas espera-nos muito trabalho antes da jornada da Malásia. Gostaria
também de agradecer aos meus fãs, que nos permitiram ganhar o ‘FanBoost’. O apoio que nos deram, a mim
e à equipa, foi verdadeiramente incrível!»
Autor do 12º melhor tempo na qualificação, Jean-Éric Vergne teve também uma prova algo complicada com as
cores da DS Virgin Racing. O francês mostrou-se, contudo, sempre confiante nas performances demonstradas
pelo seu monolugar ao longo de todo o fim-de-semana: «Estivemos muito rápidos na qualificação,» sublinhou
Vergne. «Mesmo assim, foi uma corrida muito difícil para mim. No conjunto, Pequim foi uma experiência
muito simpática com a Fórmula E, mas agora temos que nos assegurar de que tudo irá correr bem dentro de
duas semanas.»
A DS Virgin Racing vai rumar agora em direcção de Putrajaya para o ePrix da Malásia, a 7 de Novembro
próximo. bk1947 SBL7679_Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

 

2015 United States Grand Prix – Race – infographics

 alt

 alt

 

O RANKING DA TITULARIDADE NA F 1

O RANKING DA TITULARIDADE NA F 1

 

A posição do mais novo Campeão de Fórmula 1, o piloto inglês Lewis Hamilton, onde se coloca na galeria dos grandes da F1. Os números não explicam tudo, mas não podem deixar de ser um enorme indicador.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

015 United States Grand Prix – Race

LEWIS HAMILTON WINS AND BECOMES A THREE-TIME CHAMPION AFTER A
RACE CENTRED AROUND TYRE STRATEGY ON A DRYING TRACK

TWO OR THREE STOPS FOR MOST COMPETITORS AT CIRCUIT OF THE AMERICAS,
WITH DIFFERENT TACTICS AT WORK THROUGHOUT THE FIELD

NO DRY RUNNING BEFORE THE RACE AS WELL AS TWO SAFETY CARS
 MAKES TYRE STRATEGY VERY COMPLICATED

 Lewis Hamilton has won the United States Grand Prix and the 2015 World Championship, following an action-packed race that went from wet to dry conditions. All the drivers started on new intermediates, waiting for the right crossover point when the track would be dry enough to move onto slicks. Both Hamilton and his team mate Nico Rosberg, who finished second, completed one opening stint on the intermediates followed by two stints on the soft tyre.

The timing of the pit stops proved to be the key to victory, with the pit wall and drivers having to make tactical calls despite no dry running before the start, which deprived the teams of the usual tyre wear and degradation information.

Two safety cars (as well as two virtual safety cars) shaped the strategy, with Hamilton stopping during the second safety car period – just before the finish – but not during the first safety car period, earlier in the race.

Those who stopped during the first safety car period looked like they had an advantage, but the second safety car period eliminated a large part of that, by allowing those who hadn’t yet stopped to do so while containing the pit lane time loss.

Hamilton emerged from his second and final pit stop in second place, but used the speed advantage of his fresh P Zero Yellow soft tyres to claim the lead from Rosberg, who had started from pole following the qualifying session this morning.

The highest-placed three-stopper was Ferrari’s Sebastian Vettel, who ended up on the podium. Vettel made his second stop onto the medium tyres, rather than the soft tyre used by his direct rivals. However, he then made a third stop during the final safety car, at the same time as Hamilton, having started from 13th on the grid.

With the race start held in wet conditions, there wasn’t the usual obligation to run both slick compounds. Most drivers chose to use the faster soft tyre throughout the dry part of the race, but Vettel was the first of the frontrunners to use the more durable medium.

Force India’s Sergio Perez was the only driver to make the intermediate-soft-medium strategy work, finishing fifth after stopping twice. The Mexican finished ahead of McLaren’s Jenson Button and Toro Rosso driver Carlos Sainz, who went from last following an off in qualifying to sixth at the race finish: also stopping three times. The highest number of pit stops was completed by Sauber’s Felipe Nasr, who was in the pits five times but still finished in a points-scoring ninth.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “After several delays and washouts, we finally got the race we had been waiting for, where the wet conditions at the start added another fascinating tactical variable rather than just being an impediment to the action. As was inevitable with no dry running before the start, the teams had to read and react to the changing situation rather than rely on prior information, so it was the drivers who were able to work with their teams best under these challenging circumstances who won out. Congratulations to Lewis for a well earned third championship title, after a brilliant season. Right to the end, the final outcome of this grand prix was unclear, ensuring a thrilling finale to the race that the fans deserved most of all, after a weekend that is certainly going to be very memorable…” 

Fastest times of the day by compound:

Soft Medium Intermediate Wet
First Rosberg 1m40.666s Perez 1m43.010s Ricciardo 1m54.194s 0
Second Hamilton 1m40.738s Vettel 1m43.403s Alonso 1m55.699s 0
Third Vettel 1m41.330s Kvyat 1m43.728s Rosberg 1m55.790s 0

Longest stint of the race:

 Soft  Alonso             30 laps
 Medium  Perez, Rossi    29 laps
 Intermediate  Rosberg, Ricciardo, Kvyat, Raikkonen, Perez, Hulkenberg, Sainz 19 laps

Truth-O-Meter
We predicted a two-stopper as being the best option for this 56-lap race, but it was hard to predict the exact way that this was going to happen due to a lack of dry running data before the start. Hamilton did indeed stop twice, starting on the intermediates and taking the soft tyres on laps 18 and 43: with a similar strategy adopted by Rosberg.

alt

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

 

 

PIRELLI’S FIRST LAP IN MEXICO

High speeds and long straights resembling Monza, driving sections in the style of Hockenheim’s Motodrom: here is the preview of the new Hermanos Rodriguez Circuit, theatre to the 2015 F1 Mexican Grand Prix, with its hidden technical challenges.
Link:
http://www.pirelliftp.com/share/f1/2015/18_mexico-city/video/PIRELLI_Rodriguez_v3.mp4

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

 

 

PIRELLI’S FIRST LAP IN MEXICO

High speeds and long straights resembling Monza, driving sections in the style of Hockenheim’s Motodrom: here is the preview of the new Hermanos Rodriguez Circuit, theatre to the 2015 F1 Mexican Grand Prix, with its hidden technical challenges.
Link:
http://www.pirelliftp.com/share/f1/2015/18_mexico-city/video/PIRELLI_Rodriguez_v3.mp4

 

HAMILTON VENCE DE NOVO E RENOVA TITULO

 

 Lewis Hamilton alcançou a sua 10ª vitória da época e a 43ª da sua carreira de Fórmula 1, conquistando assim o seu 3º título de campeão no Mundial de Pilotos;

·         Com este resultado, Lewis Hamilton é o 10º piloto a vencer três ou mais títulos e o único inglês a alcançar este feito;

·         Nico Rosberg terminou na segunda posição conquistando o seu 12º pódio da época e o 38º da sua carreira de Fórmula 1;

·         Esta foi a 25ª vez que os Silver Arrows da Mercedes-Benz alcançam a primeira e segunda posição num Grande Prémio de Fórmula 1;

·         A equipa MERCEDES-AMG PETRONAS venceu novamente o Mundial de Construtores e mantém neste momento uma distância de 200 pontos para o segundo classificado. 89P6605_Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Mexican Grand Prix Preview: Mexico City, October 29-November 1, 2015

 FORMULA ONE RETURNS TO MEXICO FOR THE FIRST TIME SINCE 1992: MEDIUM
AND SOFT COMPOUNDS FOR THE AUTODROMO HERMANOS RODRIGUEZ

 WITH NO REAL DATA FROM THE TRACK, PIRELLI AND THE FORMULA ONE TEAMS
HAVE MADE EXTENSIVE USE OF SIMULATION

 A VARIED CIRCUIT, COMBINING FAST STRAIGHTS AND CORNERS LIKE MONZA,
WITH A MORE TECHNICAL STADIUM SECTION REMINISCENT OF HOCKENHEIM

 For the first time in 23 years, Formula One returns to Mexico at a reworked version of the Autodromo Hermanos Rodriguez in Mexico City, named after Mexico’s two most famous drivers: brothers Pedro and Ricardo Rodriguez.
The circuit was originally built in 1962 in a public park, and that is not the only similarity to Monza. There are some fast straights and rapid corners that are quite similar to those of Pirelli’s home track, with the P Zero White medium and P Zero Yellow soft tyres having been nominated for the inaugural Mexican Grand Prix of the modern era.
The current circuit has been heavily revised, but still maintains plenty of the character of the original. However, with no real data from the track, Pirelli has relied instead on computer simulation to prepare for the race and decide which compounds will be most suitable.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “It’s very exciting for us to come to Mexico, to a brand new circuit but one that is steeped in tradition at the same time. Nominating the compounds for a new track is not without its challenges, but simulation – one of the most important areas of growth in Formula One technology recently – is very accurate now, although it’s inevitable that we would incline towards a more conservative choice during the first year at a new track. As always, we are still aiming for two pit stops at the Mexican Grand Prix, but the uncertain weather that is affecting a large part of North America during the next week or so will clearly have a big influence. The track has been designed with overtaking in mind, so together with the different options for strategy that will become clearer during a very important free practice day on Friday, there is clear potential for an entertaining race that allows drivers to move up through the field.”

The biggest challenges for the tyres:
The best-known corner is the fast and long right-hander called Peraltada (the final corner before the pit straight) but only half of the original profile has been retained, for safety reasons. The first half of the original Peraltada has now been replaced with a technical stadium section, similar to Hockenheim.

The circuit has the highest altitude of any Formula One venue all year: this affects both aerodynamics (as the engineers have to put on more wing to get the same effect in the thin air) as well as top speed. The turbocharged cars are expected to exceed 330kph on the 1.3-kilometre straight.

Extreme weather is currently affecting a large part of North America. This makes the weather forecast uncertain over the next few days, with a strong probability of adverse conditions in the aftermath of Hurricane Patricia. 

Last year’s strategy and how the race was won: With the last grand prix at the original circuit held in 1992, this is clearly not relevant. However, the last Pirelli winner at the Autodromo Hermanos Rodriguez was Gerhard Berger for Benetton in 1986, with a zero stop strategy! It was the first win for Berger and for Benetton – which eventually became the current Lotus F1 Team.

Expected performance gap between the two compounds: 1.3 seconds per lap (estimated).

The Pirelli team choose their race numbers: #7, Jorge Alemany, Pirelli F1 engineer
“It was the number I played football with from an early age: it brought me confidence and good results so I started to love it. 7 also looks like an upper case inverted J: the first letter of my name.”

Who we’re following on Twitter this week: @Susie_Wolff. A very different Twitter account to most that you find in Formula One, this chronicles Susie’s life both as a driver and as the wife of one the best known team principals in the sport. It’s a personal look at life behind the scenes of the circus.

The tyre choices so far this year:

P Zero Red P Zero Yellow P Zero White P Zero Orange
Australia Soft Medium
Malaysia Medium Hard
China Soft Medium
Bahrain Soft Medium
Spain Medium Hard
Monaco Supersoft Soft
Canada Supersoft Soft
Austria Supersoft Soft
Britain Medium Hard
Hungary Soft Medium
Belgium Soft Medium
Italy Soft Medium
Singapore Supersoft Soft
Japan Medium Hard
Russia Supersoft Soft
USA Soft Medium
Mexico Soft Medium

alt

alt

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

Com este artigo pode perceber-se um dos problemas da actual F1. Quando Lewis Hamilton ganhou o primeiro título mundial em 2008, 9,08 milhões de telespectadores britânicos viram a corrida live em sinal aberto. Ontem, com o directo apenas em canal pago, as audiências caíram para 1,7 milhões. No fundo, o espectáculo não está pior, deixou antes de ser atraente para 80 por cento dos espectadores - os que não querem pagar extra para ver!


 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2015 United States Grand Prix – Qualifying

 QUALIFYING ABANDONED AS A RESULT OF TORRENTIAL RAIN:
SESSION POSTPONED UNTIL TOMORROW MORNING

LEWIS HAMILTON FASTEST FOR MERCEDES DURING FP3 ON CINTURATO
BLUE FULL WET TYRE

 BETTER WEATHER EXPECTED FOR THE RACE TOMORROW

 The extreme weather that led to the cancellation of FP2 yesterday continued as expected overnight, resulting in qualifying being entirely moved to Sunday for the first time since the 2010 Japanese Grand Prix. Since then, in Australia 2013, Q2 and Q3 were moved to Sunday morning after Q1 took place on Saturday – again as a result of heavy rain.

The qualifying session in Austin was scheduled to take place at 1300 local time, but was then subjected to a series of half-hour delays before being abandoned entirely just before 1600, with no let-up in the weather.

Qualifying has now been rescheduled for 0900 tomorrow at Austin, when conditions are expected to improve considerably: possibly allowing the use of the P Zero White Medium and P Zero Yellow soft tyres that have been nominated for the United States Grand Prix.

The only running to take place today was the hour-long free practice session this morning, during which just the Cinturato Blue tyres were used. Rain fell throughout the session but most drivers still took the opportunity to complete plenty of laps, just in case the order for FP3 was used to form the grid tomorrow.

Hamilton was fastest in the session by eight-tenths of a second over Ferrari’s Sebastian Vettel, with the Force India of Nico Hulkenberg third.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “As an Englishman, I’m something of an expert on rain, so today we saw good weather for ducks – as we say in England – and not such good weather for Formula One cars. But it’s actually not the first time we’ve been in this situation: we successfully ran part of qualifying on Sunday morning in Australia two years ago. Looking on the positive side, the teams managed to run a number of laps on the full wet tyre during free practice this morning – which could yet be useful experience – and the weather is expected to be better tomorrow. Nobody has had much preparation time, but it’s the same for everyone and all the drivers have got a full allocation of new slick tyres for use during the race tomorrow, if conditions allow it. This potentially opens up a few different opportunities for strategy.” 

The Pirelli strategy predictor:

With very little running up to now (just FP1 and FP3, held exclusively in wet conditions) the teams have not had any chance to formulate the ideal slick tyre strategy for the 56-lap race. However, theoretical calculations would indicate that a two-stop strategy is best, as was also the case last year. At the moment, it’s hard to predict the timing of the pit stops as wear and degradation rates are unclear.

Fastest compounds in FP3:
1 Hamilton 1m59.517s Wet used
2 Vettel 2m00.380s Wet used
3 Hulkenberg 2m00.496s Wet used

alt

 alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2015 United States Grand Prix – Practice Sessions

FP2 SESSION CANCELLED: MORE RAIN EXPECTED OVER THE COURSE
OF THE WEEKEND

 NICO ROSBERG GOES FASTEST FOR MERCEDES IN FP1 ON CINTURATO GREEN
INTERMEDIATE TYRE

SOCIAL MEDIA VOTING CAMPAIGN LAUNCHED TODAY BY PIRELLI:
WHICH COLOUR WOULD YOU LIKE NEXT YEAR’S NEW ‘ULTRASOFT’ TYRE TO BE?

 For the third race in succession, Friday’s free practice was characterised by rain, with FP2 cancelled due to the conditions making medical helicopter coverage impossible.

During FP1, both the Cinturato Blue full wet and Cinturato Green intermediates made an appearance at the Circuit of the Americas, with Mercedes driver Nico Rosberg going fastest by more than a second on the intermediate tyre, followed by two Red Bulls. Having started the session on the full wet tyre, all the drivers switched to the intermediate by the end as the track dried.

However, the rain intensified during the afternoon, causing the cancellation of FP2 after a lengthy delay to see whether or not conditions would improve.

Pirelli also launched an innovative social media voting campaign today, inviting people to vote for which colour they would like the new ‘ultrasoft’ tyre proposed for 2016 to be. To vote, just visit Pirelli Sport’s Twitter, Facebook and Instagram channels. 

Paul Hembery, Pirelli Motorsport Director: “We saw another wet Friday, which ultimately led to the cancellation of FP2: something we haven’t experienced yet and a factor that certainly puts the teams on the back foot going into tomorrow. However, it’s obviously just one of those weather events that is exceptional and under nobody’s control. From what we hear, more rain is expected so we’ll just have to wait and see what happens. In the morning, the teams were able to complete the usual long run preparations, as well as looking at crossover points between wet and intermediate, which could be important for the race. Interacting with fans has always been very important to us, so as we all hope for more action tomorrow, we’re very pleased to launch our latest social media campaign today that allows people to get involved by voting for which colour they would like our new ‘ultrasoft’ tyre to be. We’re looking forward to hearing everybody’s feedback.”

FP1: FP2:
1.Rosberg 1m53.989s Inter used Cancelled
2.Kvyat 1m55.224s Inter used
3.Ricciardo 1m55.592s Inter used

Tyre statistics of the day:

Soft Medium Intermediate Wet
kms driven * 0 0 1064 82
sets used overall ** 0 0 19 13
highest number of laps ** 0 0 19 3

* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined.
** Per compound, all drivers combined.

Pirelli fact of the day:

Lewis Hamilton stands on the brink of a third world title this weekend, and if he achieves this, he will become the first British driver to successfully defend a Formula One drivers’ title. In total, 15 British drivers have won the title since the world championship commenced in 1950, but none of them ever won a title back-to-back.

alt

alt

 

A TEMPESTADE DE ONTEM NO GP F1 NOS ESTADOS UNIDOS

A TEMPESTADE DE ONTEM NOS GP ESTADOS UNIDOS

 

Mais de trinta minutos  de atraso na qualificação da F1 no Texas. Button está pronto para tudo. E a chuva não pára. Quanto à Porsche Supercup, a primeira corrida do fim-de-semana continua marcada para as nossas 10 da noite com transmissão em directo no Eurosport Internacional. A qualificação foi anulada e a grelha será definida pelos treinos livres de ontem.

 

 

Texto de João Carlos Costa - www.velocidadeonline.com

 

 

 

SEGUNDO A OPINIÃO DE JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

DRS... versão 1930 (Sunbeam Silver Bullet).

 

DI GRASSI QUASE VENCEU NA CHINA

 

Di Grassi começa bem e quase repete vitória em Pequim

Brasileiro da ABT Schaeffler Audi Sport terminou em segundo na abertura da temporada da Fórmula E, na China

Começou em grande estilo a segunda temporada da Fórmula E. Mais uma vez iniciando o campeonato em torno do Ninho do Pássaro, no circuito de rua de Pequim, na China, a categoria deu o pontapé inicial com várias novidades, como a construção própria dos conjuntos de força formados por motor elétrico e transmissão por parte das equipes, maior potência para a prova (170 kW, contra os 150 da temporada anterior), disputa de Super Pole e algumas mudanças no grid.

Melhor brasileiro no grid, partindo em quarto, Lucas di Grassi quase repetiu a vitória do ano anterior, quando se tornou o primeiro vencedor da história da Fórmula E. O brasileiro da ABT Schaeffler Audi Sport foi o segundo colocado no traçado chinês. A primeira corrida da temporada 2015-2016 foi disputada neste sábado (24) e teve vitória do atual vice-campeão Sébastien Buemi, confirmando a superioridade do conjunto da Renault e.Dams.

"Acho que o melhor que poderíamos esperar hoje era um terceiro lugar, já que os dois carros à frente eram muito velozes. Mas a nossa parada de box foi muito boa, o time trabalhou de uma maneira excelente e conseguimos subir ao segundo lugar. É um bom começo para o campeonato, mas ainda temos muito a fazer", ponderou Lucas.

"É sempre muito bom começar uma nova temporada no pódio. O troféu de segundo lugar é uma ótima recompensa por todo o trabalho duro dos mecânicos, engenheiros e patrocinadores, que não tiveram descanso no verão europeu", disse o terceiro colocado da última temporada.

A segunda etapa da temporada 2015-2016 da Fórmula E acontece dentro de duas semanas, no dia 7 de novembro, em Putrajaya, na Malásia. "Hoje nós vamos comemorar, mas amanhã vamos voltar ao trabalho e focar ainda mais para diminuir a diferença que nos separa dos concorrentes", concluiu o brasileiro.

Resultado do e-Prix de Pequim
Top-5
1-) Sébastien Buemi (SUI) - Renault e.Dams - 26 voltas em 50min08s335
2-) LUCAS DI GRASSI (BRA) - ABT Schaeffler Audi Sport - a 11s006
3-) Nick Heidfeld (ALE) - Mahindra Racing - a 15s681
4-) Loïc Duval (FRA) - Dragon Racing - a 16s009
5-) Jérôme D’Ambrosio (BEL) - Dragon Racing - a 16s514

Vote em Lucas di Grassi no FANBOOST da Fórmula E:FanBoost Formula E

Curta Lucas di Grassi no Facebook: Lucas di Grassi Official

Siga Lucas di Grassi no Twitter: @lucasdigrassi

E também no Instagram: @lucasdigrassi

Conheça a categoria em: www.fiaformulae.com



ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Lucas di Grassi começa a temporada no pódio da Fórmula E
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Brasileiro foi o segundo colocado na prova deste sábado (24) em Pequim
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Piloto andou sempre entre os primeiros e mostrou ritmo forte durante a etapa
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Graças a ritmo forte e boa parada nos boxes, Lucas ganhou posições
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
O pódio da etapa, com vitória de Sébastien Buemi, da Renault e.Dams
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
"Hoje vamos comemorar, mas amanhã vamos voltar a trabalhar mais duro ainda", diz
Alta | Web

ABT Schaeffler Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Lucas di Grassi é patrocinado por Eurobike, Qualcomm, TAG Heuer, KNM e Laureus
Alta | Web

 

SERÁ ESTE O NOVO HABITÁCULO PARA A F1?

SERÁ ESTE O NOVO HABITÁCULO PARA A F1?

 


 

LUCAS DI GRASSI NA FORMULA E

 

Em palco de vitória inaugural, Lucas di Grassi inicia segunda temporada da Fórmula E

O e-Prix de Pequim abre o campeonato 2015-2016 da categoria dos carros elétricos no próximo sábado (24)

Começa neste sábado (24) a segunda temporada da história da Fórmula E, a primeira categoria movida a eletricidade sancionada pela FIA. E o palco onde se abre o campeonato 2015-2016 é o mesmo onde Lucas di Grassi fez história há pouco mais de um ano: o circuito de 3.349 metros que rodeia o Ninho do Pássaro, estádio olímpico da capital chinesa, onde o brasileiro da Audi Sport ABT Schaeffler venceu a corrida inaugural da série.

Para o campeonato que se inicia, algumas novidades em relação à temporada inaugural. Se antes todos os carros seguiam um mesmo padrão - mesmo fabricante para todas as equipes -, agora o regulamento permite que os times produzam seu próprio trem-de-força, que é o conjunto formado por transmissão, câmbio e motor elétrico, estendendo-se também à suspensão traseira.

Os cinco dias de treinos da pré-temporada em Donington Park, na Inglaterra, mostraram que os times estão bem preparados e que também trazem diferentes soluções para a liberdade que o regulamento concedeu para os times. No caso da Audi Sport ABT Schaeffler, equipe defendida por Lucas di Grassi e pelo alemão Daniel Abt, o carro tem três marchas - enquanto outras equipes usam quatro, duas, ou apenas uma.

"Estou tão ansioso como estava para o início da primeira temporada. Temos um novo pacote tecnológico com o nosso motor elétrico, a caixa de câmbio e outros desenvolvimentos que fizemos nos meses mais recentes. As impressões durante os testes foram absolutamente positivas - tanto em velocidade como em confiabilidade", destacou Di Grassi.

No caso do time do brasileiro, que lutou pelo título até a etapa final e terminou o campeonato em terceiro, os prognósticos são interessantes. Lucas estabeleceu um novo recorde no tempo de volta para a Fórmula E no traçado de Donington durante os testes.

O e-Prix de Pequim tem transmissão ao vivo pelo canal Fox Sports no Brasil. Pelo horário de Brasília, a classificação acontece às duas horas da madrugada; 45 minutos depois, uma novidade na categoria: a disputa da Super Pole, quando os melhores colocados dos grupos classificatórios definem a pole position e as primeiras posições no grid. As duas sessões serão transmitidas ao vivo. A largada para 26 voltas de corrida será dada às seis horas da manhã de sábado (24), também pelo Fox Sports.

 



Audi Sport ABT
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Vencedor da etapa inaugural, Lucas di Grassi abre a segunda temporada da F-E
Alta | Web

Audi Sport ABT
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
O Audi ABT Schaeffler 01, carro da equipe do brasileiro na temporada 2015-2016
Alta | Web

Audi Sport ABT
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Equipes agora têm o próprio sistema de motor elétrico e transmissão
Alta | Web

Audi Sport ABT
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Corrida terá transmissão ao vivo pelo Fox Sports no Brasil às 6h deste sábado
Alta | Web

 

DS VIRGIN PRONTA

 

DS VIRGIN RACING PRONTA PARA O ARRANQUE DA SEGUNDA TEMPORADA DE FÓRMULA E

 

 

DS VR_Neon_Final_Front_3-4_CopyA DS Virgin Racing vai lançar-se ao ataque das ruas de Pequim daqui a uma semana com um novo piloto, novos parceiros, um novo grupo motopropulsor e o máximo de energia! Para o tiro de partida da segunda temporada, o Campeonato FIA de Fórmula E irá reencontrar as ruas de Pequim a 24 de Outubro. A equipa DS Virgin Racing terá por ambição começar da mesma forma como terminou a época passada. No encerramento do primeiro exercício, Sam Bird brilhou em casa, ao conquistar a Final de Londres. O britânico vai querer continuar a progredir, apoiando-se numa temporada inaugural prometedora, pontuada por uma outra vitória, na Malásia. Fará equipa com um novo recruta da DS Virgin Racing, o francês Jean-Éric Vergne. Com a chegada da DS, o monolugar exibe novas cores para esta segunda temporada. Sumptuoso, o novo design representa a integração dinâmica da Marca DS e as cores características da Virgin. As cores vermelho e cromado mantêm-se, enquanto o logo DS se destaca orgulhosamente nos pontões laterais de fundo negro. A Hewlett Packard Enterprise exibe-se, igualmente, nos flancos da viatura, e a cobertura traseira mantém o violeta da primeira temporada. As mudanças não se limitam à decoração. As evoluções da regulamentação técnica permitiram às equipas – incluindo a DS Virgin Racing – desenvolver as suas próprias motorizações eléctricas para a segunda temporada. A DS Performance concebeu, assim, o grupo motopropulsor, com o intuito de aumentar a eficiência da viatura e aproveitar, deste modo, o aumento de potência autorizado para esta segunda temporada, que passa dos 150 kW para 170 kW. Este novo conjunto revelou-se muito fiável nos testes estivais, se bem que é preciso esperar pelas primeiras voltas em condições reais nas ruas de Pequim para julgar a sua real performance. Ao mesmo tempo, o denominado Fanboost foi repensado, pelo que os fãs da equipa poderão votar no Sam ou no Jean-Éric até ao sexto minuto da corrida, de modo a de permitir-lhes beneficiar de 100 kJ de energia suplementar. «Terminar a última temporada ganhando em Londres foi um momento muito especial,» declarou Sam Bird, em vésperas da jornada chinesa. «Espero que possamos continuar com este elã, para iniciarmos bem esta nova campanha. No ano passado foi também um grande acontecimento subir ao pódio, aqui em Pequim. Desta vez, irei tentar subir um, ou mesmo dois, degraus suplementares!» «Sinto-me muito orgulhoso por me ter juntado à DS Virgin Racing e sinto-me impaciente por chegar a Pequim e iniciar esta temporada da melhor forma possível,» acrescentou Jean-Éric Vergne. «Não corri nesta pista no ano passado, pelo que será interessante descobri-la e viver uma experiência nova e única num traçado urbano.» «A temporada passada passou a uma velocidade incrível,» relembra Alex Tai, Director de Equipa da DS Virgin Racing. «Por esta mesma altura, em 2014, estávamos a entrar num domínio relativamente desconhecido, o do desporto automóvel eléctrico. Aprendemos bastante ao longo desta época inaugural e reforçámos a nossa equipa. Penso que nos associámos a grandes talentos, na pista e nas boxes. Juntando tudo isto à experiência adquirida durante a primeira temporada, é razão para me sentir confiante quanto às nossas hipóteses de conseguirmos uma grande performance logo desde o arranque da época, em Pequim.» «Após o anúncio da nossa nova parceria com a Virgin Racing, em Junho passado, os últimos meses foram excitantes para a Marca.» declara Yves Bonnefont, Director-Geral da DS. «Acabámos de festejar o 60º aniversário da DS e seria fantástico continuar estas celebrações com uma corrida memorável, ainda para mais na China, que é um mercado muito importante para nós.»

 

DI GRASSI NA FÓRMULA E

 

Eurobike e Lucas di Grassi: parceria renovada e estendida

Concessionária de veículos premium continua apoiando o piloto brasileiro, agora também em sua campanha na Fórmula E

Lucas di Grassi e Eurobike formam uma das parcerias mais longevas do automobilismo brasileiro nos últimos anos. Juntos desde 2008, piloto e empresa celebram a extensão do acordo de patrocínio ao também apoiar o brasileiro na temporada 2015-2016 da Fórmula E, o primeiro campeonato mundial de carros 100% movidos a eletricidade, e chancelado pela Federação Internacional do Automóvel (FIA).

O paulistano de 31, piloto da Audi no Campeonato Mundial de Endurance (FIA WEC), já contava com o apoio da empresa na temporada das corridas de longa duração. Levando em seu macacão e capacete a marca Eurobike, Lucas conquistou dois pódios na mais importante corrida de endurance do planeta: as 24 Horas de Le Mans, onde foi terceiro colocado em 2013 e segundo em 2014, repetindo o melhor resultado geral de um brasileiro na prova.

Na Fórmula E, Lucas é o primeiro vencedor da história da categoria e terminou o campeonato em terceiro lugar. Agora, a Eurobike apoiará Di Grassi também no campeonato dos carros elétricos.

"A Eurobike é uma das empresas mais inovadoras do mercado automotivo e a Fórmula E representa uma grande oportunidade, já que se trata de uma categoria que é o futuro do automobilismo, bem como da mobilidade urbana no planeta. A Eurobike dá um primeiro passo no Brasil ao me acompanhar também nesta jornada e, desde 2008 estamos juntos evoluindo, passando da GP2 para a Fórmula 1, depois o Mundial de Endurance e agora a Fórmula E", diz o piloto.

Presente em nove cidades com 26 concessionárias, a Eurobike é líder em vendas de veículos premium no país e comercializa várias marcas de carros e motocicletas como Audi, BMW (autos e motos), Jaguar, Land Rover, MINI, Porsche, Triumph e Volvo.
Segundo Henry Visconde, presidente do Grupo Eurobike, é um prazer poder contar por mais um ano com a parceria de Lucas. "O objetivo da Eurobike é estar sempre próximo dos esportes que ligam automobilismo e velocidade à nossa marca, já que fazemos parte de uma empresa guiada pela emoção", afirmou o executivo.

Um relacionamento que se sustenta há quase oito anos. "Só tenho a agradecer por alimentarmos uma parceria tão longeva, sem deixar de destacar que a Eurobike evolui cada vez mais, inovando, e agora me apoiando também na Fórmula E", reforça Lucas.

"O potencial do Di Grassi é o fator essencial para estarmos cada vez mais presentes neste universo", conclui Visconde.


Lucas di Grassi é patrocinado por Eurobike, TAG Heuer, Qualcomm e KNM

 

 

Shiv Gohil/Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Eurobike e Lucas di Grassi: parceria renovada e estendida
Alta | Web

Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Brasileiro já carrega a marca da Eurobike no Mundial de Endurance
Alta | Web

Audi Sport ABT
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Lucas di Grassi levará a marca também na Fórmula E
Alta | Web

Audi Sport
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Parceria entre o piloto e a concessionária de veículos premium já dura 8 anos
Alta | Web

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

United States Grand Prix Preview: Austin, October 22-25, 2015

P ZERO WHITE MEDIUM AND P ZERO YELLOW SOFT COMPOUNDS FOR UNITED STATES GRAND PRIX, AS WAS THE CASE IN 2014

A WIDE RANGE OF CORNERS AND ELEVATIONS PROVIDES AN ALL-ROUND CHALLENGE FOR THE TYRES

 AMBIENT TEMPERATURES VARIABLE IN TEXAS AUTUMN, LEADING TO FLUCTUATIONS IN TRACK TEMPERATURE

f1 Copyf2 CopyInaugurated in 2012, the Circuit of thef3 Copyf7 Copyf8 Copyf9 Copyf6 CopyAmericas is the 10thvenue to have hosted a Formula One grand prix in the United States, and it has proved to be extremely popular since its inception. The track is well known for its spectacular elevation changes of up to 40 metres, with an uphill run to the distinctive Turn 1, which is a hairpin bend and the signature corner. The track contains an ample variety of corners, which incorporate some of the best elements from other circuits, making it a wide-ranging challenge that tests every aspect of tyre performance. The weather is equally variable, with warm conditions common during the afternoon but frequently cool temperatures in the mornings, making it reasonably hard to get an accurate read on track conditions. This year, as was the case in 2014, the versatile medium and soft P Zero tyres have been nominated.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “The United States always offers us a very warm welcome and a fantastic race weekend. Like all the other stakeholders in Formula One, America is a crucial market for us so it’s very important for us to have a race there. It’s a track that contains a bit of everything in terms of what it asks from the tyres, so we’ve brought the soft and medium compounds, which are versatile enough to cope with a wide range of demands and weather conditions. With the driver’s championship entering a decisive phase there’s obviously going to be a lot of attention on the race, and we can think of no better place to showcase Formula One. The track configuration and tyre choice offer plenty of opportunities for overtaking and strategy, with a reasonably short pit lane time loss too, so we could be on for quite an unpredictable race, which is what people want to see. It’s rarely an open and shut competition, as we saw from the wide variety of strategies used last year.”

The biggest challenges for the tyres:
In total there are 20 quite varied corners, including a tricky uphill braking area for the unusual turn one (the highest point of the track), giving the anticlockwise circuit a distinctly different feel for the drivers. The track limits are deliberately wide at the corners, in order to encourage different lines and provide opportunities for overtaking.

There are three long straights that tend to cool down the tyres, making the braking areas critical, as tyre temperature will have dropped slightly. This also then affects the turn-in into fast corners, as the compound has to get back up to temperature very quickly. In the past, track temperatures have varied from 18 to 37 degrees centigrade within one day, making tyre temperature management a vital skill.

The set-up tends to be medium downforce with an emphasis on mechanical grip from the tyres; especially at the front to aid a rapid turn-in during the fast direction changes that characterise the first half of the lap. There is roughly 60% full throttle and 10 braking events: about average for the season.

Last year’s strategy and how the race was won: Lewis Hamilton won for Mercedes from second on the grid with a two-stop strategy (in previous years, the winning strategy in Austin was a one-stopper). He started the 56-lap race on the soft tyre and then pitted for mediums on laps 16 and 33, although an early safety car affected his strategy.

Expected performance gap between the two compounds: 0.8 seconds per lap.

The Pirelli team choose their race numbers: #13, Greg Thomas, GP2 engineer
“That’s easy: 13. It’s often avoided in the motorsport world as people think it’s unlucky. But I believe that you make your own luck. And in Italy and China, 13 is considered as a lucky number anyway!”

Who we’re following on Twitter this week: @baronvonclutch. The ‘Baron’ is a prolific motoring and F1 tweeter, who somehow manages to gain access to behind the scenes photos and news, coupled with his own amusing observations. Definitely worth a look for an alternative view of Formula One.

The tyre choices so far this year:

P Zero Red P Zero Yellow P Zero White P Zero Orange
Australia Soft Medium
Malaysia Medium Hard
China Soft Medium
Bahrain Soft Medium
Spain Medium Hard
Monaco Supersoft Soft
Canada Supersoft Soft
Austria Supersoft Soft
Britain Medium Hard
Hungary Soft Medium
Belgium Soft Medium
Italy Soft Medium
Singapore Supersoft Soft
Japan Medium Hard
Russia Supersoft Soft
USA Soft Medium

alt

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

PIRELLI ANNOUNCES TYRE CHOICES TO END OF SEASON

  Pirelli has completed its tyre nominations for the 2015 season, with the choices for the last four races now revealed.

For the United States and Mexico – the two back-to-back grands prix coming up – the P Zero White medium and P Zero Yellow soft tyres will be used. For Austin, this is the same nomination as last year, while simulation data has indicated that this will also be the best choice for the brand new Mexico City circuit.

The Brazilian Grand Prix at Interlagos will have the medium and soft tyres as well, as was the case in 2014. This should provide a range of strategy options and between two and three pit stops for most competitors, with conditions which could also be as hot as they were in Sao Paulo last season.

Finally, the P Zero Yellow soft and P Zero Red supersoft have been selected for Abu Dhabi: again, the same selection as 2014, on a smooth and varied circuit that the teams know well from previous testing.

The tyre choices so far:

P Zero Red P Zero Yellow P Zero White P Zero Orange
Australia Soft Medium
Malaysia Medium Hard
China Soft Medium
Bahrain Soft Medium
Spain Medium Hard
Monaco Supersoft Soft
Canada Supersoft Soft
Austria Supersoft Soft
Britain Medium Hard
Hungary Soft Medium
Belgium Soft Medium
Italy Soft Medium
Singapore Supersoft Soft
Japan Medium Hard
Russia Supersoft Soft
USA Soft Medium
Mexico Soft Medium
Brazil Soft Medium
Abu Dhabi Supersoft Soft
 

A PUBLICIDADE SEM LIMITES DA MERCEDES

A PUBLICIDADE SEM LIMITES DA MERCEDES

 

POR CAUSA DO 2º TITULO DE CONSTRUTORES NA FÓRMULA 1

 

A MERCEDES RENOVOU O TITULO DE CAMPEÃ

 

A equipa da Mercedes da Fórmula 1 repete publicidade ao vivo com todos os que ajudaram na conquista do "bi". Um golpe de génio!

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2015 Russian Grand Prix – Race – Infographics

alt

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

LEWIS HAMILTON WINS WITH A ONE-STOP STRATEGY FROM SECOND
ON THE GRID, RUNNING LONGER ON THE SUPERSOFT THAN THE SOFT

LOW WEAR AND DEGRADATION IN COOL CONDITONS: JUST ONE STOP
FOR MOST OF THE DRIVERS, WHO WERE ABLE TO PUSH CONSTANTLY

PIRELLI HAS REACHED COMMERCIAL DEAL TO REMAIN IN FORMULA ONE
UNTIL 2019. FORMAL FIA PROCEDURE WILL FOLLOW

Mercedes driver Lewis Hamilton has won an eventful Russian Grand Prix with a one-stop strategy. The Englishman started on the supersoft and then switched to the soft on lap 32, meaning that he spent more of the race on the supersoft tyre than the soft after starting from second on the grid. This was made possible by two safety car periods in the first part of the race. It was Hamilton’s 42nd win, equalling the recent total of Sebastian Vettel, and puts him close to another driver’s title at the next race.

As has been the case all weekend in Russia, conditions were quite cool with low track temperatures that made tyre warm-up an essential part of the race strategy.
All the drivers used the supersoft tyres at the race start apart from Pastor Maldonado (Lotus), Felipe Massa (Williams), Marcus Ericsson (Sauber) and Fernando Alonso (McLaren).

A number of drivers – but not the leaders – took advantage of the second of two safety cars (from lap 11 onwards) to make a pit stop, with Force India’s Sergio Perez emerging as the top contender of those who stopped under the second safety car. In the end, the Mexican finished third from seventh on the grid, having managed his tyres very effectively all the way to the finish.

The Toro Rosso of Carlos Sainz was forced to start from the back as the Spaniard missed qualifying due to his accident in FP3. Using a clever one-stop strategy allied with a strong race pace, he was able to climb into a points-scoring seventh place before retiring as a result of mechanical issues with six laps to go.

The low wear and degradation meant that the majority of drivers adopted a one-stop strategy: the default tactics in Russia because of the smooth asphalt surface. The two safety cars also increased stint lengths.

Before the start of the race, the news emerged that Pirelli has concluded a commercial deal to remain in Formula One for the 2017-2019 period. More details will follow as per the procedure laid down by the FIA: the governing body of world motorsport.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “First and foremost, we’re delighted to confirm that we reached a commercial agreement with Bernie Ecclestone to remain in Formula One for the 2017-2019 period. The process to the formal FIA official nomination will follow with its procedure.
Looking at the race, with very little practice time and therefore tyre information, the drivers and strategists had to think on their feet, reading the race carefully in order to react to changing situations in real time. It’s a testimony to the high level at which Formula One operates that they all rose to this unique challenge with no real issues. We saw a variety of different strategies, and some very effective tyre management that helped many drivers move up the field in an action-packed race.”

Fastest times of the day by compound:

Supersoft Soft Intermediate Wet
First Mas 1m40.881s Vet 1m40.071s  0 0
Second Ham 1m41.336s  Rai 1m40.294s  0 0
Third Mal 1m41.520s  Ham 1m40.573s  0 0

Longest stint of the race:

Supersoft Fernando Alonso (40 laps)
Soft Sergio Perez (41 laps)
Jenson Button (41 laps)

Truth-O-Meter

We predicted a one-stopper as the most likely winning scenario for the 53-lap race, and this is exactly what Hamilton chose. Our prediction said that after starting on supersoft, it would be quickest to stop for soft during a window from lap 18-22. Hamilton made his stop after 32 laps  without losing the lead, with the pit stop windows having been stretched by the appearance of two safety cars.

The full pit stop summary is available in the attached pdf document.

alt

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

NICO ROSBERG TAKES POLE IN SOCHI ON SUPERSOFT TYRES

DRIVERS HEADED INTO QUALIFYING WITH VERY LITTLE RUNNING,
DUE TO INTERRUPTED PRACTICE SESSIONS

AROUND 1.1 SECONDS BETWEEN SOFT AND SUPERSOFT COMPOUNDS

Mercedes driver Nico Rosberg has set pole for the Russian Grand Prix using the Pirelli P Zero Red supersoft, which helped to eclipse last year’s pole (achieved on soft tyres) already during the opening runs of Q2.

This was despite the fact that there was very little running during all three free practice sessions. As a result, the teams had minimal information about tyre wear and degradation heading into qualifying, leading to several question marks about race strategy. The Sochi track is smooth and offers low grip, with any rubber that had been previously laid down on the track washed away by rain yesterday afternoon. Vettel and Nasr had not even run on the supersoft before Q1.

Ambient and track conditions remained cool all day, meaning that one of the biggest challenges was to get enough heat into the tyres on the slippery surface. As the lap times showed, most drivers managed to do this successfully.

Only the two Mercedes drivers managed to get through Q1 using the soft compound only, setting first and third fastest times thanks to Rosberg and Lewis Hamilton respectively.

From Q2 onwards, all the drivers used the supersoft tyres only, which are currently around 1.1 seconds per lap faster than the soft compound. Mercedes were again the fastest team on the red compound, maximising warm-up and performance.

Rosberg set his pole time on his final run in Q3 as the track got faster, beating Hamilton – who will line up second on the grid ahead of Williams driver Valtteri Bottas.

The final free practice session this morning was interrupted with 20 minutes to go following an accident to Toro Rosso driver Carlos Sainz. Rosberg had been fastest on the supersoft tyres at the time the session was stopped. The resulting barrier repairs forced the cancellation of the GP3 race – which again limited the amount of rubber that was on track prior to F1 qualifying.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “The most important thing about today was the fact that Carlos Sainz is OK after his incident this morning. Everything else is of secondary importance. Clearly all the teams were on the back foot heading into qualifying, as there was very little clean practice time yesterday and today. As a result, there are big question marks about the optimal race strategy – especially as we have never raced here with the supersoft compound before.”

The Pirelli strategy predictor:

Because the teams did not complete many laps of dry running in free practice, it is hard to have a precise indication of strategy for the 53-lap race. However, many teams may choose a one-stop strategy owing to the low wear and degradation levels at Sochi. In which case, the fastest strategy would be to start on the supersoft and then switch to the soft between laps 18 and 22. However some teams wouldn’t discount a two stop strategy, especially if race conditions turn out to be warmer”.

Fastest compounds in FP3:
1 Rosberg  1m38.561s  Supersoft new
2 Bottas   1m39.287s  Supersoft new
3 Hamilton   1m39.363s  Supersoft new
Top 10 tyre use:
Rosberg   1m37.113s  Supersoft new
Hamilton   1m37.433s  Supersoft new
Bottas   1m37.912s  Supersoft new
Vettel   1m37.965s  Supersoft new
Raikkonen   1m38.348s  Supersoft new
Hulkenberg   1m38.659s  Supersoft used
Perez   1m38.691s  Supersoft used
Grosjean   1m38.787s  Supersoft new
Verstappen   1m38.924s  Supersoft new
Ricciardo   1m39.728s  Supersoft new

alt

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

FELIPE MASSA SETS FASTEST FP2 TIME ON FULL WET TYRE.
NICO HULKENBERG FASTEST IN FP1 ON SOFT COMPOUND

SUPERSOFT – NOMINATED FOR THE FIRST TIME IN RUSSIA – YET TO RUN DUE
TO SOLID RAIN IN THE AFTERNOON

BETTER WEATHER EXPECTED FOR THE REMAINDER OF THE WEEKEND, MEANING
THAT TEAMS WILL FOCUS RACE PREPARATIONS ON TOMORROW

 Felipe Massa went fastest in the second free practice session using the Cinturato Blue full wet tyre, while the quickest time of the day was set by Force India’s Nico Hulkenberg in FP1 on the soft tyre.

This is the first Russian grand prix in which the P Zero Yellow soft and P Zero Red supersoft tyres have been nominated, but the softest tyre in the range is yet to be used: meaning that the team will have a busy morning tomorrow.

The two free practice sessions in Russia were both disrupted for separate reasons: a diesel spillage, which was covered in water, caused a half-hour delay to the start of FP1 while there was continuous rain throughout FP2, which meant that only seven drivers chose to set a time and some did not come out at all.

For most of the FP2 session, the track was very wet in some places and much drier in the others, making the tyre choice very complex. However, with rain falling more intensely towards the end of the hour and a half session, the track became extremely wet everywhere. As a result, the teams chose not to run extensively, because better weather is predicted for the rest of the weekend that will be more representative of race conditions.

In the morning, Force India topped the FP1 classification for the first time, with Nico Hulkenberg using the soft tyre to go fastest on his final lap of the session. Most drivers started FP1 on the intermediate tyre, to cope with the damp patch on the track, but some also used the full wet. The full wet was used from start to finish of FP2.

During the day, every single tyre in the range was used with the exception of the supersoft. However, the weather and track conditions meant that no representative lap times were set all day, with the times a long way off last year. As a result, the teams will have plenty of work to do to prepare strategy and assess wear and degradation rates in FP3 tomorrow.

Paul Hembery, Pirelli Motorsport Director: “It was a largely inconclusive day in Russia. However, that’s just part of racing and we’ve seen before that less practice time can often lead to a more unpredictable qualifying and race. The surface of the track has not evolved considerably since last year, with the newness of the asphalt meaning that it’s not as porous as more established venues, so the water remained on the track for a while. It’s a shame for the fans that they didn’t get to see more running at this fantastic circuit, but with better weather expected over the rest of the weekend, we should be in for an exciting couple of days ahead. Tomorrow, the teams will be left with a very big workload in FP3 as they prepare for qualifying and the race in just one hour of what we expect to be dry running.”

FP1: FP2:
1.Hulkemberg  1m44.355s  Soft new 1.Massa  2m00.458s  Wet used
2.Rosberg   1m44.407s  Soft new 2.Vettel  2m00.659s  Wet used
3.Vettel  1m44.986s  Soft new 3.Bottas  2m00.688s  Wet used

Tyre statistics of the day:

Supersoft Soft Intermediate Wet
kms driven *  0  1071  298  473
sets used overall **  0  20  18  14
highest number of laps **  0  15  8  12

* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined.
** Per compound, all drivers combined.

Pirelli fact of the day:

The original Russian Grand Prix was actually held 102 years ago, in St Petersburg, won by local man Georgy Suvorin in a Benz. The race was run again the following year, this time won by German driver Willy Scholl in another Benz. The first project for a modern grand prix in Russia was launched in the 1980s under the title of ‘The Grand Prix of the Soviet Union’, planned for a circuit near Moscow, but this never came to fruition – until the current Russian Grand Prix was inaugurated in 2014 in the Sochi Olympic Park.

alt

alt

 

MERCEDES JÁ É CAMPEÃ DO MUNDO NA F 1

 

Grande Prémio da Rússia entrega título de Campeão à equipa da Mercedes-AMG PETRONAS

 

lewis3 CopyLewis Hamilton_1_CopyLewis Hamilton_Copy• Lewis Hamilton conquistou o seu segundo Grande Prémio da Rússia, tornando-se assim no nono condutor a alcançar duas vitórias consecutivas num circuito novo; • Com esta vitória a equipa da Mercedes-AMG PETRONAS conquistou o título de Construtores pela segunda vez consecutiva; • Com este resultado Lewis Hamilton alcança a sua 9ª vitória esta época e a 42ª da sua carreira, igualando Sebastian Vettel; • Nico Rosberg iniciou a corrida na primeira posição mas foi obrigado a desistir na 7ª volta; • A equipa MERCEDES-AMG PETRONAS continua a liderar o Campeonato de Construtores com uma diferença de 172 pontos para o segundo classificado; • Lewis Hamilton mantém a liderança do Campeonato de Pilotos por 66 pontos para Vettel e 73 para Rosberg Pilotos Chassis No. Grelha Resultado Volta + rápida Lewis Hamilton F1 W06 Hybrid/05 P2 P1 1:40.573 Nico Rosberg F1 W06 Hybrid/01 P1 DNF 1:43.133 Estratégia Início Stop 1 No. 44 SuperSoft (Usado) Soft (Novo) No. 6 SuperSoft (Usado) DNF

 

EMERSON FITIPALDI EM DISCURSO DIRECTO

EMERSON FITIPALDI EM DISCURSO DIRECTO

 

Hoje, dia 07 de outubro, comemoro 41 anos do Bi-Campeonato Mundial, que foi o 1º Campeonato Mundial da Mc Laren.
E por coincidência, estou com um grupo de pessoas da Nova Zelândia sendo entrevistado para participar de um documentário sobre a vida de Bruce Mc Laren, que em minha opinião, foi um visionário e um super piloto e que conseguiu criar uma equipe que fez uma das melhores histórias da Fórmula 1

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃ CARLOS COSTA

 

Mais desporto motorizado no Eurosport na versão portuguesa. Vamos transmitir magazines de 30 minutos de resumo de todas as corridas da temporada 2015 / 2016 da Formula E, sempre nas noites de terça-feira a seguir às provas.

Calendário:

•October 24, 2015: Beijing, China
•November 7, 2015: Putrajaya, Malaysia
•December 19, 2015: Punta del Este, Uruguay
•February 6, 2016: Buenos Aires, Argentina
•March 19, 2016: TBD
•April 2, 2016: Long Beach, California
•April 23, 2016: Paris, France
•May 21, 2016: Berlin, Germany
•June 4, 2016: Moscow, Russia
•July 2 & 3: Two races in London, UK

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Russian Grand Prix Preview: Sochi, October 8-11, 2015

 P ZERO SOFT AND SUPERSOFT TYRES – A STEP SOFTER THAN LAST YEAR –
FOR THE SECOND RUSSIAN GRAND PRIX

 TYRE WEAR AND DEGRADATION EXPECTED TO BE LOW, THANKS TO SMOOTH
ASPHALT, MILD WEATHER, AND MEDIUM-SPEED CORNERS

 The P Zero Yellow soft and P Zero Red supersoft tyres have been nominated for the Russian Grand Prix: a step softer than the inaugural race last year, when the medium and soft tyres were nominated. With no prior race data to go on in 2014, a deliberately conservative choice was made, but with real race information now available, a nomination more precisely suited to the exact characteristics of the track has been made. The new asphalt surface is smooth, and together with mild weather and mostly medium-speed corners, this leads to generally low tyre wear and degradation.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “We’re very pleased to be coming back to Russia for the second Russian Grand Prix: a market that is crucial not only to ourselves but also every automotive manufacturer. There were a number of question marks that we faced coming to the Sochi circuit for the first time last year – as is inevitably the case with any new circuit – but we have since been able to collect extra data that means we have more information for 2015. As a result, we have gone a step softer with the tyre nomination this year to help us get back into the two to three pit stop window, which is what we desire for every race. However, both ourselves and all the teams are learning more about this circuit all the time, despite the advancement of simulation technology. The track has quite a wide variety of different corners, so it makes for a good all-round test for the tyres, with the drivers able to benefit from the extra speed of the supersoft this year.”

The biggest challenges for the tyres:
Freshly laid asphalt often undergoes quite a radical change in its first year, particularly after going through a harsh winter season. However, track samples indicate that there has not been a major change in the characteristics of the Sochi asphalt from 2014 to 2015, with the surface remaining smooth and non-abrasive. With the circuit not being used extensively outside Formula One, a high degree of track evolution is expected, with a ‘green’ and slippery surface on Friday in particular.

The most critical corner at Sochi is Turn 3 a long multi-apex left-hander that was inspired by the famous Turn 8 at Istanbul Park (which was also designed by Hermann Tilke). This stresses the front-right tyre in particular. In total there are 12 right and six left-hand corners, with a 650-metre straight between the first and second turns.

The 5.848-kilometre track will be the third longest of the year, behind Spa and Silverstone. Around 1.7 of those kilometres are run on public roads, and the race will run for 53 laps. Ambient temperatures of 15 to 20 degrees centigrade are expected, limiting the effects of thermal degradation. 

Last year’s strategy and how the race was won: Lewis Hamilton won for Mercedes, starting on the soft tyre and switching to the medium on lap 30. The most remarkable strategy was used by his team mate Nico Rosberg, who switched from soft to medium on the opening lap after seriously flat-spotting his tyres. He emerged in 20th place but went on to finish second, completing more than 300 kilometres on one set of tyres and setting his personal best time on the penultimate lap.

Expected performance gap between the two compounds: 0.8 – 1.0 seconds per lap.

The Pirelli team choose their race numbers: #13, Mario Malizia, tyre fitter
“For me it would be 13, no question: like Pastor Maldonado! There’s no special reason, it’s just a number that has always brought me luck. And I think that’s what Pastor says too.”

Who we’re following on Twitter this week: @nigelmansell. It had to happen: ‘Il Leone’ is finally on Twitter. As was the case during his driving career, he doesn’t hold back on his opinions, and his insight perfectly reflects the competitive mindset that he still has.

The tyre choices so far this year:

P Zero Red P Zero Yellow P Zero White P Zero Orange
Australia Soft Medium
Malaysia Medium Hard
China Soft Medium
Bahrain Soft Medium
Spain Medium Hard
Monaco Supersoft Soft
Canada Supersoft Soft
Austria Supersoft Soft
Britain Medium Hard
Hungary Soft Medium
Belgium Soft Medium
Italy Soft Medium
Singapore Supersoft Soft
Japan Medium Hard
Russia Supersoft Soft

alt

alt

 

A REPARTIÇÃO DOS LUCROS NA FÓRMULA 1 EM 2015

A REPARTIÇÃO DE LUCROS NA FÓRMULA 1 EM 2014

 

A divisão dos dinheiros na F1 em 2014: (infografia: Marca)

 

BUTTON CONFIRMADO NA MCLAREN

Jenson Button confirmado na McLaren-Honda em 2016.

 

FÓRMULA 1 NOS CANAIS EUROSPORT

 

Eurosport assina acordo histórico com a Formula One Management para os direitos TV e digitais exclusivos

de transmissão da F1® em Portugal até 2018

 

 

O Eurosport acaba de adicionar outra ‘joia’ ao seu crescente portfolio de ativos desportivos de primeira grandeza ao assegurar os direitos exclusivos de difusão televisiva e digital para o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula Um™ em Portugal a partir de 2016 e até 2018.

 

O acordo com a Formula One Management (FOM) abarca todas as corridas, sessões de qualificação e treinos do principal evento de desportos motorizados para as três próximas temporadas. O Eurosport terá acesso a múltiplos ‘feeds’ em direto incluindo cobertura a partir de câmaras montadas nos carros e em helicópteros de modo a permitir ao canal oferecer aos espetadores TV e online a emocionante ação da F1 sob diferentes perspetivas.

           

Peter Hutton, Chief Executive Officer do Eurosport, comenta assim esta novidade: “A F1 é uma das principais marcas desportivas e o maior evento no calendário de desportos motorizados. Garantir esses direitos para Portugal é uma demonstração adicional da nossa estratégia de adquirir ativos-chave a nível local e pan-regional, a par do nosso compromisso de ter os maiores eventos e capturar os melhores momentos desportivos no Eurosport. O que se tem provado já um sucesso, como é evidenciado pelo forte crescimento das audiências por toda a Europa”.

 

“Existem poucos desportos com uma tão grande história em termos de narrativa e produção televisiva de classe mundial como a F1 e estamos ansiosos por desenvolver essa herança para oferecer aos fãs em Portugal uma experiência de visionamento de grande qualidade. Esta novidade é apenas uma parte de um ano notável para o Eurosport, no qual o investimento em produção ajudou a atingir impressionantes audiências record para eventos emblemáticos em 2015 como o Open de França, o US Open, o Tour de France ou as 24 Horas de Le Mans”, acrescenta Peter Hutton.

 

A Fórmula 1® é uma importante aquisição a juntar à já impressionante oferta Eurosport de desportos motorizados, a qual inclui as 24 Horas de Le Mans, o FIA WTCC e o Mundial de Superbike. Estas competições estão entre as mais populares no Eurosport, como ficou comprovado com a edição 2015 das 24 Horas de Le Mans, que atraiu ao canal 16.2 milhões de espetadores europeus.

 

Desde o início do ano, a audiência média* Eurosport tem crescido à razão de dois digitos em diversos mercados-chave europeus, incluindo: +37% em Itália, +25% na Suécia, +19% no Reino Unido, +18% na Holanda, +15% na Alemanha.

 

O calendário provisório do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula Um™ 2016 inclui um número record de 21 Grandes Prémios, com início previsto a 3 abril na Austrália e prova final a 27 novembro em Abu Dhabi.

 

*Fonte: dados oficiais de audiência / AdvantEdge

 


 

 

SOBRE O GRUPO EUROSPORT

 

O Grupo Eurosport é o líder pan-regional no entretenimento desportivo. Detido pela Discovery Communications, o maior operador mundial de programas ‘pay-tv’, o Eurosport tem como conceito proporcionar a mais abrangente experiência de desporto em direto através de conteúdos atrativos e inovação tecnológica. O Eurosport chega a um total de 222 milhões de assinantes através de 91 países na Europa, Ásia-Pacífico, África e Médio Oriente. Eurosport - o canal porta-estandarte do Grupo - é o canal TV pan-europeu No.1, transmitindo anualmente mais de 5.000 horas de desporto em direto para 137 milhões de lares em 54 países, oferecendo comentários especializados em 20 idiomas diferentes. Eurosport.com é o principal website de informação desportiva na Europa, registando até 23 milhões de visitantes todos os meses. Eurosport Events é a divisão do grupo especializada na gestão e promoção de eventos desportivos internacionais.

Para mais informações, visite corporate.eurosport.com

Em Portugal os canais Eurosport estão disponíveis nos operadores NOS, MEO, Cabovisão e Vodafone.

Site Eurosport Portugal: tv.eurosport.pt

Eurosport Portugal no Facebook: www.facebook.com/Eurosport

 

 

 

SOBRE A FÓRMULA 1®

 

Fórmula 1®, que começou em 1950, é a mais prestigiada competição mundial de desportos motorizados e o campeonato desportivo anual mais popular em todo o mundo. Em 2014 foi vista por 425 milhões de espetadores únicos em mais de 200 territórios. O Campeonato do Mundo FIA de Fórmula Um™ 2015 é disputado de março a novembro e abrange 19 provas em 19 países de 5 continentes. Formula One World Championship Limited pertence ao grupo Formula One, fundado pelo CEO Bernie Ecclestone, e detém os direitos comerciais exclusivos para o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula Um™. Para mais informações sobre a Fórmula 1®, visite www.formula1.com.

 

F1, FÓRMULA 1, CAMPEONATO DO MUNDO FIA DE FÓRMULA UM, GRAND PRIX e marcas associadas são marcas registadas da Formula One Licensing BV, empresa do grupo Formula One. Todos os direitos reservados.

 

 

ADEPTOS E CONSTRUTORES QUEREM F 1 MAIS RUIDOSOS

ADEPTOS E CONSTRUTORES QUEREM F 1 MAIS RUIDOSOS

 

Com a introdução dos novos motores no inicio do ano transacto, garnde parte do encanto das corridas de Fórmula 1, ficou perdido pois estes propulsores mforam concebidos para fazer pouco ruido.Por isso agora estuda-se para a época do próximo ano, que  haja aqui uma alteração, na qual os propulsores emitam, mais ruido.

 

Fórmula 1 aposta em escapes mais sonoros para 2016.

 

GROSJEAN NO TEAM HAAS DE F 1

 

Haas F1 Team escolhe Romain Grosjean para seu piloto

HaasPT FT_15002_Copy Quando a Haas F1 Team se estrear no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 em 2016, fá-lo-á com um piloto experiente como o Romain Grosjean.

Grosjean, de vinte e nove anos de idade, competiu em setenta e oito corridas de Fórmula 1, conquistou dez pódios, tendo sido o mais recente o que alcançou em Agosto no Grande Prémio da Bélgica. Actualmente, está na sua quinta temporada com a Lotus F1 Team.

Grosjean é um piloto muito considerado como líder de equipa e como um potencial campeão do mundo. O francês pilotará pela primeira vez o carro da Haas F1 Team durante o primeiro teste de pré-temporada no Circuit de Catalunya, Barcelona, entre os dias 1 e 4 de Março. O segundo teste de Barcelona será realizado entre os dias 15 e 18 de Março, antes do início da temporada, a 3 de Abril, que será o Grande Prémio da Austrália, em Melbourne.

“Queríamos um piloto experiente e capaz de desenvolver o nosso carro e a nossa equipa de modo a poder marcar pontos e melhorar a cada corrida e a cada temporada. Foi isso que encontrámos no Romain”, disse Gene Haas, o fundador e o presidente da Haas F1 Team. “Estou envolvido no desporto automóvel há muito tempo e cedo aprendi que o componente mais crucial é o piloto. O Romain tem fortes credenciais e será um activo muito importante para a Haas F1 Team”.

“O que o Gene Haas e toda gente na Haas F1 Team estão construir é impressionante e estou muito orgulhoso por fazer parte disso”, disse Grosjean. “A Fórmula 1 é incrivelmente competitiva e a única forma de ser bem-sucedido é encontrar novas formas de fazer as coisas. Esta é uma nova oportunidade com uma nova equipa que está adoptar uma nova abordagem à Fórmula 1. Acredito nesta abordagem e a equipa acredita em mim. Estou focado em dar o meu melhor absoluto à minha actual equipa nestas últimas cinco corridas, estou muito entusiasmado com o que o futuro reserva à Haas F1 Team”.

“Para além de ser um piloto de Fórmula 1 experiente, o Romain tem uma grande sensibilidade técnica”, afirmou Guenther Steiner, o chefe de equipa da Haas F1 Team. “Ele oferece informação boa e especifica sobre como o carro se comporta. Durante o desenvolvimento do nosso carro nos testes e na temporada os seus conhecimentos serão cruciais”.

Grosjean venceu corridas e campeonatos em todas as categorias em que competiu até chegar à Fórmula 1. Transitou rapidamente do karting para os automóveis, em 2003, triunfando em dez corridas no Campeonato Suíço de Fórmula Renault 1.6 e vencendo a competição. Em 2005 voltou a vencer dez corridas no Campeonato Francês de Fórmula Renault 2.0, conquistando um segundo título.

Em 2006 Grosjean evoluiu para a Fórmula 3 Euro Series, participando também em duas corridas do Campeonato Britânico de Fórmula 3, onde conseguiu uma pole-position, uma vitória e assinando a volta mais rápida em ambas as provas. Uma segunda temporada na Fórmula 3 Euro Series trouxe-lhe grandes dividendos ao alcançar quatro pole-positions e seis vitórias a caminho da vitória no campeonato. Em 2008 subiu para a

GP2 e manteve a sua veia vencedora ao conquistar quatro vitórias em quatro corridas, garantindo o ceptro inaugural da GP2 Asia Series.

Em 2008, Grosjean era piloto de testes da Renault F1. Em Agosto de 2009, a Renault nomeou Grosjean para competir ao lado do bicampeão mundial de Fórmula 1 Fernando Alonso.

A experiência ganha durante as sete corridas que disputou foi de valor incalculável e Grosjean aprofundou essa experiência em 2010 ao tomar parte numa ampla variedade de competições. Venceu a Auto GP com quatro vitórias, sete pódios e três pole-positions. Conquistou duas vitórias no Campeonato do Mundo FIA de GT1 e dois pódios na GP2 Series. Evidenciando a sua versatilidade, competiu em duas provas de vinte e quatro horas, uma em Le Mans e outra em Spa-Francorchamps.

Em 2011, Grosjean regressou à GP2 Series, vencendo a competição asiática na sua última edição e, posteriormente, conquistou o ceptro da GP2 Series com cinco vitórias. Para além disso, regressou à Renault F1 como piloto de testes.

Com Renault F1 sob uma nova gestão e rebaptizada como Lotus F1 Team para 2012, Grosjean foi nomeado para competir ao lado do Campeão do Mundo de 2007 Kimi Raikkonen. O primeiro pódio do Grosjean chegou na quarta corrida da temporada, no Bahrein. Três corridas mais tarde, em Montreal, terminou no segundo posto. Um segundo pódio foi alcançado na décima primeira prova da época, na Hungria.

A temporada de 2013 foi impressionante para Grosjean, dado que registou seis pódios, tendo como ponto alto o segundo lugar conquistado no Grande Prémio dos Estados Unidos da América, em Austin, Texas.

A época de 2014 ficou marcada pela introdução de um novo regulamento de motores, com os turbos a regressarem à categoria pela primeira vez desde 1988. O desenvolvimento foi difícil para muitas equipas. Grosjean alcançou dois oitavos lugares, um em Espanha e outro no Mónaco, mas bateu regularmente o seu colega de equipa ao longo do ano.

Com catorze corridas disputadas em 2015, Grosjean mostrou a forma que evidenciou em 2013, como demonstra o pódio conquistado no Grande Prémio da Bélgica.

Em 2016, Grosjean traz para a Haas F1 Team – a primeira equipa de Fórmula 1 americana em trinta anos – a sua experiência e ambição.

 

EQUIPA DA MCLAREN COM NOVO PATROCIONADOR

EQUIPA DA MCLAREN COM NOVO SPONSOR

 

McLAREN já tem patrocinador - a Moet Chandon.

 

F+ORMULA 1 REGRESSA AOS TELEVISORES DOS PORTUGUESES

 

EUROSPORT PORTUGAL terá o exclusivo das transmissões de Fórmula 1 a partir do próximo ano.

Agora com todas as explicações:

Eurosport assina acordo histórico com a Formula One Management para os direitos TV e digitais exclusivos
de transmissão da F1® em Portugal até 2018

 O Eurosport acaba de adicionar outra ‘joia’ ao seu crescente portfolio de ativos desportivos de primeira grandeza ao assegurar os direitos exclusivos de difusão televisiva e digital para o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula Um™ em Portugal a partir de 2016 e até 2018.

O acordo com a Formula One Management (FOM) abarca todas as corridas, sessões de qualificação e treinos do principal evento de desportos motorizados para as três próximas temporadas. O Eurosport terá acesso a múltiplos ‘feeds’ em direto incluindo cobertura a partir de câmaras montadas nos carros e em helicópteros de modo a permitir ao canal oferecer aos espetadores TV e online a emocionante ação da F1 sob diferentes perspetivas.

Peter Hutton, Chief Executive Officer do Eurosport, comenta assim esta novidade: “A F1 é uma das principais marcas desportivas e o maior evento no calendário de desportos motorizados. Garantir esses direitos para Portugal é uma demonstração adicional da nossa estratégia de adquirir ativos-chave a nível local e pan-regional, a par do nosso compromisso de ter os maiores eventos e capturar os melhores momentos desportivos no Eurosport. O que se tem provado já um sucesso, como é evidenciado pelo forte crescimento das audiências por toda a Europa”.

“Existem poucos desportos com uma tão grande história em termos de narrativa e produção televisiva de classe mundial como a F1 e estamos ansiosos por desenvolver essa herança para oferecer aos fãs em Portugal uma experiência de visionamento de grande qualidade. Esta novidade é apenas uma parte de um ano notável para o Eurosport, no qual o investimento em produção ajudou a atingir impressionantes audiências record para eventos emblemáticos em 2015 como o Open de França, o US Open, o Tour de France ou as 24 Horas de Le Mans”, acrescenta Peter Hutton.

 

A Fórmula 1® é uma importante aquisição a juntar à já impressionante oferta Eurosport de desportos motorizados, a qual inclui as 24 Horas de Le Mans, o FIA WTCC e o Mundial de Superbike. Estas competições estão entre as mais populares no Eurosport, como ficou comprovado com a edição 2015 das 24 Horas de Le Mans, que atraiu ao canal 16.2 milhões de espetadores europeus.

Desde o início do ano, a audiência média* Eurosport tem crescido à razão de dois digitos em diversos mercados-chave europeus, incluindo: +37% em Itália, +25% na Suécia, +19% no Reino Unido, +18% na Holanda, +15% na Alemanha.

O calendário provisório do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula Um™ 2016 inclui um número record de 21 Grandes Prémios, com início previsto a 3 abril na Austrália e prova final a 27 novembro em Abu Dhabi.

*Fonte: dados oficiais de audiência / AdvantEdge


SOBRE O GRUPO EUROSPORT

O Grupo Eurosport é o líder pan-regional no entretenimento desportivo. Detido pela Discovery Communications, o maior operador mundial de programas ‘pay-tv’, o Eurosport tem como conceito proporcionar a mais abrangente experiência de desporto em direto através de conteúdos atrativos e inovação tecnológica. O Eurosport chega a um total de 222 milhões de assinantes através de 91 países na Europa, Ásia-Pacífico, África e Médio Oriente. Eurosport - o canal porta-estandarte do Grupo - é o canal TV pan-europeu No.1, transmitindo anualmente mais de 5.000 horas de desporto em direto para 137 milhões de lares em 54 países, oferecendo comentários especializados em 20 idiomas diferentes.Eurosport.com é o principal website de informação desportiva na Europa, registando até 23 milhões de visitantes todos os meses. Eurosport Events é a divisão do grupo especializada na gestão e promoção de eventos desportivos internacionais.
Para mais informações, visite corporate.eurosport.com

Em Portugal os canais Eurosport estão disponíveis nos operadores NOS, MEO, Cabovisão e Vodafone.
Site Eurosport Portugal: tv.eurosport.pt
Eurosport Portugal no Facebook: www.facebook.com/Eurosport

SOBRE A FÓRMULA 1®

Fórmula 1®, que começou em 1950, é a mais prestigiada competição mundial de desportos motorizados e o campeonato desportivo anual mais popular em todo o mundo. Em 2014 foi vista por 425 milhões de espetadores únicos em mais de 200 territórios. O Campeonato do Mundo FIA de Fórmula Um™ 2015 é disputado de março a novembro e abrange 19 provas em 19 países de 5 continentes. Formula One World Championship Limited pertence ao grupo Formula One, fundado pelo CEO Bernie Ecclestone, e detém os direitos comerciais exclusivos para o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula Um™. Para mais informações sobre a Fórmula 1®, visite www.formula1.com.

F1, FÓRMULA 1, CAMPEONATO DO MUNDO FIA DE FÓRMULA UM, GRAND PRIX e marcas associadas são marcas registadas da Formula One Licensing BV, empresa do grupo Formula One.

 

PORTUGAL PODE VER MUNDIAL DE F1 NO EUROSPORT

PORTUGAL PODE VER MUNDIAL DE F1 NO EUROSPORT

 

Estas são as datas provisórias para seguir a F1 no Eurosport em português na temporada 2016.

Calendário provisório do Mundial de F1 2016:
20 de Março GP da Austrália
3 de Abril GP da China
10 de Abril GP do Bahrein
1 de Maio GP da Rússia
15 de maio GP de Espanha
29 de Maio GP do Mónaco
12 de Junho GP do Canadá
19 de Junho GP da Europa (Baku-Azerbeijão)
3 de Julho GP da Áustria
10 de Julho GP da Grã-Bretanha
24 de Julho GP da Alemanha
31 de Julho GP da Hungria
28 de Agosto GP da Bélgica
4 de Setembro GP de Itália
18 de Setembro GP de Singapura
2 de Outubro GP do Japão
9 de Outubro GP da Malásia
23 de Outubro GP dos EUA
6 de Novembro GP do México
13 de Novembro GP do Brasil
27 de Novembo GP de Abu Dhabi

 

GROSJEAN DEIXA A LOTUS

GROSJEAN DEIXA A LOTUS

 

Haas F1 Team confirma Romain Grosjean. O senhor que se segue será? Graham Rahal? Esteban Gutiérrez? Kevin Magnussen?

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

MERCEDES DRIVER LEWIS HAMILTON WINS FROM SECOND ON THE GRID
WITH A TWO-STOP STRATEGY AS EXPECTED

 WARMEST TRACK TEMPERATURES SEEN ALL WEEKEND TODAY

 A VARIETY OF DIFFERENT STRATEGIES AND TACTICS USED THROUGHOUT THE
TOP 10: A TWO-STOPPER THE MOST POPULAR CHOICE

 Mercedes driver Lewis Hamilton has won the Japanese Grand Prix with a medium-medium-hard tyre strategy from second on the grid. The Englishman gained the lead at the start and then built up a sufficient advantage that he was able to rejoin the race without losing command after both pit stops. He has now matched the benchmark of Ayrton Senna, with 41 wins, while Mercedes registered its eighth one-two finish of the season.

The three drivers behind Hamilton used a different two-stop strategy: medium-hard-hard. Throughout the top 10, there were a number of different strategies designed to help give drivers a tactical advantage, aided by the timing of the pit stops. Nico Rosberg, in particular, used the ‘undercut’ to pit earlier than his direct rivals and move up to second place, having dropped to fourth after the start. Sebastian Vettel finished third for Ferrari: only Hamilton, Rosberg and Vettel can now theoretically win the championship this year.

The majority of competitors stopped twice in Japan, with just Sergio Perez (Force India), Daniil Kvyat (Red Bull), Felipe Massa (Williams) and Will Stevens (Manor) stopping three times. Perez, Massa and Red Bull’s Daniel Ricciardo all picked up punctures as a result of Turn 1 incidents, which forced them all into first-lap pit stops. Following Carlos Sainz’s broken front wing after a collision, some debris left on the track caused a number of cuts to the tyres, without consequence.

Track temperatures, which peaked at 42 degrees, were the warmest they had been all weekend in Suzuka, adding a further complication to the strategy. The teams headed into the Japanese Grand Prix lacking dry weather data, as the two free practice sessions on Friday were dominated by rain.

All the drivers started on the medium tyre, apart from McLaren’s Jenson Button, who started on the hard compound.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “There was a strong and consistent performance from both our nominated tyres from start to finish of the Japanese Grand Prix, despite the highest track temperatures we have seen all weekend, as well as the high energy loads and abrasive surface that Suzuka is famous for. We saw a wide variety of strategies in place throughout the race and different thinking on the best way to use the tyres, with the timing of the pit stops turning out to be crucial. With the rain on Friday, the teams did not have their usual amount of data heading into the weekend, which made the way that they were able to read the race and get the best out of the tyres all the more impressive.”

Fastest times of the day by compound:

Hard Medium Intermediate Wet
First Ham  1m36.145s Ham  1m37.961s 0 0
Second Ros   1m37.147s Ves   1m38.237s 0 0
Third Vet    1m37.906s Mas   1m38.595s 0 0

Longest stint of the race:

Hard: Daniel Ricciardo  28 laps
Medium: Jenson Button     25 laps

Truth-O-Meter
We predicted a two-stopper as being the best option for this 53-lap race, starting on the medium, changing to the medium again on laps 16-18 and finally the hard on lap 33-35. Hamilton followed our prediction almost exactly, stopping on laps 16 and 32.

The full pit stop summary is available in the attached pdf document.

alt

alt

 

REGRESSO DA RENAULT À F 1

 

F1: ASSINATURA DE UMA CARTA DE INTENÇÕES ENTRE O GRUPO RENAULT E A GRAVITY MOTORSPORTS S.A.R.L

 

 

O Grupo Renault e a Gravity Motorsports S.a.r.l., uma filial da Genii Capital SA, têm o prazer de anunciar a assinatura de uma Carta de Intenções que visa a aquisição potencial, por parte da Renault, de uma participação maioritária no capital do Lotus F1 Team Ltd.

 

A assinatura desta carta de intenções é o primeiro passo no projecto de criação de uma escuderia Renault na Fórmula 1 em 2016 que dará continuidade aos 38 anos de envolvimento da marca na disciplina rainha dos desportos mecânicos.

 

O Grupo Renault e a Gravity Motorsports S.a.r.l., irão trabalhar em conjunto nas próximas semanas para transformar esta carta de intenções num acordo definitivo, sob reserva que todos os termos e condições entre o Grupo Renault e a Gravity Motorsports S.a.r.l, bem como de todas as partes interessadas, se concretizem.

 

 

 

 

 

 

MERCEDES NO PÓDIO NO JAPÃO

 

Silver Arrows conquistam o pódio no Japão

 

F12015JAP DPPI1804641_Copy• Lewis Hamilton venceu este fim de semana o Grande Prémio do Japão alcançando a 41ª vitória da sua carreira e igualando o recorde de vitórias de Ayrton Senna; • Nico Rosberg alcançou a segunda posição e o 37º pódio. Os Silver Arrows da MercedesBenz terminaram esta época por 8 vezes na primeira e segunda posição; • Após uma partida bastante disputada, Lewis Hamilton passou a liderar a corrida com Nico Rosberg a cair para a quarta posição; • Nico Rosberg teve uma recuperação formidável, com paragens na volta 15 e 29 para troca de pneus, passando de seguida Bottas e Vettel para alcançar a segunda posição; • A equipa MERCEDES AMG PETRONAS lidera o Campeonato de Construtores com 506 pontos, em segunda posição a encontra-se a Ferrari com 337 pontos; • Lewis Hamilton mantém a liderança no Mundial de Pilotos com 277 pontos. Piloto Chassis No. Grelha início Resultado Volta + rápida Lewis Hamilton F1 W06 Hybrid/05 P2 P1 1:36.145 Nico Rosberg F1 W06 Hybrid/01 P1 P2 1:37.147 Estratégia de pneus Início Stop 1 Stop 2 No. 44 Medium (Used) Medium (New) Hard (New) No. 6 Medium (Used) Hard (New) Hard (New)

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

Com chuva, ou sem ela, com resultados ou sem eles, os fãs japoneses são únicos, e a F1 continua a ser uma religião no país do Sol Nascente.

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO SITE SAPO DESPORTO

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO SITE SAPO DESPORTO

 

Schumacher pesa apenas 45kg, revela jornal inglês

O piloto teve um grave acidente em 2013.
Michael Schumacher
Foto: Lusa

 

 

As notícias sobre a recuperação do antigo piloto de Fórmula 1, Michael Schumacher, são muito escassas, mas esta quarta-feira o jornal Daily Express revelou que o alemão pesa nesta altura apenas 45kg.

Schumacher, que teve um acidente de esqui no final de 2013, tem tido uma recuperação muito lento, não conseguindo andar pelos suas próprias pernas, ou sequer falar.

 

Fonte : Sapo Desporto

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2015 Singapore Grand Prix – Race

SEBASTIAN VETTEL CLAIMS THIRD WIN OF THE SEASON FOR HIMSELF
AND FERRARI USING A TWO-STOP STRATEGY

SINGAPORE’S 100% SAFETY CAR RECORD MAINTAINED:
 TWO SAFETY CARS AFFECT RACE STRATEGY

DIFFERENT THINKING ON STRATEGY ALL THE WAY DOWN THE FIELD:
VERSTAPPEN FINISHES IN THE POINTS FROM ONE LAP DOWN

 Ferrari driver Sebastian Vettel has sealed his third victory of the season for Ferrari, using a two-stop strategy at night on the streets of Singapore to clinch his 42nd career win. The race was characterised by a lengthy safety car period a third of the way into the race, which added a new dimension to the already complex strategy calculations, followed by a second safety car period 20 laps from the finish. During the second safety car, the drivers made their last stops, with a final sprint to the finish that produced plenty of entertaining battles.

The entire field started the grand prix on the P Zero Red supersoft tyre, nominated together with the P Zero Yellow soft this weekend. But there were already some different ideas about strategy from the first round of pit stops onwards. Some drivers – including the top three – stuck with the supersoft, while both Mercedes drivers switched to the soft tyre for the second stint. The same strategy was used by Toro Rosso’s Max Verstappen, who went from a lap down at the beginning, following a problem at the race start, to a points-scoring eighth. The 17-year-old then used the rapid supersoft at the end of the race to make up positions. The fastest lap was actually set on the soft tyre on lap 52 by Red Bull’s Daniel Ricciardo, who finished second.

Singapore kept up its 100% record of having at least one safety car during the race, going to the full two-hour time limit for a grand prix. Despite this being the longest race of the year, the vast majority of the field used a two-stop strategy. The highest-placed three-stopper was Toro Rosso’s Carlos Sainz, who ended up ninth at the finish.

The Singapore Grand Prix was run in hot and humid conditions, with ambient and track temperatures of 30 and 33 degrees respectively, which fell gradually as the race went on.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “Tactics and tyre management played an important role during this evening’s race. Conditions were as tough as ever in Singapore, with the heat, humidity and sheer length of the race, but Ferrari and Sebastian Vettel were able to get the very best out of the tyres and the strategy, knowing when to push and when to keep something in reserve. It was a perfect race from him. The strategy for every team was obviously affected by the two safety car periods, which had the effect of stretching out the stints. As a result, we saw more drivers moving towards a two-stop strategy rather than a three-stopper. All the way down the field though, there was some different thinking about which order would be the best one to use the tyres in. With such a long race distance, looking after the tyres most effectively was crucial to success, especially in the closing stages.”

Fastest times of the day by compound:

Supersoft Soft Intermediate Wet
First MAL   1m50.175s RIC  1m50.041s 0 0
Second VST    1m50.298s VET 1m50.069s 0 0
Third SAI     1m50.401s RAI  1m50.341s 0 0

Longest stint of the race:

Supersoft  Max Verstappen         25 laps
Soft  Romain Grosjean        33 laps

 Truth-O-Meter
We predicted a three-stopper as theoretically the fastest scenario for the 61-lap race, but we also thought that most teams would opt for a two-stopper because of traffic. In the end, the strategy was mainly affected by the two safety cars, plus one virtual safety car period. The two-stopper we expected was: start on supersoft, switch to supersoft again on lap 24 and soft on lap 43. Vettel followed the pattern we expected but the timing of his stops was influenced by the safety car. He made his two pit stops on laps 13 and 37.

The full pit stop summary is available in the attached pdf document.

alt

 alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Japanese Grand Prix Preview: Suzuka, September 24-27, 2015

 HARD AND MEDIUM PIRELLI COMPOUNDS FOR SOME OF THE FASTEST
AND MOST EPIC CORNERS IN FORMULA ONE

 VARIABLE WEATHER AND HIGH ENERGY LOADS ADD TO THE MASSIVE
CHALLENGE OF JAPAN FOR THE TYRES

 NEW SEPTEMBER DATE COULD LEAD TO WARMER CONDITIONS

 Following the street circuit at Singapore, where the two softest tyres in the range were nominated, Formula One heads directly to Japan this weekend with the two hardest tyres selected for Suzuka: P Zero Orange hard and P Zero White medium. This is because Suzuka contains some of the fastest and most demanding corners in Formula One, such as the legendary 130R, which forms part of Formula One history. As a result, some extremely high-energy loads pass through the tyre, leading to heat build-up on the tread. This requires the most durable compounds in the range to maintain consistent grip. Owing to Suzuka’s notoriously variable weather, the Cinturato full wet and intermediate tyres may be seen as well over the course of the weekend, although this year the Japanese Grand Prix takes place a week earlier. The teams have to basically be ready for anything, at a venue that has frequently crowned champions in the past.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “Suzuka is one of the most aggressive circuits we face on the Formula One calendar from a tyre perspective: it’s right up there with Silverstone and Spa. There’s been some resurfacing in recent years that has taken away a bit of the asphalt roughness that it used to have, but this does not diminish the overall challenge of Suzuka in any shape or form. It’s not unusual to face extremes of weather in Japan: either very wet, or dramatically hot. We’ve seen both over the years – and quite a few conditions in between – so it’s a very tough circuit all round. The drivers absolutely love the experience of driving here, and over the course of the weekend we are always privileged to meet some of the most passionate and dedicated fans we see anywhere all year. They are a vital part of what makes coming to Suzuka so special. Of course, like everybody else, Jules Bianchi will be in our thoughts more than ever over the Japanese Grand Prix weekend.”

The biggest challenges for the tyres:
Suzuka is a fast and flowing circuit: to the extent that it has very high lateral energy loads (through the fast corners) but one of the lowest longitudinal demands of the year, underlining the fact that there is relatively little acceleration and braking. Instead, the drivers maintain a high speed throughout the lap, with the very long corners such as 130R (named after its radius) and Spoon putting sustained loads through the tyres. 130R is taken flat-out in top gear at speeds in excess of 300kph, generating the highest continuous g loading of the year.

While Suzuka has been re-asphalted recently, the surface remains quite abrasive. There is a relatively high degree of track evolution over the weekend: during Friday in particular the circuit is usually quite ‘green’, leading to a risk of graining if the track does not provide optimal grip.

Suzuka is traditionally high when it comes to wear and degradation, making tyre management even more important than usual. With the risk of rain and safety cars, plus several overtaking opportunities, this is one of the circuits where strategy options are extremely open, depending on circumstances. 

Last year’s strategy and how the race was won: The race was started behind the safety car and ran in wet conditions from start to finish. Lewis Hamilton won for Mercedes from second on the grid, starting on the Cinturato Blue wet tyres and then stopping on laps 14 and 35 for intermediates.

Expected performance gap between the two compounds: 0.6 – 0.8 seconds per lap.

The Pirelli team choose their race numbers: #5, Christian Staurenghi, hospitality manager
“I love 5 so much that I even have it tattooed on my foot! The number 5 looks like my initials: a C on top of an S. And there are five of us in my family.”

Who we’re following on Twitter this week: @serenawilliams. Apart from sharing a name with one of its most famous teams, Serena doesn’t have much to do with Formula One, but she was recently announced as a star of the 2016 Pirelli Calendar that will be launched later this year. And at 5.4 million Twitter followers, she has even more online fans than Lewis Hamilton.

The tyre choices so far this year:

P Zero Red P Zero Yellow P Zero White P Zero Orange
Australia Soft Medium
Malaysia Medium Hard
China Soft Medium
Bahrain Soft Medium
Spain Medium Hard
Monaco Supersoft Soft
Canada Supersoft Soft
Austria Supersoft Soft
Britain Medium Hard
Hungary Soft Medium
Belgium Soft Medium
Italy Soft Medium
Singapore Supersoft Soft
Japan Medium Hard

alt

alt

 

HUGO BOSS "VESTE" NIKO ROSBERG

HUGO BOSS " VESTE" NIKO ROSBERG

 

Niko Rosberg, só usa fatos da Hugo Boss,por isso a marca alemã, organizou um espectáculo junto de um dos seus espaços de venda em Frankfurt na Alemanha, onde contou com um monolugar da Mercedes, com que Rosberg esthugo1 Copyhugo2 Copy_Copyhugo3 Copy_Copyhugo4 Copy_Copyhugo5 Copy_Copyhugo6 Copy_Copyá a disputar o Mundial deste ano.

 

BRONCA HOJE NO G.P.DO BAHRAIN

BRONCA HOJE NO G.P.DE SINGAPURA

 

Um espectador entendeu qoe o melhor local para tirar uma foto....seria no meio da pista com os carros a passar.....e a loucura instalou-se, com a intervenção do safety car.Nem os próprios pilotos acreditavam o que estavam a ver....

 

A foto do GP de Singapura de F1. Segundo Ricciardo, este espectador chegou a filmar a sua louca aventura. 

 

JÁ É CONHECIDO O CALENDÁRIO DA F1 PARA 2016

 

JÁ É CONHCIDO O CALENDÁRIO DA F1 PARA 2016

 

 

Já é conhecido o calendário para a próxima época de Fórmula 1 que poderá ser constituído por vinte provas, sendo para já este o calendário provisório.

3 Abril – Austrália

10 Abril – China

24 – Bahrein

1 Maio – Russia

15 Maio – Espanha

29 Maio – Mónaco

12 Junho – Canadá

26 Junho – Inglaterra

3 Julho Austria

17 Julho – Europa – Azerbeijão

31 Julho – Alemanha

7 Agosto – Hungria

28 Agosto – Bélgica

4 Setembro – Itália

18 Setembro – Singapura

25 Setembro – Malásia

9 Outubro – Japão

23 Outubro – Estados Unidos

30 Outubro – México

13 Novembro – Brasil

27 Novembro Abu Dhabi

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

O Eurosport passa a transmitir "live" as corridas da Fórmula E... mas só na Alemanha, Polónia, Suécia, Noruega, Dinamarca, Finlândia e Islândia.

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

BERNIE ECLESTONE E MAX MOSLEY

 

 

Um dia , daqui a décadas, os historiadores vão escrever sobre a importância desde dois senhores (vistos aqui numa foto de 1978) na história da F1 e do Desporto Automovel nos últimos 45 anos. Acredito que, feitas as contas, o balanço possa ser positivo... ainda que com imperfeições. 

Agora Bernie afirma que gostava mais do tempo de Max como presidente da FIA, porque era mais autoritário, mais de partir a mobília. Jean Todt quer agradar a gregos e troianos, diz o ainda F1 supremo...

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Singapore Grand Prix Preview: Singapura, 17-20 setembro de 2015

Softest OS PNEUS no intervalo - macio e SUPERSOFT -
STREET CIRCUITO PARA O FINAL DO ANO

Significa que as alterações temperatura noturna Race Track
É diferente de USUAL

LONGA DISTÂNCIA RACE, umidade muito alta e complexa ESTRATÉGIA DOS PNEUS
Fazem deste um dos passeios mais desafiadora do ÉPOCA

 

 

f20 Copyf21 Copyf22 Copyf23 Copyf24 Copyf25 Copyf26 Copyf27 Copyf28 Copyf29 Copyf30 Copyf31 Copyf32 Copyf36 Copy- Formula One: tem um olhar muito diferente para ele neste fim de semana, como as cabeças de circo para Cingapura e da famosa corrida noturna Marina Bay, qui proporciona uma das performances mais interessantes da temporada. Os dois pneus mais macios da gama - P Zero Amarelo macio e P Zero Red supermacio - têm beens Indicado para este circuito de rua, qui: tem uma série de aspectos incomuns para ele. Sendo uma corrida noturna, com todos os treinos e sessões qualificativas Mantidos à noite também, a maneira que evolui faixa de temperatura é consideravelmente diferente de grandes prêmios mais convencionais - e isto: tem um efeito significativo sobre a forma como os pneus são usados ​​que la.

Paul Hembery, diretor de automobilismo da Pirelli: "Desde que entrou para o calendário em 2008, Singapura forneceu sempre um espetáculo verdadeiramente impressionante que mostra o que Formula One é tudo sobre: ​​a tecnologia mais avançada do mundo, sob os holofotes. Como este é um circuito de rua, que já nomeou os dois pneus mais macios e mais rápido no intervalo: Eles oferecem a aderência mecânica máxima e um rápido aquecimento, qui são duas chaves para o sucesso em Cingapura. Há lotes de factoring para as equipes e pilotos para considerar quando planear a estratégia: a Evolução temperatura da pista incomum, uma grande diferença de desempenho entre les dois compostos, a necessidade de poupar combustível no percurso longo e exigente corrida, bem como a alta probabilidade de um carro de segurança, qui tem destaque em todas as corridas até agora, em Cingapura. Por causa de todas as variáveis ​​de teses e aussi o mobiliário urbano variados - linhas brancas pintadas, tampas e assim por diante, qui-ter apanhado fora alguns motoristas no passado - o trabalho feito nos treinos livres para capturar todos os dados necessários de pneus será ainda mais significativa do que o habitual.

Durante estes dias, We Will aussi Definindo ser, juntamente com a FIA, um procedimento mais claro Habilitando os mais equipes de seguir as regras Quanto facilmente usar pneus. Isto é importante para evitar mal-entendidos, dando as equipes de indicações mais precisas a cumprir-com, evitando, assim, o que aconteceu com a Mercedes em Monza. "

Os maiores desafios para os pneus:
Cingapura tem o maior número de cantos de qualquer passeio por um calendário da Fórmula (23) A criação de mais trabalho para os pneus. Juntamente com a umidade de 80%, o tempo de corrida de duas horas, eo fato de que é o segundo mais lento colo do ano pós-Monaco (qui limita resfriamento e fluxo de ar através do carro) Isso faz com que Marina Bay O passeio mais fisicamente desafiador de todos para os motoristas.

Tudo o que quero dizer cantos tese de tração e frenagem são os dois aspectos vitais A maioria do circuito de Marina Bay. Como a maioria dos circuitos de rua, a área é bastante irregular em Cingapura, e isso certamente não ajuda. Com muito pouca área de escape, os erros ficam impunes Raramente: Exigir que um alto grau de precisão do pneu. O pneu traseiro esquerdo é o mais difícil Trabalhou Ou seja, enquanto os carros correm muito alto downforce.

Temperatura ambiente tende a ser na área de 30-35 graus centígrados Mesmo durante a noite, tornando-o território perfeito para as cúpulas do pneu macio de trabalho. Drivers terá que gerencia o supersoft com cuidado, a fim de beneficiar o máximo de desempenho do composto por superaquecimento não-lo.

A estratégia do ano passado e como a corrida foi ganha: Lewis Hamilton venceu a corrida de 61 voltas usando uma estratégia de três paradas. Ele começou no supersoft, sem caroço para supersoft novamente, volta 15, uma volta 31 novamente supermacio, macio e na volta 52. Houve uma grande variedade de estratégias utilizadas em todo o campo.

Diferença de desempenho esperado entre les dois compostos: 1.8 - 2.2 segundos por volta.

A equipe Pirelli escolher seus números de competição: # 29, Matt Watts, líder pneu equipe montador
"Eu escolheria o número 29, como é um número que sempre me seguiu. Quando eu era criança, a casa que eu cresci era número 29. E agora, a casa que acabo Mudou-se para o número 29 é assim ".

Quem estamos Seguindo esta semana no Twitter: @ alanbaldwinf1. Alan é o jogo F1 para a Reuters, trazendo abundância de trás da visão cenas de sua conta no Twitter. Incluindo, por exemplo, uma foto de uma porta marcada simplesmente 'Gladiator' no motorhome Williams. O que está por trás da porta ainda está para ser revelada: Russell Crowe?

As escolhas de pneus até agora este ano:

 P Zero Amarelo Vermelho P Zero P Zero Branco Laranja P Zero
Austrália Suave Médio
Malásia Médio Difícil
China Suave Médio
Bahrain Suave Médio
Espanha Médio Difícil
Monaco Supersoft Macio
Canadá Supersoft Macio
Áustria Supersoft Macio
Grã-Bretanha Médio Difícil
Hungria Suave Médio
Bélgica Suave Médio
Itália Suave Médio
Singapore Supersoft Macio

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

PNEUS PIRELLI anuncia nomeações para a Rússia UP

 

f1 Copyf2 Copyf3 Copyf4 Copyf5 Copyf7 Copyf8 Copyf9 Copyf10 Copyf11 Copyf12 Copyf14 Copy As escolhas de pneus Pirelli para os próximos três Grandes Prémios da temporada-ter-sido revelado.

Em Cingapura, as equipas irão utilizar o supermacio P Zero Vermelho e P Zero Amarelo macio. Estes compostos são perfeitamente adequados às características da pista Street Circuit Marina Bay, proporcionando um rápido bom warm-up e aderência mecânica máxima.

No Japão, por outro lado, o P Zero Laranja duro e médio P Zero Branco serão nomeados: os dois compostos mais duros no intervalo. Isto é para atender as demandas de alta energia e curvas rápidas de Suzuka, qui pedir um monte de pneus. Com o GP do Japão realizada no início da temporada Comparado ao ano passado, as condições são esperados para ser um pouco mais quente.

Para o Grande Prêmio da Rússia, a Pirelli nomeará o P Zero Amarelo macio e P Zero Red Supersoft uma combinação que shoulds lidar bem com as fileiras dos cantos largos e superfície lisa de offert por Sochi, hospedando um grand prix apenas pela segunda vez.

Todos os compromissos estão a tese Sami como eram correspondentes para as corridas em 2014, além de Rússia, qui é um passo mais suave. O asfalto não se alterou significativamente desde o início itos últimos anos, e olhando para os dados a partir de 2014, um passo mais suave é possível.

As escolhas de pneus até agora este ano:

 P Zero Amarelo Vermelho P Zero P Zero Branco Laranja P Zero
Austrália Suave Médio
Malásia Médio Difícil
China Suave Médio
Bahrain Suave Médio
Espanha Médio Difícil
Monaco Supersoft Macio
Canadá Supersoft Macio
Áustria Supersoft Macio
Grã-Bretanha Médio Difícil
Hungria Suave Médio
Bélgica Suave Médio
Itália Suave Médio
Singapore Supersoft Macio
Japão Médio Difícil
Rússia Supersoft Macio

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

 

Monza é especial. Gosto da pista, da alta velocidade, das curvas de "coração de leão", do ambiente. Recordo sempre com um enorme sorriso o primeiro Grande Prémio de F1 que vi ao vivo, apenas como espectador. Escolhi a dedo, mas sem hesitar, optei por Monza e para lá fui, no início de Setembro de 1982, de inter-rail, na companhia de ‪#‎Luis‬ Carlos Sousa (numa altura em que ambos nem sonhávamos que um dia seríamos parceiros na profissão).
Por isso mesmo, com mais uma edição do GP no fim-de-semana, faz-me confusão que Monza possa não estar em futuros calendários da F1. A pista da cidade dos arredores de Milão é um marco. É (ou devia ser) património universal do Desporto Motorizado - aqui fica uma ideia para a FIA criar algo assim.


Como é possível não vermos mais esta imagem da recta da meta de Monza invadida pelo fantástico público italiano no final do GP? Se me perguntarem um momento especial dessa ida a Monza em 1982, relembro sempre isso: o ter podido invadir a pista. Com a particularidade de, nessa altura, ter feito a invasão, na zona da Parabólica, quando ainda havia carros a completar a corrida. Outros tempos, mas a mesma paixão de um público que é muito mais que apenas tiffosi da Ferrari. Por isso, tal como muitos outros, considero que se trata de um público a não perder... NUNCA!

 

SEGUNDO A OPINIÃO DE JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA  JOÃO CARLOS COSTA

 

E se o futuro da F1 fosse assim? Como diz (e bem) Jenson Button, já não estamos nos anos 70.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

talian Grand Prix Preview: Monza, 3-06 setembro de 2015
P ZERO BRANCO AMARELO MÉDIO E P ZERO para velocidades Soft Top
NA REGIÃO DE FORÇAS E 360KPH 4,5 g da Pirelli está em casa RACE
PNEUS o inquérito técnico INTO Vettel é AGORA EM SPA
TERMINADO. OS resultados serão apresentados em Monza

 


 Pirelli chega em casa e Monza este fim de semana; o "templo da velocidade", que apresenta os mais rápidos nas retas avaliações some do calendário da F1 é, o que levou o treinador a executar um específico de baixo arrasto aerodinâmico set-up. O meio P Zero Branco e P Zero Amarelo pneus de ter-sido suaves escolhido para o Grande Prêmio da Itália, qui são compostos versáteis que são ble para equilibrar as demandas de desempenho individual e durabilidade que Monza exige sempre. Com cargas de alta energia de até 4,5 g atravessando os pneus e algumas grandes impactos com o famoso Krebs, o composto e estrutura do pneu é desafiado em toda a volta.
Paul Hembery, diretor de automobilismo da Pirelli: "Monza é sempre um dos destaques de nossa época, com uma história incrível e atmosfera. Nós temos-os compostos médios e macios, um passo mais suaves do que a nossa nomeação no ano passado, qui deverias ser bem adequado para Monza ea ênfase na velocidade que este sistema sempre lugares. Estamos esperando um bom grau de desgaste e degradação, assim como sempre o trabalho feito Durante livre será muito grande driving range Quando se trata de calcular a melhor estratégia. Com os dois compostos potencialmente muito estreitamente alinhados em termos de ritmo, isso abre algumas opções.
Os carros correm baixo downforce em Monza e isso realmente aumenta o trabalho para os pneus em aceleração e frenagem consideravelmente, com menos força Porque empurrando para baixo em cima do carro, é os pneus que estão fornecendo boa toda a aderência mecânica. Aliada à Kerbs em Monza, este Fornece os nossos pneus com um desafio a toda a volta ampla Exigir consistem durabilidade e desempenho.
We-finalizaram a investigação do pneu de Sebastian Vettel em Spa. Resultados detalhados da análise técnica apresentada em Monza será ".
Os maiores desafios para os pneus:
Um rápido como Monza Circuit tendem a ser mais pneus do que nós Exigir um circuito lento, como toda a força no trabalho incentiva o acúmulo de calor, particularmente sobre o ombro do pneu. Existem demandas de energia laterais significativas em Monza, devido a cantos Parabolica longa, tais como, bem como grandes demandas longitudinais, por causa de toda a tração e frenagem.
Com um baixo downforce set-up como é usado em Monza, os motoristas precisam cuidar dos pneus traseiros em particular, a fim de não provocar wheelspin em aceleração. No entanto, o outro lado desta é aumentada a velocidade máxima, na área de 360kph.
A estratégia do ano passado e como a corrida foi ganha: Lewis Hamilton usou uma estratégia de uma paragem para a corrida de 53 voltas, com os compostos duros e médios Nomeado no ano passado. O piloto da Mercedes começou com o pneu médio e, depois, mudou para o colo dura 25.
Diferença de desempenho esperado entre les dois compostos: 0,8 - 1,0 segundo por volta.
A equipe Pirelli escolher seus números de competição: # 8 Fabrizio Tanfani Chief
"É um número que significa agrupamento muito para mim: Eu nasci lá 8 de Julho e quando eu estava jogando futebol quando era criança, de volta para casa em Piombino, eu joguei com o número 8. Há 8 anos de diferença eu e minha namorada between e 8 é o símbolo do infinito bem. "
Quem estamos seguindo no Twitter esta semana: It'sMotorSportRetro esta semana. Para quem ama os velhos tempos, esta conta no Twitter, ligado ao site do nome de Sami, vai comer a horas de seu dia com incríveis entrevistas, fotos e vídeos.
As escolhas de pneus até agora este ano:
 P Zero Amarelo Vermelho P Zero P Zero Branco Laranja P Zero
Austrália Suave Médio
Malásia Médio Difícil
China Suave Médio
Bahrain Suave Médio
Espanha Médio Difícil
Monaco Supersoft Macio
Canadá Supersoft Macio
Áustria Supersoft Macio
Grã-Bretanha Médio Difícil
Hungria Suave Médio
Bélgica Suave Médio
Itália Suave Médio

 

Google Tradutor

 

NOS STATES NA FÓRMULA INDY

NOS STATES NA FÓRMULA INDY

 

E vão quatro vitórias nesta época  para Scott Dixon. Foi preciso ganhar em Sonoma para o neozelandês da Ganassi garantir o título no desempate das vitórias com Ryan Hunter-Reay. Montoya saiu de Sears Point como o grande perdedor depois de liderar a IndyCar desde o início da temporada.

 

NICOI HULKENBERG MANTÉM-SE NA FÓRMULA 1

NICO HULKENBERG MANTÉM-SE NA FÓRMULA 1

 

Nico Hulkenbergrenova por mais dois anos com a Force Índia F1. Não se sabe se pode continuar a fazer uma "perninha" na Porsche WEC.

 

RENAULT ADQUIRE EQUIPA LOTUS DE F 1

Tal como Bernie Eclestone desejava:  A Renault compra a Lotus por 80 milhões e volta a ter equipa de F1. Prost fica com 10% e Gerard Lopez mantém 25%. Prost deve desempenhar um papel idêntico ao de Lauda na Mercedes. Esteban Ocon pode ser a escolha para um dos pilotos.

 

SEXTA VITÓRIA PARA HAMILTON EM SPA

 

Sexta vitória para Lewis Hamilton em 2015 •

 

 

c1 Copyc2 CopyLewis Hamilton conquistou este fim de semana, no Grande Prémio da Bélgica, o seu segundo Grande Prémio nesta pista, a 39ª vitória na sua carreira de F1 e a 6ª vitória em 2015; • Nico Rosberg terminou na segunda posição completando o 7º pódio em conjunto para os Silver Arrows esta época, e o seu 36º pódio da sua carreira; • Com 80 pódios na sua carreira Lewis Hamilton iguala o recorde de Ayrton Senna; • Lewis Hamilton e Nico Rosberg optaram por uma estratégia de duas paragens para troca de pneus; • A equipa MERCEDES AMG PETRONAS lidera o Campeonato de Construtores por 184 pontos para o segundo classificado; • Lewis Hamilton lidera o Campeonato de Pilotos com 28 pontos sobre Nico Rosberg. Piloto Chassis Grelha Resultado Volta + rápida Lewis Hamilton F1 W06 Hybrid/05 P1 P1 1:52.504 Nico Rosberg F1 W06 Hybrid/01 P2 P2 1:52.416 Estratégia Início Stop 1 Stop 2 No. 44 Soft Medium (13) Soft (30) No. 6 Soft Medium (12) Soft (31)

 

EQUIPA DE LUCAS DI GRASSI LANÇA NOVO CARRO

Com cores brasileiras, equipe de Lucas di Grassi lança novo carro

Fórmula E inicia nesta segunda-feira (24) os dois últimos dias de testes coletivos antes da abertura da temporada, que acontece em outubro em Pequim, na China. Dono do recorde da pista de Donington Park, Di Grassi se diz empolgado com o desafio

Acontecem nesta segunda e terça-feira (24 e 25) os dois dias finais de testes coletivos preparatórios para a segunda temporada da história da Fórmula E, categoria de carros movidos 100% a eletricidade chancelada pela FIA, e da qual o brasileiro Lucas di Grassi é o primeiro vencedor de sua história. E na manhã desta segunda-feira, no circuito de Donington Park, na Inglaterra, onde serão realizados os treinos, a equipe de Lucas, a Audi Sport ABT fez o lançamento de seu carro, o ABT-Schaeffler FE01.

Na "Temporada 2" da Fórmula E as equipes se inscreveram como construtoras, já que o powertrain, que é o conjunto formado por motor elétrico, câmbio e transmissão, têm construção livre. Em seu campeonato inaugural, a categoria forneceu os carros com o mesmo ?trem-de-força? aos times participantes.

"A equipe trabalhou muito intensamente nos últimos meses não só na pista, mas também na sede. O centro de tudo é o novo motor elétrico, que no nosso caso foi desenvolvido com mais ênfase na eficiência, alta confiabilidade, desempenho e também com sistema de resfriamento mais eficiente", aponta Lucas di Grassi.

Para Lucas, a categoria vai ficar ainda mais interessante. "Cada equipe está desenvolvendo sua própria tecnologia, e isso é extremamente importante não só para o futuro da competição, mas também da mobilidade sustentável, já que também passamos a servir de referência para a indústria", destaca. "No nosso caso, temos um câmbio de apenas três marchas, um software de gerenciamento totalmente novo, e um motor com mais torque e eficiência do que o antecessor", diz.

As cores do ABT-Schaeffler FE01 mudaram um pouco em relação ao carro da temporada 2014-2015. O verde-e-amarelo da Schaeffler está mais presente, dominando a pintura desde as rodas dianteiras até as asas traseiras. Na porção da frente, o time manteve o característico vermelho com toques de preto e amarelo, formando as cores da bandeira da Alemanha.

"Não deixa de ser uma combinação interessante. E ano passado mostramos que a dobradinha Brasil-Alemanha funcionou muito bem na Fórmula E", diz Lucas, terceiro colocado na temporada de estreia e nos últimos testes da pré-temporada estabeleceu um novo recorde de tempo de volta no circuito de Donington.

"Estou muito satisfeito com o andamento das coisas até aqui. Temos andado bem nos testes, com direito a recorde de volta nos treinos anteriores. Estamos muito positivos em relação a esta nova temporada, e trabalhando bastante; vamos agora para os últimos testes antes da abertura da temporada em Pequim, e vamos fazer o possível para obter um bom resultado para representar bem o Brasil no campeonato da Fórmula E neste segundo ano", concluiu.

Lucas di Grassi é patrocinado por Eurobike, TAG Heuer, Qualcomm e KNM


Curta Lucas di Grassi no Facebook: Lucas di Grassi Official

Siga Lucas di Grassi no Twitter: @lucasdigrassi

E também no Instagram: @lucasdigrassi

Conheça a categoria em: www.fiaformulae.com



Audi Sport ABT
Lucas di Grassi (dir) e Daniel Abt apresentam o ABT Schaeffler FE 01
Alta | Web

Audi Sport ABT
Lucas (à direita) e o alemão Daniel Abt mantém parceria para a temporada
Alta | Web

Audi Sport ABT
Equipe manteve o esquema de cores, mas com algumas alterações
Alta | Web

Audi Sport ABT
Com o verde-amarelo mais dominante na pintura do carro deste ano
Alta | Web

Audi Sport ABT
Time faz hoje e amanhã os dois úlitmos dias de teste de pré-temporada
Alta | Web

Audi Sport ABT
Nos últimos treinos, Di Grassi estabeleceu novo recorde da pista de Donington
Alta | Web

Audi Sport ABT
Novos patrocinadores no capacete do brasileiro
Alta | Web
 

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

PIRELLI... zero! A F1 precisa urgentemente de outro construtor de pneus ou de um novo, em exclusivo, que faça um melhor trabalho e se queixe menos, assumindo as culpas. A F1 devia ter ainda mais liberdade, não mil e uma restrições.

 

FALECEU GUY LIGIER

 

FALECEU GUY LIGIER

 

A1 Copy

Foi ontem em França que o antigo construtor de Fórmula 1 , Guy Ligier faleceu aos 85 anos de idade. Desde muito cedo ligado profissionalmente ao automobilismo, e à industria automóvel, Ligier distingue-se através da sua equipa de Fórmula 1, que venceu uma série de corridas, tendo ao volante Jacques Lafite entre outros. Que descanse em paz.

 

A FERRARI NA F1

928 GP realizados desde o início do Mundial de F1 em 1950. A Ferrari esteve em 900, ou seja, faltou a 17 (se não tivermos em conta as 500 milhas de Indianapolis entre 1950 e 1960). Talvez assim se perceba melhor porque razão a disciplina e a marca italiana muitas vezes se confundem, como se fossem uma só!

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

NÃO CONFIRMA integridade estrutural PIRELLI SEGUINTE A edição completa
Investigação sobre Nico Rosberg DO DIREITO TRASEIRO deflação nos treinos livres
Esta questão é consistente com um CUT EXTERNO DOS PNEUS na estrutura
 Spa-Francorchamps, 22 de agosto de 2015 - Depois de uma investigação completa continuou durante a noite em qui qui afetado o resultado de ontem Mercedes Nico Rosberg, as conclusões de tese são:
• Não há sinais de integridade estrutural do problema dos pneus, nem é --outras pneus usados ​​por Mercedes nem é usado pneus --outros veículos.
• Um vídeo mostra um problema de pneu era qui carro de Rosberg est composto com um corte externo na estrutura do pneu.
• Verificação de qualidade de dados é pneus --outras não mostrou anormalidades.
 Paul Hembery, Pirelli Motorsport Diretor: "We-se conduziu uma investigação completa para descobrir exatamente o que aconteceu com pneu de Nico. Esta investigação agora exclui quaisquer problemas de integridade estrutural. Com base nas informações e dados disponíveis uma fonte externa de danos é a constatação feita ".

 

Google Tradutor

 

DS ANUNCIA A CRIAÇÃO

 

DS ANUNCIA A CRIAÇÃO DA DS PERFORMANCE
A DS anuncia hoje a criação da sua divisão de competição
automóvel: a DS Performance.
A DS Performance leva para a equipa DS Virgin Racing a sua
experiência tecnológica em termos de pesquisa e desenvolvimento
no domínio da Fórmula E.
Estabelecida no seio do futuro Centro de Excelência da PSA em
Satory, a DS Performance é liderada por Yves Matton.
Aproveitando a sua experiência tecnológica e animados pelos sucessos das equipas de Yves Matton no WRC e
no WTCC, os engenheiros da DS Performance desenvolveram o conjunto do grupo motopropulsor GMP
(motor eléctrico/caixa de velocidades/controlador) do DSV-01. Conceberam, igualmente, o seu sistema de
arrefecimento, a sua suspensão traseira e a sua transmissão. O sistema de gestão do motor foi, por seu lado,
afinado em cooperação com a Magnetti Marelli.
A DS Perfomance acompanhará a DS Virgin Racing ao longo de toda a temporada, para que os pilotos Sam
Bird e Jean-Eric Vergne possam retirar a quintessência dos seus carros de competição.
«Mais que um simples laboratório de Pesquisa & Desenvolvimento, a DS Performance representará uma verdadeira
vitrina de conhecimentos tecnológicos e do espírito de vanguarda da Marca DS. Foi, por isso, natural que
apelássemos a Yves Matton e às suas equipas várias vezes Campeãs do Mundo no WRC e no WTCC para
desenvolver o carro de competição 100% eléctrico, o DSV-01,» afirmou Yves Bonnefont, Director Geral da Marca
DS.
«Sinto-me muito orgulhoso por a DS ter confiado em nós para levar a bom porto o novo desafio que representa o
desenvolvimento do DSV-01. Após o trabalho levado a cabo nestes últimos meses, é uma grande satisfação para as
minhas equipas e até para mim que os primeiros testes oficiais do DSV-01 com Sam Bird e Jean-Eric Vergne tenham
corrido tão bem. Iremos acompanhar a DS Virgin Racing e trabalhar em conjunto de Pequim até Londres para que a
Marca DS também vença no desporto automóvel» comentou Yves Matton (Director da DS Performance).
DS Virgin_Racing_Front_3_4_CopyDS Virgin_Racing_Side_On_Copy
Sobre a DS Performance
A DS Performance é a divisão de competição automóvel da Marca DS. A experiência que a DS
Performance adquire no Campeonato FIA de Fórmula E contribui para o desenvolvimento de
tecnologias eléctricas. Esta divisão será um acelerador no domínio da Pesquisa & Desenvolvimento de novas tecnologias, como a
híbrida plug-in ou as 100% eléctricas. Tecnologias em que o Grupo PSA também opera, beneficiando, em devido tempo, a marca
DS.
Sobre a Marca DS
Marca francesa originária de Paris, a DS foi oficialmente criada a 1 de Junho de 2014 e reafirma a sua ambição: permitir ao
automóvel francês regressar ao topo de gama. Inspirada no melhor savoir-faire francês, a DS perpetua os valores de inovação e
distinção herdados do DS de 1955. Concebida para clientes que buscam uma expressão pessoal, a DS conta, actualmente, com os
modelos: DS 3, DS 3 Cabrio, DS 4, DS 5, DS 5LS* e DS 6*. A DS propõe viaturas que se distinguem por um estilo marcante,
pelo requinte nos mais pequenos detalhes, pelos materiais nobres e pela sua tecnologia, com destaque para a mecânica híbrida
diesel Hybrid4, proposta no DS 5. Distribuída na Europa nas DS Store e em áreas de exposição específicas da rede CITROËN, a DS
possui uma rede de distribuição própria na China. DS é, também, para os seus clientes, uma experiência de marca que se estende
para além dos produtos, com uma gama de serviços premium exclusivos, designadamente através do clube DS PRIVILÈGE. À data, a
Marca totaliza 550 000 exemplares comercializados desde o seu lançamento. www.driveds.pt
Siga toda a actualidade DS em @DS_Official
* Apenas comercializados na China

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

CONTAS de ... "sumir". Alguém consegue explicar porque se aplicam penalizações de 25 e 30 lugares na grelha de partida quando o total dos carros não chega a tal? Ou será que os McLaren Honda vão sair para o GP da Bélgica das esquerdas de Blanchimont?

 

NOVECENTAS CORRIDAS PARA A FERRARI

NOVECENTAS CORRIDAS PARA A FERRARI

 

Este fim de semana em SPA - 900º G.P. onde a Ferrari participa.........

 

LUCAS DI GRASSI NA FÓRMULA E

 

Lucas di Grassi detona recorde da Fórmula E nos testes em Donington Park

Brasileiro, primeiro vencedor da história da categoria, destruiu a marca anterior e baixou da casa de 1min30s durante os preparativos para a temporada que se inicia em outubro

A Fórmula E realiza na Inglaterra seus preparativos para o início da segunda temporada de sua história com testes coletivos no circuito de Donington Park, que é a sede da categoria dos carros elétricos. No quarto dia ensaios para todas as equipes, o melhor tempo foi de Lucas di Grassi, da ABT Schaeffler Audi Sport, com direito a quebra do recorde da pista, com 1min29s920.

O brasileiro é o primeiro a completar uma volta em Donington a bordo de um carro da Fórmula E com um tempo abaixo de 1min30s. A marca é mais de um segundo mais rápida do que o recorde estabelecido nos testes coletivos do ano passado com Sébastien Buemi (1min31s050). Resultado também das novidades introduzidas na categoria: a construção dos sistemas de motor elétrico, transmissão e câmbio - que compõem o chamado trem de força (ou powertrain) é das próprias equipes participantes, que passam a ser construtoras.

"Todos estão testando várias novidades e é notório que a Fórmula E estará mais rápida nesta temporada", destacou di Grassi, o primeiro vencedor da história da categoria dos carros elétricos. "A equipe fez um excelente trabalho e já estabeleceu uma boa base para trabalharmos, e isso é visível", lembrou o piloto da ABT Schaeffler Audi Sport, que na parte da manhã já havia liderado a tabela de tempos com 1min30s312.

"Mais importante do que manter o foco no tempo de volta é trabalhar na confiabilidade do carro. Claro que a performance é importante, mas sabemos que o desempenho nesta pista não se traduz necessariamente no que veremos nas outras pistas do campeonato. Acho que este tempo de volta é promissor e é bom saber que o nosso pacote está rodando bem com os 200 kw de potência", explicou di Grassi. Os carros foram à pista na configuração de classificação, quando toda potência é disponibilizada nos carros. Em condição de corrida, esta carga é baixada para 150 kilowatts.

"Ainda temos algumas questões a trabalhar para melhorarmos, como a programação dos vários softwares que compõem os sistemas de todo o conjunto. De qualquer forma, é um início muito positivo. Ainda temos mais um dia de treinos antes do começo da temporada em outubro, então começamos em uma boa direção. Mas vamos continuar trabalhando forte", afirmou Lucas.

A temporada número dois da Fórmula E começa no dia 17 de outubro em Pequim, na China - palco da vitória de Lucas no início da temporada passada.

Os cinco melhores tempos do quarto dia de testes.
Donington Park, terça-feira, 18 de agosto:

1-) LUCAS DI GRASSI (ABT Schaeffler Audi Sport) - 1min29s920
2-) Sebástien Buemi (Renault e.Dams) - 1min30s382
3-) Bruno Senna (Mahindra Racing) - 1min30s670
4-) Nicolas Prost (Renault e.Dams) - 1min30s677
5-) Nick Heidfeld (Mahindra Racing) - 1min30s871

 

 

FIA Formula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Lucas di Grassi estabelece novo recorde de volta em Donington pela Fórmula E
Alta | Web

FIA Formula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Brasileiro foi o primeiro a baixar da casa de 1min30seg na categoria
Alta | Web

FIA Formula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Lucas cravou 1min29s920 durante sessão da tarde nesta terça-feira (18)
Alta | Web

FIA Formula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Segunda temporada da história da categoria começa em outubro na China
Alta | Web

FIA Formula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Equipes agora desenvolvem seus próprios sistemas de motor elétrico e transmissão
Alta | Web

FIA Formula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
Piloto da ABT Schaeffler Audi Sport diz que início é "promissor"...
Alta | Web

FIA Formula E
Clique na imagem para fazer o Donwload... 
..."Mas ainda temos algumas questões a trabalhar mais para melhroarmos", diz
Alta | Web

 

CURIOSO

Documento  da F1 Racing com bastante piada: todos os capacetes dos campeões do mundo de F1, entre 1950 e 2014.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Grande belga Prix Preview: Spa-Francorchamps, 20-23 agosto de 2015

MÉDIO E SOFT P ZERO compostos como FÓRMULA UM ENTRA
SEGUNDO SEMESTRE DE TEMPORADA

Velocidades altas e LAP longos fazem um dos mais SPA pistas desafiantes DO ANO

 Imprevisível um clima tradicional característica do circuito

 

 

- O segundo semestre de 2015 Formula One temporada começa em curso com indiscutivelmente a turnê mais épico no calendário: Spa-Francorchamps, caractérisé por um longo volta de sete quilômetros, altas velocidades, troca de varrição de elevação, rápido cantos e clima variável. Para lidar com este conjunto amplo de exigências, os pneus mais versáteis nas fileiras são chamados fórum expirado, qui é por isso que a Pirelli P Zero nomeou Branca médio e P Zero Amarelo macio: a combinação de pneus mais popular de todos os grandes prêmios Held até agora este ano. Os Cinturato pneus intermediários e molhados são muito aussi provavelmente apresentará em algum momento durante o fim de semana em Spa, Dado microclima da região.

Paul Hembery, diretor de automobilismo da Pirelli: "We-nomearam pneu para o Sami Spa Sobre fez temos para o Hungaroring - qui acabou por ser uma das corridas mais emocionantes da temporada -, mas os dois circuitos apresentar um contraste muito marcado. Considerando que a Hungria era estreita e sinuosa, Spa está aberto e flat-out, tornando-se um favorito entre todos os pilotos. Temos abundância de cargas de alta energia através dos pneus indo em direções diferentes Muitos devido a todas as forças no trabalho, a temperatura ambiente, mas ainda tende a ser bastante baixo, de modo que os pneus macios e médios representam o melhor desempenho e durabilidade comprometida between . Spa é uma corrida qualquer coisa pode acontecer Quando, com uma alta incidência de carros de segurança e mudança do tempo, por isso é importante estratégia de pneus, bem como a capacidade de cada equipe que leia Constantemente a corrida e reagir a quaisquer oportunidades de forma rápida, que se apresentam. As recentes Spa 24 Horas - qui é o nosso maior evento do ano - contou com mais troca de chumbo do que você poderia contar, assim como uma sucessão de incidentes de segurança e carros na primeira metade da corrida. Que mostra exatamente o que uma competição espetacular e imprevisível este passeio incrível pode fornecer regularmente ".

Os maiores desafios para os pneus:
Gerenciando a quantidade de energia passando pelos pneus é uma das chaves para o sucesso em Spa. Isto não só Consiste em força exercida através de curvas, frenagem, aceleração e as cargas objetivo aussi gerados pela enorme elevação em troca, tipificado pelo famoso complexo Raidillon-Eau Rouge (qui estrutura do pneu e os sujeitos a ombro uma compressão sem paralelo 1g).

A maior dificuldade com o clima variável em Spa é que existem muitas variações ao longo de apenas uma única volta, tornando difícil identificar o pneu adequado quando chove. É possível, por uma ação do sistema a ser completamente embebido de chamadas, o objetivo Comentários outra mão para ser cem por cento seco. Saneamento é um problema, o que significa que é fácil de ser pego por correntes de água que atravessam a superfície da pista.

O pneu médio é um trabalho de baixo classifica composto capaz de alcançar o desempenho ideal Mesmo em uma ampla gama de baixa temperatura - qui Muitas vezes, é o caso em Spa. O pneu macio é um alto contraste trabalhando fileiras composto, adequado para temperaturas mais elevadas.

A estratégia do ano passado e como a corrida foi ganha: Daniel Ricciardo venceu sua segunda corrida consecutiva para a Red Bull (a terceira vitória da carreira de filho) usando uma estratégia de duas paradas para a corrida de 44 voltas de quinto da grelha. Sobre fez dois stints Ele sobre o pneu macio e um stint final sobre o pneu médio, período são 11 e 26. Ele estabeleceu a volta mais rápida da corrida na última volta com o pneu médio parar, sublinhando a coerência do composto Mesmo ao longo de um longo período.

Diferença de desempenho esperado entre les dois compostos: 1,8-2,0 segundos por volta.

A equipe Pirelli escolher seus números de competição: # 7 Anthony Peacock, assessoria de imprensa
"Para além de ser o número de branco Kimi Raikkonen corrida é um número A maioria das pessoas escolhe como sendo branco sorte de ouro significativa: James Bond era 007, Há sete mares, Branca de Neve tinha sete anões e Há sete maravilhas do mundo antigo, assim como pecados mortais. Também sete aparece três vezes no meu dia de nascimento. "

Quem estamos seguindo no Twitter esta semana: Red Bull Motorsportsredbullmotors. Bem como Formula One, há um fileiras inteiras de fotografias impressionantes e notícias de motorsports aqui --outros incluindo alguns Você provavelmente nunca pensou em Even. Por exemplo, você recebe a vista do cockpit de um avião Red Bull Air Race, bem como dicas de jogos de vídeo game campeão de corridas de GT virou motorista Jann Mardenborough.

As escolhas de pneus até agora este ano:

 P Zero Amarelo Vermelho P Zero P Zero Branco Laranja P Zero
Austrália Suave Médio
Malásia Médio Difícil
China Suave Médio
Bahrain Suave Médio
Espanha Médio Difícil
Monaco Supersoft Macio
Canadá Supersoft Macio
Áustria Supersoft Macio
Grã-Bretanha Médio Difícil
Hungria Suave Médio
Bélgica Suave Médio

 

Google Tradutorf371 Copyf372 Copyf373 Copyf374 Copyf375 Copyf376 Copyf377 Copyf379 Copyf380 Copyf381 Copyf382 Copyf383 Copyf384 Copyf385 Copyf386 Copyf387 Copyf388 Copyf389 Copyf390 Copy

 

 

NICOLAS PROST TESTOU FÓRMULA E

NICOLAS PROST TESTOU FÓRMULA E

 

O piloto francês Nicolas Prost já está a preparara a sua próxima época de Fórmula E, tendo estado esta semana numa semana de testes que teve lugar no circuito inglês de Donington.prost1-testoudoningtonfe Copyprost2 Copyprost3 Copyprost4 Copyprost5 Copyprost6 Copyprost7 Copyprost8 Copy

 

RECORDAR É VIVER

RECORDAR É VIVER

 

HELDER DE SOUSA NO GABINETE DE IMPRENSA DO GRANDE PRÉMIO DE PORTUGAL DE F 1

 

Grande Prémio de Portugal de F1 de 1993 .

Para mim, uma raridade esta foto de Luís Miranda, comigo de microfone na mão, nas funções de Director do Gabinete de Imprensa do GP de Portugal de F1 que exerci desde 1984 a 1996. Grande privilégio ter trabalhado na equipa do saudoso Alfredo César Torres e do Sr. Bernie Ecclestone.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

FAIXA DE TEMPERATURA NA HUNGRIA alguns dos mais quentes
VISTO por dois anos, mas a chuva É POSSÍVEL PARA QUALIFICAÇÃO
Sessões de treinos livres MERCEDES dominar,
TANTO NO BRANCO P ZERO MÉDIO E P ZERO AMARELO SOFT PNEUS
ATUALMENTE 1,8-2,0 SEGUNDOS DESEMPENHO GAP
Entre os dois compostos e apertada em Hungaroring TWISTY

 


f341 Copyf342 Copyf344 Copyf345 Copyf346 Copyf347 Copyf348 Copyf349 Copyf350 Copyf351 Copyf352 Copyf352 Copyf353 Copyf354 Copyf355 Copyf356 Copyf356 Copyf357 Copyf358 Copyf359 Copyf360 Copyf370 Copyas temperaturas da pista no ontem Hungaroring foram mais movimentadas visto em dois anos, e enquanto as condições foram ligeiramente mais frio para os treinos livres de hoje, a temperatura ainda na pista atingiu um pico de 54 graus centígrados durante a tarde, com as condições do ambiente 35 graus centígrados.
O calor extremo provocou Stormy Weather, bem como, com uma chuva que afeta a área ontem e mais tempestades potenciais previstos para amanhã à tarde - qui poderia afetar a qualificação.
No calor da Ambas as sessões de treinos livres de hoje, os pilotos da Mercedes estava mais rápida, com o líder do campeonato Lewis Hamilton vai mais rápido Cada uma ocasião, utilizando o pneu médio na parte da manhã e depois o pneu macio na parte da tarde.
Até agora, a diferença de desempenho entre les Nomeado dois compostos é na área de 1,8-2,0 segundos, embora essa margem varia de equipe para equipe e Est Influenciado por temperaturas da pista. O fator principal neste fim de semana está definido para ser a degradação térmica, e como de costume todas as equipes usaram a sessão de treinos livres para julgar como desgaste e degradação foi afetada com diferentes cargas de combustível. Mire com Muitos dos mais longos períodos interrompidos por bandeiras vermelhas em ambas as sessões Foi dificuldade para tirar uma conclusão firme.
Os dados utilizados para calcular será a estratégia de corrida ideal: o que é significativo, em especial no circuito de Hungaroring, onde a ultrapassagem é tradicionalmente bastante dificuldade. Com duas bandeiras vermelhas durante FP1 e FP2 Durante um, os times perderam um pouco de tempo de pista. Como resultado, FP3 amanhã de manhã está definido para ser grandes Avaliações outra sessão como equipes ultimarem os preparativos para a hora qualificação todo-importante.
Paul Hembery, Pirelli Motorsport Diretor: "O calor aqui foi inacreditável e-parece destinada a continuar durante todo o fim de semana, embora haja um risco de chuva, bem como, como a que vivemos ontem à noite. Em face destas condições punir os pneus estão em pé muito bem. Vamos analisar os dados de todas as corridas longas no pneu macio, esta noite, pelo menos, apontar para agora é parecido com uma corrida de duas paradas, com um intervalo de até dois segundo Entre les compostos performance. No entanto, houve uma série de bandeiras vermelhas durante as longas corridas, qui faz Avaliações alguns dos dados inconclusivos. "
 FP1: FP2:
 1. 1. Hamilton Hamilton 1m25.141s 1m23.949s novo novo Suave Médio
 2. Rosberg 1m25.250s 1m24.300s Kvyat 2. Médio usada New Soft
 3. Raikkonen 1m25.812s 1m24.451s Ricciardo 3. New Medium macio novo
Estatísticas de pneus do dia:
 Médio macio Intermediate Wet
km impulsionado * 2711 1266 0 0
define utilizado global ** 59 18 0 0
Maior número de período ** 29 29 0 0
* O número acima dão a quantidade total de quilómetros percorridos no FP1 e FP2 hoje, todos os drivers combinados.
** Por composto, todos os drivers combinado.
Pirelli fato do dia:
Há pouco mais de 1.000 quilômetros de distância de Budapeste, a maior operação logística única da Pirelli do ano está a ter lugar no 24 Horas de Spa na Bélgica. A empresa italiana está fornecendo 9.000 pneus e 57 carros, com a equipe de 55 montadores para entregar um pneu de confiança a cada 15 segundos, se necessário - toda a noite. Mantê-los está acordado Aproximadamente 5.000 xícaras de café expresso consumida durante 24 horas ...

 

FIA BANE Nº 17

FIA BANE O NUMERO 17

 

A Federação Internacional do Automobilismo resolveu banir o numero 17, isto é nenhum piloto poderá voltar a  usar este numero, que se recorde, foi utilizado por Jules Bianchi, recenetemente falecido em França, meses mais tarde depois do acidente no Grande Prémio do Japão de Fórmula 1.

 

G.P.F 1 NA HUNGRIA - FINALMENTE A FERRARI

GRANDE PRÉMIO DE FÓRMULA NA HUNGIRA

 

FINALMENTE A FERRARI E VETTEL

 

Sebastien Vettel ao volate do seu Ferrari foi o brilhante vencedor do Grande Prémjo de Fórmula 1 na Hungria, tendo atrás de si os surprendentes Red Bull Renault de Kvyat e Ricciardo.A 4ª posição foi outra surpresa com o Toro Rosso de Verstappen que teve atrás de si o McLaren de Alonso, e só depois surge o Mercedes de Hamilton, com o Lotus de Grosjean, o Mercedes de Rosberg, e o Mc Laren de Button.f301 Copyf302 Copyf303 Copyf304 Copyf305 Copyf306 Copyf307 Copyf308 Copyf309 Copyf310 Copyf311 Copyf312 Copyf313 Copyf314 Copyf315 Copyf316 Copyf317 Copyf318 Copyf319 Copyf320 Copyf321 Copyf322 Copyf323 Copyf324 Copyf325 Copyf326 Copyf327 Copyf328 Copyf329 Copyf330 Copyf331 Copyf332 Copyf333 Copyf334 Copyf335 Copyf336 Copyf337 Copyf338 Copyf339 Copyf340 Copy

 

F 1 - HUNGRIA - TUDO NA MESMA

FÓRMULA 1 NA HUNGRIA

 

TUDO NA MESMA

 

SUPERIORIDADE MERCEDES CONTINUA COM HAMILTON NA POLE

 

Nada se alterou em termos da Fórmula 1, com a Mercedes uma vez mais a dominar tudo e todos, com Lewis Hamilton a obter o melhor tempo, perante o seu colega de equipa Niko Rosberg.Depois surge na segunda fila nda grelha o Ferrari de Vettel, seguido pelo Red Bull de Ricciardo,estando nas linha seguintes o Ferrari de Raikonen, o Williams de Bottas, o Red Bull de Kvyat, o Williams de Massa e finalemnte o Toro Rosso de Verstappen e o Lotus de Grosjean.f117 Copyf153 Copyf152 Copyf151 Copyf150 Copyf143 Copyf142 Copyf141 Copyf140 Copyf138 Copyf137 Copyf136 Copyf135 Copyf134 Copyf133 Copyf132 Copyf131 Copyf130 Copyf129 Copyf128 Copyf127 Copyf126 Copyf125 Copyf124 Copyf123 Copyf122 Copyf121 Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

p zero macio e composto médio para

o estreito e sinuoso hungaroring

 

elevadas temperaturas na hungria,

aumenta o desafio para os pneus pirelli

 

curvas consecutivas, obriga a um elevado e constante esforço dos compostos

 

 

 Os pneus P Zero Amarelo (composto macio) e o P Zero Branco (composto médio), irão estar em ação no Grande Prémio da Hungria. Um circuito nos arredores de Budapeste, repleto de história, uma vez que foi o local onde acolheu a primeira corrida após a “cortina de Ferro”. Um circuito peculiar, descrito por um antigo campeão mundial, como um pista de Kart sobredimensionada, pelo facto de ser um traçado estreito e sinuoso que cada curva conduz à próxima curva. Sendo um circuito compacto, torna-se muito popular entre os espetadores, uma vez que são capazes de ver a maioria do circuito de apenas um ponto.

 

Paul Hembery (Diretor da Pirelli Motorsport): ” Vimos de Silverstone, um dos circuitos mais rápidos e fluídos do calendário de Fórmula 1 -  para Hungaroring, um dos circuitos mais lentos com uma série de curvas técnicas e consecutivas. É um verdadeiro desafio, e um esforço continúo para o piloto, automóvel e pneus, porque à exceção da reta da meta, não existe nehum ponto para descansar. Outro grande desafio é o clima, Budapeste em Julho, poderá ser muito quente e obviamente pode condicionar de uma forma significativa a degradação térmica. De modo a encontrar o equilibrio correcto entre o desempenho e a durabilidade, selécionámos os mesmos compostos do ano passado, os pneus médio e macio. Esta opção, é suave para proporcionar a melhor aderência para abordar todas as curvas, e ainda forte para suportar as condições meteorológicas e o traçado da pista de Hungaroring. Não é dos circuitos mais fáceis de ultrapassar, por isso a estratégia de pneus poderá fazer uma diferença significativa.”

Os maiores desafios param os pneus:

Existe apenas uma recta significativa em Hungaroring, o que significa que os pneus têm pouco tempo para arrefecer. Como resultado, em particular o pneu de composto médio (de baixa gama de trabalho) irá estar em trabalho constante no limite da sua faixa de trabalho, no caso de temperaturas elevadas. No entanto, em Hungaroring a chuva marcou presença no passado, nomeadamente em 2014.

 

Tal como é exigente para os pneus, Hungaroring é muito exigente fisicamente para os pilotos. Eles comparam-no a Singapura ( reconhecido como um dos circuitos mais exigentes em termos fisicos), devido ao elevado número de curvas e temperaturas ambientais elevadas.

 

Hungaroring, é um circuito muito equilibrado em termos de tração, travagem e cargas de pressão laterais. Todas  as forças que atuam sobre o automóvel são aproximadamente iguais na sua extensão, o que significa que é preciso uma afinação neutra. As equipes afinam de modo a obter a máxima pressão aerodinâmica para proporcionar uma excelente aderência.

 

 

A estratégia vencedora no ano passado:

Daniel Ricciardo venceu a corrida de 70 voltas para a Red Bull, utilizando uma eficaz estratégia com três paragens para ganhar vantagem. Com condições de chuva, significou que os pilotos iniciaram com pneus intermédios, que por sua vez não estavam obrigados a correr com ambos os compostos. Após completar o turno inicial com os pneus intermédios, e com as estratégias também afetadas pela entrada do Safety car em dois períodos,  Ricciardo completou o resto da corrida com os pneus macios. O piloto da Mercedes, Lewis Hamilton, utilizou a estratégia de pneus para ajudar a terminar num notável terceiro lugar, após começar a corrida do Pit Lane.

 

Diferença de tempo previsto por volta entre os dois compostos:

1.2 a 1.5 segundos por volta.

 

A equipe Pirelli escolhe o seu número de corrida: o  #9

Matteo Albucci ( Cordenador de viagens)

“ Para mim é o número 9. Este é o número do mês em que nasci, Setembro, e que sempre pareceu seguir-me, por exemplo, aparece nas matriculas dos carros que tive, bem como, em outras coincidências. Fiz uma pequena pesquisa, e li a descrição do número que referia ser ativo e dinâmico na sua natureza e efeitos.Sempre gostei disto! ”

 

As escolhas de pneus até agora em 2015:

 

P Zero

vermelho

P Zero

Amarelo

P Zero

Branco

P Zero

Laranja

Australia

 

Macio

Medio

 

Malasia

 

 

Medio

Duro

China

 

Macio

Medio

 

Bahrain

 

Macio

Medio

 

Espanha

 

 

Medio

Duro

Mónaco

Supermacio

Macio

 

 

Canadá

Supermacio

Macio

 

 

Áustria

Supermacio

Macio

 

 

Inglaterra

 

 

Medio

Duro

Hungria

 

Macio

Medio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 f100 Copyf101 Copyf102 Copyf104 Copyf105 Copyf106 Copyf107 Copyf108 Copyf109 Copyf110 Copyf111 Copyf112 Copyf113 Copyf114 Copyf115 Copyf116 Copy

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DE JOÃO CARLOS COSTA

 

Sabia da história, mas nunca tinha visto uma foto dos tempos de "Piket". Mas não sabia que Nelsinho podia ter sido um primeiro "Guga" do ténis brasileiro - chegou a ter uma bolsa de estudo para a jogar na Universidade de Atlanta, mas preferiu o cheiro a "óleo queimado".

 

EM 2016 OS F1 PODERÃO SER ASSIM

EM 2016 OS FÓRMULA 1 PODERÃO SER ASSIM

 

OS F1 de 2016 podem ser assim, Uma primeira boa novidade, esperando assim tornar estas corridas mais interessantes e menos monotonas.

 
Mais artigos...

João Raposo

Telemóvel: +351 961 686 867
E-mail: jraposo-air@portugalmail.pt