In order to view this object you need Flash Player 9+ support!

Get Adobe Flash player
Joomla! Slideshow

VELO CAB2012


SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2016 Austrian Grand Prix – Race – Infographics

alt

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2016 Austrian Grand Prix – Race

 TWO-STOP STRATEGY RESULTS IN VICTORY FOR LEWIS HAMILTON
AFTER AN ACTION-PACKED RACE IN AUSTRIA

 LOWER TEMPERATURES LEAD TO LESS TYRE WEAR
AND DEGRADATION THAN EXPECTED

  TYRE ISSUE FOR SEBASTIAN VETTEL BEING INVESTIGATED

 Mercedes driver Lewis Hamilton won the Austrian Grand Prix from pole position, following a two-stop strategy after an action packed race that culminated in a duel between him and his team mate Nico Rosberg all the way to the final lap.

Rosberg initially used the timing of his pit stop tyre strategy to boost his position, ‘undercutting’ a number of drivers including his team mate (who started from pole) to lead the race. But Hamilton reeled him in during a thrilling finale, with Rosberg eventually finishing fourth after they touched on the last lap.

Compared to the previous sessions in Austria, ambient and track temperatures were considerably cooler, with 16 and 24 degrees respectively at the start of the race. This had the effect of containing wear and degradation, although the strategy was affected by a safety car that teams used to take a ‘free’ pit stop without significant loss of track position.

Ferrari and Red Bull adopted a different strategy to the majority of frontrunners, beginning the race on the supersoft tyre rather than the ultrasoft, which was the default choice for the other top 10 drivers – being just over half a second quicker. However, during a long first stint, Ferrari’s Sebastian Vettel experienced a tyre issue. The exact circumstances are still being investigated together with Ferrari; however this appears to be an isolated incident as no other drivers experienced similar problems.

After the final pit stops, there was a three-way battle for the lead between the Mercedes drivers and Red Bull’s Max Verstappen, who made one less pit stop than Rosberg and Hamilton. Rosberg and Hamilton were separated by less than a second all the way to the chequered flag, making this one of those memorable races of the season.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “With Ferrari we’re fully investigating the incident on Sebastian Vettel’s car, in order to finalize a cause. Tyre strategy proved to be crucial to the Austrian Grand Prix, with a close battle to the finish that went all the way to the final lap, using a number of different strategies. The teams headed into the weekend with little information on the tyres following the mixed conditions in free practice and qualifying, as a result of which strategy was a question of thinking on their feet and extracting the maximum advantage from the changing race circumstances.” 

Fastest times of the day by compound

Soft Supersoft Ultrasoft
First Hamilton 1m08.411s Rosberg 1m08.491s Ricciardo          1m08.770s
Second Raikkonen1m08.876s Massa  1m09.899s Hulkenberg       1m10.309s
Third Rosberg 1m08.955s Bottas  1m10.210s Hamilton           1m11.180s

Longest stint of the race:

Soft      Raikkonen 42 laps
Soft      Grosjean 42
Soft      Button 42
Soft      Verstappen 42
Soft      Sainz J 42
Soft      Wehrlein 42
Supersoft      Nasr 27
Ultrasoft      Hamilton 21

Truthometer: We predicted a winning strategy of two stops, following an ultrasoft-soft-soft pattern. However, the safety car following Vettel’s incident affected this pattern, together with much cooler track temperatures than had been the case previously. Hamilton stopped 2 times in the end, on laps 21 and 54.

 

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2016 British Grand Prix – Race

RACE BEGINS BEHIND SAFETY CAR ON A DRYING TRACK
AFTER DOWNPOUR BEFORE THE START

CINTURATO WET AND INTERMEDIATE, AS WELL AS P ZERO SLICK
TYRES, USED ON ONE OF THE MOST DEMANDING TRACKS OF THE YEAR

– Mercedes driver Lewis Hamilton has won home grand prix for the fourth time, using three different Pirelli tyre compounds. The British Grand Prix was subjected to a torrential downpour 15 minutes before the beginning of the race, which meant that the start took place behind the safety car with all the drivers on Cinturato Blue full wet tyres.

When the safety car came in after five laps, a number of drivers went straight onto the Cinturato Green intermediate, while the leaders took advantage of a virtual safety car to switch to the intermediate shortly afterwards.

The crossover point – where it becomes quicker to move onto slick tyres rather than stay on inters – was chosen by most teams from lap 15 (when Ferrari’s Sebastian Vettel was the first to pit) to lap 18 of 52. The timing of the pit stops became crucial, because of the potential to gain plenty of time through being on exactly the right tyre at the right time. With the race having started in wet conditions, there was no longer the obligation to run at least two slick compounds.

Unusually, by the halfway point of the race, all the drivers still running chose exactly the same pattern of tyre usage: wet, intermediate, then medium. Most drivers ran on the medium all the way to the end, making it a two-stop race. This strategy was adopted by the top 10 finishers, with around 10 seconds separating the top three all the way to the finish. The highest-placed three-stopper was Williams driver Felipe Massa, who made a late stop for the soft tyre.

Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “The long-threatened rain finally materialised just before the race start, which clearly altered the complexion of the race and tyre strategy entirely, especially as there was then a lengthy safety car period. As a result we had a drying track with all the drivers moving progressively from wet to intermediate to slick: the timing of these stops being crucial. There was a close battle for the top positions all the way to the finish of a race that demonstrated every variety of conditions and weather that Britain is renowned for, but the drivers were able to push all the way to the chequered flag.”

Fastest times of the day by compound

Medium Soft Wet Intermediate
First Ros   1m35.548s Mas 1m36.141s Ham 1m56.218s Ves  1m47.479s
Second Alo    1m35.669s Mag 1m37.619s Ros  1m58.586s Ham 1m50.649s
Third Ham  1m35.771s Ves  1m59.064s Ric   1m51.040s

 Longest stint of the race:

Medium Vettel 37 laps           
Soft Massa 13
Wet Rosberg, Ericsson, Perez, Nasr, Verstappen, Hamilton 7
Inter Alonso, Magnussen, Gutierrez, Hulkenberg, Sainz 12

Truthometer: The rain meant that strategy predictions went out of the window and drivers had to react to changing track conditions as the surface dried out. Hamilton led from the start and stopped on lap seven for intermediates, then lap 17 for medium slicks.

 

 

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2016 British Grand Prix – Race – Infographics

alt

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS
FOR THE 2016 GRAND PRIX OF UNITED STATES

 Pirelli will bring the following three compounds to the eighteenth round of the 2016 Formula One season in Texas*, to be held (October 21-23) on the Austin circuit:
P Zero White medium
P Zero Yellow soft
P Zero Red supersoft

These are the tyres that Pirelli has said must be used at some point in the race:
One set of P Zero White medium
One set of P Zero Yellow soft.
Each driver must have both these sets available for the race, and must use at least one of them.

There are the tyres assigned for Q3 in qualifying:
One set of P Zero Red supersoft
Following the regulations, each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.

The teams are free to choose the remaining 10 sets; making up 13 sets in total for the weekend.

*The new 2016 tyre regulations mean that tyre nomination for long-haul events have to be made 14 weeks in advance, whereas for European races the deadline is eight weeks in advance.

The tyres nominated so far:

Purple Red Yellow White Orange
Australia Supersoft Soft Medium
Bahrain Supersoft Soft Medium
China Supersoft Soft Medium
Russia Supersoft Soft Medium
Spain Soft Medium Hard
Monaco Ultrasoft Supersoft Soft
Canada Ultrasoft Supersoft Soft
Azerbaijan Supersoft Soft Medium
Austria Ultrasoft Supersoft Soft
Great Britain Soft Medium Hard
Hungary Supersoft Soft Medium
Germany Supersoft Soft Medium
Belgium Supersoft Soft Medium
Italy Supersoft Soft Medium
Singapore Ultrasoft Supersoft Soft
Malaysia Soft Medium Hard
Japan Soft Medium Hard
United States Supersoft Soft Medium

alt

 alt

 

HAAS NO G.P.INGLATERRA

Grande Prémio da Grã-Bretanha: Resumo da Qualificação

 

 

Evento:  Qualificação para o Grande Prémio da Grã-Bretanha (10º round de 21)

altData:  Sábado, 9 de Julho

Local:  Silverstone Circuit

Layout:  5,891 quilómetros, 18 curvas

Condições climatéricas:  Enevoado, 21ºC

Record da volta:  1m29,243s registado por Lewis Hamilton em 2016 com Mercedes (Q2)

Pole-position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m29,287s)

Resultado:

Romain Grosjean 13º, alinhará do lado de fora da sétima linha

Esteban Gutiérrez 14º, alinhará do lado de dentro da sétima linha


    • tem a duração de 18 minutos e todos os vinte e dois pilotos participam
    • os dezasseis pilotos mais rápidos passam à Q2
    Gutiérrez:  10º (1m32,237s), avançou para a Q2

    Grosjean:  12º (1m32,283s), avançou para a Q2

    Piloto mais rápido:  Nico Rosberg da Mercedes (1m30,724s)

    Cutoff:  16º Kevin Magnussen da Renault (1m32,729s)

    • tem a duração de 15 minutos e participam os dezasseis pilotos mais rápidos da Q1
    • os dez pilotos mais rápidos passam à Q3

    Grosjean:  13º (1m32,050s)

    Gutiérrez:  14º (1m32,241s)

    Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m29,243s)

    Cutoff:  10º Nico Hulkenberg da Force India (1m31,770s)

     

    • tem a duração de 12 minutos e participam os dez mais rápidos da Q2, que lutam pela pole-position 

    Autor da pole-position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m29,287s)

    Segundo:  Nico Rosberg da Mercedes (1m29,606s)

     


    Antes da qualificação para o Grande Prémio da Grã-Bretanha, as equipas tiveram a sua derradeira sessão de treinos para preparar a corrida de cinquenta e duas voltas ao circuito de 5,891 quilómetros e dezoito curvas, no Circuito de Silverstone, de domingo. A sessão de sessenta minutas deste sábado foi realizada sob um céu enevoado e sob o ocasional chuvisco. Isto significou que os Pirelli Cinturato Verde/Intermédio foram usados pelas equipas para a suas respectivas voltas de instalação.


    Depois de mais de vinte minutos, a pista secou suficientemente para os slicks serem usados. Os pilotos da Haas F1 Team, Esteban Gutiérrez e Romain Grosjean, realizaram a mesma estratégia de pneus – uma série com Pirelli P Zero Branco/Médio e um final de P Zero Amarelo/Macio. Foi com os pneus macios que ambos os pilotos marcaram a suas voltas mais rápidas – 1m32,895s para o Gutiérrez, na sua décima volta, e 1m33,344s para Grosjean, na sua décima primeira volta, colocando-os como o décimo primeiro e décimo terceiro mais rápidos, respectivamente. Gutiérrez totalizou doze voltas ao passo que Grosjean realizou treze.


    O nome no topo da tabela foi o mesmo das duas primeiras sessões de treinos-livres de sexta-feira – Lewis Hamilton. O piloto da Mercedes dominou completamente as tabelas de tempos com uma volta rápida em 1m30,904s, ao passo que o seu colega de equipa, Nico Rosberg ficou a apenas 0,063s. No ponto oposto do espectro ficou Marcus Ericsson, que teve um despiste ao volante do seu Sauber na saída de Stowe (Cruva 15), resultando numa bandeira vermelha de dezassete minutos.


    As nuvens e a a ameaça de chuva mantiveram-se para a qualificação, mas a pista manteve-se seca, permitindo a Gutiérrez e a Grosjean iniciar a Q1 com pneus macios. O mais macio dos três composto disponibilizados pela Pirelli ajudaram Gutiérrez a marcar o décimo tempo (1m32,237s) e a Grosjean o décimo segundo (1m32,283s), avançando os dois para a Q2 pela quinta vez consecutiva.


    A intensidade do vento aumentou para a Q2 e isso foi um factor, dado que Grosjean e Gutiérrez sentiram que as rajadas tiveram um impacto nas suas voltas. Depois de ambos terem realizado séries de cinco minutos no segmento de quinze minutos, nenhum deles estava satisfeito com o resultado. Voltas lançadas efectuadas imediatamente antes do final da Q2 permitiu-lhes melhorar as suas marcas, com Grosjean a assegurar o décimo terceiro tempo (1m32,050s) e Gutiérrez a segui-lo com o décimo quarto crono (1m32,241s). Os pneus macios permaneceram os escolhidos.


    Também notável foi a volta rapidíssima de Hamilton. Bateu o seu próprio recorde da pista, registando uma volta em 1m29,243s, que melhorou o seu recorde anterior, assinado em 2013 durante a Q3, em 0,364s


    Foi inevitável que tivesse sido Hamilton a assegurar a pole-position para o Grande Prémio da Grã-Bretanha. Mesmo o seu tempo na Q3 foi mais lento que a volta em que realizou um novo record. Ainda assim, o autor da pole-position, com a marca de 1m29,287s, foi 0,319s melhor que o segundo classificado, Rosberg, garantindo à Mercedes o monopólio da primeira linha. Esta é a quinquagésima quinta pole-position de Hamilton, a sexta da temporada e a segunda consecutiva. Foi também a sua quarta pole-position em Silverstone e a segunda consecutiva. Hamilton, nascido em Stevenage, Inglaterra, venceu  o Grande Prémio da Grã-Bretanha por três vezes, a última das quais o ano passado.



    “Penso que, por vezes, para nós, um lugar entre os dez primeiros na qualificação é um pouco demasiado optimista para nós. Somos sempre melhores na corrida. Na qualificação ainda nos faltam algumas pequenas coisas em que temos que melhorar, mas demora algum tempo. Aumentámos um pouco a asa dianteira. Talvez tenha sido demasiado. As condições foram também muito traiçoeiras. O vento aumentou um pouco no final. Causou-me uma longa escorregadela na Curva 15 (Stowe). O vento pode mesmo mudar o comportamento do carro, dependendo da direcção. Se não fosse isso, penso que estaríamos mais próximos de passar à Q3. Décimo terceiro para amanhã não é o pior dos sítios para iniciar a corrida. Se o nosso ritmo de corrida for bom, isso poderá ajudar-nos.”



    “A Q1 correu bem. Tive algumas dificuldades com os pneus, mas depois tudo começou a correr bem. Na Q2, tive algum tráfego na primeira volta lançada, o que não ajudou. Na segunda, o vento aumentou e sentir algumas rajadas ao longo da pista, o que não nos permitiu explorar o máximo do carro. No entanto, estamos sempre a dar o máximo, a tentar tirar tudo do carro. Estamos optimistas. Realizámos um bom trabalho enquanto equipa, portanto, estou confiante de que amanhã teremos uma boa corrida.”



    “Foi um bom esforço de equipa, décimo terceiro e décimo quarto. Estamos sempre perto de entrar na Q3 e esse é, evidentemente, um dos nossos objectivos nas próximas sessões. Estamos a progredir. A equipa funcionou muito bem e os pilotos realizaram um trabalho excelente. Somos consistentes na nossa performance, portanto, estou seguro que brevemente estaremos lá. No geral estou satisfeito com o resultado de hoje. Amanhã vamos lutar pelos pontos e estou convencido de que estamos numa posição para os conquistar.”

     

    -HaasF1Team-

     

     

    Sobre a Haas Automation

    A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

    Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

    A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ou facebook.com/haasportugal.

     

    SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

     

    016 Grande Prémio Pirelli de Inglaterra - Corrida

     

    A CORRIDA COMEÇOU COM UM SAFETY CAR EM PISO MOLHADO APÓS CHUVA TORRENCIAL ANTES DA PARTIDA

     

    PNEUS CINTURATO DE CHUVA E INTERMÉDIOS, ASSIM COMO PNEUS P ZERO SLICK, UTILIZADOS NUM DOS CIRCUITOS

    MAIS EXIGENTES DO ANO

     

    SilverstoneGP Copy O piloto da Mercedes, Lewis Hamilton, venceu o Grande Prémio da sua terra natal pela quarta vez, utilizando três compostos Pirelli diferentes. O Grande Prémio de Inglaterra foi surpreendido por chuva torrencial 15 minutos antes do início da corrida, o que significou que a partida decorreu atrás de um safety car com todos os carros equipados com pneus de chuva Cinturato Blue.

     

    Quando o safety car, saiu de pista após cinco voltas, diversos pilotos alternaram de imediato para pneus intermédios Cinturato Green, enquanto os líderes usufruíram da vantagem de um safety car virtual para trocar para intermédios pouco tempo depois.

     

    O ponto de transição – quando é mais rápido alterar para pneus slock ao invés de manter os intermédios – foi escolhido pela maioria das equipas desde a 15ª volta (quando Sebastian Vettel, da Ferrari, foi o primeiro a parar) até à 18ª volta de 52. O tempo nas pit stops tornou-se crucial, dada a oportunidade de ganhar mais tempo ao utilizar o tipo de pneu certo na altura certa. Com o início da corrida a decorrer sob condições húmidas, cessou a obrigação de correr com, pelo menos, dois compostos.

     

    Invulgarmente, a meio da corrida foi curioso verificar que todos os pilotos optaram exatamente pelo mesmo padrão de pneus: de chuva, intermédio, seguidos de médios. A maioria dos pilotos correu com médio até ao final da corrida, tornando-a numa prova de duas paragens. Esta estratégia foi adotada pelo Top-10 final, com cerca de 10 segundos a separar o Top-3 até à meta. O piloto com três paragens mais bem posicionado foi Felipe Massa, da Williams, que fez uma última troca para pneus macios.

     

    Paul Hembery, Pirelli Motosport Director: “A longa ameaça de chuva finalmente materializou-se momentos antes do início da corrida, o que claramente alterou por completo o seu desenho e a estratégia de utilização de pneus, especialmente dado o longo período em pista do safety car. Como resultado, tivemos um circuito com piso molhado, com todos os pilotos a transitar progressivamente de pneus de chuva para intermédios e Slick: o “timing” dessas paragens foi crucial. Foi uma batalha renhida até ao fim pelos lugares do pódio numa corrida que apresentou a variedade de condições e de meteorologia pelo qual a Inglaterra é conhecida, mas todos os pilotos foram capazes de lutar e de cruzar a bandeira axadrezada.”

     

     

     

     

     

                     Médio                     Macio                         Chuva                                Intermédio

    Primeiro   Ros 1m35.548s         Mas 1m36.141s            Ham 1m56.218s                     Ves 1m47.479s

    Segundo  Alo 1m35.669s          Mag 1m37.619s            Ros 1m58.586s                      Ham 1m50.649s

    Terceiro   Ham 1m35.771s                                              Ves 1m59.064s                      Ric 1m51.040s

     

     

    STINT MAIS LONGO DA CORRIDA:

     

    Médio                   Vettel                                                                                         37(voltas)

    Macio                   Massa                                                                                       17(voltas)

    Chuva                   Rosberg,Ericsson, Perez, Nasr, Verstappen, Hamilton             7(voltas)

    Intermédio            Alonso, Magnussen, Gutierrez, Hulkenberg,Sainz                   12(voltas)

     

     

    A NOSSA PREVISÃO: A chuva significou uma alteração brusca das estratégias e os pilotos tiveram de reagir às alterações nas condições do circuito à medida que o piso foi secando. Hamilton liderou desde o início e parou à 7ª volta para alterar para intermédios, e na 17ª para pneus médios.

     

     

    SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

     

    2016 British Grand Prix, Qualifying

    HAMILTON’S POLE TIME BREAKS THE ABSOLUTE RECORD
    FOR THIS TRACK CONFIGURATION

     COOL TEMPERATURES FOR QUALIFYING
    AFTER A DAMP START TO THE DAY

    TWO STOPS SET TO BE THE FAVOURED RACE STRATEGY

     Mercedes driver Lewis Hamilton has taken another pole position on home territory, using the soft tyre to set a time that was the fastest ever seen on the current 5.891-kilometre Silverstone configuration.

    Conditions were cool and overcast for qualifying, with ambient and track temperatures that reached only 22 and 27 degrees centigrade. During free practice in the morning there was some light rain, with both Cinturato intermediates and full wets seen on a damp track, which eventually dried enough for slicks to be used.

    The soft tyre was used right from the beginning of Q1 for nearly all the drivers: the softest compound available, seen for the first time at the high-energy Silverstone circuit.

    A two-stop strategy is set to be the optimal choice for the race tomorrow if conditions remain dry – which is far from guaranteed, using the soft and the medium tyre. As is often the case, there are also other strategy permutations that could help to boost track position.

    Hamilton already broke the absolute lap record at the end of Q2 on the soft tyre, which is the compound that the top 10 will all start with tomorrow. He wasn’t quite as quick in the final Q3 shoot-out, setting a pole time of 1m29.287, which was still a full three seconds faster than last year’s equivalent.

    Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “A day of mixed conditions again, which is typical of Silverstone and could well be the case again tomorrow. This is why the data gathered in all these different conditions up to now is likely to be very useful. We’ve seen some absolutely stunning pace with the soft compound in particular, while the medium looks like it’s going to be the favoured race tyre, using a two-stop strategy.”

    How the tyres behaved today:
    Hard: only used in the first part of Q1 by Force India, not seen for the rest of qualifying.
    Medium: Seen in FP3 and hardly at all in qualifying, but will be the favoured race tyre.
    Soft: the most popular choice in qualifying used from start to finish by almost everybody.

    Possible race strategies and maximum laps:
    Pirelli recommends that the following numbers of laps are not exceeded on each compound:
    Hard* = 26 laps
    Medium = 28 laps
    Soft = 15 laps
    *The hard compound experienced some graining, which is why the useful life of this tyre is predicted to be less than that of the medium. 

    On this basis, the optimal pit-stop strategies predicted by Pirelli are as follows:

    QUICKEST
    Two-stopper: two stints on soft of 12 laps each + one 28-lap stint on medium
    SECOND-QUICKEST
    Three-stopper: three stints on soft of 12 laps each + one 16-lap stint on medium
    THIRD-QUICKEST
    Two-stopper: one 12-lap stint on soft + one 14-lap stint on new soft + one 26-lap stint on hard
    SLOWEST
    Two-stopper: one stint on soft of 12 laps + two 20-lap stints on medium

    Different permutations of compound usage within each strategy are possible.

    These indications do not represent or constitute a guaranteed minimum number of laps for each compound. It is the responsibility of each team to define its own race strategies based on its own wear data.

    Free practice 3 – top three times

    Hamilton 1m30.904s Soft new
    Rosberg 1m30.967s Soft new
    Ricciardo 1m31.488s Soft new

    Qualifying top 10

    Hamilton 1m29.287s Soft new
    Rosberg 1m29.606s Soft new
    Verstappen 1m30.313s Soft new
    Ricciardo 1m30.618s Soft new
    Raikkonen 1m30.881s Soft new
    Vettel 1m31.490s Soft new
    Bottas 1m31.557s Soft new
    Hulkenberg 1m31.920s Soft new
    Sainz 1m31.989s Soft new
    Alonso 1m32.343s Soft new

    Most laps by compound so far

    Hard Perez 20 laps
    Medium Palmer 34
    Soft Hamilton 23
    Intermediate Rosberg 3
    Wet Alonso 1
    Wet Bottas 1
    Wet Button 1
    Wet Ericsson 1

    Best time by compound so far

    Hard Verstappen 1m33.202s
    Medium Hamilton 1m31.654s
    Soft Hamilton 1m29.243s

     

     

     alt
    alt

     

    LOPEZ NA FÓRMULA E

    PEPechito Lopez_DSVR_CopyCHITO LOPEZ NOS MONOLUGARES DA FÓRMULA E

     

     

    A equipa DS Virgin Racing team tem o prazer de anunciar a chegada do argentino Jose María López, duplo Campeão do Mundo do FIA WTCC, que se junta, assim, ao britânico Sam Bird para a temporada 2016-17 do Campeonato FIA de Fórmula E. 

     

    G.P.INGLATERRA - F1

    CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 

     

    G.P.INGLATERRA - OS PREPARATIVOS

     

    Grupo de imagens dos preparativos que antecederam o Grande Premio de Inglaterra, que tem lugar este fiF1 CopyF2 CopyF3 CopyF4 CopyF5 CopyF6 CopyF7 CopyF8 CopyF9 CopyF10 CopyF11 CopyF12 CopyF14 CopyF15 CopyF16 CopyF17 CopyF18 CopyF19 CopyF20 Copym de semana em Silverstone.

     

    HAAS NO G.P.AUSTRIA

    AINDA A PRESENÇA DA HAAS NO G.P.AUSTRIA

     

    Grande Prémio da Áustria: Resumo da Corrida

     

     

    Evento:  Grande Prémio da Áustria (9º Round de 21)

    altData:  Domingo, 3 de Julho

    Local:  Red Bull Ring em Spielberg, Áustria

    Layout:  4,326 quilómetros, circuito de 9 curvas

    Condições climatéricas:  céu enevoado, 16ºC

    Vencedor:  Lewis Hamilton da Mercedes

    Haas F1 Team:  

    Romain Grosjean – arrancou de 13º, terminou em 7º (completou 71/71 voltas)

    Esteban Gutiérrez – arrancou de 11º, terminou em 11º (completou 70/71 voltas)

     


    A Haas F1 Team conquistou mais pontos este domingo no Red Bull Ring, a quarta vez que a primeira equipa norte-americana de Fórmula 1 em trinta anos marca pontos na sua primeira temporada. Romain Grosjean registou mais seis pontos, com o um sétimo lugar no Grande Prémio da Áustria, e o Esteban Gutiérrez continua a bater a porta das posições com direito a pontos, a ver a bandeirada de xadrez no décimo primeiro lugar pela terceira vez este ano.


    Grosjean empregou uma estratégia de uma paragem nas boxes na corrida de setenta e uma voltas ao traçado de 4,326 quilómetros e nove curvas. Depois de arrancar de décimo terceiro com um jogo de pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio, Grosjean completou vinte e sete voltas antes de entrar nas boxes para montar PZero Amarelo/Macio ligeiramente usados. Grosjean tirou partido do período de Safety-Car, devido ao despiste de Sebastian Vettel na recta da meta. O piloto da Ferrari estava na liderança quando perdeu o controlo do carro devido à desintegração do pneu traseiro direito, espalhando borracha pela pista.


    Grosjean saiu das boxes no nono lugar, mas foi demasiado rápido na via das boxes, o que lhe valeu uma penalização de cinco segundos por exceder o limite máximo da velocidade na via das boxes, tempo que lhe foi adiccionado ao teu tempo de corrida no final das setenta e uma voltas.


    Com o fim do período de Safety-Car, a prova recomeçou na trigésima segunda volta, e então os espelhos de Grosjean estavam cheios com o Williams de Felipe Massa e com o Force India de Sérgio Pérez. Grosjean segurou-os e trabalhou de modo a construir uma vantagem de mais de cinco segundo para o seu mais próximo adversário.


    Ajudado pelos problemas dos outros, Grosjean subiu ao sétimo posto e, á medida que as voltas se iam realizando, foi alargando a sua vantagem de forma metódica para o oitavo classificado, Pérez. Pouco depois de criar uma margem superior a cinco segundos sobre Pérez, o piloto da Force India desvalorizou a situação ao se despistar na última volta. Com a penalização aplicada no final, a vantagem de Grosjean para o oitavo classificado, Carlos Sainz, era de 2,732s. O sétimo lugar era de Grosjean, tendo os seis pontos conquistados o levado até ao décimo posto do Campeonato de Pilotos.


    Gutiérrez, por seu lado, lutou para alcançar um respeitável décimo primeiro lugar. Apesar de arrancar e terminar na mesma posição, Gutiérrez caiu para o décimo oitavo lugar na primeira curva da primeira volta. Gutiérrez realizou vinte e uma voltas com os supermacios com que iniciou a corrida, antes de parar nas boxes para montar um jogo de supermacios novos. Depois de subir ao décimo quinto lugar, Gutiérrez voltou a parar nas boxes na quadragésima primeira volta para montar macios ligeiramente usados. Regressou à pista no décimo nono lugar e, durante as últimas trinta voltas, geriu os seus pneus e tirou vantagem dos problemas dos outros para regressar ao décimo primeiro lugar.


    O sétimo lugar de Grosjean combinado com o décimo primeiro de Gutiérrez marca o melhor resultado colectivo da Haas F1 Team esta temporada.


    Com nove dos vinte e um rounds do calendário disputados, a Haas F1 Team prossegue no oitavo lugar do Campeonato de Construtores, tendo agora vinte e oito pontos. Está a quatro pontos da McLaren, a sétima classificada, e com vinte e dois de vantagem para a Renault, a nona classificada.


    Lewis Hamilton venceu o Grande Prémio da Áustria, mas o triunfo teve como preço um toque na última volta com o seu colega de equipa da Mercedes, Nico Rosberg. Hamilton conquistou a sua quadragésima sexta vitória na Fórmula 1, a sua terceira da temporada e a primeira no Red Bull Ring, ao passo que Rosberg terminou no quarto lugar. Hamilton cruzou a linha de meta com uma vantagem de 5,719s para Max Verstappen, o segundo classificado. Esta vitória aproximou o duo da Mercedes na luta pelo campeonato, dado que Hamilton recuperou treze pontos face a Rosberg. Rosberg continua a liderar o Campeonato de Pilotos, mas a sua margem para Hamilton é agora de onze pontos, quando temos ainda mais de metade da temporada de Fórmula 1 por disputar.



    “Foi uma boa corrida. A primeira volta não foi fantástica. Fui empurrado por outro carro e perdi algumas posições. Depois disso, mantive-me com pneus supermacios, apesar de estarem a perder aderência. Consegui recuperar algumas posições e manter um bom ritmo. o Safety-Car apareceu quando planeávamos parar, o que nos ajudou um pouco. Então fiquei atrás do (Jenson) Button. Tentei persegui-lo e ultrapassá-lo, mas era muito difícil manter no encalço de outro carro para depois passar. Apanhei uma penalização de cinco segundos, portanto, nas últimas voltas tive que abrir uma vantagem para o meu perseguidor. Ataquei ao máximo em todas as voltas, o que foi divertido, mas também stressante. Não saí de pista. No final o Pérez despistou-se, correu bem para mim.”



    “Foi uma corrida difícil desde o início. O sistema anti-stall entrou em funcionamento, e perdemos muito terreno. Depois comecei a recuperar, tentando dar o meu melhor com uma estratégia diferente da que tínhamos planeado. No final, o ritmo estava muito bom. Estávamos a recuperar posições e estávamos numa boa posição, mas estávamos com dificuldade com a aderência. Terminámos no décimo primeiro lugar, muito próximo de marcarmos pontos. Não é o ideal, mas pelo menos, lutámos até ao fim com o que tínhamos. Vamos continuar a dar o máximo e focarmo-nos na próxima corrida.”



    “Finalmente, de volta aos pontos, mas não tornámos as coisas fáceis para nós. Toda a equipa realizou um trabalho fantástico e terminámos no sétimo e décimo primeiro lugares. Romain sofreu uma penalização. No entanto, conseguimos manter a nossa posição. A sua estratégia de pneus foi diferente da maior parte dos restantes, mas funcionou bem e o carro estava rápido. Para o Esteban, a sua partida não foi boa, e perdeu muitas posições. Para além disso, a sua estratégia de pneus não funcionou como antecipado, mas ele, mesmo assim, conseguiu subir na classificação e terminar em décimo primeiro, a meio segundo do (Pascal) Wehrlein. Foi a terceira vez que o Esteban terminou no décimo primeiro lugar, o que demonstra que ele e a equipa são capazes de terminar nos pontos. No geral, foi um alívio conquistar mais pontos e agora estamos ansiosos por Silverstone.”

     

    O décimo round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 é o Grande Prémio da Grã-Bretanha, que se realiza em Silverstone. Os treinos-livres iniciam-se no dia 8 de Julho, a qualificação a 9 e a corrida a 10.

     

    HAAS NO G.P. DE INGLATERRA

    Grande Prémio da Grã-Bretanha: Resumo de 6ª-Feira

     


    Evento:  1ª Sessão de treinos-livres e 2ª Sessão de treinos-livres

    altData:  sexta-feira, 8 de Julho

    Local:  Silverstone Circuit

    Layout:  5,891 quilómetros, 18 curvas

    Condições meteorológicas na 1ª Sessão:  Enevoado, 17ºC

    Condições meteorológicas na 2ª Sessão:  Parcialmente enevoado, 21ºC

    Pilotos:  Romain Grosjean, Esteban Gutiérrez e Charles Leclerc

     

     

    Grosjean:  15º (1m34,547s), 24 voltas

    Leclerc:  18º (1m35,869s), 26 voltas

    Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m31,654s)

    Mais voltas completadas:  Valtteri Bottas da Williams (38 voltas)

     

     

    Grosjean:  8º (1m33,614s), 32 voltas

    Gutiérrez:  12º (1m34,000s), 32 voltas

    Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m31,660s)

    Mais voltas completadas:  Jolyon Palmer e Kevin Magnussen ambos da Renault (41 voltas)

     


    A primeira sessão de treinos-livres do Grande Prémio da Grã-Bretanha, que se realiza no domingo no Circuito de Silverstone, foi o palco da estreia na Fórmula 1 de Charles Leclerc. O jovem de dezoito anos é membro da Ferrari Driver Academy e está actualmente a competir na GP3 Series com a ART Grand Prix. O piloto da Haas F1 Team, que foi também um piloto da Ferrari Driver Academy, cedeu o seu lugar para que Leclerc obtivesse valiosa experiência ao volante de um Fórmula 1.


    Leclerc completou um total de vinte e seis voltas ao circuito de 5,891 quilómetros e dezoito curvas, tendo assinado o seu melhor tempo quando cruzou a linha de meta pela vigésima quarta vez. A sessão de noventa minutos decorreu sem problemas para Leclerc, excepto um pião na Curva 3 durante a sua oitava volta. Recuperou rapidamente e terminou no décimo oitavo lugar da tabela de tempos.


    O piloto da Haas F1 Team, Romain Grosjean, completou vinte e quatro voltas na primeira sessão e assegurou a sua melhor volta na décima quinta (1m34,547s), o que o colocou no décimo quinto lugar. Tanto ele como Leclerc rodaram exclusivamente com pneus Pirelli P Zero Branco/Médio.


    Os pilotos da Mercedes, Lewis Hamilton e Nico Rosberg, foram os mais rápidos entre o pelotão de vinte e dois pilotos, terminando nos dois primeiros lugares. A melhor volta de Hamilton foi de 1m31,654s, deixando Rosberg a 0,033s, ao passo que o piloto da Force India, Nico Hulkenberg, ficou no terceiro lugar a 0,838s de Hamilton.


    A segunda sessão começou com algo que os pilotos e equipas não tinha ainda visto em Silverstone – o Sol. O céu esteve enevoado durante a primeira sessão, deixando a temperatura do ar no 17ºC. O Sol aqueceu o ambiente dramaticamente, com a temperatura a chegar aos 21ºC. A temperatura da pista aumentou dos 18/23ºC da primeira sessão para os 33/39ºC da segunda. Outra varável em jogo foi o vento, com a segunda sessão a revelar-se mais ventosa que a primeira.


    Gutiérrez regressou aos comandos do seu carro na segunda sessão. Completou trinta e duas voltas ao longo dos noventa minutos de treinos, tendo realizado o seu melhor registo (1m34,000s) na sua décima terceira volta, quando tinha montado no seu monolugar pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio. Ficou no décimo segundo lugar.


    Grosjean melhorou a sua performance da primeira sessão, registando o tempo de 1m33,614s, o que o colocou no oitavo posto da tabela de tempos, entre os vinte e um pilotos que tomaram parte na sessão. Também ele completou trinta e duas voltas, com a mais rápida a surgir na décima primeira, efectuada com borrachas macias.


    Os dois pilotos distinguiram-se na escolha de pneus para a segunda sessão. Grosjean começou com um jogo de Pirelli P Zero Laranja/Duro. Realizou oito voltas com estes pneus para depois optar por amarelos/macios. Após cinco voltas parou para montar um jogo de macios usados, completando doze voltas. Grosjean terminou a sessão com uma série de cinco voltas com pneumáticos duros montados. Gutiérrez, por seu lado, começou com pneus brancos/médios. Depois de dez voltas, mudou para amarelos/macios, realizando uma série de cinco voltas. Na sua última série completou dezassete voltas com médios.


    Hamilton alcançou o topo da tabela de tempos na segunda sessão, mas o seu colega de equipa, Rosberg, não realizou qualquer volta. Enquanto Hamilton realizava de novo a melhor volta da sessão, 1m31,660s, os mecânicos de Rosberg tratavam de uma fuga de água no carro deste. Isto permitiu que Daniel Ricciardo assegurasse o segundo melhor tempo (1m32,051s), tendo o seu colega de equipa da Red Bull, Max Verstappen, ficado no terceiro lugar, a 0,626s de Hamilton.


    Entre as duas sessões, a Haas F1 Team completou no total cento e catorze voltas – cinquenta e seis realizadas por Grosjean, trinta e duas por Gutiérrez e vinte e seis por Leclerc.



    “Foi um bom dia para avaliar os três diferentes tipos de pneus. O carro não está muito mau a alta velocidade, o que é uma boa notícia para esta pista. Temos ainda que encontrar alguma performance através dos pneus, que necessitamos de os fazer funcionar correctamente. Essa será a nossa principal tarefa esta noite, quando analisarmos as duas sessões de hoje.”


     

    “Foi uma manhã calma para mim, dado que não participei na primeira sessão. Depois iniciei o meu programa na segunda sessão, que foi muito positiva, dadas as voltas que completámos e tudo o que experimentámos. Hoje tivemos a possibilidade de alterar as afinações e de nos colocarmos na melhor das direcções. Até agora, o carro está bom. No entanto, as condições são complicadas, devido ao vento. Temos algum trabalho para fazer, mas vamos usar bem os dados que reunimos hoje, para amanhã tiramos o máximo de partido, sobretudo na qualificação.”



    “Foi uma experiência fantástica, a minha primeira vez num carro de Fórmula 1. Estava com bastantes dificuldades no início, dado que Silverstone é uma pista complicada, com muitas curvas de alta velocidade e deparei-me com uma direcção bastante dura, comparativamente a tudo o que experimentei até hoje. No entanto, foi uma grande sessão e volta a volta ganhei confiança. A última série foi com pneus velhos, portanto, não mostrámos o nosso verdadeiro ritmo, mas penso que fomos bastante rápidos. Completámos o programa e esse era o principal objectivo, portanto, estou satisfeito. Foi, provavelmente, um dos melhores dias da minha vida, e realizá-lo com a Haas foi ainda mais fantástico.”



    “Tivemos hoje boas sessões. Tanto na primeira como na segunda tudo correu de acordo com o planeado e completámos o nosso programa totalmente sem qualquer problema. O Charles desempenhou um grande trabalho esta manhã na primeira sessão. Temos que nos recordar que esta foi a sua primeira vez com um carro de Fórmula 1 – e com algumas condições difíceis, dado que a pista estava ainda húmida. Ele realizou um bom trabalho e reunimos todos os dados de que precisávamos. O Romain e o Esteban também completaram os seus respectivos programas, portanto, conseguimos tudo o que queríamos das sessões deles para podermos preparar o dia de amanhã. O Esteban pegou na informação que reunimos de manhã e continuou até aos objectivos que apontámos. Portanto, no geral, olhamos para amanhã com optimismo. Espero que a terceira sessão corra tão como correram as de hoje e vamos dar o nosso melhor na qualificação.”

     

    Os pilotos terão mais uma sessão de treinos-livres no sábado (10h00 – 11h00) antes da qualificação, que terá o seu início às 13h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os dezasseis pilotos mais rápidos a avançarem da Q1 para a Q2. Posteriormente, os dez pilotos mais rápidos na Q2 seguem para a Q3, durante a qual lutarão pela pole-position.

     

    -HaasF1Team-

     

    Sobre a Haas Automation

    A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

    Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

    A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ou facebook.com/haasportugal.

     

    HAAS NO G.P.INGLATERRA

     

    Pedal a fundo em Silverstone

    Haas F1 Team Acelera para o Grande Prémio da Grã-Bretanha

     

    KANNAPOLIS, Carolina do Norte (07 de Julho de 2016) – Cai bem que num circuito com “prata” (n.d.r.: “silver”) no seu nome os pilotos possam acelerar a fundo por longos períodos de tempo.


    O Circuito de Silverstone, uma pista de 5,891 quilómetros e dezoito curvas que está situada a cerca de uma viagem de carro de duas horas de Londres, é o palco do Grande Prémio da Grã-Bretanha no domingo. É o terceiro circuito mais longo do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, apenas atrás do Circuito de Spa-Francorchamps (7,004 quilómetros) e do Circuito Citadino de Baku (6,003 quilómetros).


    A maior parte do layout de Silverstone é constituída por curvas de média e alta velocidade, permitindo aos pilotos rodaram cerca de sessenta e cinco porcento das voltas com o acelerador no máximo. Isto permite médias de cerca de 225Km/h, tornando-a numa pista de potência e um dos palcos mais velozes da Fórmula 1. É no melhor momento, portanto, que a Haas F1 Team recebe a mais recente evolução do motor Ferrari, que combina uma maior eficiência com mais performance.


    As equipas rodam com os seus carros em níveis aerodinâmicos médios/altos para que possam negociar da melhor forma as impressionantes velocidades alcançadas nas curvas de Silverstone. Estes níveis de apoio são obtidos porque o circuito tem relativamente poucas rectas longas, muito embora sejam alcançadas velocidades elevadas.


    Com o apoio aerodinâmico que estes carros geram na pista, os pneumáticos sofrem forças de todas as direcções. Por isso, o fornecedor de pneus oficial da Fórmula 1, a Pirelli, levou para Silverstone os compostos mais duros da sua gama – P Zero Laranja/Duro, P Zero Branco/Médio e P Zero Amarelo/Macio. É apenas a segunda vez esta temporada que a Pirelli escolheu estes compostos, tendo sido a outra ocasião sido no Grande Prémio de Espanha no Circuit de Barcelona – Catalunya.


    A aderência continua a ser uma necessidade imperial para os pilotos, e por isso, Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez escolheram, cada um, sete jogos de pneus macios, dos treze a que têm direito. No entanto, diferem nas selecções restantes. O Grosjean optou por dois jogos de duros e quatro de médios, ao passo que Gutiérrez escolheu apenas um jogo de duros e cinco de médios.


    Aparentemente, a corrida de cinquenta e duas voltas de domingo forçará as equipas as duas paragens nas boxes, uma vez que Silverstone oferece elevados níveis de aderência, o que, combinado com os elevados níveis de apoio aerodinâmico, exige ainda mais da superfície dos pneus. E, claro, quanto mais macio o pneu, mas rapidamente se desagasta.


    É também provável que o Grande Prémio da Grã-Bretanha seja afectado pelas condições meteorológicas, alternando entre o Sol e chuvadas ou frio. Talvez seja esta a variável que é determinante para que o autor da pole-position do Grande Prémio da Grã-Bretanha nos últimos dezoito anos apenas por quatro vezes tenha vencido a corrida.


    Apesar de no domingo se disputar o sexagésimo sétimo Grande Prémio da Grã-Bretanha, será o quinquagésimo Grande Prémio britânico realizado em Silverstone. Silverstone é a casa do Grande Prémio da Grã-Bretanha da era moderna, tendo em 1950 Nino Farina vencido a corrida à frente do seu conterrâneo italiano Luigi Fagioli. Continuou a ser o palco do evento até 1954, antes de o partilhar com o Circuito de Aintree, em Liverpool, entre 1955 e 1962, e Brands Hatch, em Longfield, entre 1963 e 1986. Mas em 1987 Silverstone tornou-se definitivamente a casa do Grande Prémio da Grã-Bretanha.


    E casa é o que Silverstone representa para muitas equipas de Fórmula 1, uma vez que está situado na zona onde oito equipas estão sediadas, incluindo a Haas F1 Team, que tem o seu centro logístico europeu em Banbury, a trinta minutos de Silverstone.


    Depois da sua quarta classificação com direito a pontos, alcançada no fim-de-semana passado no Grande Prémio da Áustria, a Haas F1 Team está apostada em garantir mais pontos na pista britânica.

    Silverstone Circuit

    Perímetro: 5,891 km

    Número de voltas: 52

    Distância de corrida: 306.198 km

    Transmissão televisiva:

    Eurosport 2xtra

    Programa de antevisão: 12h00

    Corrida: 13h00

    alt

    Sobre a Haas Automation

    A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitarwww.HaasCNC.com.

    Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal             

    A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ oufacebook.com/haasportugal.

    alt


    Silverstone é a corrida caseira para a maior parte das equipas de Fórmula 1, até a Haas F1 Team tem a sua base europeia a cerca de trinta minutos da pista. A casa das equipas de NASCAR é Charlotte, e para essas corridas,  cada membro da equipa chega por sua própria conta, muitas vezes conduzindo ou indo de bicicleta para o circuito. Isto é possível para os membros da equipa, ou tratam esta corrida como se fosse qualquer outra corrida e colocam toda gente num hotel de onde são transportados juntos para a pista?

    “A viagem depende de cada um. Alguns ficam em casa e vão para a pista de autocarro, dado que o estacionamento é limitado, outros ficam num hotel e vão também de autocarro para a pista. Se chegarem a Banbury, a nossa base, até uma certa hora, podem apanhar um transporte para a pista.”


    Silverstone é uma pista rápida onde os pilotos estão com o acelerador a fundo por longos períodos de tempo. Como os ajudam a encontrar os limites e determinar podem andar a fundo?

    “Depende do conforto que os pilotos sentem. Podemos tirar algum apoio aerodinâmico para maior velocidade nas rectas, se se sentirem confortáveis.”


    Que nível de apoio aerodinâmico pretendem ter no carro para a pista de Silverstone? Até que ponto um piloto pode escorregar com o carro, ou até que ponto a equipa quer que ele escorregue e, dessa forma, diminuir a resistência aerodinâmica?

    “O carro tem que estar colado à pista. Assim que tiramos demasiado apoio aerodinâmico, os pneus deixam de durar e começamos a ter granulação, coisa de que os pilotos não gostam. Temos que tirar apenas o apoio aerodinâmico suficiente para que o carro não escorregue e passe a gastar em demasia os pneus. Tem menos a ver com o que os pilotos sentem e mais com a preservação dos pneus. O piloto pode estar mais confortável quando os pneus estão a ceder, mas então corremos o risco dos pneus perderem eficácia.”


    Haverão evoluções aerodinâmicas no VF-16, em Silverstone?

    “Não, não teremos alterações aerodinâmicas.”

     

    Haas F1 Team terá a mais recente evolução do motor Ferrari em Silverstone. Qual é a sua evolução relativamente à versão precedente que foi usado desde o início da temporada?

    “O carro terá uma evolução de motor, que será uma combinação entre mais eficiência e maior performance.”


    A Ferrari tem usado este motor nos seus carros desde o Canadá, em princípio de Junho. Por que motivo a Haas F1 Team esperou até agora para o instalar nos seus carros?

    “É normal que recebamos as evoluções algumas corridas depois da Ferrari. Estamos satisfeitos com a situação, dado que não temos que as testar e eles ganham experiência necessária para efectuar modificações, se necessário.”


    Em muitos circuitos a pole-position é crítica. Mas por alguma razão, não é muito importante em Silverstone, onde o autor da pole-position só venceu quatro vezes nos últimos dezoito anos. Isto é um acaso ou é algo que o layout da pista cria, ao garantir mais oportunidades para aqueles que começam mais atrás na grelha de partida?

    “Não creio que seja uma razão específica. Tenho a certeza de que, em Silverstone, é possível ultrapassar, mas penso que o facto de tão poucos pilotos venceram a partir da pole-position se deve a um acaso.”


    As condições climatéricas tendem a ser uma variável importante em Silverstone, com temperaturas altas a alternarem com temperaturas baixas, chuva, etc. Como se preparam para alterações climatéricas tão dramáticas, seja em Silverstone seja noutro local qualquer?

    “Para além dos dados para os pneus e da forma como funcionam com as diferentes temperaturas, é muito difícil prepararmo-nos. O melhor que podemos fazer é manter o olho no tempo e ver o que acontece.”


    Há alguma pista por onde a equipa tenha passado esta temporada que se aproxime à experiência que será vivida em Silverstone, permitindo um ponto de partida para a afinação?

    “Ganhamos experiência e conhecimento em todas as pistas, mas isso não significa necessariamente que beneficiemos desse conhecimento em outras pistas. É verdade que tivemos os mesmos pneus em Espanha, mas as condições climatéricas e as temperaturas podem ser completamente diferentes, o que pode levar-nos a um resultado completamente distinto. O melhor para nós é reunir o máximo de informação em cada pista e aplicarmos esse conhecimento a outras e tirar o máximo de partido possível.”


    Parece que, sempre que as temperaturas são mais elevadas, é mais fácil colocar os pneus a funcionar correctamente. Isto é uma conclusão precisa?

    “É difícil colocar os pneus a funcionar na sua janela de funcionamento. É uma linha muito ténue e é fácil ultrapassá-la. Pode ser para o lado do fresco ou do quente. Temos que encontrar a temperatura certa, tal como as restantes equipas.”

     

     

    Silverstone é uma das pistas mais rápidas da Fórmula 1, mas não é necessariamente por ter longas rectas, mas antes pelas suas curvas longas e fluídas. Podes descrever a sensação de velocidade que experimentas neste circuito de potência?

    “É uma pista espectacular, especialmente as zonas rápidas de Maggotts, Becketts e Chapel. Quanto temos aderência no carro, então temos uma sensação intensa das forças G. Sentimos forças muito fortes. Queremos fazer bem a primeira zona de curvas fluídas. Se não o fizermos, perdemos muito tempo. Quando o carro está estável e tem um bom equilíbrio, podemos ir a fundo e ir até aos limites. Isto é a Fórmula 1 no seu melhor.”

     

    Silverstone é a pista onde podem ir a fundo por maior períodos de tempo?

    “Penso que, provavelmente, Baku é onde vamos a fundo mais tempo, mas Silverstone é um circuito de potência, também. Precisamos de ter potência para fazer um bom tempo. Há algumas rectas e algumas oportunidades de ultrapassagem, mas Silverstone é, principalmente, aderência nas curvas de alta velocidade.”


    Como encontras os limites para determinares quando podes ir a fundo ou não?

    “Bem,rapidamente percebemos quando erramos.”

     

    Com a velocidade a deter um papel tão importante em Silverstone, é muito difícil ultrapassar? E se a oportunidade surgir, onde é possível ultrapassar?

    “Há alguns locais. Nas rectas e nas curvas de alta velocidade, temos a oportunidade, se o carro estiver mais bem afinado que o que estiver à frente. Depois da Curva 3 ou Curva 4, há uma longa secção de curvas de baixa velocidade e aí temos também uma oportunidade. Mas em Silverstone a grande diferença é entre um carro bem equilibrado e um carro desequilibrado, é aí que está a oportunidade.

     

    Em muitos circuitos a pole-position é crítica. Mas por alguma razão, não é muito importante em Silverstone, onde o autor da pole-position só venceu quatro vezes nos últimos dezoito anos. Isto é um acaso ou é algo que o layout da pista cria, ao garantir mais oportunidades para aqueles que começam mais atrás na grelha de partida?

    “Silverstone fica no Reino Unido e no Reino Unido as condições climatéricas são instáveis, podendo estar a chover ou a fazer Sol. Isso é importante. Tudo pode mudar entre a qualificação e a corrida e, por vezes, até na própria corrida. Podemos também ter um bom carro em qualificação que não é bem equilibrado para a corrida e isso paga-se. É aqui que está o sucesso e, provavelmente, o motivo pelo o qual os vencedores não arrancam da pole-position.”

     

    Há alguma pista por onde a equipa tenha passado esta temporada que se aproxime à experiência que será vivida em Silverstone, permitindo um ponto de partida para a afinação?

    “Penso que Silverstone é uma pista que as equipas conhecem muito e em linha com Barcelona. Podemos usar alguns dos conhecimentos obtidos em Barcelona em Silverstone para obter uma base de trabalho e, dessa forma, de preferência, começar bem.”

     

    Que nível de apoio aerodinâmico pretendem ter no carro para a pista de Silverstone? Até que ponto um piloto pode escorregar com o carro, ou até que ponto a equipa quer que ele escorregue e, dessa forma, diminuir a resistência aerodinâmica?

    “Queremos sempre o máximo de apoio aerodinâmico possível.”

     

    Este ano marca a quinquagésima corrida de Fórmula 1 em Silverstone. Existe alguma das quarenta e nove edições anteriores que se destaque na tua opinião?

    “Escolho a corrida de 1983, quando o Alain Prost venceu o Grande Prémio da Grã-Bretanha pela Renault.”

     

    Qual é a tua zona favorita de Silverstone?

    “A zona de alta velocidade de Maggotts, Becketts e Chapel.”

     

    Descreve uma volta a Silverstone?

    “Começamos na nova recta da meta, antes de realizarmos a primeira curva a fundo. Depois temos dois ganchos. O primeiro é mais aberto que o segundo e neste queremos entrar o mais cedo possível. Então temos as antigas duas últimas curvas – a travagem é muito complicada – para depois entrarmos na velha recta da meta. É muito difícil colocar a potência no chão, aqui. Temos então a zona de alta velocidade. É uma sensação fantástica. Vamos a fundo o mais que pudermos até Maggotts e Becketts e então reduzimos uma velocidade em todas as curvas para avançarmos para Hangar Straigth e chegarmos a Stowe. Esta é outra curva complicada, onde entramos muito depressa. Queremos acelerar o mais cedo possível, mas a curva fecha mais do que pensamos. Temos então a última chicane – uma travagem muito forte e com muitos ressaltos. Assim que saímos aceleramos, com muitas forças G e cruzamos a linha de meta.”

     

     

     

    Silverstone é uma das pistas mais rápidas da Fórmula 1, mas não é necessariamente por ter longas rectas, mas antes pelas suas curvas longas e fluídas. Podes descrever a sensação de velocidade que experimentas neste circuito de potência?

    “Silverstone é uma das minhas pistas preferidas, dado que tem muitas curvas rápidas e fluídas e é uma das melhores pistas para pilotar no molhado. Tenho boas memórias. Ganhei muitas corridas e estou ansioso por regressar e dar meu máximo e o do carro.”


    Silverstone é a pista onde podem ir fundo por maior períodos de tempo?

    “É dos circuito onde estamos mais tempo a fundo. Temos muitas curvas rápidas e temos muitas rectas médias/longas – não são muito longas, mas temos mais rectas do que o habitual. No geral é um circuito muito rápido.”


    Como encontras os limites para determinares quando podes ir a fundo ou não?

    “Tem a ver com treino e experiência. Por vezes, vamos para a curva, tomamos alguns riscos e levantamos um pouco o pé ou então, na volta seguinte dizemos ‘OK, desta vez vamos a fundo’ e mantemos o pé no fundo. É tão simples quanto isso. É uma das coisas mais excitantes que temos ao pilotar um carro. Enfrentar o desafio de ir mais depressa depende também dos pneus, da direcção do vento, das condições da pista.”


    Com a velocidade a deter um papel tão importante em Silverstone, é muito difícil ultrapassar? E se a oportunidade surgir, onde é possível ultrapassar?

    “Diria que a secção principal é onde podemos verdadeiramente ultrapassar, entre a Curva 2 e a Curva 3. Ao chegarmos à Curva 3 temos uma travagem muito forte vindos de uma zona muito rápida. Outra é depois de Becketts, onde temos uma recta, que normalmente é uma boa zona para ultrapassar. No geral, Silverstone tem um par de secções onde podemos ultrapassar.”


    Em muitos circuitos a pole-position é crítica. Mas por alguma razão, não é muito importante em Silverstone, onde o autor da pole-position só venceu quatro vezes nos últimos dezoito anos. Isto é um acaso ou é algo que o layout da pista cria, ao garantir mais oportunidades para aqueles que começam mais atrás na grelha de partida?

    “Penso que se deve ao facto de Silverstone ser uma pista que oferece diferentes condições de pista. Muitas vezes está a chover, ou as condições mudam, portanto, pode alterar muito os resultados. Mas é também muito exigente para os pneus e se pedirmos muito dos pneus, obriga-nos a mudar de estratégia e isso pode ser determinante para os resultados.”


    Há alguma pista por onde a equipa tenha passado esta temporada que se aproxime à experiência que será vivida em Silverstone, permitindo um ponto de partida para a afinação?

    “Silverstone é uma pista muito particular, tem muitas curvas rápidas e apenas algumas curvas lentas. Tentamos que o carro seja melhor nas curvas de alta e proteger os pneus com o equilíbrio aerodinâmico é importante. Como nova equipa, é sempre um desafio chegar lá pela primeira vez.”


    Que nível de apoio aerodinâmico pretendem ter no carro para a pista de Silverstone? Até que ponto um piloto pode escorregar com o carro, ou até que ponto a equipa quer que ele escorregue e, dessa forma, diminuir a resistência aerodinâmica?ow much downforce do you want at Silverstone?

    “É importante ter o máximo de apoio aerodinâmico possível em Silverstone. Apesar de ser uma pista muito rápida, temos muitas curvas onde queremos ter apoio aerodinâmico, sobretudo quando está a chover. Se tivermos condições climatéricas incertas, queremos ter o máximo de apoio aerodinâmico.”


    Este ano marca a quinquagésima corrida de Fórmula 1 em Silverstone. Existe alguma das quarenta e nove edições anteriores que se destaque na tua opinião?

    “Tive algumas boas corridas no layout antigo noutras categorias. Já lá venci muitas vezes, mas fazer parte do quinquagésimo Grande Prémio de Fórmula 1 realizado em Silverstone é muito significativo. Vou dar tudo e dar o meu melhor para alcançar um bom resultado.”


    Qual é a tua zona favorita de Silverstone?

    “Diria que Becketts é a minha zona preferida. Faz parte de uma zona de curvas fantásticas.”


    Descreve uma volta a Silverstone.

    “Depois da recta da meta aproximamo-nos da Curva 1, que normalmente é feita a fundo e no limite. Vamos para a Curva 2, que é importante para preparar a Curva 3. É uma curva com uma forte travagem, muito lenta, mas depois temos outro gancho – uma curva de baixa velocidade. Depois de sairmos da Curva 4, temos a Curva 5, que é feita a fundo e é importante ter um bom equilíbrio e boa tracção. Aproximamo-nos da Curva 6, uma curva de velocidade média, e chegamos com muita velocidade. Temos depois a Curva 7, que é uma curva muito longa e muito desafiante para os pneus, dado que chegamos já com os pneus quentes na superfície e estamos a tentar ter uma boa tracção. Vamos para a recta traseira que nos leva à Curva 9, que é uma das melhores curvas do circuito. É de alta velocidade e depois começa a minha secção favorita, ao aproximarmo-nos das curvas 10, 11, 12, 13 e 14. É importante ter um bom ritmo. Entramos com muita velocidade e não podemos perder a trajectória. Queremos sair bem da última curva. Temos outra recta. Chegamos à Curva 15, que é uma curva interessante, muito rápida, travamos muito tarde e sentimos muitas forças laterais enquanto entramos na curva. Quando realizamos a última parte da pista, que é uma chicane, e temos uma longa saída, que obviamente torna a tracção muito desafiante.”


     

     

    Silverstone Circuit

    • Número de voltas: 52
    • Distância de corrida: 306,198 quilómetros
    • Velocidade na via das boxes: 80 Km/h
    • Este circuito de 5,891 quilómetros e 18 curvas alberga a Fórmula 1 desde 1950, tendo no ano passado albergado o seu quadragésimo nono Grande Prémio da Grã-Bretanha.
    • Mark Webber detém o recorde de Silverstone (1m33,401s), realizado em 2013 em Red Bull.
    • Lewis Hamilton detém o recorde da qualificação (1m29,607s), realizado em 2013 em Mercedes durante a Q3.
    • Com velocidades médias de cerca de 225Km/h, Silverstone é considerado um circuito de potência e uma das pistas mais velozes da Fórmula 1. A maioria do seu layout é constituído por curvas de média e alta velocidade, permitindo aos pilotos rodarem cerca de sessenta e cinco porcento da volta com o acelerador no máximo. As equipas colocam nos seus carros níveis de apoio aerodinâmico médio/elevados para poderem enfrentar as altíssimas velocidades em curva. Estes níveis de apoio aerodinâmico são alcançáveis dado que tem poucas rectas longas. As suas curvas de alta produzem ultrapassagens, apesar de complicadas devido às velocidades que os pilotos alcançam.
    • DYK? O icónico troféu de ouro oferecido aos vencedores do Grande Prémio de Grã-Bretanha é a Taça RAC, e é o mais antigo prémio oferecido na Fórmula 1. Ao contrário dos restantes troféus, o vencedor não o mantem. É devolvido pouco depois das celebrações do pódio.
    • DYK? Silverstone tem 18 curvas e cada uma tem o seu nome e a sua história.
      • Abbey (Cuva 1): Esta curva feita a fundo tem o seu nome devido à antiga Abadia de Luffield, cujas ruínas foram encontradas perto da curva. A abadia foi fundada antes de 1133 e foi fechada pelo Rei Henrique VI em 1493.
      • Farm (Curva 2): Esta lenta esquerda é a zona onde os carros regressam à pista vindo das boxes. As origens do seu nome são simples – perto da recta existia uma quinta.
      • Village (Curva 3): Uma das novas curvas introduzidas em 2010, depois da construção do novo complexo, esta direita deve o seu nome à vila de Silverstone, que se encontra a norte do circuito.
      • The Loop (Curva 4): Esta é a única curva que tem o seu nome devido à sua forma. Os pilotos descrevem-na a 90Km/h, tornando-a na curva mais lenta neste circuito de alta velocidade.
      • Aintree (Curva 5): Famoso por albergar a Grande Corrida Nacional de cavalos, Aintree foi o palco também do Grande Prémio da Grã-Bretanha nos anos cinquenta e nos anos sessenta e, num tributo, esta esquerda que antecipa a Wellington Straigth ostenta o nome dessa pista.
      • Wellington Straight: Anteriormente conhecida como a National Straight, a recta até Brooklands foi rebaptizada em 2010, quando se tornou parte do traçado de Grande Prémio de Silverstone. A Wellington Straigth deve o seu nome aos bombeiros de Wellington, que estavam sediados na pista de aviação de Northamptonshire durante a Segunda Guerra Mundial. A recta tem por base uma das antigas pista de voo.
      • Brooklands (Curva 6): Nos dias antes da guerra, Brooklands era a pista mais importante da Grã-Bretanha. Tem sentido que uma das curvas da casa do automobilismo britânico tenha o nome da antiga pista.
      • Luffield (Curva 7): Tal como Abbey, a longa direita deve o seu nome à Capela de Luffield. Introduzida no layout de Grande Prémio na corrida de 1991, Luffield era originalmente duas curvas distintas, conhecidas como Luffield 1 e Luffield 2.
      • Woodcote (Curva 8): O RAC foi o responsável pela organização das primeiras grandes corridas em Silverstone. Dessa forma, o clube teve muita influência no baptismo de muitas das curvas da pista original. Woodcote, uma direita rápida que antigamente terminava a volta, deve o seu nome ao Parque de Woodcote, um clube no Surrey possuído pelo RAC.
      • Copse (Curva 9): Silverstone é rodeado por campos verdejantes e pequenas bolsas de floresta, conhecidas como bosquetes (copse). A rápida curva de Copse, que foi durante quase sessenta anos a primeira curva do circuito, passa perto de Chapel Copse e de Cheese Copse, daí o seu nome.
      • Maggotts, Becketts and Chapel (Curvas 10-14): Abordadas a cerca de 300Km/h, a mais rápida e icónica sequência de curvas de Silverstone era composta por três curvas distintas até 1991. Hoje, estão interligadas. A secção inicial, Maggotts, foi baptizada devido à proximidade de Maggot Moor. Becketts e Chapel, entretanto, devem os seu nomes à capela medieval St. Thomas à Beckett. que foi construída em memória do arcebispo assassinado de Canterbury e que se situa perto das curvas. A capela foi demolida em 1943 para dar lugar ao aeródromo de Silverstone.
      • Hangar Straight: O uso da Silverstone por parte da Royal Air Force significa que tinha diversos hangares enormes. Dois dos maiores ficavam perto do que se tornou na recta traseira do circuito, onde hoje se alcançam velocidades de cerca de 325Km/h.
      • Stowe (Curva 15): Situada no final da Hangar Straigth, a rápida direita sempre foi um desafio para os pilotos, apesar das diversas alterações ao longo dos anos. Como muitas outras curvas de Silverstone, deve o seu nome às suas proximidades, no caso à Escola de Stowe, que se situa a sul do circuito.
      • Vale (Curva 16): Construído como um aeródromo, Silverstone é plano, e por isso, a zona mais desnivelada, que se encontra entre Stowe e Club, foi nomeada como Vale. No entanto, alguns garantem que o nome se deve simplesmente ao facto de esta porção do circuito se encontrar no distrito de Aylesbury Vale.
      • Club (Curvas 17-18): Club é a última curva do circuito. Tal como Woodcote, Club deve-se ao famoso clube do RAC em Pall Mall, em Londres.
    • Durante o fim-de-semana do Grande Prémio da Grã-Bretanha, as temperaturas mínimas rondarão os 12 a 14ºC e as máximas os 19 a 23ºC. A humidade relativa estará entre os 52% e os 95%..

    • Pirelli leva para Silverstone três tipos de pneus:
      • P Zero Cor de laranja/Duro – Meno aderência, menos degaste (usados para séries longas de voltas)
        • Este é o pneu mais duro da gama da Pirelli. Foi concebido para circuitos que colocam muito energia nos pneus devido a curvas rápida e/ou superfícies abrasivas e que são muitas vezes caracterizadas por temperaturas ambiente muito elevadas. Este composto demora mais a aquecer, mas oferece durabilidade máxima, o que frequentemente significa ter uma papel preponderante na estratégia de corrida.

      • P Zero Branco/Médio – menos aderência, menos desgaste (usado para séries longas de voltas)
      • P Zero Amarelo/Macio – mais aderência, desgaste médio (usado para séries curtas de voltas, e para a Q1)
    • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada uma dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. (Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
    • Um piloto pode usar os três jogos de Pirelli na corrida. Por exemplo, se tiver usado os P Zero Amarelo/Macio para passar da Q2 à Q3, terá que iniciar a corrida com esses pneus e tentar realizar algumas voltas bastante rápidas para ganhar alguma margem para os seus adversários antes entrar nas boxes para montar os P Zero Laranja/Duro. Depois, dependendo das circunstâncias da corrida, noutra paragem nas boxes, pode montar os P Zero Branco/Médio, permitindo ao piloto atacar durante as últimas voltas.
    • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Desses 13 jogos, os pilotos e as suas respectivas equipas podem escolher as especificações de dez deles entre os três compostos disponíveis. Os restantes três jogos são definidos pela Pirelli – dois tipos obrigatórios para a corrida (um jogo de P Zero Cor de laranja/duro e um de P Zero Branco/médio) e um tipo obrigatório para a Q3 (um jogo de P Zero Amarelo/Macio). A Haas F1 Team seleccionaram os seguintes jogos:
      • Grosjean: dois jogos de Pirelli P Zero Cor de laranja/Duro, quatro jogos de pneus P Zero Branco/Médio e sete                                   jogos de P Zero Amarelo/Macio

      • Gutiérrez: um jogo de Pirelli P Zero Cor de laranja/Duro, cinco jogos de P Zero Branco/Médio e sete jogos de P Zero Amarelo/Macio

     

    SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

     

    2016 Austrian Grand Prix

    TYRE SETS AVAILABLE FOR THE RACE

    Please find attached the tyre sets available for each driver at the start of the Austrian Grand Prix:

    alt

     

    O LOUCO MUNDO DA TECNOLOGIA

    CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA - G.P.INGLATERRA

     

    O LOUCO MUNDO DA TECNOLOGIA NA FÓRMULA 1

     

     

    Os detalhes1- Copy2- Copy3- Copy dos Mercedes: uma nova bossa no capot deve-se a um novo radiador para o ERS. Mais uma pequena asa de bordos serrados no pontão lateral. E os reforços de suspensão que surgiram na Áustria, após a batida de Rosberg. Mas a suspensão, ela própria, também foi ligeiramente revista.

     

    SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

    SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

     

    As imagens do Vettel a entrar no carro dão uma boa ideia do prático que a «havaiana» é, 

     

    SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

     

    2016 British Grand Prix – Practice Sessions

     COOL CONDITIONS IN THE MORNING, WARMER IN THE AFTERNOON
    FOR FREE PRACTICE – BUT MORE MIXED WEATHER TO COME

     ONCE MORE, 2015 POLE POSITION TIME BEATEN ALREADY IN FP1

     The two free practice sessions in Silverstone were in marked contrast: cool and overcast conditions in the morning with a threat of rain followed by warm and dry conditions in the afternoon, with air and track temperatures peaking at 22 and 35 degrees centigrade respectively.

    This allowed drivers to try all three tyres nominated for Silverstone – hard, medium and soft – in a wide variety of conditions, gathering an ample range of data with different fuel loads on each compound. As the weather forecast for the weekend remains uncertain, this will provide extremely useful information prior to the race.

    Continuing a recurrent theme this year, last season’s pole position time was already comprehensively beaten in FP1, underlining how much quicker the cars have become since 2015.

    The lateral energy loads going through the tyres at Silverstone, with its long sweeping corners, is among the highest all year.

    Mercedes driver Lewis Hamilton set the fastest time of the day in FP1 on the medium tyre, which is expected to be a favoured race tyre, before concentrating on longer runs using the soft in the afternoon.

    Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “Silverstone has been at its spectacular high-speed best today, with last year’s pole position time already beaten in FP1, despite the fact that the circuit was comparatively ‘green’. With rain forecast for FP3 tomorrow, and possibly even for qualifying too, today’s sessions are likely to be very relevant for the race on Sunday – although there’s a chance of mixed conditions at the grand prix itself as well. Obviously all the drivers were running different fuel loads today, which makes direct comparisons quite tricky, but in isolation we’re seeing half a second separating the hard and medium compounds for now in terms of performance, plus 1.7 seconds between medium and soft: so just over two seconds covering the whole range here from hard to soft.”

    FP1 – TIMES FP2 – TIMES
    1. Hamilton  1m31.654s  Medium new 1. Hamilton  1m31.660s  Soft new
    2. Rosberg  1m31.687s  Medium new 2. Ricciardo  1m32.051s  Soft new
    3. Hulkenberg  1m32.492s  Soft used 3. Verstappen  1m32.296s  Soft new

    FP1 – BEST TIME PER COMPOUND

     Hard  Verstappen  1m33.202s
     Medium  Hamilton  1m31.654s
     Soft Hulkenberg  1m32.492s

    FP2 – BEST TIME PER COMPOUND

     Hard  Raikkonen  1m34.374s
     Medium Hamilton  1m33.505s
     Soft Hamilton  1m31.660s

    MOST LAPS BY COMPOUND

     Hard  Perez  14 laps
     Medium  Palmer  25
    Soft  Raikkonen  16

    Tyre statistics of the day:

     Hard  Medium  Soft
    kms driven *  694  4558  2402
    sets used overall **  11  48  30
    highest number of laps **  20  34  23

    * The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined.
    ** Per compound, all drivers combined.

    Minimum prescribed tyre pressures: 23 psi (fronts) 21.5 psi (rears) 

    Pirelli fact of the day: Pirelli’s presence in the UK is one of the oldest outside of Italy. In 1909, Pirelli Limited was formed in Britain: only 37 years after Giovanni Battista Pirelli founded the company in 1872. Pirelli’s first British factory was opened in 1929, making not just tyres but also bedroom slippers – which were added to the UK’s product range in 1934.

    Spotted in the paddock: Nigel Mansell. ‘Il Leone’ has a cult following at a grand prix he made his own – having set seven fastest laps in 11 participations. This year, he’s here as a driver steward. 

    For more information: please visit our all-new website, which is regularly updated with exclusive in-depth features, news and reviews. To find out more, please visit:
    www.pirelli.com/global/en-ww/great-britain-2016-practice

     

     alt

     

    HAAS NA F 1

    Vídeo de Santino Ferrucci Video para emissão

    O piloto americando teste a 12 e 13 de Julho com a equipa de F1 americana


    KANNAPOLIS, Carolina do Norte (8 de Julho de 2016) – Santini Ferrucci, de dezoito anos e de Woodbury, testará nos próximos dias 12 e 13 de Julho em Silverstone, Inglaterra, com a Haas F1 Team. Uma entrevista em vídeo, com qualidade para ser emitida, do Ferrucci a discutir esta oportunidade pode ser encontrada ao clicar aqui.


    A Haas F1 Team é a primeira equipa americana de Fórmula 1 em trinta anos. O teste do Ferrucci ao volante do VF16 marca a primeira vez que um piloto americano pilota um carro de Fórmula 1 de uma equipa americana desde 9 de Outubro de 1977, quando Danny Ongais conduziu o Penske PC4 no Grande Prémio do Canadá, no Mosport International Raceway, em Bowmanville, Ontario.


    Ferrucci compete actualmente na GP3 Series ao serviço da DAMS, uma equipa bem-sucedida que tem vindo a ajudar numerosos pilotos a alcançar o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula, incluindo o piloto da Haas F1 Team Romain Grosjean.


    Como muitos pilotos, o Ferrucci iniciou a sua carreira no karting. Com cinco anos já viajava pelos Estados Unidos da América e pela Europa. Com onze anos Ferrucci era já multi-campeão.


    Em 2013, Ferrucci estreou-se nos monolugares, ao competir na Fórmula 2000 e na Skip Racing Barber Racing Series. Ferrucci venceu a sua corrida de estreia na Skip Barber Racing Series, realizada na Speedway de Homestead-Miami, e conquistou cinco vitórias, duas pole-positions e três voltas mais rápidas até à conclusão da época. Na Fórmula 2000, Ferrucci nunca terminou fora dos quatro primeiros nas seis corridas que disputou, que ostentavam grelhas de trinta e sete ou mais carros.

    A temporada de 2014 viu Ferrucci realizar o Campeonato Britânico de Fórmula 3. Venceu duas corridas, ambas em Brands Hatch, tornando-se no mais jovem vencedor da competição, quando tinha dezasseis anos, dois meses e trinta dias.

    Em 2015, Ferrucci continuou a evoluir nos monolugares, competindo na Toyota Racing Series New Zeland e no Campeonato da Europa FIA de Fórmula 3. Ferrucci terminou a Toyota Racing Series New Zeland no terceiro lugar, conquistando uma vitória e cinco pódios, naquele que foi o primeiro campeonato de monolugares que completou.

    A ascensão de Ferrucci nos monolugares continua a avançar em 2016, com a sua participação na GP3 Series com a DAMS e com a Haas F1 Team.

    -HaasF1Team-

     

    Click here for high-res imagery. Photo credit: Haas F1 Team.


    Sobre a Haas F1 Team:

    A Haas F1 Team estreia-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, sendo a primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing.

    Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.


    Sobre a Haas Factory Outlet – Portugal :

    A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitarwww.haasportugal.com/.

     

    MORREU CARL HAAS

    MORREU CARL HAAS

     

     Carl Haas deixou-nos aos 86 anos.

     

    RAIKONEN RENOVA

    RAIKONEN RENOVA COM A FERRARI

     

    RAIKKONEN com mais um ano de contrato com a Ferrari. Bom presente para o 100º GP com a marca italiana.

     

    SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

     

    2016 Grande Prémio da Áustria - Corrida

     

    UMA CORRIDA PLENA DE AÇÃO NA ÁUSTRIA, EM QUE UMA ESTRATÉGIA COM DUAS PARAGENS RESULTA NA VITÓRIA DE LEWIS HAMILTON

     

    TEMPERATURAS MAIS BAIXAS QUE O ESPERADO PROVOCAM UM MENOR DESGASTE NOS PNEUS

     

    O INCIDENTE COM O PNEU DE SEBASTIAN VETTEL

    SOB INVESTIGAÇÃO

     

     

     o piloto da Mercedes Lewis Hamilton, utilizando uma estratégia de duas paragens, venceu o Grande Prémio da Áustria desde a Pole, após uma emocionante corrida em que disputou com o seu companheiro de equipa (Nico Rosberg) a liderança ao longo da ultima volta.

    Inicialmente, Rosberg aproveitou a sua paragem nas boxes e respectiva estratégia para melhorar a sua posição na corrida, a alguns pilotos incluindo o seu companheiro de equipe (que partiu da pole), para liderar a corrida. Mas, Hamilton contrariou com um final emocionante, com Nico Rosberg a terminar em quarto após terem tocado na última volta.

     

    Na Áustria, em comparação com as sessões anteriores, no inicio da corrida as temperaturas ambientais e da pista foram consideravelmente mais frias, com 16 e 24 graus, respectivamente. Este facto, resultou num decréscimo do desgaste e respetiva degradação, embora a estratégia fosse condicionada pela entrada do Safety Car, onde as equipes aproveitaram para fazer uma troca de pneus sem perda siginicativa de posições na corrida.

     

    A Ferrari e a Red Bull adotaram uma estratégia diferente da maioria dos pilotos da frente, iniciando a corrida com Supermacios ao invés dos Ultramacios que foram a opção dos outros 10 primeiros classificados – sendo mais rápidos em cerca de meio segundo. No entanto, durante o primeiro e um longo turno, Sebastian Vettel em Ferrari sofreu um problema no pneu. As circustancias exatas ainda se encontram em investigação, juntamente com a Ferrari, presume-se ser um incidente isolado,  uma vez que não existem problemas semelhantes com outros pilotos.

     

    No final das paragens nas boxes, houve uma disputa entres ambos os pilotos da Mercedes e o Red Bull de Max Verstappen, que realizou menos uma paragem que Rosberg e Hamilton. Estes, estiveram separados por menos de um segundo rumo à bandeira de xadrez, fazendo desta corrida uma das mais memoráveis corridas da época.

      

    Paul Hembery, Diretor Pirelli Motosport: “ Estamos a investigar com a Ferrari o incidente no carro de Sebastian Vettel, com o objectivo de descobrir a causa. A estratégia dos pneus provou ser crucial  para o Grande Prémio da Àustria, com um número de diferentes estratégias e uma disputa no final ao longo da ultima volta. As equipes chegaram ao fim de semana com pouca informação acerca dos pneus de acordo com as sessões de treinos livres e qualificação, como resultado a avaliar qual a melhor estratégia de extrair a máxima vantagem apartir de uma mudança nas circustancias da corrida. ”

     

     

                       Macio                        Supermacio            Ultramacio  

    Primeiro     HamiIton   1m 08.411s         Rosberg   1m 08.411s        Ricciardo     1m 08.770s

    Segundo     Raikkonen 1m 08.876s       Massa      1m 09.899s       Hulkenberg  1m 10.309s

    Terceiro      Rosberg     1m 08.955s        Bottas      1m 10.210s        HamiIton      1m 11.180s

     

     

    TURNOS MAIS LONGOS DA CORRIDA:

     

    Composto Macio                      Raikkonen                   42 voltas

    Composto Macio                     Grosjean                      42 voltas

    Composto Macio                     Button                          42 voltas

    Composto Macio                     Verstappen                   42 voltas

    Composto Macio                     Sainz J                         42 voltas

    Composto Macio                     Wehrlein                       42 voltas

    Composto Supermacio             Nasr                             27 voltas

    Composto Ultramacio               Hamilton                      21 voltas         

     

     

    A NOSSA PREVISÃO:

    Previmos que a estratégia vencedora seria a opção de duas paragens, com Ultramacio-Macio-Macio. No entanto, a entrada do Safety car no incidente do Vettel afetou esta previsão, juntamente com as temperaturas mais frias de acordo com a nossa previsão. Hamilton parou duas vezes no final, nas voltas 21 e 54.

     

    HAAS EM TESTES

    Santino Ferrucci testa com a Haas F1 Team em Silverstone

    O piloto americano terá a sua primeira experiência na Fórmula 1 ao volante do VF-16, nos dias 12 e 13 de Julho


    KANNAPOLIS, Carolina do Norte (5 de Julho de 2016) – A Haas F1 Team, a primeira equipa de Fórmula 1 norte-americana em trinta anos, convocou o seu piloto de desenvolvimento, o americano Santino Ferrucci, para pilotar o VF-16 durante os testes de Fórmula 1 que decorrem nos dias 12 e 13 de Julho em Silverstone, depois do Grande Prémio da Grã-Bretanha.

    Ferrucci, de dezoito anos e oriundo de Woodbury, Connecticut, compete actualmente na GP3 Series ao serviço da DAMS, uma equipa bem-sucedida que tem vindo a ajudar numerosos pilotos a alcançar o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula, incluindo o piloto da Haas F1 Team Romain Grosjean.

    “Tornar-me num piloto de Fórmula 1 é o meu objectivo prioritário e não posso agradecer o suficiente à Haas F1 Team por me oferecer esta oportunidade”, disse Ferrucci, que começou a sua carreia no karting, viajando pelos Estados Unidos e pela Europa quando tinha 5 anos.“Nada bate o tempo ao volante do carro, a experiência de pilotar um monolugar de Fórmula 1 e trabalhar com a Haas F1 Team é incalculável” 

    alt

    O regulamento da Fórmula 1 aponta que dois dos dias  de testes durante a temporada sejam realizados por jovens pilotos que tenham competido no máximo em dois Grandes Prémios. Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez participaram na primeira sessão de testes, que teve lugar a 17 e 18 de Maio no Circuit Barcelona – Catalunya, o que os impede de estar no teste de Silverstone.


    “Trouxemos o Santino para a Haas F1 Team porque ele realizou um bom trabalho em cada uma das competições em que participou”, disse Guenther Steiner, o chefe de equipa da Haas F1 Team. “Vemos o Santino como um jovem piloto americano com muito potencial que conquistou a sua oportunidade”.


    Como muitos pilotos, o Ferrucci iniciou a sua carreira no karting. Com cinco anos já viajava pelos Estados Unidos da América e pela Europa. Com onze anos Ferrucci era já multi-campeão.


    Em 2013, Ferrucci estreou-se nos monolugares, ao competir na Fórmula 2000 e na Skip Racing Barber Racing Series. Ferrucci venceu a sua corrida de estreia na Skip Barber Racing Series, realizada na Speedway de Homestead-Miami, e conquistou cinco vitórias, duas pole-positions e três voltas mais rápidas até à conclusão da época. Na Fórmula 2000, Ferrucci nunca terminou fora dos quatro primeiros nas seis corridas que disputou, que ostentavam grelhas de trinta e sete ou mais carros.

    A temporada de 2014 viu Ferrucci realizar o Campeonato Britânico de Fórmula 3. Venceu duas corridas, ambas em Brands Hatch, tornando-se no mais jovem vencedor da competição, quando tinha dezasseis anos, dois meses e trinta dias.

    Em 2015, Ferrucci continuou a evoluir nos monolugares, competindo na Toyota Racing Series New Zeland e no Campeonato da Europa FIA de Fórmula 3. Ferrucci terminou a Toyota Racing Series New Zeland no terceiro lugar, conquistando uma vitória e cinco pódios, naquele que foi o primeiro campeonato de monolugares que completou.

    A ascensão de Ferrucci nos monolugares continua a avançar em 2016, com a sua participação na GP3 Series com a DAMS e com a Haas F1 Team.

    A Haas F1 Team estreou-se no Grande Prémio de abertura da temporada, o Grande Prémio da Austrália. Já marcou vinte e oito pontos até agora, sendo a equipa que mais vezes marcou pontos na sua época de estreia neste milénio.


     

    SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

     

    ANTEVISÃO GRANDE PRÉMIO PIRELLI BRITÂNICO

    10ª Ronda de 21

    Silverstone, Grã-Bretanha, 8-10 Julho 2016

     

     

     Silverstone sucede imediatamente à Áustria, mas os dois eventos não podiam ser mais díspares: após a seleção dos pneus mais macios da gama P Zero para a Áustria, os pneus mais rígidos do segmento foram os eleitos para Silverstone (apenas os macios foram nomeados para ambos, os quais têm marcado presença em todas as corridas desta época). É somente a segunda vez que os pneus mais rígidos foram selecionados – depois de Espanha – e isto deve-se às exigências de energia e de velocidade do circuito inglês, que conta com retas rápidas e rápidas mudanças de direção.

     

    O CIRCUITO DO PONTO DE VISTA DOS PNEUS:

     

    •  Silverstone é um dos circuitos que mais energia lateral exige dos pneus em todo o ano.
    •  Com elevados níveis aerodinâmicos a pressionar os carros, os pneus enfrentam forças de todas as direções.
    •  A meteorologia é consideravelmente imprevisível: tanto pode surgir um sol radiante como chover torrencialmente.
    • São esperadas pelo menos duas paragens por carro, devido aos altos níveis de desgaste e de degradação dos pneus.
    • O asfalto oferece uma grande aderência, o que desgasta a superfície dos pneus mais rapidamente.
    •  Como aconteceu em 2014, Silverstone receberá dois dias de testes, após o Grande Prémio.

     

     

    OS TRÊS COMPOSTOS NOMEADOS:

     

    •  Duro - laranja: Pouco visto este ano, mas certamente que será usado em qualquer  altura em Silverstone.
    •  Médio - branco: Será o pneu mais comun na corrida e é um dos conjuntos obrigatórios, assim como o rígido.
    •  Macio - amarelo: Visto ao longo de toda a época do GP, o pneu macio  está disponível em Silverstone, sendo a escolha mais popular entre as equipas em termos de quantidades pedidas.

     

     

    COMO FOI HÁ UM ANO:

     

    •  A corrida foi afetada pela chuva e entrada de safety cars, que interferiram na estratégia. O vencedor da corrida, Lewis Hamilton, parou duas vezes, passando de médio para composto duro na 19ª volta e intermédio na 43ª volta.
    •  Com a chuva a cair subitamente perto do final, a melhor estratégia alternativa foi baseada em oportunidade. A paragem antecipada de Sebastian Vettel para intermédios permitiu-lhe subir duas posições e terminar no pódio.

     

    PAUL HEMBERY, PIRELLI MOTOSPORT DIRECTOR:

     

    •  “Com a maioria das equipas a escolher principalmente o composto mais macio disponível – uma tendência consistente que temos visto todo o ano, fica claro que a intenção de muitos pilotos é seguir uma estratégia bastante agressiva, o que num circuito como Silverstone pode resultar em muitas pit stops. Como pudemos ver no ano passado, a meteorologia também é uma variável tipicamente britânica, o que significa que, muito provavelmente, estamos diante de uma corrida imprevisível”.

     

     

    O QUE HÁ DE NOVO?

     

    •  Este ano não há modificações na estrutura do circuito, na superfície ou na infraestrutura.
    • Silverstone regressa ao calendário de testes após a corrida, mas estes não são dedicados a pneus.
    •  Contudo, a Mercedes lançará um carro adicional para Pascal Wehrlein durante os testes, o qual terá especificações de 2014 com protótipos de pneus (nas dimensões de 2016, mas com novos conteúdos técnicos).

     

    OUTROS ASPETOS QUE NOS CHAMARAM A ATENÇÃO RECENTEMENTE:

     

    •  Ferrari, Mercedes e Red Bull fizeram diferentes escolhas de pneus para Silverstone, enquanto a Haas é a única equipa com uma seleção diversa para cada piloto.
    • No Goodwood Festival of Speed, a Pirelli foi a mais rápida com Olly Clark, filho da lenda de rallies, Roger Clark. Olly subiu a famosa colina em apenas 46 segundos com o seu Subaru de 860 cavalos.
    • A Pirelli foi anunciada como único fornecedor do CarX, o campeonato de rallycross da Argentina.

     

     

     A NOMEAÇÃO DOS COMPOSTOS DE PNEUS ATÉ À DATA:

     

     

    Roxo

     

    Vermelho

     

    Amarelo

     

    Branco

     

    Laranja

    Austrália

    Supermacio

    Macio

    Médio

    Bahrein

    Supermacio

    Macio

    Médio

    China

    Supermacio

    Macio

    Médio

    Rússia

    Supermacio

    Macio

    Médio

    Espanha

    Macio

    Médio

    Duro

    Mónaco

    Ultramacio

    Supermacio

    Macio

    Canadá

    Ultramacio

    Supermacio

    Macio

    ​Azerbaijão

    Supermacio

    Macio

    Médio

     

    Austria

    Ultramacio

    Supermacio

    Macio

    GreatBritain

    Macio

    Médio

    Duro

    Hungria

    Supermacio

    Macio

    Médio

    Alemanha

    Supermacio

    Macio

    Médio

    Bélgica

    Supermacio

    Macio

    Médio

    Itália

    Supermacio

    Macio

    Médio

    Singapura

    Ultramacio

    Supermacio

    Macio

    Malásia

    Macio

    Médio

    Duro

    Japão

    Macio

    Médio

    Duro

     

     

    Videos e fotos em alta resolução, sem copyright, disponíveis para fins editoriais através da web de imprensa:  www.pirelli.com/f1pressarea (registo obrigatório). Siga-nos no Twitter @pirellisport ou Facebook: Pirelli Motorsport. Visite também o nosso website para mais informações sobre a marca: www.pirelli.com.



     

    SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

     

    PIRELLI ANNOUNCES TEST CALENDAR
    WITH NEW WIDER FORMULA 1 TYRES FOR 2017

     FERRARI WILL BEGIN FROM 1-2 AUGUST,
    FOLLOWED BY RED BULL AND MERCEDES

      A GROUP TEST WILL CONFIRM ALL THE FINDINGS IN NOVEMBER

     A modified Ferrari SF15-T will undertake the first track tests of Pirelli’s 2017-specification Formula 1 tyres. There will be two days of testing from 1-2 August at Fiorano, which will be artificially dampened in order to carry out tests with Cinturato intermediate and full wet tyres.
    Then, from 3-4 August, Red Bull will test the new P Zero slick tyres at Mugello. In September, Mercedes will field at Paul Ricard the third of the modified 2015 cars (after Ferrari and Red Bull), which will allow Pirelli’s test and development programme agreed with the teams and the FIA to be completed.
    The three teams testing will be obliged to share all the data gathered during these tests with the other teams for reasons of sporting equity.

    PROGRAMME. In total, the testing and development of the 2017 tyres will take place over 10 sessions for a total of 24 days. Ferrari, Red Bull and Mercedes will be supplying the modified 2015 cars to a precise specification established by the FIA that simulates the performance anticipated for next year, principally including more downforce, a wider track and bigger tyres. Each team will undertake testing equivalent to seven days per car, as per the attached schedule, sharing the development programme equally. The three teams will then take to the track for a collective validation test in Abu Dhabi on 29 November, two days after the final grand prix of the season.

    CIRCUITS. Five circuits will host the Pirelli development programme. As well as Fiorano, Mugello, Paul Ricard and Abu Dhabi, there will be an additional test at Barcelona in October.

    CALENDAR BY DATE
    TEST ON MULE CARS – 2017 SIZES
    Session Date Test Days Circuit Car (s) Tyres kind
    1 Aug 1-2 2 Fiorano FER Wets
    2 Aug 3-4 2 Mugello RBR Slicks
    3 Sep 6-7 2 Barcelona FER Slicks
    4 Sep 6-7-8 3 Paul Ricard MGP Slicks
    5 Sep 21-22 2 Paul Ricard MGP Wets
    6 Oct 12-13 2 Barcelona MGP Slicks
    7 Oct 14-15-16 3 Abu Dhabi RBR Slicks
    8 Nov 2-3 2 Abu Dhabi RBR Wets
    9 Nov 14-15-16 3 Abu Dhabi FER Slicks
    10 Nov-29 3 Abu Dhabi ALL Final valid

    NEW SIZES. The front tyre grows in size by 60mm, going from 245 to 305mm. The rear tyre is 80mm bigger, going from 325 to 405mm. In total, the 2017 tyres will be 25% wider than the current specification: this applies to both the intermediates and full wets.
    The full range of sizes for the slick tyres is:

    • 305/670-13 at the front
    • 405/670-13 at the back.

    The Cinturato intermediates will have a diameter of 675mm while the Cinturato full wets will have a diameter of 680mm. The wheel rim size remains unaltered at 13 inches.

    REGULATIONS. The teams and the FIA have agreed with Pirelli on the need for a change to the sporting regulations regarding tyre testing this year. Tyre testing with 2012, 2013 or 2014-specification cars, using the current tyre size but with prototype materials and structures for 2017, has been taking place since May.
    This programme, which began with Ferrari at Fiorano in May and continued in June with Red Bull at Paul Ricard, will carry on at the following venues:
    12-13 July*                  Silverstone                  Mercedes        slicks
    16 July                          Fiorano                        Ferrari             intermediates and full wets
    18-19 July                   Vallelunga                   Red Bull          slicks
    *during the official in-season test that is happening at the same time with all the teams.

     

    alt

     

    HAAS NO G.P.AUSTRIA

    Grande Prémio da Áustria: Resumo da Qualificação

     

    Evento:  Qualificação para o Grande Prémio da Áustria (9º Round de 21)

    Data:  Sábado, 2 de Julho

    altLocal:  Red Bull Ring em Spielberg, Áustria

    Layout:  4,326 quilómetros e nove curvas

    Condições Climatéricas: céu encoberto,depois molhado, depois céu parcialmente encoberto

    Temperatura:  26ºC

    Recorde: 1m06,228s registado por Lewis Hamilton em 2016 (durante a Q2)

    Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m07,922s)

    Resultado:

    Esteban Gutiérrez 11º, alinhará do lado de fora da sexta linha

    Romain Grosjean 13º, alinhará do lado de fora da sétima linha

     

    • tem a duração de 18 minutos e todos os vinte e dois pilotos participam
    • os dezasseis pilotos mais rápidos passam à Q2

    Gutiérrez:  14º (1m07,660s), avançou para a Q2

    Grosjean:  15º (1m07,662s), avançou para a Q2

    Volta mais rápida:  Nico Rosberg da Mercedes (1m06,516s)

    Cutoff:  16º Fernando Alonso da McLaren (1m07,671s)

    • tem a duração de 15 minutos e participam os dezasseis pilotos mais rápidos da Q1
    • os dez pilotos mais rápidos passam à Q3

    Gutiérrez:  11º (1m07,578s)

    Grosjean:  13º (1m07,850s)

    Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m06,228s)

    Cutoff:  10º Jenson Button da McLaren (1m07,572s)

     

    • tem a duração de 12 minutos e participam os dez mais rápidos da Q2, que lutam pela pole-position

    Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m07,922s)

    Segundo:  Nico Rosberg da Mercedes (1m08,465s)

    *terá uma penalização de cindo lugares na grelha de partida devido à troca da caixa de velocidades.

     


    Antes da qualificação, as equipas tiveram uma derradeira sessão de treinos-livres no circuito de 4,326 quilómetros e nove curvas, Red Bull Ring, para preparar o Grande Prémio da Austrália de domingo, em Spielberg. Foi uma sessão produtiva para a Haas F1 Team, dado que Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez registaram voltas significativas durante a hora de acção, que foi realizada sob nuvens e temperaturas quentes.


    Gutiérrez realizou vinte e duas voltas, tendo na melhor registado o tempo de 1m08,475s, o que o colocou no décimo segundo lugar. Grosjean completou vinte e uma voltas e na melhor parou o cronómetro em 1m08,550s, o que lhe valeu o décimo quarto posto. Ambos os pilotos partilharam a mesma estratégia de pneus. Usaram Pirelli P Zero Amarelo/macio para as suas voltas de instalação e, depois, mudaram para P Zero Vermelho/Supermacio para efectuarem as suas primeiras séries de voltas para mais tarde completarem a sessão com P Zero Roxo/Ultramacio. Foi com os pneus vermelhos/supermacios que Gutiérrez e Grosjean assinaram as suas voltas mais rápidas.


    O piloto mais rápido na terceira sessão de treinos-livres foi Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari. A sua volta de 1m07,098s marcou um novo recorde para a pista, melhorando o registo da primeira sessão de treinos-livres do dia anterior de Nico Rosberg, Mercedes, 1m07,373s. Quando se chegou à Áustria, o recorde estava na posse de Michael Schumacher desde 2003, 1m07,908s, quando ele estava na Scuderia Ferrari. Os sete pilotos mais rápidos da terceira sessão foram mais rápidos que o crono de Schumacher e na qualificação dezasseis pilotos bateram a marca de treze anos de Schumacher. Rosberg, que foi o mais rápido da sessões de sexta-feira, parecia capaz de se manter no topo da tabela de tempos, mas despistou-se quando faltavam vinte minutos para o final da sessão, resultando num período de dez minutos de bandeiras vermelhas.


    Entre os dezasseis pilotos que bateram o recorde de Schumacher estiveram Gutiérrez e Grosjean. Ambos os pilotos avançaram para a Q2 pela quarta vez consecutiva, aonde apenas os dezasseis mais rápidos da Q1 tomam parte. Gutiérrez foi décimo quarto mais rápido (1m07,660s) na Q1 na sua segunda série de voltas com um novo jogo de pneus roxos/ultramacios. Grosjean ficou logo atrás do seu colega de equipa com o décimo quinto tempo (1m07,662s), também alcançada na segunda série com um jogo fresco de pneus ultramacios. A sessão foi interrompida com bandeiras vermelhas quando o Toro Rosso de Daniil Kvyat se despistou na penúltima curva, deixando apenas 1m44s para realizar na Q1.


    A Q2 começou com a pista seca, mas a chuva abateu-se sobre o circuito no final do segmento de quinze minutos. Gutiérrez realizou duas séries de voltas antes do clima se tornar um factor, registando o seu melhor tempo (1m07,578s) na terceira volta com pneus ultramacios. Gutiérrez ficou com o décimo primeiro lugar, o seu melhor resultado da temporada. Grosjean usou também pneus ultramacios na Q2, antes de a chuva se fazer sentir, alcançando o seu melhor crono (1m07,850s) na sua décima nona volta da qualificação, o que lhe garantiu o décimo terceiro lugar da grelha de partida para o Grande Prémio da Austrália. Foi uma boa recuperação de Grosjean, que fez um pião com passagem pela escapatória de gravilha da Curva 6 no início da Q2. A excursão por fora de pista danificou o fundo plano do seu VF-16, mas os membros da equipa repararam os danos rapidamente, o que permitiu a Grosjean realizar algumas voltas rápidas antes de a chuva chegar.


    A pole-position ficou nas mãos de Lewis Hamilton, que registou a marca de 1m07,922s, batendo Rosberg, seu colega de equipa na Mercedes, por 0,543s numa Q3 que começou molhada e terminou seca. Foi quinquagésima quarta pole-position da carreira de Lewis Hamilton, a sua quinta desta temporada e segunda no Red Bull Ring. Hamilton bateu o recorde registado por Vettel na terceira sessão de treinos-livres, quando o Campeão do Mundo registou uma volta fulminante, de 1m06,228s, na Q2. Rosberg terminou a Q3 no segundo lugar, mas terá uma penalização de cinco lugares na grelha de partida, dado ter trocado a caixa de velocidades do seu carro, depois do acidente que sofreu na terceira sessão de treinos-livres. Rosberg venceu as duas últimas corridas disputadas no Red Bull Ring.



    “Esperava mais. Na minha primeira volta da Q2 com pneus usados, a traseira fugiu-me completamente na Curva 6 e fui para a gravilha. Danifiquei um pouco o fundo plano. Quando o reparámos, a chuva já tinha chegado, o que teve um impacto na minha melhor volta. Poderíamos ter feito melhor. É uma pena, mas não estamos mal para a corrida. Penso que temos um bom equilíbrio para domingo. Temos vindo a trabalhar bem nisso. Estou ansioso por amanhã.”



    “Estou muito feliz, dado que realizei a minha melhor qualificação da temporada. Foi divertido tirar o máximo em pista. Não foi fácil, depois de sexta-feira, quando tivemos algumas limitações de tempo de pista. Na sessão de treinos-livres final não estava completamente confortável com a forma como os pneus estavam a funcionar, portanto, foi um grande desafio ir directamente para a qualificação. No final, foi muito divertido realizar boas voltas na Q1 e na Q2. Amanhã o meu objectivo são os pontos. É este o nosso objectivo e lutaremos por isso.”


    “Foi uma qualificação excitante para nós. Estavam muitas coisas a acontecer, o que é muito bom para os espectadores e fantástico para nós, que temos que nos manter concentrados. Ambos os pilotos realizaram um trabalho excelente e, no final, qualificámo-nos no décimo primeiro e décimo terceiro lugares, o que é um bom resultado para nós. Ficámos a seis centésimos do décimo classificado, portanto, estamos cada vez mais próximos. As condições climatéricas são muito temperamentais aqui. Como vimos hoje, podemos começar com Sol e depois tudo mudar rapidamente, mas estamos satisfeitos com o circuito e penso que tudo pode acontecer amanhã. Gostaríamos de ter chegado à Q3. No entanto, estamos ansiosos pela corrida de amanhã e por conquistar mais alguns pontos.”


     

    -HaasF1Team-

     

     

    Sobre a Haas Automation

    A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

    Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

    A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ou facebook.com/haasportugal.

     

    SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

     

    PIRELLI BRITISH GRAND PRIX PREVIEW
    Round 10 of 21
    Silverstone, Great Britain, 8-10 July 2016

    Milan, July 4, 2016 – Silverstone comes straight off the back of Austria but the two events could not be more different: after selecting the softest tyres in the P Zero range for Austria, the hardest tyres in the line-up have been chosen for Silverstone (with only the soft being nominated for both, which is present at every race this season). It’s only the second time this year that the hardest tyres have been selected – after Spain – and this is due to the high-energy, high-speed demands of the British circuit, which features fast straights and rapid changes of direction.

    THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW:

    • Silverstone is one of the circuits that take the most lateral energy out of the tyres all year.
    • With high levels of downforce pushing onto the cars, the tyres face forces from all directions.
    • Weather is notoriously unpredictable: there can be bright sunshine or torrential rain.
    • At least two pit stops per car are expected, due to high levels of tyre wear and degradation.
    • The asphalt offers high levels of grip, which works the surface of the tyre even harder.
    • As was the case in 2014, Silverstone will host a two-day in-season test after the grand prix.

    THE THREE NOMINATED COMPOUNDS:

    • Orange hard: not seen so often this year but likely to be used at some point in Silverstone.
    • White medium: will be a popular race tyre and is one of the mandatory sets, along with hard.
    • Yellow soft: seen at every GP year, the softest tyre available in Silverstone is the most popular choice among the teams in terms of quantities chosen.

    HOW IT WAS A YEAR AGO:         

    • The race was affected by rain and safety cars, which skewed the strategy. Race winner Lewis Hamilton stopped twice, going from medium to hard on lap 19 then to intermediate on lap 43.
    • With rain suddenly falling towards the end, the best alternative strategy was an opportunistic one. Sebastian Vettel’s early stop for intermediates allowed him to make up two places and finish on the podium.

    PAUL HEMBERY, PIRELLI MOTORSPORT DIRECTOR:                      

    “With the majority of teams choosing mostly the softest compound available – a consistent trend we have seen all year – it’s clear that the intention of many drivers is to run quite an aggressive strategy, which on a track like Silverstone could result in multiple pit stops. As last year showed, the weather is also a typically British variable, which means that we are likely to be in for an unpredictable race”.

    WHAT’S NEW?  

    • There are no modifications to the circuit layout, surface or infrastructure this year.
    • Silverstone returns to the test calendar after the race, but this is not a dedicated tyre test.
    • However, Mercedes will run an additional car for Pascal Wehrlein at the test, which will be a 2014-specification car fitted with prototype tyres (in 2016 dimensions, but with new technical contents).

    OTHER THINGS THAT HAVE CAUGHT OUR EYE RECENTLY:

    • Ferrari, Mercedes and Red Bull have all made differing tyre nominations for Silverstone, while Haas is the only team that has different choices for each driver.
    • At the Goodwood Festival of Speed, Pirelli was fastest with Olly Clark: son of rally legend Roger Clark. He covered the famous hill in just 46 seconds with a 860-horsepower Subaru.
    • Pirelli was announced as sole supplier to CarX: Argentina’s rallycross championship.

    TYRES NOMINATED SO FAR:

    Purple Red Yellow White Orange
    Australia Supersoft Soft Medium
    Bahrain Supersoft Soft Medium
    China Supersoft Soft Medium
    Russia Supersoft Soft Medium
    Spain Soft Medium Hard
    Monaco Ultrasoft Supersoft Soft
    Canada Ultrasoft Supersoft Soft
    Azerbaijan Supersoft Soft Medium
    Austria Ultrasoft Supersoft Soft
    Great Britain Soft Medium Hard
    Hungary Supersoft Soft Medium
    Germany Supersoft Soft Medium
    Belgium Supersoft Soft Medium
    Italy
    Singapore Ultrasoft Supersoft Soft
    Malaysia Soft Medium Hard
    Japan Soft Medium Hard

     

    alt

     

    HAAS NO G.P.AUSTRIA

    Grande Prémio da Áustria: Resumo de Sexta-Feira

     

     

    Evento:  1ª e 2ª sessões de treinos-livres

    altData:  Sexta-Feira, 1 de Julho

    Local:  Red Bull Ring em Spielberg, Áustria

    Layout:  4,326 quilómetros, circuito de nove curvas

    Condições climatéricas na 1ª sessão:  Céu parcialmente  encoberto

    Temperatura na 1ª sessão:  19ºC

    Condições climatéricas na 2ª sessão: Céu encoberto, depois chuva e, finalmente, céu parcialmente encoberto

    Temperatura na 2ª sessão: 25ºC

    Pilotos:  Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez

     

     

    Grosjean:  11º (1m09,078s), 34 voltas completadas

    Gutiérrez:  19º (1m10,110s), 20 voltas completadas

    Piloto mais rápido:  Nico Rosberg da Mercedes (1m07,373s)

    Mais voltas completadas:  Nico Hulkenberg da Force India (43 voltas)

     

     

    Gutiérrez:  18º (1m10,138s), 16 completadas

    Grosjean:  20º (1m10,400s), 31 completadas

    Piloto mais rápido:  Nico Rosberg da Mercedes (1m07,967s)

    Mais voltas completadas:  Carlos Sainz Jr. da Toro Rosso e Sérgio Pérez da Force India (32 voltas)

     


    Esta sexta-feira, com o início das sessões de treinos-livres para o Grande Prémio da Áustria de domingo, o som dos carros ecoou nas montanhas em redor do Red Bull Ring, situado na pitoresca cidade de Spielberg, Áustria. As duas primeiras sessões de treinos-livres foram realizadas no circuito de 4,326 qulómetros e nove curvas com o céu parcialmente encoberto e temperaturas confortáveis, cerca de 21ºC.


    Para além de navegar no novo asfalto do Red Bull Ring, os pilotos tiveram também que navegar entre eles. A aderência estava em alta demanda, o que acabou por causar diversos piões e despistes de inúmeros pilotos. Quando o Campeão em título entrou em pião com o seu Mercedes na Curva 3, com trinta minutos de acção, Romain Grosjean, piloto da Haas F1 Team, que estava um pouco atrás de Hamilton, entrou em pião para o evitar. Nenhum dos pilotos sofreu qualquer dano nos seus respectivos carros. O incidente não prejudicou Grosjean que duas voltas depois realizou a sua melhor marca, 1m10,691s, com pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio.


    Depois dessa série de voltas de doze voltas, Grosjean montou um jogo de Pirelli P Zero Vermelho/Supermacios, que tinham sido utilizados na sua volta de instalação na primeira sessão de treinos-livres. Esta série de treze voltas permitiu a Grosjean melhorar o seu tempo (1m09,516s), subindo ao décimo terceiro lugar. Na sua série final, de oito voltas, optou por Pirelli P Zero Roxo/Ultramacio e foi então que registou a sua melhor volta da sessão – 1m09,078s, marcado na sua trigésima terceira volta, o que o colocou no décimo primeiro lugar da tabela de tempos.


    O seu colega de equipa, Esteban Gutiérrez, protagonizou um início de fim-de-semana mais frustrante. Uma série de doze voltas com pneus amarelos/macios produziu o tempo de 1m10,478s, antes de entrar nas boxes quando o relógio marcava quarenta minutos de sessão com uma dificuldade eléctrica que causou falta de potência. Num esforço tenaz por parte dos membros da Haas F1 Team, o problema foi identificado e resolvido, permitindo que Gutiérrez regressasse à pista quando faltavam sete minutos para o final da sessão. Com pneus Vermelhos/Supermacios ligeiramente usados montados, Gutiérrez registou a sua melhor marca na décima sétima volta, 1m10,110s, o que o colocou no décimo nono lugar da tabela de tempos.


    O duo da Mercedes, Nico Rosberg e Lewis Hamilton, lideraram na primeira sessão. Terminaram com as duas melhores posições, tendo Rosberg marcado o ritmo, com a marca de 1m07,373s, batendo Hamilton por 0,357s.


    As condições climatéricas tiveram um forte impacto na segunda sessão de treinos-livres, dado que apenas alguns pilotos realizaram um punhado de voltas, antes de a chuva ter inundado o circuito após apenas oito minutos de pista seca. Quase quarenta minutos mais tarde, a chuva cedeu e as equipas tiveram a possibilidade de enviar os seus pilotos para a pista, com o Daniel Ricciardo, da Red Bull, a ser o primeiro a aventurar-se.


    Ambos os pilotos da Haas F1 Team entraram na pista molhada com pneus Pirelli Cinturato Verde/Intermédio. Grosjean efectuou nove voltas e o Gutiérrez registou sete. A pista acabou por secar o suficiente para que os pilotos pudessem voltar a usar slicks, com Grosjean e Gutiérrez a optarem por roxos/ultramacios. Grosjean rodou com muita gasolina, registando o crono de 1m12,598s. No entanto, a sua melhor volta foi realizada no início da sessão antes da chuva – 1m10,400s – uma marca realizada com borrachas vermelhas/supermacias. Gutiérrez não rodou com muita gasolina a bordo do seu carro e tirou o máximo partido do seu monolugar mais leve, registando o tempo de 1m10,138s na sua décima sexta e última volta da segunda sessão, o que levou ao décimo oitavo lugar. A primeira volta do Grosjean colocou-o no vigésimo posto.


    Tal como na primeira sessão, Rosberg e Hamilton marcaram o ritmo na segunda. A melhor volta de Rosberg, 1m07,967s, deixou Hamilton a 0,019s.


    No conjunto das duas sessões, a Haas F1 Team completou cento e uma voltas – sessenta e cinco realizadas por Grosjean e trinta e seis por Gutiérrez.



    “A segunda sessão teve condições climatéricas complicadas. Durante a manhã não foi muito mau, estava bastante satisfeito com o carro. Esta tarde focámo-nos mais nas séries longas. O carro não parece estar mal. É uma questão de entender os pneus, evitar a granulação e colocá-los na temperatura certa de funcionamento. Estamos a ficar cada vez melhor.”



    “Foi um dia complicado para nós. Não foi fácil ter consistência, especialmente na primeira sessão. Consegui realizar algumas voltas, mas então tivemos um problema que interrompeu toda a sessão. O mesmo aconteceu na segunda sessão. Tínhamos feito poucas voltas quando começou a chover, depois, no final da sessão voltei a ter um problema. Portanto, no geral, não foi um grande dia, mas vamos tentar dar o nosso melhor para recuperar amanhã. Estou ansioso por voltar à pista e pela qualificação.”



    “A primeira sessão foi produtiva para o Romain. Realizámos o nosso programa e reunimos muitos dados ao longo desta sessão. Estávamos preparados para chuva da tarde, portanto, não foi uma sessão matinal normal, dado que realizámos também algum trabalho que normalmente realizamos da parte da tarde. Queríamos fazer o mesmo com o Esteban, mas tivemos um problema electrónico, o que resultou que realizasse apenas uma volta de instalação. Estávamos à espera da chuva na segunda sessão e fizemos o máximo que podíamos. Depois, esperámos que a chuva passasse, mas infelizmente, o mesmo problema electrónico fez-se sentir no carro do Esteban, o que acabou por nos obrigar a terminar o programa mais cedo. Estamos a realizar algumas alterações, e esperamos resolver este problema. Romain, contudo, conseguiu realizar uma série longa de voltas e efectuámos tudo o que pretendíamos.”

     

    Os pilotos terão mais uma sessão de treinos-livres no sábado (10h00 – 11h00) antes da qualificação, que terá o seu início às 13h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os dezasseis pilotos mais rápidos a avançarem da Q1 para a Q2. Posteriormente, os dez pilotos mais rápidos na Q2 seguem para a Q3, durante a qual lutarão pela pole-position.

     

    -HaasF1Team-

     

    Sobre a Haas Automation

    A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

     

    SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

     

    2016 Austrian Grand Prix, Qualifying

     HIGH TRACK TEMPERATURES WITH MIXED WEATHER ON A DRYING
    SURFACE IN Q3 CREATES THRILLING QUALIFYING FINALE

     TWO STOPS LIKELY TO BE THE RACE STRATEGY TOMORROW

     APPROXIMATELY 0.4s BETWEEN SUPERSOFT
    AND ULTRASOFT TYRES IN THE DRY

    – Mercedes driver Lewis Hamilton has claimed pole position in Austria using the P Zero Purple ultrasoft tyre. On a drying track in Q3 – a session that started on intermediates – pole position depended on the timing of the final qualifying runs.

    Track temperatures were already high for FP3, reaching 48 degrees centigrade. During the early part of qualifying, these exceeded 50 degrees centigrade: the highest temperatures seen all weekend. Weather conditions remain uncertain for tomorrow, while the demands on the tyres put the accent on traction rather than lateral forces.

    A two-stopper appears to be the most likely strategy for the race tomorrow, with around 0.4 seconds between the supersoft and ultrasoft compounds. This comparatively small gap is due to the short lap and an effect of this is to open up a number of different strategy options.

    All the drivers used the ultrasoft tyre for Q1, which was interrupted by a big crash for Toro Rosso’s Daniil Kvyat that prematurely ended the session. In Q2, the Ferrari and Red Bull drivers set their best times on the supersoft rather than the ultrasoft tyre, which in theory could enable them to do an longer opening stint than for those starting the race on the ultrasoft. Rain fell during Q3, which meant that most of the session ran on the intermediates before a late move to ultrasoft slicks.

    The shape of the grid tomorrow will also be heavily influenced by penalties, as a result of which McLaren’s Jenson Button will start from third.

    Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “Austria has certainly proved to be a very unpredictable event so far, and lap times before the shower that fell in Q3 were up to two seconds faster than the times in each equivalent session from 2015. Both in terms of weather and events on the track, so we can expect this unpredictable theme to continue tomorrow. We’re anticipating two stops tomorrow and reasonably short stints on the ultrasoft, which are of course designed to provide the ultimate performance but at the expense of durability. We saw tyre strategy underway during qualifying, with Ferrari and Red Bull running the supersoft in Q2, which will give them the opportunity to run a longer first stint tomorrow. The final shoot-out was all about finding the right window of opportunity for the slick tyres to perform at their best on a drying track.”

    How the tyres behaved today:
    Soft: used only in FP3. Not seen in qualifying but will be a key element of the race.
    Supersoft: an essential part of the strategy, with Ferrari and Red Bull running these in Q2 and so starting the race with this more durable compound tomorrow.
    Ultrasoft: the most popular choice in Q1 and then used in Q3 last laps on a drying track.

    Race strategy: Due to the differing data available from Friday and today, a number of opportunities are open and it is quite difficult to predict the best strategy for tomorrow. The drivers with two sets of soft tyres available have a big potential advantage. A two-stop strategy looks to be the winning one. Using the data from Saturday, two different types of two-stopper appear to be best: start on supersoft, change to soft on lap 16, and soft again on lap 44 is the optimal strategy. If starting on ultrasoft, a change to soft by lap 10 and then soft again by lap 40 looks to be just a few seconds slower.

    FREE PRACTICE 3 – TOP 3 TIMES

    Vettel 1m07.098s Ultrasoft New
    Raikkonen 1m07.234s Ultrasoft New
    Hamilton 1m07.308s Ultrasoft Used

    QUALIFYING TOP 10

    Hamilton 1m07.922s Ultrasoft New
    Rosberg 1m08.465s Ultrasoft New
    Hulkenberg 1m09.285s Ultrasoft New
    Vettel 1m09.781s Ultrasoft New
    Button 1m09.900s Ultrasoft New
    Raikkonen 1m09.901s Ultrasoft New
    Ricciardo 1m09.980s Ultrasoft New
    Bottas 1m10.440s Ultrasoft New
    Verstappen 1m11.153s Ultrasoft New
    Massa 1m11.977s Ultrasoft New

    MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR

    Soft Magnussen 30 laps
    Supersoft Palmer 26
    Ultrasoft Grosjean 23
    Ultrasoft Rosberg 23
    Ultrasoft Sainz J 23
    Intermediate Perez 15

    BEST TIME BY COMPOUND SO FAR

    Intermediate Perez 1m15.902s
    Soft Hamilton 1m09.145s
    Supersoft Vettel 1m06.602s
    Ultrasoft Hamilton 1m06.228s

     

     

    alt

     

    DI GRASSI NA FÓRMULA E

     

    Di Grassi faz "marcação" sobre Buemi e vai à final com 3 pontos de vantagem

    Brasileiro da ABT Schaeffler Audi Sport termina o e-Prix de Londres em quarto lugar, uma posição à frente do rival suíço. Título será decidido neste domingo (3)

    A decisão do título da segunda temporada da história da Fórmula E teve seu primeiro round neste sábado (2) com a primeira prova da rodada dupla no e-Prix de Londres, disputada em circuito montado dentro do Battersea Park. Com classificação disputada em condições adversas - choveu no início da sessão e depois a pista foi secando - a prova foi extremamente disputada e teve a vitória de Nicolas Prost, com Bruno Senna em segundo.

    Fazendo uma corrida cerebral e agressiva ao mesmo tempo, a Lucas di Grassi coube o papel de fazer a marcação sobre o rival Sébastien Buemi. Ambos iniciaram a corrida pelo título separados por apenas um ponto. Depois de segurar o suíço da Renault e.Dams, que fazia várias investidas tentando ultrapassar o brasileiro, o piloto da ABT Schaeffler Audi Sport terminou a prova em quarto - depois de largar em 11º - uma posição à frente do vice-líder da temporada. "Não consegui respirar fundo nem por um segundo, de tanta pressão", exclamou.

    "A corrida foi boa dentro do possível. Os carros da e.Dams são muito mais rápidos desde o começo do campeonato, e isso dá para perceber. De qualquer forma, conseguimos tirar leite de pedra aqui em Londres. Fizemos a classificação com pista molhada, onde consegui ser um segundo mais rápido que o Buemi em condições diferentes e adversas", lembrou.

    Buemi chegou a estar duas posições atrás de Lucas, mas o conjunto visivelmente superior do suíço o permitiu realizar as ultrapassagens e tentar, de todo modo, ultrapassar o brasileiro, que não cedeu. "Na corrida tive que me segurar para conseguir mantê-lo atrás", disse o líder do campeonato.

    Tentando buscar o oitavo pódio na temporada, Di Grassi passou a investir forte para tentar passar Jean-Eric Vergne pela terceira posição. Quando colocou o carro de lado, o francês da DS Virgin fechou a porta inadvertidamente, quase colocando fim à corrida dos dois. Um susto. "Na disputa com o Vergne ele bateu em mim quando eu o estava ultrapassando e isso quebrou um pedaço da minha asa dianteira, o que acabou prejudicando um pouco o desempenho", descreveu.

    Com o quarto lugar, Lucas di Grassi passa a somar 153 pontos contra 150 de Buemi. "Deu para chegar na frente dele e conseguir estes três pontos importantes de vantagem. Agora, a classificação amanhã, novamente, terá papel fundamental nesta disputa e vamos dar o máximo para sair na frente. Vamos usar concentração máxima, encarar a prova do mesmo jeito, sem cometer erros e fazer um trabalho limpo. Já estou orgulhoso da nossa equipe", concluiu o piloto brasileiro.

    A classificação que define a ordem do grid de largada da finalíssima da Fórmula E acontece às 8 horas (de Brasília) deste domingo (3). A corrida tem largada ao meio-dia. Ambas as atividades têm transmissão ao vivo para o Brasil pelo canal Fox Sports2.


    e-Prix de Londres, Corrida 1 (Top-5)
    1-) Nicolas Prost (Renault e.Dams) - 33 voltas
    2-) Bruno Senna (Mahindra) - a 5s244
    3-) Jean-Eric Vergne (DS Virgin) - a 8s195
    4-) LUCAS DI GRASSI (ABT Schaeffler Audi Sport) - a 8s914
    5-) Sébastien Buemi (Renault e.Dams) - a 10s052

    Classificação do Campeonato (Top-5):
    1-) LUCAS DI GRASSI, 153 pontos;
    2-) Sébastien Buemi, 150
    3-) Nicolas Prost, 90
    4-) Sam Bird, 88
    5-) Jerôme D’Ambrosio, 66



    FIA Formula E
    Clique na imagem para fazer o Donwload... 
    Corrida tática e ao mesmo tempo agressiva de Lucas di Grassi em Londres
    Alta | Web

    ABT Schaeffler Audi Sport
    Clique na imagem para fazer o Donwload... 
    Brasileiro terminou em quarto, uma posição à frente do rival Sébastien Buemi
    Alta | Web

    ABT Schaeffler Audi Sport
    Clique na imagem para fazer o Donwload... 
    Resultado que permite a Lucas iniciar a corrida final com 3 pontos de vantagem
    Alta | Web

    FIA Formula E
    Clique na imagem para fazer o Donwload... 
    Piloto da ABT Schaeffler Audi Sport chegou a lutar por seu 8o pódio na temporada
    Alta | Web

    FIA Formula E
    Clique na imagem para fazer o Donwload... 
    Corrida final acontece neste domingo (3) ao meio-dia (de Brasília)
    Alta | Web

    FIA Formula E
    Clique na imagem para fazer o Donwload... 
    O canal Fox Sports2 transmite classificação e corrida ao vivo para todo o Brasil
    Alta | Web

     

    SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

     

    2016 Austrian Grand Prix – Practice Sessions

    FASTEST SPEEDS EVER SEEN AT THE RED BULL RING:
    2015 POLE TIME ECLIPSED IN FP1 ALREADY

     RAIN IN FP2 MEANT THERE WAS LITTLE REPRESENTATIVE DATA
    ON SMOOTH NEW ASPHALT

     HIGH DEGREE OF TRACK EVOLUTION EXPECTED

     Nico Rosberg used Pirelli’s ultrasoft tyre to set the fastest lap ever recorded around the Red Bull Ring, which has been resurfaced for this year and has already produced a notable upturn in speed compared to 2015.

    The Mercedes driver clocked a best lap of 1m07.373s during FP1 before joining his fellow drivers in sitting out more than 30 minutes of FP2 as torrential rain coated the 4.326-kilometre circuit.

    When the track began to dry out, the drivers had to run on intermediate tyre. It wasn’t until the final 20 minutes that teams were able to use dry-weather tyres once again with the popular choice ranging between the supersoft and ultrasoft.

    Having used the ultrasoft in FP1, Mercedes driver Rosberg’s best lap in FP2 was recorded on the supersoft.

    Rosberg’s FP1 performance confirmed the Red Bull Ring will be the shortest lap of the year in terms of time and will make an optimal qualifying lap on Saturday even more crucial as a small gap or mistake could have a significant impact. Sofar, due to the heavy wash during FP2, there’s no real data available related to the time gap between the different compounds.

    Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “The new smooth surface and the ultrasoft tyre combined to produce the fastest lap ever recorded at the Red Bull Ring this morning, which could mean that a sub-1m06 lap is possible in qualifying if it stays dry. With the heavy rain keeping the cars off the track for a large chunk of FP2, this didn’t provide a proper opportunity to gather representative running data on this track.”

    FP1 – TIMES
    Rosberg 1m07.373s Ultrasoft New
    Hamilton 1m07.730s Ultrasoft Used
    Vettel 1m08.022s Ultrasoft New
    FP2 – TIMES
    Rosberg 1m07.967s Supersoft New
    Hamilton 1m07.986s Ultrasoft New
    Hulkenberg 1m08.580s Ultrasoft New

    FP1 – BEST TIME PER COMPOUND

    Supersoft Rosberg 1m08.166s
    Ultrasoft Rosberg 1m07.373s
    Soft Hulkenberg 1m09.280s

    FP2 – BEST TIME PER COMPOUND

    Supersoft Rosberg 1m07.967s
    Intermediate Perez 1m15.902s
    Soft Hamilton 1m09.145s
    Ultrasoft Hamilton 1m07.986s

    MOST LAPS BY COMPOUND

    Ultrasoft          Ricciardo 17 laps
    Supersoft          Kvyat 13
    Intermediate          Alonso 10
    Intermediate          Kvyat 10
    Intermediate          Sainz J 10
    Soft          Button 7

    Tyre statistics of the day:

    Intermediate Soft Supersoft Ultrasoft
    kms driven * 700 865 1820 1898
    sets used overall ** 22 22 35 36
    highest number of laps ** 15 27 23 23

    * The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined.
    ** Per compound, all drivers combined.

    Minimum prescribed tyre pressures: 22 psi (fronts) 19.5 psi (rears) 

    Pirelli fact of the day: Prior to the return of the Red Bull Ring in 2014, there was no Austrian Grand Prix since 2003. McLaren is the only team with both drivers who took part in the previous incarnation of the race at the A1 Ring (as it was then known). On that occasion 13 years ago, Jenson Button finished fourth (with BAR) while Fernando Alonso retired on lap 44 (in a Renault) having started from the pit lane. 

    Spotted in the paddock: Indy 500 winner Alexander Rossi, undertaking third driver duties with Manor. Also spotted: special-edition ‘lederhosen’ race suits for Red Bull drivers Max Verstappen and Daniel Ricciardo, who celebrates his 27th birthday today. The Australian Grand Prix has named a grandstand after him to mark the occasion: this will be known as the circuit’s ‘Danstand’. 

    For more information: please visit our all-new website, which is regularly updated with exclusive in-depth features, news and reviews. To find out more, please visit:
    www.pirelli.com/global/en-ww/austria-2016-practice

    alt

    alt

     

    HAAS NO G.P.AUSTRIA

    Grande Prémio da Áustria: Resumo de Sexta-Feira

     

     

    Evento:  1ª e 2ª sessões de treinos-livres

    altData:  Sexta-Feira, 1 de Julho

    Local:  Red Bull Ring em Spielberg, Áustria

    Layout:  4,326 quilómetros, circuito de nove curvas

    Condições climatéricas na 1ª sessão:  Céu parcialmente  encoberto

    Temperatura na 1ª sessão:  19ºC

    Condições climatéricas na 2ª sessão: Céu encoberto, depois chuva e, finalmente, céu parcialmente encoberto

    Temperatura na 2ª sessão: 25ºC

    Pilotos:  Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez

     

     

    Grosjean:  11º (1m09,078s), 34 voltas completadas

    Gutiérrez:  19º (1m10,110s), 20 voltas completadas

    Piloto mais rápido:  Nico Rosberg da Mercedes (1m07,373s)

    Mais voltas completadas:  Nico Hulkenberg da Force India (43 voltas)

     

     

    Gutiérrez:  18º (1m10,138s), 16 completadas

    Grosjean:  20º (1m10,400s), 31 completadas

    Piloto mais rápido:  Nico Rosberg da Mercedes (1m07,967s)

    Mais voltas completadas:  Carlos Sainz Jr. da Toro Rosso e Sérgio Pérez da Force India (32 voltas)

     


    Esta sexta-feira, com o início das sessões de treinos-livres para o Grande Prémio da Áustria de domingo, o som dos carros ecoou nas montanhas em redor do Red Bull Ring, situado na pitoresca cidade de Spielberg, Áustria. As duas primeiras sessões de treinos-livres foram realizadas no circuito de 4,326 qulómetros e nove curvas com o céu parcialmente encoberto e temperaturas confortáveis, cerca de 21ºC.


    Para além de navegar no novo asfalto do Red Bull Ring, os pilotos tiveram também que navegar entre eles. A aderência estava em alta demanda, o que acabou por causar diversos piões e despistes de inúmeros pilotos. Quando o Campeão em título entrou em pião com o seu Mercedes na Curva 3, com trinta minutos de acção, Romain Grosjean, piloto da Haas F1 Team, que estava um pouco atrás de Hamilton, entrou em pião para o evitar. Nenhum dos pilotos sofreu qualquer dano nos seus respectivos carros. O incidente não prejudicou Grosjean que duas voltas depois realizou a sua melhor marca, 1m10,691s, com pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio.


    Depois dessa série de voltas de doze voltas, Grosjean montou um jogo de Pirelli P Zero Vermelho/Supermacios, que tinham sido utilizados na sua volta de instalação na primeira sessão de treinos-livres. Esta série de treze voltas permitiu a Grosjean melhorar o seu tempo (1m09,516s), subindo ao décimo terceiro lugar. Na sua série final, de oito voltas, optou por Pirelli P Zero Roxo/Ultramacio e foi então que registou a sua melhor volta da sessão – 1m09,078s, marcado na sua trigésima terceira volta, o que o colocou no décimo primeiro lugar da tabela de tempos.


    O seu colega de equipa, Esteban Gutiérrez, protagonizou um início de fim-de-semana mais frustrante. Uma série de doze voltas com pneus amarelos/macios produziu o tempo de 1m10,478s, antes de entrar nas boxes quando o relógio marcava quarenta minutos de sessão com uma dificuldade eléctrica que causou falta de potência. Num esforço tenaz por parte dos membros da Haas F1 Team, o problema foi identificado e resolvido, permitindo que Gutiérrez regressasse à pista quando faltavam sete minutos para o final da sessão. Com pneus Vermelhos/Supermacios ligeiramente usados montados, Gutiérrez registou a sua melhor marca na décima sétima volta, 1m10,110s, o que o colocou no décimo nono lugar da tabela de tempos.


    O duo da Mercedes, Nico Rosberg e Lewis Hamilton, lideraram na primeira sessão. Terminaram com as duas melhores posições, tendo Rosberg marcado o ritmo, com a marca de 1m07,373s, batendo Hamilton por 0,357s.


    As condições climatéricas tiveram um forte impacto na segunda sessão de treinos-livres, dado que apenas alguns pilotos realizaram um punhado de voltas, antes de a chuva ter inundado o circuito após apenas oito minutos de pista seca. Quase quarenta minutos mais tarde, a chuva cedeu e as equipas tiveram a possibilidade de enviar os seus pilotos para a pista, com o Daniel Ricciardo, da Red Bull, a ser o primeiro a aventurar-se.


    Ambos os pilotos da Haas F1 Team entraram na pista molhada com pneus Pirelli Cinturato Verde/Intermédio. Grosjean efectuou nove voltas e o Gutiérrez registou sete. A pista acabou por secar o suficiente para que os pilotos pudessem voltar a usar slicks, com Grosjean e Gutiérrez a optarem por roxos/ultramacios. Grosjean rodou com muita gasolina, registando o crono de 1m12,598s. No entanto, a sua melhor volta foi realizada no início da sessão antes da chuva – 1m10,400s – uma marca realizada com borrachas vermelhas/supermacias. Gutiérrez não rodou com muita gasolina a bordo do seu carro e tirou o máximo partido do seu monolugar mais leve, registando o tempo de 1m10,138s na sua décima sexta e última volta da segunda sessão, o que levou ao décimo oitavo lugar. A primeira volta do Grosjean colocou-o no vigésimo posto.


    Tal como na primeira sessão, Rosberg e Hamilton marcaram o ritmo na segunda. A melhor volta de Rosberg, 1m07,967s, deixou Hamilton a 0,019s.


    No conjunto das duas sessões, a Haas F1 Team completou cento e uma voltas – sessenta e cinco realizadas por Grosjean e trinta e seis por Gutiérrez.



    “A segunda sessão teve condições climatéricas complicadas. Durante a manhã não foi muito mau, estava bastante satisfeito com o carro. Esta tarde focámo-nos mais nas séries longas. O carro não parece estar mal. É uma questão de entender os pneus, evitar a granulação e colocá-los na temperatura certa de funcionamento. Estamos a ficar cada vez melhor.”



    “Foi um dia complicado para nós. Não foi fácil ter consistência, especialmente na primeira sessão. Consegui realizar algumas voltas, mas então tivemos um problema que interrompeu toda a sessão. O mesmo aconteceu na segunda sessão. Tínhamos feito poucas voltas quando começou a chover, depois, no final da sessão voltei a ter um problema. Portanto, no geral, não foi um grande dia, mas vamos tentar dar o nosso melhor para recuperar amanhã. Estou ansioso por voltar à pista e pela qualificação.”



    “A primeira sessão foi produtiva para o Romain. Realizámos o nosso programa e reunimos muitos dados ao longo desta sessão. Estávamos preparados para chuva da tarde, portanto, não foi uma sessão matinal normal, dado que realizámos também algum trabalho que normalmente realizamos da parte da tarde. Queríamos fazer o mesmo com o Esteban, mas tivemos um problema electrónico, o que resultou que realizasse apenas uma volta de instalação. Estávamos à espera da chuva na segunda sessão e fizemos o máximo que podíamos. Depois, esperámos que a chuva passasse, mas infelizmente, o mesmo problema electrónico fez-se sentir no carro do Esteban, o que acabou por nos obrigar a terminar o programa mais cedo. Estamos a realizar algumas alterações, e esperamos resolver este problema. Romain, contudo, conseguiu realizar uma série longa de voltas e efectuámos tudo o que pretendíamos.”

     

    Os pilotos terão mais uma sessão de treinos-livres no sábado (10h00 – 11h00) antes da qualificação, que terá o seu início às 13h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os dezasseis pilotos mais rápidos a avançarem da Q1 para a Q2. Posteriormente, os dez pilotos mais rápidos na Q2 seguem para a Q3, durante a qual lutarão pela pole-position.

     

    -HaasF1Team-

     

    Sobre a Haas Automation

    A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

     

    HAAS NO G.P.AUSTRIA

     

    A temporada de Verão começa em Spielberg

    Red Bull Ring inicia Ronda Europeia de 6 Corridas

     

    KANNAPOLIS, Carolina do Norte (27 de Junho de 2016) – O Verão chegou e também a Fórmula 1 alcançou a sua temporada europeia. Seis eventos até ao início de Setembro levará as equipas a competir o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 até à Áustria, Inglaterra, Hungria, Bélgica e Itália.


    O Red Bull Ring dá início à temporada de Verão, com o circuito de 4,326 quilómetros a albergar o Grande Prémio da Áustria. Localizado em Spielberg é uma versão condensada do Österreichring, que foi palco de corrida de Fórmula 1 entre 1970 e 1987, sendo agora relativamente mais curto e compacto, tendo apenas nove curvas. Porém, cobre uma variedade diversa de condições.


    A principal zona para ultrapassar surge na segunda curva (Remus), onde se verifica uma forte travagem, para que os pilotos descrevam a curva apertada em primeira ou segunda velocidade. Por outro lado, o circuito tem também uma curva de alta velocidade, a oitava (Rindt), que os pilotos efectuam em sexta velocidade, levando os carros até aos seus limites e aos deles próprios. Ambas os tipos de curvas, e todas as que estão entre elas, exigem boa tracção, levando a que a Pirelli tenha decidido disponibilizar para esta prova os três compostos mais macios da sua gama – P Zero Amarelo/Macio, P Zero Vermelho/Supermacio e P Zero Roxo/Ultramacio.


    O tempo quente de Verão e os pneus macios da Pirelli são bons sinais para a Haas F1 Team.


    A primeira equipa americana de Fórmula 1 em trinta anos estreou-se de uma forma excelente na prova de abertura da temporada, o quente Grande Prémio da Austrália, quando Romain Grosjean terminou no sexto posto, garantindo os primeiros pontos da equipa, e os primeiros pontos de uma equipa na sua estreia desde 2002, quando Mika Salo terminou com a Toyota o Grande Prémio da Austrália no sexto lugar. Grosjean demonstrou que este resultado não foi um acaso, melhorando o seu resultado em uma posição no Grande Prémio do Bahrein, vendo a bandeirada de xadrez no quinto lugar. Mais pontos foram conquistados no Grande Prémio da Rússia, em Sochi, quando Grosjean terminou na oitava posição. Três classificações nos pontos é mais que qualquer outra equipa conseguiu na sua temporada de estreia neste novo milénio. Quando a Jaguar se estreou em 2000 e quando a Toyota ingressou na Fórmula 1 em 2002, qualquer uma delas conseguiu apenas dois resultados nos pontos ao longo das suas respectivas épocas de estreia.


    Desde Sochi, contudo, os pontos têm escapado à Haas F1 Team. Diversos factores têm sido determinantes, sobretudo as temperaturas baixas que afectaram a capacidade da equipa em encontrar as temperaturas correctas de funcionamento dos pneus. Quando está quente, consistentemente quente, colocar os pneumáticos nas temperaturas correctas de funcionamento torna-se mais fácil. Esta consistência é bem-vinda pela Haas F1 Team, assim como outras consistências que este período europeu oferece a todos no paddock.


    Depois de ter cruzado o globo desde meados de Março, nos próximos dois meses haverá uma redução significativa dos tempos de voo e uma bem-vinda redução do jetlag. As equipas podem usar os seus transportadores, o que permite aos pilotos, membros da equipa e parceiros da equipa ter locais de trabalho consistentes. É o mais próximo da normalidade que os viajantes mundiais que estão não Fórmula 1 podem ter.


    A Haas F1 Team abraça a consistência, juntamente com o calor, a consistência do Verão. É uma combinação que pode trazer à equipa mais alguns pontos já no Red Bull Ring.

    Red Bull Ring

    Perimétro: 4,326 km

    Número de voltas: 71

    Distância de corrida: 307,020 km

    Transmissão televisiva:Eurosport 2xtra

    Programa de antevisão: 12h00

    Corrida: 13h00

    Programa de análise: 15h15

    alt

    Sobre a Haas Automation

    A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitarwww.HaasCNC.com.

    Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal             

    A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ oufacebook.com/haasportugal.

    alt

     

    Red Bull Ring, em Spielberg, é relativamente perto da sua cidade natal, Merano, em Itália. Vê esta prova como sendo a sua corrida caseira?

    “Sim, de certa forma, mas tenho muitas corridas caseiras na minha vida. Tenho uma na Áustria, uma em Itália, que é Monza, e outra nos Estados Unidos da América. Red Bull Ring é relativamente perto de onde nasci e a cerca de cinco horas de carros da minha cidade.”


    A Áustria marca o início de um grupo de seis corridas europeias para as quais todas as equipas podem levar os seus transportadores e unidades de hospitalidade. Do ponto de vista logístico é mais fácil, especialmente depois do enorme desafio logístico que foi ter duas corridas seguidas em dois continentes distintos, como foi o caso com Montreal e Baku?

    “Não diria que é mais fácil, mas sim mais conveniente, dado que temos todo o equipamento presente no circuito. Corridas seguidas é sempre difícil para todos, mesmo sendo na Europa e tendo acesso a todos os nossos transportadores. Ir de um local para outro de camião, por vezes, é mais demorado, se não mais distante, que voar, dado que temos muito equipamento em movimento. É, contudo, bom estar na hora europeia. Temos menos jetlag. Sei que os mecânicos gostam de estar na Europa, dado que estão a duas horas de avião de casa deles. No geral, é um pouco mais conveniente, mas é muito longe de ser mais fácil.”


    Depois de um punhado de corridas em que as temperaturas foram baixas, a corrida anterior, no Circuito Citadino de Baku, trouxe-nos temperaturas mais elevadas. Os climas mais quentes parecem permitir à equipa encontrar uma melhor forma de colocar os pneus a funcionar, e também mais rapidamente. É verdade? E se for, porque acontece?

    “Era isso que pensávamos para Baku, mas penso que fomos optimistas e durante a corrida caímos para fora da gama de temperaturas. Na qualificação gerimo-las muito bem, o que levou a que um dos nossos carros ficasse com o décimo primeiro lugar da grelha de partida, o que é muito bom para nós. Depois, na corrida, estávamos ligeiramente fora da gama de temperaturas e com os níveis de apoio aerodinâmico que tínhamos no carro não conseguíamos manter os pneus por suficiente tempo. A temperatura era muito elevada e tínhamos que mudar os pneus.  Preferimos ter este problema que não conseguir colocar os pneus a funcionar. Aprendemos muito com os últimos eventos, ir do frio do Canadá para o calor de Baku. Tenho a esperança de que brevemente tenhamos completado o nosso entendimento desta situação e possamos manter os pneus na sua estreita janela de funcionamento.”


    Verificámos em Baku que os pneus traseiros estavam a sofrer com granulação – isto foi o resultante das temperaturas muito elevadas, do asfalto novo ou uma combinação das duas?

    “Foi uma combinação das duas que causou a granulação. O apoio aerodinâmico era usado nas zonas de alta velocidade, como a longa recta. Depois havia também tínhamos baixo níveis de apoio aerodinâmico nas curvas, o que fazia com que o carro escorregasse muito, o que aumenta a granulação dos pneus. No geral, foi uma combinação destas três coisas.”


    Tiveram que realizar a selecção de pneus com catorze semanas de antecedência, caso seja uma corrida fora do continente Europeu, e com oito semanas de antecedência, caso seja uma prova europeia. Isto, em si mesmo, parece ser desafiador, dado a previsão educada que é necessária fazer sobre o que acontecerá ainda antes de chegar à pista em questão. Mas, uma vez que a Haas F1 Team é uma equipa nova sem dados das temporadas anteriores, é mais difícil que para as outras equipas?

    “Os nossos homens sabem muito de pneus, tal como nas outras equipas. São engenheiros experientes, mas não temos dados para os ajudar esta temporada. Portanto, é claro, que existe uma desvantagem para nós. Efecuámos as primeiras selecções de pneus ainda antes de termos um carro. Os pneus são, de facto, um dos aspectos em que estamos a sentir algumas dificuldades, mas sei que estamos a progredir e no próximo ano será melhor.”

     

    A Pirelli leva para a Áustria os compostos macios, supermacios e ultramacios. Esta será a terceira vez que temos estes três compostos numa corrida. Os conhecimentos reunidos no Mónaco e em Montreal são aplicáveis na Áustria?

    “Os conhecimentos dos eventos realizado serão, definitivamente, uma ajuda para a forma como utilizaremos os pneus na Áustria. Quanto mais rodamos em pista, mais aprendemos. E aconteça o que acontecer, vamos continuar a aprender na Áustria.”


    O Red Bull Ring é um circuito relativamente curto, mas o seu layout cobre uma gama diversa de condições, desde rectas de alta velocidade até curvas apertadas. Como afinam um carro para tirar partido de uma pista com tantos aspectos variados?

    “Veremos onde poderemos ganhar mais velocidade. Temos que tentar perceber na sexta-feira como afinar o carro da melhor forma para alcançarmos bons tempos, se é tirar apoio aerodinâmico para sermos rápidos nas rectas ou colocar apoio aerodinâmico para sermos rápidos nas curvas. Para além disso, temos que perceber de que forma podemos colocar os pneus nas temperaturas correctas, para que não tenhamos o problema que sentimos em Baku, quando tirámos muito apoio aerodinâmico.”

     

    Existe algum circuito que se assemelhe ao layout do Red Bull Ring, cujos dados podem ser aplicados aos planos para o Grande Prémio da Áustria?

    “Vamos verificar algumas curvas e compará-las com outras curvas de circuitos diferentes. Mas uma vez mais, quanto mais rodarmos, mais informação reunimos, o que nos permite simular um circuito como o da Áustria.”

     


    A maior parte dos pilotos são criaturas de hábitos, seguindo uma rotina seja qual for a pista. Com a Áustria a marcar o início de uma temporada europeia de seis corridas que nos levará até Agosto, ajuda usar sempre a mesma divisão para trocar de roupa, ter sempre a mesma unidade de hospitalidade, a mesma sala de reuniões, etc, dado os nossos camiões estarem presentes em todas estas corridas?

    “É bom ter as nossas coisas nestas corridas. Temos bom equipamento. Tudo o que temos é novo. No entanto, não temos muitas mudanças durante os fins-de-semana de corridas, mesmo nas corridas fora do continente europeu. Acabámos de regressar de Baku, e tudo estava muito bem organizado.”


    És um homem de família e vives em Genebra. É valioso para ti que, com esta temporada europeia, tenhas menos tempo de viagens, permitindo-se estar mais tempo em casa?

    “Temos viajado bastante. É bom estar de regresso às corridas europeias. Podemos chegar à pista na quinta-feira de manhã e estar em casa para jantar no domingo à noite, o que é bom para os meus filhos. Com as corridas seguidas que tivemos, é evidente que perguntavam ‘onde está o pai?’, portanto, é bom ter viagens mais curtas. Também nos permite trabalhar mais o aspecto físico. Não temos que ultrapassar o jetlag e sabemos com mais precisão o que vamos comer. Ajuda-nos verdadeiramente a alcançar o nosso pico de performance.”

     

    Dado as viagens serem menos intensas, esta temporada do Verão Europeu permite-te intensificar o teu treino físico, ou, por outro lado, permite-te simplesmente entrar numa rotina?

    “Vamos intensificar agora. Quando viajamos e lidamos com mudanças de fusos horários, é definitivamente importante manter uma rotina e concentrarmo-nos no treino físico. Agora, que estamos na Europa, temos um pouco mais de tempo. As férias de três semanas no Verão permite-nos também trabalhar mais arduamente nos aspectos físicos. Começamos com um bom nível e temos que trabalhar para o manter. O Verão é fantástico porque torna tudo um pouco mais fácil. Podemos fazer mais exercício na rua, o que me agrada.”

     

    Tens na tua agenda alguma maratona ou triatlo?

    “De momento não. Todos coincidem com fins-de-semana de corridas. Para já, não tenho nada planeado. O próximo passo é experimentar o triatlo, mas ainda não estou pronto. É algo para o qual trabalharei a longo prazo.”


    Qual é a tua forma preferida para fazer exercício? Correr, andar de bicicleta, levantamento de pesos, ou tem mais a ver com o que te apetece fazer num dia em particular?

    “Muito depende do dia e do tempo. Por exemplo, se estiver 30ºC, vou andar de bicicleta, seguramente, e não correr. Também depende do tempo que tenho disponível. Gosto de jogar ténis, também. Por vezes é bom desafiar-nos e fazer algo muito duro. Pode motivar-nos para a corrida seguinte.”

     

    Depois de algumas corridas em que as temperaturas foram baixas, a prova do Circuito Citadino de Baku trouxe-nos temperaturas mais quentes. As temperaturas mais altas parecem permitir à equipa encontrar a melhor janela de funcionamento dos pneus, e mais rapidamente. Concordas com esta visão e, se é assim, porquê?

    “Sim, penso que é esse o caso. Espero que tenhamos um bom Verão e que não necessitemos de nos concentrar em temperaturas baixas e em fazer funcionar os pneus. Foi uma pena que tenhamos tido de fazer uma paragem extra em Baku. Penso que talvez pudéssemos marcar pontos. Estávamos muito bem até então. Algumas das corridas para onde vamos deverão ser melhores para nós. Temos ainda que trabalhar para tirarmos melhor partido dos pneus quando está frio. Tivemos também alguns problemas com granulação, mas somos uma equipa nova e não temos tido muitas oportunidades para experimentar coisas diferentes. Vamos numa boa direcção, apesar de não termos marcado pontos nas últimas corridas. Penso que tudo está a seguir o caminho que deveria e tudo acabará por correr bem e então será fantástico.”

     

    Verificámos em Baku que os pneus traseiros estavam a sofrer com granulação – isto foi o resultante das temperaturas muito elevadas, do asfalto novo ou uma combinação das duas?

    “Existem algumas explicações para a granulação. Quando está frio pode acontecer quando os pneus derrapam em demasia. Se o carro não tem o equilíbrio perfeito no início da corrida, pode acontecer. Estamos a trabalhar com os dados para perceber o que aconteceu.”


    O Red Bull Ring é um circuito relativamente curto, mas o seu layout cobre uma gama diversa de condições. É parecido com algum outro circuito da Fórmula 1 ou é único?

    “É um lugar engraçado, correr no meio de montanhas. O circuito é muito curto. O tempo por volta é quase o mesmo do Mónaco. Tem bons locais para ultrapassar. Gosto de lá ir e a paisagem é semelhante à da Suíça.”

     

    Qual é a tua zona preferida do Red Bull Ring?

    “Gosto bastante do sector do meio. Tem curvas de média e alta velocidade. A pista, no geral, tem duas partes muito distintas. Temos a Curva 1 e a Curva 2, que são muito semelhantes. Ambas são curvas de noventa graus, com zonas de fortes de travagens, depois de longas rectas. Depois temos uma segunda parte que é mais fluída.”

    Descreve uma volta ao Red Bull Ring.

    “Começamos com uma travagem forte para a Curva 1, de noventa graus. É muito importante colocar a potência no chão o mais rapidamente possível. Temos então uma longa recta que nos leva até à Curva 2, onde deixamos a travagem para muito tarde, e temos uma mudança de camber. Vamos a fundo para a Curva 3. Mais uma vez, temos uma travagem complicada, e vamos a descer. Então temos uma curva dupla à esquerda, de média/alta velocidade. As últimas duas curvas também são rápidas e subimos para descer logo de seguida. Pode ser complicado, mas se tivermos uma boa aderência e um carro bem equilibrado, pode ser muito divertido.”

     

     

    A maior parte dos pilotos são criaturas de hábitos, seguindo uma rotina seja qual for a pista. Com a Áustria a marcar o início de uma temporada europeia de seis corridas que nos levará até Agosto, ajuda usar sempre a mesma divisão para trocar de roupa, ter sempre a mesma unidade de hospitalidade, a mesma sala de reuniões, etc, dado os nossos camiões estarem presentes em todas estas corridas?

    “É mais confortável ter a mesma consistência nos locais onde trabalhamos e descansamos – a sala onde nos mudamos, a hospitalidade. Penso que quando a equipa tem a sua própria hospitalidade concebida para as suas necessidades, isso permite-nos ter um bom espaço para trabalhar  e ter um bom ambiente. Gosto do equipamento de pista da nossa equipa. Portanto, estou ansioso por voltar a ter essa consistência nas próximas corridas.”


    Dado as viagens serem menos intensas, esta temporada do Verão Europeu permite-te intensificar o teu treino físico, ou, por outro lado, permite-te simplesmente entrar numa rotina?

    “Permite-me entrar numa rotina. Outro facto é o jetlag que não é tão importante. Dado termos menos tempo de viagem, podemos ser mais eficientes e iniciar o nosso programa de treino assim que regressamos das corridas. Torna tudo mais confortável.”


    Tens na tua agenda alguma maratona ou triatlo?

    “O meu treino foca-se naquilo que preciso para as corridas. Treinar para maratonas e para triatlos é, evidentemente, positivo, mas também é bom ter tempo para corpo poder recuperar. Queremos chegar a cada corrida com o máximo de energia possível, portanto, o treino tem que ser equilibrado entre as viagens e o trabalho que tenho que fazer.”


    Qual é a tua forma preferida para fazer exercício? Correr, andar de bicicleta, levantamento de pesos, ou tem mais a ver com o que te apetece fazer num dia em particular?

    “Na verdade, faço um pouco de tudo. Corro, ando de bicicleta, levanto pesos, jogo ténis. Por vezes, ando de kart, que também encaro como treino. Depende da agenda. É difícil ter um ritmo de modo a fazer o mesmo todos os dias. Considero mais interessante variar e divertir-me um pouco.”


    Depois de algumas corridas em que as temperaturas foram baixas, a prova do Circuito Citadino de Baku trouxe-nos temperaturas mais quentes. As temperaturas mais altas parecem permitir à equipa encontrar a melhor janela de funcionamento dos pneus, e mais rapidamente. Concordas com esta visão e, se é assim, porquê?

    “Com as temperaturas quentes, a janela de funcionamento dos pneus tem tendência para se neutralizar na grelha de partida. Quando as temperaturas são normais, é mais fácil gerir os pneus. É tão simples quanto isso.


    Verificámos em Baku que os pneus traseiros estavam a sofrer com granulação – isto foi o resultante das temperaturas muito elevadas, do asfalto novo ou uma combinação das duas?

    “Na verdade, é uma combinação das duas coisas, dado que o asfalto é muito abrasivo quando é novo. Também é muito suave. Foi anormal ter tanta granulação, mas a combinação do ambiente quente e da nova pista contribuiu para isso.”


    O Red Bull Ring é um circuito relativamente curto, mas o seu layout cobre uma gama diversa de condições. É parecido com algum outro circuito da Fórmula 1 ou é único?

    “É único, dado que é um pouco da escola antiga e tem muitas curvas rápidas, o que me agrada bastante. É um circuito curto – sem muitas curvas – portanto, os tempos são muito próximos e muito competitivos na qualificação. É um desafio extra fazer com que tudo saia na perfeição, ou o mais perfeito possível.”


    Qual é a tua zona preferida do Red Bull Ring?

    “Adoro as duas curvas rápidas à esquerda no interior do circuito, que são muito interessantes, e também a zona em que entramos numa curva de velocidade elevadíssima, depois da recta oposta, seguida de uma curva com banking. É muito agradável passar por lá. O vento tem algum efeito, dado que temos as árvores, que são muito altas, e então o vento faz-se sentir em algumas zonas do circuito de formas diferentes, o que torna tudo ainda mais complicado.”


    Descreve uma volta ao Red Bull Ring.

    “Chegamos à Curva 1, que é um pouco a subir. A primeira curva é de média velocidade, um pouco apertada, com uma corrector espectacular na saída. Colocaram uma salsicha na saída que não nos permite usar muito o corrector, portanto é um pouco como um circuito citadino, onde não temos muita margem para usar. A recta mais longa do circuito vai até à Curva 2, que também é a subir, com uma travagem muito forte. É uma curva muito lenta, muito apertada. É importante ter boa travagem e tracção, dado que chegamos a alta velocidade e os travões são muito importantes. Chegamos à Curva Três a descer, que é uma curva longa, muito interessante na saída, sem grande margem para errar, dado termos gravilha. Depois chegamos às curvas 4 e 5, que são duas esquerdas muito rápidas, de que gosto muito. Adoro-as. Entramos na Curva 4, que é cega. Saímos a usar os correctores, preparando a curva seguinte, que na verdade se une à anterior – muito, muito rápida. Vamos então para a recta oposta. Chegamos à Curva 7, que é uma curva de alta velocidade. Entramos com muita velocidade e quase sem travar e isso prepara-nos para a curva seguinte, que surge rapidamente, e tem banking. É muito interessante e muito rápida. Chegamos à recta da meta. É um circuito bastante curto.”

     

     

     

    Red Bull Ring

    • Número de voltas: 71
    • Distância de corrida: 307,020 quilómetros
    • Velocidade na via das boxes: 80Km/h
    • Este circuito de 4,326 quilómetros e nove curvas albergou a Fórmula 1 nove vezes. As primeiras sete corridas foram realizadas numa versão condensada do Österreichring, conhecida como A-1 Ring, entre 1997 e 2003, antes de ser rebaptizada de Red Bull Ring, em 2014.
    • Michael Schumacher detém o recorde de volta do Red Bull Ring (1m08,337s),  realizada em 2003 com a Scuderia Ferrari.
    • Michael Schumacher detém o recorde da qualificação do Red Bull Ring (1m07,908s), realizada em 2003 com a Scuderia Ferrari.
    • Apesar do Red Bull Ring ser relativamente curto – apenas o Mónaco, o México City e Interlagos (Brasil) são mais curtos – e compacto com apenas nove curvas, o circuito cobre uma extensa gama de condições. A zona privilegiada para ultrapassar surge na Curva 2 (Remus), onde, depois de uma forte travagem, os pilotos descrevem uma curva apertada em primeira ou segunda velocidade. Por outro lado, o circuito tem também uma curva de alta velocidade, a oitava (Rindt), que os pilotos efectuam em sexta velocidade, levando os carros até aos seus limites e aos deles próprios. Ambas os tipos de curvas, e todas as que estão entre elas, exigem boa tracção, levando a que a Pirelli tenha decidido disponibilizar para esta prova os três compostos mais macios da sua gama.
    • Durante o fim-de-semana do Grande Prémio da Áustria, a temperatura mínima será de 14ºC e a máxima será de 27ºC. A humidade relativa estará entre os 47% e os 92%.
    • DYK? Hermann Tilke, o responsável pela concepção de muitos dos novos circuitos de Fórmula 1, foi responsável pela adaptação dos 5,942 quilómetros de Österreichring nos 4,326 quilómetros do A-1 Ring, conhecido agora como Red Bull Ring

    • Pirelli is bringing three tire compounds to Austria:
        • P Zero Amarelo/Macio – pouca aderência, desgaste baixo (usado para longas séries de voltas da corrida)
        • P Zero Vermelho/Supermacio – muita aderência, desgaste médio (usado para séries curtas de voltas e para o primeiro segmento de qualificação)
        • P Zero Roxo/Ultamacio – o máximo de aderência, desagaste máximo (usado para a a qualificação e situações seleccionadas da corrida)
        • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada uma dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. (Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
        • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Desses 13 jogos, os pilotos e as suas respectivas equipas podem escolher as especificações de dez deles entre os três compostos disponíveis. Os restantes três jogos são definidos pela Pirelli – dois tipos obrigatórios para a corrida (um jogo de P Zero Amarelo/Macio e um de P Zero vermelho/supermacio) e um tipo obrigatório para a Q3 (um jogo de P Zero Roxo/Ultramacio). A Haas F1 Team seleccionaram os seguintes jogos:
          • Grosjean: 2 jogo de P Zero Amarelo/Macio, 5 jogos de P Zero Vermelho/Supermacio e6 jogos de P Zero Roxo/Ultramacio.
          • Gutiérrez: 3 jogo de P Zero Amarelo/Macio, 4 jogos de P Zero Vermelho/Supermacio e6 jogos de P Zero Roxo/Ultramacio.

       

      DI GRASSI NA FÓRMULA E

       

      Hora da final: Classificação será fundamental na decisão do título da Fórmula E, diz Lucas di Grassi

      Brasileiro esteve sete vezes entre os três primeiros - com três vitórias - em oito corridas e parte para corrida final em Londres com um ponto de vantagem na liderança do campeonato

      A cidade de Londres recebe neste final de semana a etapa final da temporada 2015-2016 da Fórmula E. Serão duas corridas, um sábado (2) e outra no domingo (3) que definirão o título da ascendente categoria dos monopostos elétricos. E o Brasil está na disputa: Lucas di Grassi, da ABT Schaeffler Audi Sport, é o líder do campeonato com apenas um ponto de vantagem para o suíço Sèbastien Buemi, da Renault e.Dams.

      São 60 pontos em jogo nas duas provas, incluindo os bônus por pole-position e volta mais rápida, o que coloca até o terceiro colocado Sam Bird - que soma distantes 82 pontos - na disputa. Di Grassi tem 141, contra 140 de Buemi. Lucas tem três vitórias e sete pódios na atual temporada.

      "Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance na temporada. Nos preparamos bem, nossos engenheiros e mecânicos estão motivados e estamos todos comprometidos com a causa", afirma Lucas, que na temporada inaugural da Fórmula E foi o terceiro na tabela, tendo vencendo a primeira corrida da história da categoria. Há duas semanas foi o terceiro colocado nas 24 Horas de Le Mans e no último domingo venceu uma prova do Audi TT Cup, onde correu como convidado.

      O palco da final é, novamente, o Battersea Park, no coração da capital londrina e às margens do rio Tâmisa. O traçado de 2.925 metros é extremamente estreito, e por isso proporciona raras oportunidades de ultrapassagem. Por isso que o brasileiro destaca, mais ainda, a importância dos treinos de classificação. "Por ser uma pista muito difícil de fazer uma ultrapassagem, largar na frente será fundamental. Nosso objetivo é claro: tirar o melhor desempenho do carro e não cometer erros. Temos um excelente time e parceiros maravilhosos. Podemos conquistar um grande feito em Londres", concluiu.

      Ambas as corridas têm largada marcada para as 12 horas (de Brasília) tanto no sábado como domingo. No sábado (3) o Fox Sports 2 transmite o treino classificatório às oito horas e entra ao vivo a partir das 11h30 para a decisão da primeira corrida final. Domingo (3) a programação do canal é idêntica.

      Classificação do Campeonato (Top-5):
      1-) LUCAS DI GRASSI, 141 pontos;
      2-) Sébastien Buemi, 140
      3-) Sam Bird, 82
      4-) Jerôme D’Ambrosio, 64
      5-) Nicolas Prost, 62



      ABT Schaeffler Audi Sport
      Clique na imagem para fazer o Donwload... 
      Lucas di Grassi pronto para a final da Fórmula E em Londres neste fim de semana
      Alta | Web

      ABT Schaeffler Audi Sport
      Clique na imagem para fazer o Donwload... 
      Rodada dupla acontece sábado e domingo no Battersea Park, em Londres
      Alta | Web

      Duda Bairros/P1 Media Relations
      Clique na imagem para fazer o Donwload... 
      Brasileiro é líder do campeonato, um ponto à frente de Sèbastien Buemi
      Alta | Web

      Duda Bairros/P1 Media Relations
      Clique na imagem para fazer o Donwload... 
      Di Grassi tem três vitórias e sete pódios na temporada
      Alta | Web

      FIA Formula E
      Clique na imagem para fazer o Donwload... 
      Lucas foi segundo em Pequim
      Alta | Web

      FIA Formula E
      Clique na imagem para fazer o Donwload... 
      Venceu em Putrajaya

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      ANTEVISÃO GRANDE PRÉMIO PIRELLI ÁUSTRIA

      9ª prova de 21

      Spielberg, Áustria, 30 Junho – 3 Julho 2016

       

       

      Para a visita anual da Fórmula 1 ao Red Bull Ring, com a sua deslumbrante paisagem montanhosa, foram nomeados os três compostos mais suaves da gama P Zero: macio, supermacio e ultramacio. O circuito de Spielberg é provavelmente aquele que mais assemelha a Fórmula 1 a uma especial de rally, com grandes variações de elevação e uma sequência de curvas rápidas e sinuosas. A meteorologia na região também é bastante imprevisível. Embora o circuito tenha retornado ao calendário F1 apenas em 2014, tem as suas raízes no Osterreichring de 1969, o que lhe confere um caráter “old school” que ainda hoje é evidente.

       

       

      O CIRCUITO DO PONTO DE VISTA DOS PNEUS:

       

      •  Os primeiros dois setores são rápidos, com um setor final mais lento e técnico.
      • O circuito testa um vasto espetro da polivalência dos pneus, em termos de carga lateral e longitudinal.
      •  Desgaste, degradação e temperaturas são baixos, razão pela qual foram escolhidos os pneus mais macios.
      •  Avaliar os pontos de travagem é bastante complexo, pois existem diversas áreas ascendentes de travagem.
      •  A superfície da pista é geralmente pouco aderente e de pouca abrasão, assim como irregular em certos pontos.
      •  Spielberg tem o traçado mais curto do ano com apenas nove curvas, pelo que a precisão é vital.

       

      OS TRÊS COMPOSTOS NOMEADOS:

       

      • Macio - amarelo: Invulgarmente este é o pneu mais rígido da gama, um dos conjuntos obrigatórios disponíveis.
      •  Supermacio - vermelho: Estes devem desempenhar um papel importante na corrida; também um conjunto obrigatório.
      •  Ultramacio - roxo: Amplamente a escolha mais popular, com até nove conjuntos nomeados por carro.

       

      COMO FOI HÁ UM ANO:

       

      •  A estratégia de uma paragem foi essencial para a vitória, embora isso tenha sido influenciado pela entrada de um safety car antecipado. Nico Rosberg começou com supermacio e trocou para macio na 38ª volta (de 71).
      •  Melhor estratégia alternativa: Pastor Maldonado terminou em sétimo partindo em 10º na grelha, após começar com pneus macios e realizar um longo turno.

       

      PAUL HEMBERY, PIRELLI MOTOSPORT DIRECTOR:

       

      •  “A Áustria é um dos circuitos mais pitorescos e individuais no campeonato, o que exige bastante dos pneus em termos de aderência mecânica generalizada e de performance, razão pela qual os ultramacios têm sido grandemente favorecidos aqui. Como resultado, talvez tenhamos duas paragens nesta corrida, embora no ano passado apenas tenha acontecido uma. Contudo, este circuito é quase sempre imprevisível: tivemos um período com o safety car logo no início do Grande Prémio no ano passado, enquanto a chuva e um sol radioso parecem ser uma possibilidade idêntica. O composto ultramacio deverá adaptar-se bem ao Red Bull Ring, o que significa que, quase de certeza, iremos ver as voltas mais rápidas da configuração atual do circuito neste fim-de-semana.”

       

      O QUE HÁ DE NOVO?

       

      • O circuito recebeu novo asfalto este ano, sendo que este conta com um nível de abrasão semelhante ao anterior. O recente asfalto poderá oferecer diferentes níveis de abrasão durante a corrida: este ponto será medido pelos engenheiros da Pirelli na quarta-feira prévia à corrida.
      •  O ultramacio estreia-se na Áustria, tendo sido apresentado na temporada atual.
      •  Tal como nos carros, Spielberg recebeu a Red Bull Air Race no início deste ano, sobre a pista.

       

      OUTROS ASPETOS QUE NOS CHAMARAM A ATENÇÃO RECENTEMENTE:

       

      • A Ferrari e a Renault fizeram as nomeações mais agressivas: nove conjuntos de ultramacio cada.
      •  Os líderes do campeonato (Rosberg e Hamilton) diferem na sua escolha de pneus.
      • A Pirelli integra a ação da FIA na sua campanha de segurança na estrada, com algumas iniciativas.

       

      A NOMEAÇÃO DOS COMPOSTOS DE PNEUS ATÉ À DATA:

       

      Roxo

       

      Vermelho

       

      Amarelo

       

      Branco

       

      Laranja

      Austrália

      Supermacio

      Macio

      Médio

      Bahrein

      Supermacio

      Macio

      Médio

      China

      Supermacio

      Macio

      Médio

      Rússia

      Supermacio

      Macio

      Médio

      Espanha

      Macio

      Médio

      Duro

      Mónaco

      Ultramacio

      Supermacio

      Macio

      Canadá

      Ultramacio

      Supermacio

      Macio

      Azerbaijão

      Supermacio

      Macio

      Médio

       

      Austria

      Ultramacio

      Supermacio

      Macio

      GreatBritain

      Macio

      Médio

      Duro

      Hungria

      Supermacio

      Macio

      Médio

      Alemanha

      Supermacio

      Macio

      Médio

      Bélgica

      Supermacio

      Macio

      Médio

      Itália

      Singapura

      Ultramacio

      Supermacio

      Macio

      Malásia

      Macio

      Médio

      Duro

      Japão

      Macio

      Médio

      Duro

       

       

      HAAS EM TESTES

      Charles Leclerc participa em treinos-livres com a Haas F1 Team

      Pilotos de dezoito anos pilota VF-16 na primeira sessão de treinos-livres de Silverstone e de outros quatro circuitos

      KANNAPOLIS, Carolina do Norte (24 de Junho de 2016) – Charles Leclerc, actual membro da Ferrari Driver Academy e que presentemente compete com a ART Grand Prix na GP3 Series, terá o seu primeiro contacto com um Fórmula 1 quando pilotar o VF-16 da Haas F1 Team no dia 8 de Julho durante a primeira sessão de treinos-livres do Grande Prémio da Grã-Bretanha, em Silverstone.


      O piloto da Haas F1 Team, Esteban Gutiérrez, que também foi piloto da Ferrari Academy, cedeu o seu lugar para que Leclerc possa ganhar experiência valiosa de Fórmula 1. Depois de Silverstone, Leclerc, de dezoito anos, reaparecerá nas primeiras sessões de treinos-livres do Grande Prémio da Hungria, a 22 de Julho, no Grande Prémio da Alemanha, a 29 de Julho, no Grande Prémio da Malásia, a 30 de Setembro e a 25 de Novembro no Grande Prémio de Abu Dhabi. Em cada uma das sessões, Leclerc pilotará o carro número vinte e um da Haas F1 Team.

      alt

      “Esta é uma oportunidade fantástica para ganhar experiência aos comandos de um carro de Fórmula 1 e não consigo agradecer o suficiente à Haas F1 Team e ao Esteban”, disse Leclerc, que venceu a primeira corrida da temporada da GP3 Series, a 14 de Maio no Circuit de Barcelona – Catalunya. “Estou honrado pela fé que a Haas F1 Team e a Ferrari têm em mim. Este é um passo muito importante para o meu objectivo principal, tornar-me piloto de Fórmula 1”.


      Leclerc ascendeu rapidamente do karting para os monolugares. Depois de vencer onze campeonatos de karting entre 2005 e 2013, incluindo o título de 2012 da WSK Euro Series Championship, Leclerc ingressou na Fórmula Renault 2.0 em 2014, conquistando uma pole-position, duas vitórias e nove pódios em catorze corridas. Em 2015, Leclerc subiu para o Campeonato da Europa FIA de Fórmula 3, assegurando três pole-positions, quatro vitórias e treze pódios em trinta e três corridas.


      “Charles Leclerc é muito apreciado na Ferrari e os seus resultados falam por si”, disse Guenther Steiner, o chefe de equipa da Haas F1 Team. “Estamos satisfeitos por oferecer esta oportunidade e por ajudar no desenvolvimento da próxima geração de pilotos de Fórmula 1. Queremos agradecer ao Esteban por partilhar o seu carro e por assumir o papel de mentor do Charles”.


      -HaasF1Team-

       

      Sobre a Haas Automation

      A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS
      FOR THE 2016 ITALIAN GRAND PRIX

       Pirelli will bring the following three compounds to the fourteenth round of the 2016 Formula One season in Italy*, to be held (September 1-4) on the Monza circuit:
          P Zero White medium
          P Zero Yellow soft
          P Zero Red supersoft

      These are the tyres that Pirelli has said must be used at some point in the race:
          One set of P Zero White medium
          One set of P Zero Yellow soft.
      Each driver must have both these sets available for the race, and must use at least one of them.

      There are the tyres assigned for Q3 in qualifying:
          One set of P Zero Red supersoft
      Following the regulations, each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.

      The teams are free to choose the remaining 10 sets; making up 13 sets in total for the weekend.

      *The new 2016 tyre regulations mean that tyre nomination for long-haul events have to be made 14 weeks in advance, whereas for European races the deadline is eight weeks in advance.

      The tyres nominated so far:

      Purple Red Yellow White Orange
      Australia Supersoft Soft Medium
      Bahrain Supersoft Soft Medium
      China Supersoft Soft Medium
      Russia Supersoft Soft Medium
      Spain Soft Medium Hard
      Monaco Ultrasoft Supersoft Soft
      Canada Ultrasoft Supersoft Soft
      Azerbaijan Supersoft Soft Medium
      Austria Ultrasoft Supersoft Soft
      Great Britain Soft Medium Hard
      Hungary Supersoft Soft Medium
      Germany Supersoft Soft Medium
      Belgium Supersoft Soft Medium
      Italy Supersoft Soft Medium
      Singapore Ultrasoft Supersoft Soft
      Malaysia Soft Medium Hard
      Japan Soft Medium Hard

       

      alt

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      PIRELLI AUSTRIA GRAND PRIX PREVIEW
      Round nine of 21
      Spielberg, Austria, 30 June-3 July 2016

       For Formula One’s annual visit to the Red Bull Ring, with its stunning mountain setting, the three softest compounds in the P Zero range have been nominated: soft, supersoft and ultrasoft. The Spielberg track is probably the closest that Formula One comes to a rally stage: with big changes of elevation and a sequence of fast and twisty corners. The weather in the region can also be quite unpredictable. Although the circuit only returned to the F1 calendar in 2014, it has its roots in the 1969 Osterreichring, which gives the track quite an old-school character that is still in evidence now. 

      THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW:

      • The first two sectors are fast with the final sector being slower and more technical.
      • The circuit tests a wide spectrum of a tyre’s ability, in terms of lateral and longitudinal loading.
      • Wear, degradation and temperatures are quite low, which is why we have the softest tyres.
      • Judging the braking points is quite complex, as there are a number of uphill braking areas.
      • The track surface is generally low-grip and low abrasion, as well as being bumpy in places.
      • Spielberg is the shortest lap time of the year with only nine corners, so precision is vital. 

      THE THREE NOMINATED COMPOUNDS:

      • Yellow soft: unusually this is the hardest tyre in the range, one of the mandatory available sets.
      • Red supersoft: these should play an important role in the race, also a mandatory available set.
      • Purple ultrasoft: the most popular choice by a long way, with up to nine sets nominated per car.

      HOW IT WAS A YEAR AGO:         

      • A one-stop strategy proved key to victory, although this was influenced by an early safety car. Nico Rosberg started on the supersoft and then switched to the soft on lap 38 (of 71).
      • Best-placed alternative strategy: Pastor Maldonado finished seventh from 10th on the grid (promoted by grid penalties) after starting on the soft tyre and doing a long opening stint.         

      PAUL HEMBERY, PIRELLI MOTORSPORT DIRECTOR:                      

      • “Austria is one of the most picturesque and individual tracks on the championship, which asks a lot from the tyres in terms of all-round mechanical grip and performance, which is why the ultrasoft has been resoundingly favoured here. As a result, we may have a two-stop race this time, even though last year was a one-stopper. However, this venue is always quite unpredictable: we had a safety car period right at the beginning of the grand prix last year, while rain as well as bright sunshine seems to be an equal possibility. The ultrasoft compound should be well-suited to the Red Bull Ring, which means that we will almost certainly see the fastest laps ever of this current circuit configuration this weekend.”

      WHAT’S NEW? 

      • The circuit has been completely re-asphalted this year, with the new asphalt having a similar level of abrasion to before. The fresh bitumen may offer a different amount of grip though: it will be measured by Pirelli’s engineers on Wednesday before the race.
      • The ultrasoft makes its Austrian debut, having been introduced for the current season.
      • As well as cars, Spielberg also hosted the Red Bull Air Race earlier this year, above the track. 

      OTHER THINGS THAT HAVE CAUGHT OUR EYE RECENTLY:

      • Ferrari and Renault have made the most aggressive nominations: nine sets of ultrasoft each.
      • The top two in the championship (Rosberg and Hamilton) differ in their tyre choices.
      • Pirelli becomes part of the FIA’s action for road safety campaign, with some new initiatives. 

      TYRES NOMINATED SO FAR:

      Purple Red Yellow White Orange
      Australia Supersoft Soft Medium
      Bahrain Supersoft Soft Medium
      China Supersoft Soft Medium
      Russia Supersoft Soft Medium
      Spain Soft Medium Hard
      Monaco Ultrasoft Supersoft Soft
      Canada Ultrasoft Supersoft Soft
      Azerbaijan Supersoft Soft Medium
      Austria Ultrasoft Supersoft Soft
      Great Britain Soft Medium Hard
      Hungary Supersoft Soft Medium
      Germany Supersoft Soft Medium
      Belgium Supersoft Soft Medium
      Italy
      Singapore Ultrasoft Supersoft Soft
      Malaysia Soft Medium Hard
      Japan Soft Medium Hard

      alt

      alt

       

      HUMOR NA FÓRMULA 1

      HUMOR NA FÓRMULA 1

       

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS
      FOR THE 2016 GRANDS PRIX OF BELGIUM AND JAPAN

       Pirelli will bring the following three compounds to the thirteenth round of the 2016 Formula One season in Belgium*, to be held (August 25-28) on the Spa-Francorchamps circuit:
      P Zero White medium
      P Zero Yellow soft
      P Zero Red supersoft

      These are the tyres that Pirelli has said must be used at some point in the race:
      One set of P Zero White medium
      One set of P Zero Yellow soft.
      Each driver must have both these sets available for the race, and must use at least one of them.

      There are the tyres assigned for Q3 in qualifying:
      One set of P Zero Red supersoft
      Following the regulations, each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.

      + + + + +

      JAPANESE GP
      Pirelli will bring the following three compounds to the seventeenth round of the 2016 Formula One season in Japan*, to be held (October 6-9) on the Suzuka circuit:
      P Zero Orange hard
      P Zero White medium
      P Zero Yellow soft


      These are the tyres that Pirelli has said must be used at some point in the race:
      Two sets of P Zero Orange hard.
      Each driver must have both these sets available for the race, and must use at least one of them.

      There are the tyres assigned for Q3 in qualifying:
      One set of P Zero Yellow soft
      Also in this case, following the regulations, each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.

      The teams are free to choose the remaining 10 sets; making up 13 sets in total for the weekend.

      *The new 2016 tyre regulations mean that tyre nomination for long-haul events have to be made 14 weeks in advance, whereas for European races the deadline is eight weeks in advance.

      The tyres nominated so far:

      Purple Red Yellow White Orange
      Australia Supersoft Soft Medium
      Bahrain Supersoft Soft Medium
      China Supersoft Soft Medium
      Russia Supersoft Soft Medium
      Spain Soft Medium Hard
      Monaco Ultrasoft Supersoft Soft
      Canada Ultrasoft Supersoft Soft
      Azerbaijan Supersoft Soft Medium
      Austria Ultrasoft Supersoft Soft
      Great Britain Soft Medium Hard
      Hungary Supersoft Soft Medium
      Germany Supersoft Soft Medium
      Belgium Supersoft Soft Medium
      Italy
      Singapore Ultrasoft Supersoft Soft
      Malaysia Soft Medium Hard
      Japan Soft Medium Hard

       

       alt

      alt

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      Austria Grand Prix: July 1- 3, 2016

      SELECTED SETS PER DRIVER

       The FIA communicated to Pirelli each team’s tyre choices for the forthcoming Austrian Grand Prix (Spielberg 1-3 July).

      alt

       

      MERCEDES VENCEU EM BAKU

       

      “Silver Arrow da Mercedes-Benz vence no primeiro Grande Prémio de Fórmula 1 realizado no Azerbaijão

       

      • Nico Rosberg alcançou este domingo a 19ª vitória da sua carreira, a 5ª em 2016, tornando-se no primeiro piloto a vencer no Circuito de Baku, Azerbaijão;

      • Lewis Hamilton teve uma tarde muito desafiante ao ter de recuperar cinco posições depois de ter partido da 10ª posição;

      • Nico Rosberg continua assim a liderar o Mundial de Pilotos com 141 pontos, mais 24 pontos que Lewis Hamilton na 2ª posição;

      • A equipa da MERCEDES-AMG PETRONAS lidera o Mundial de Construtores com 258 pontos, mais 81 pontos que a Ferrari.”D303396 Copy

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      NEW FIA AND PIRELLI FOUR-YEAR AGREEMENT IN SUPPORT OF THE FIA ACTION FOR ROAD SAFETY CAMPAIGN

      The FIA and Pirelli have today signed a new four-year agreement in support of the FIA’s Action for Road Safety campaign.

      One of the primary goals of the campaign, launched in support of the UN Decade of Action for Road Safety 2011-2020, is to educate and better inform road users on the importance of respecting the rules of the road. According to the World Health Organisation, road crashes are today the number one killer worldwide of people aged between 15 and 29.

      As a Global Partner of the campaign, Pirelli will promote the FIA’s ’10 Golden Rules’ for road safety through all of its networks. Pirelli will also organise training programmes, as well as projects to raise awareness on safe driving, in collaboration with a selection of FIA Member Clubs.

      During this week’s 2016 FIA Sport Conference in Turin, Pirelli CEO Marco Tronchetti Provera said: “Safety has always been one of Pirelli’s primary objectives. As well as being the maximum expression of high technology and performance, guaranteeing total driving pleasure, our tyres constantly strive to achieve the highest levels of safety, both for people and the environment.”

      FIA President Jean Todt said: “I am delighted that Pirelli have agreed to support the FIA Action for Road Safety campaign. Working together with our member clubs, this partnership can help spread the road safety message and the importance of respecting other road users to an even wider audience”.

      The existing partnership between the FIA and Pirelli relating to the FIA Mobility Conferences and FIA Sport Conferences has also been extended.

       

      alt

      alt

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      016 Grande Prémio da Europa - Corrida

       

      NICO ROSBERG VENCEU NO GRANDE PRÉMIO INAUGURAL DE BAKU, USANDO UMA ESTRATÉGIA DE UMA PARAGEM COM SUPERMACIOS – MACIO

       

      TEMPERATURAS MAIS ELEVADAS DO QUE AS ESPERADAS, OBRIGOU AS EQUIPAS A ALTERAR DE UMA, PARA DUAS PARAGENS

       

      APESAR DA TEMPERATURA DO ASFALTO SER SUPERIOR A 50º, ADEGRADAÇÃO FOI BAIXA, COM UMA PEQUENA QUEBRA DA TEMPERATURA APÓS 1/3 DA CORRIDA

       

       O excecional e primeiro Grande Prémio no Azerbeijão foi ganho por Nico Rosberg em Mercedes que saiu da primeira posição da grelha e apenas parou uma vez, trocando de composto Supermacio para Macio, nunca perdendo a liderança da corrida.

      Os primeiros seis classificados iniciaram a corrida com os Supermacios e apenas pararam uma vez para trocar para o composto macio, entre a volta 8 e 21. Isto significa que os turnos com os pneus macios duraram até 43 voltas, como aconteceu neste caso com o Ferrari de Kimi Raikkonen. Este facto foi alcançado, apesar de um índice de desgaste mais elevado do que o esperado, devido às temperaturas mais quentes do que as observadas durante as sessões de treinos e qualificação.  

      O melhor classificado dos três pilotos que partiu da pole com pneus macios, foi Niko Hulkenberg em Force India, terminando na nona posição, após sair da 12ª posição da grelha. Hulkenberg parou apenas uma vez, enquanto Daniel Ricciardo em Red Bull foi o melhor com duas paragens, utilizando os três compostos nomeados para o Azerbeijão – Supermacios, Macios e Médios, tal como aconteceu com o seu companheiro de equipe, Max Verstappen.   

      Uma outra estratégia alternativa foi utilizada por Pascal Werhrlein, completando um longo turno inicial de 29 voltas com os pneus macios, trocando para Médios antes de abandonar. Pelo contrário, Kevin Magnussen em Renault, realizou um longo turno final de 46 voltas com o composto macio. Rio Haryanto em Manor realizou um turno ainda mais longo com 48 voltas.

       

      Paul Hembery, Pirelli Motosport Director: “O Grande Prémio de Baku tem muitas surpresas, em primeiro lugar as temperaturas da pista superiores a 50º graus durante um terço da corrida, e muito pouca descida da mesma ao longo da prova. Em segundo lugar, a entrada esperada de Safety cars em pista nunca se materializou. Como esperado, o vencedor apenas realizou uma paragem, apesar das longas voltas e velocidades elevadas a par do elevado desgaste e baixa degradação. Observámos um número elevado de diferentes estratégias que estão a ser avaliadas, incluindo algumas com longos turnos mesmo com Supermacios, que foi fundamental para a vitória de Nico Rosberg neste circuito espetacular. ”

       

       

                          Médio                       Macio                      Supermacio

      Primeiro     Verstappen 1m 46.973s       Rosberg  1m 46.485s        Gutierrez     1m 47.563s

      Segundo    Ricciardo     1m 47.736s       HamiIton  1m 46.822s       Palmer         1m 47.583s

      Terceiro     Grosjean      1m 47.943s       Perez       1m 46.990s        Hulkenberg  1m 48.012s

       

       

      TURNOS MAIS LONGOS DA CORRIDA:

       

      Composto Medio               Verstappen               31 voltas       

      Composto Macio                Haryanto                  48 voltas

      Composto Supermacio      Hulkenberg              31voltas

       

       

      A NOSSA PREVISÃO:

      Previmos que a estratégia vencedora seria a opção de uma paragem, iniciando com Supermacio e trocar para Macio na volta 22. Rosberg, parou uma volta mais cedo do que o esparado.

       

       

      Para mais informações: Visite o nosso novo website, regularmente atualizado com informações exclusivas, novidades e análises:

       

      HAAS NO G.P. DA EUROPA

      Grande Prémio da Europa: Resumo da Corrida

       

       

      alt

      Evento: Grande Prémio da Europa (8º Round de 21)

      Data:  Domingo, 19 de Junho

      Local:  Circuito Citadino de Baku, no Azerbaijão

      Layout:  6,003 quilómetros, circuito de 20 curvas

      Condições Climatéricas:  Sol, 33ºC

      Vencedor:  Nico Rosberg da Mercedes

      Haas F1 Team:

      Romain Grosjean – Arrancou de 11º, terminou em 13º (completou 50 das 51 voltas)

      Esteban Gutiérrez – Arrancou de 15º, terminou 16º (completou 50 das 51 voltas)

       


      Depois de três anos de ausência, o Grande Prémio da Europa regressou ao Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 através do Circuito Citadino de Baku, a capital do Azerbaijão, um traçado de 6,003 quilómetros e vinte curvas. Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez, terminaram no décimo terceiro e décimo sexto lugares, respectivamente, num dia quente e húmido.


      Grosjean arrancou do décimo primeiro lugar e Gutiérrez de décimo quinto na estreia da pista na Fórmula 1, com uma temperatura ambiente de 33ºC, o que levou a que o asfalto apresentasse uma temperatura de 48ºC – as temperaturas mais elevadas desde o início do programa do Grande Prémio da Europa. Ambos os pilotos iniciaram a corrida com pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio, tendo planeada apenas uma paragem nas boxes.


      Este plano rapidamente se alterou no caso de Gutiérrez, devido a um contacto com o Force India de Nico Hulkenberg logo na primeira volta, que enviou Gutiérrez para as boxes com uma asa danificada. Juntamente com um nariz novo, foram montados pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio no VF-16, o que o atirou para o vigésimo primeiro lugar. Uma segunda paragem na vigésima nona volta, para montar pneus supermacios usados, levaram Gutiérrez até ao final da corrida, mas acabou por ser dobrado na trigésima segunda volta pelo vencedor, Nico Rosberg. Gutiérrez terminou o Grande Prémio da Europa no décimo sexto lugar.


      Grosjean teve um arranque melhor, chegando a rodar no oitavo lugar quando estavam cumpridas dez voltas, antes entrar nas boxes para montar pneus macios. Com o decorrer das paragens nas boxes, Grosjean subiu de décimo sétimo a décimo segundo, nas vigésima quinta volta. Infelizmente, Grosjean sentiu problemas de sobreaquecimento no motor recorrentemente. Grosjean não teve opção senão parar, deitando por terra a possibilidade de alcançar os pontos. A Haas F1 Team tentou tirar o melhor partido da situação, e mandou Grosjean para a pista com pneus Pirelli P Zero Médio/Branco usados, que o levou até à bandeirada de xadrez. Apesar de ter sido dobrado por Rosberg na quadragésima terceira volta, Grosjean nunca perdeu a sua tenacidade, lutando para recuperar até ao décimo terceiro lugar final.


      Com oito rounds de 21 disputados, a Haas F1 Team prossegue no oitavo lugar do Campeonato de Construtores com vinte e dois pontos. Em redor da equipa americana não houve alterações, uma vez que a sétima classificada, a McLaren, e a nona, a Renault, não marcaram qualquer ponto. A Haas F1 Team manteve-se a dois pontos da McLaren e com uma vantagem de dezasseis para a Renault.


      Rosberg dominou o Grande Prémio da Europa, liderando desde a pole-position para alcançar a sua décima nona vitória na Fórmula 1 e a quinta da temporada. O piloto da Mercedes usou uma estratégia de uma paragem para vencer Sebastian Vettel, da Scuderia Ferrari, por 16,696s. Rosberg é o primeiro vencedor do Grande Prémio da Europa desde que Fernando Alonso triunfou na edição de 2012, no Circuito Citadino de Valência, em Espanha. A vitória de hoje permitiu a Rosberg estender a sua liderança no Campeonato de Pilotos, detendo agora vinte e quatro pontos de vantagem para o seu colega de equipa, Lewis Hamilton.



      “O carro estava muito bom no início da corrida e tudo estava a correr bem. Depois tivemos um problema de granulução nos pneus traseiros e tivemos que parar para montar pneus macios. O plano era ir até ao fim. Depois ficámos com muitos detritos nos radiadores e tivemos que parar novamente para os limpar. Essa paragem extra custou-nos bastante. Tivemos que montar pneus médios para ir até ao fim, dado que já não tínhamos mais macios. Demos o nosso melhor, mas não estamos onde queríamos.”



      “Não foi um bom dia para nós. Tive alguns danos no carro no início, e depois disso, era uma questão de recuperar o máximo possível. Não tínhamos o ritmo para ir para a frente. Senti algumas dificuldades para ultrapassar e recuperar posições. No geral, não foi uma dia positivo. Agora temos que nos concentrar na próxima corrida e manter-nos optimistas. Não estamos onde queríamos estar, mas vamos continuar a dar o nosso melhor para tentar optimizar tudo e tirar todo o partido do carro na Áustria.”



      “Foi uma corrida complicada. No início, o Esteban teve um contacto com o (Nico) Hulkenberg e perdeu parte da asa dianteira e uma peça do fundo plano. Isso resultou em termos que o chamar para mudar a asa dianteira e isso arruinou a sua corrida. O Romain estava bem. Gostaríamos de o manter mais tempo em pista com o seu primeiro jogo de pneus, mas assim que os mudámos parecia correr bem até o termos de voltar a chamar às boxes. Desta vez, os radiadores tinham acumulado muitos detritos e tivemos que os limpar. O seu ritmo de corrida estava bom, mas não podíamos arriscar sobreaquecer o motor. Tínhamos os pontos como objectivo. Tivemos boas paragens nas boxes e estamos a progredir, portanto, temos que olhar em frente para a próxima corrida.”


      O nono round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 é o Grande Prémio da Áustria, que se realiza no Red Bull Ring, em Spielberg. Os treinos-livres iniciam-se no dia 1 de Julho, a qualificação a 2 e a corrida a 3.


       

      -HaasF1Team-

       

       

      Sobre a Haas Automation

      A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

      Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

      A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ou facebook.com/haasportugal.

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      2016 European Gp – Tyre sets available

      Please find attached the tyre sets available for each driver at the start of the European Grand Prix:

      alt

       

      CAMPEONATO DO MUNDO DE F 1 - 2016

      CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMUAL 1 - 2016

       

      G.PRÉMIO DA EUROPA - BAKU

       

      ROSBERG RUBRICA NOVA VITÓRIA

       

      Niko Rosberg foi o brilhante vencedor da 1ª prova de Fórmula 1, que teve lugar na pista citadina de Baku, onde uma vez mais o seu Mercedes bateu o Ferrari de Vettel, que teve atrás de si a surpresa desta jornada, o Force India de Perez.

       

      A 4ª posição foi para o Ferrari de Raikonen, seguido pelo Mercedes de Hamilton e pelo Williams de Bottas.f1 Copyf2 Copyf3 Copyf4 Copyf5 Copyf6 Copyf7 Copyf8 Copyf11 Copyf12 Copyf14 Copyf15 Copyf16 Copyf17 Copyf18 Copyf19 Copyf20 Copyf21 Copyf28 Copyf29 Copyf30 Copy

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      2016 Europe Grand Prix – Race – Infographics

      alt

      alt

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      2016 Europe Grand Prix – Race

      NICO ROSBERG WINS INAUGURAL GRAND PRIX AT BAKU
      USING A ONE-STOP SUPERSOFT-SOFT STRATEGY

      HIGHER TEMPERATURES THAN EXPECTED PUSH SOME TEAMS
      FROM ONE TO TWO PIT STOPS

      LOW DEGRADATION DESPITE ASPHALT IN EXCESS OF 50 DEGREES
      AND LITTLE DROP IN TEMPERATURE THROUGHOUT THE RACE  

       The very first Grand Prix in Azerbaijan was won by Mercedes driver Nico Rosberg, who started from pole and stopped just once, passing from supersoft to soft tyres, without ever losing the lead.

      The top six started on the supersoft and stopped only once for the soft tyre, between laps 8 and 21. This meant that their soft tyre stints lasted up to 43 laps, in the case of Ferrari’s Kimi Raikkonen. The result was achieved despite a higher wear rate than expected owing to warmer temperatures than those seen in practice and qualifying.  

      The highest placed of the three drivers to have instead started on the soft was Force India’s Nico Hulkenberg, who finished ninth from 12th on the grid. Hulkenberg stopped just once, while the best of the two-stoppers was Red Bull’s Daniel Ricciardo, who used all three compounds nominated for Azerbaijan: supersoft, soft and medium, which was the case also for his team mate Max Verstappen.

      Another alternative strategy was adopted by Manor’s Pascal Wehrlein, who completed a very long 29-lap opening stint on the soft, then reverted to the medium before his retirement. Renault’s Kevin Magnussen, by contrast, had a very long closing stint on the soft tyre that even lasted for 46 laps. Manor’s Rio Haryanto went even longer: 48 laps.

      Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “The Baku grand prix contained a number of surprises; firstly with track temperatures still in excess of 50 degrees after one third of the race, and with very little drop in temperature throughout. And secondly because the much-anticipated safety cars never materialised. As expected, it was a one-stop race for the winner, with quite high wear and low degradation despite the long lap length and very high top speeds. We saw a number of different strategies being tried, including some very long stints even on the supersoft, which was key to Nico Rosberg’s victory on this spectacular track.”

      Fastest times of the day by compound

      Medium Soft Supersoft
      First Verstappen   1:46.973 Rosberg     1:46.485 Gutierrez     1:47.563
      Second Ricciardo       1:47.736 Hamilton     1:46.822 Palmer         1:47.583
      Third Grosjean       1:47.943 Perez          1:46.990 Hulkenberg  1:48.012

      Longest stint of the race:

       Medium  Verstappen  31 laps
       Soft  Haryanto  48
       Supersoft  Hulkenberg  31

       Truthometer: We predicted a winning strategy of just one-stop, starting on supersoft and moving to soft on lap 22. Rosberg actually stopped one lap earlier than we thought.

      For more information: please visit our all-new website, which is regularly updated with exclusive in-depth features, news and reviews. To find out more, please visit:
      www.pirelli.com/global/en-ww/baku-2016-race

      The full pit stop summary is available in the attached pdf document.

      alt

       alt

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

       2016 Europe Grand Prix, Qualifying

      NICO ROSBERG USES P ZERO SUPERSOFT TO SET POLE POSITION
      FOR THE INAUGURAL GRAND PRIX AT BAKU

      ONE-STOP STRATEGY EXPECTED TOMORROW

       WEAR LEVELS ARE LOW, BUT SAFETY CARS
      COULD DISRUPT RACE STRATEGY

       Mercedes driver Nico Rosberg will start from pole position tomorrow, having used the P Zero Red supersoft tyre from the start to finish of qualifying. All competitors used the softest tyre available here for the entirety of qualifying, with the soft and medium compounds also nominated for the inaugural grand prix in Azerbaijan.

      With track evolution levels being quite high, the circuit got faster and faster as each session went on. The final Q3 shoot-out was interrupted by a red flag just two minutes from the end, which gave drivers the opportunity to head out for a final run if they wished.

      Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “We saw an action-packed qualifying session, where the lack of experience and lack of grip on this new circuit was a key factor, causing a few surprises. The supersoft was used from start to finish, but the fresh asphalt meant that there was little grip on offer, and the track was evolving all the time. As a result it was an exciting session, which suggests also that there could be a high probability of a safety car tomorrow, as we saw in the GP2 race earlier. While a one-stop strategy is clearly the way forward, there are some good opportunities to have on this rapid circuit, which combines the unpredictability of a street circuit with the possibility to overtake and move up the field.”

      How the tyres behaved today:

      Medium: used today only in FP3 and unlikely to play a major part in the race tomorrow.

      Soft: seen in FP3; will be used in the latter part of the race, or by those on an alternative strategy at the start.

      Supersoft: the fastest tyre by about a second, which was the default qualifying choice.

      Race strategy: The teams obviously have limited data regarding Baku, so there is less information than usual on which to base strategy calculations. However, a one-stop seems to be clearly the best option. The top 10 will all start on used supersoft, and we would expect them to move onto the soft on lap 22 (of 51). If starting on the soft, the time to switch to supersoft is lap 29. However, strategies will have to be flexible, as there appears to be a high likelihood of a safety car. 

       Free practice 3 – top three times

      Hamilton 1m44.352s Supersoft new
      Rosberg 1m44.610s Supersoft new
      Hulkenberg 1m45.540s Supersoft new

      Qualifying top 10

      Rosberg 1m42.758s Supersoft new
      Perez 1m43.515s Supersoft new
      Ricciardo 1m43.966s Supersoft used
      Vettel 1m43.966s Supersoft used
      Raikkonen 1m44.269s Supersoft used
      Massa 1m44.483s Supersoft new
      Kvyat 1m44.717s Supersoft used
      Bottas 1m45.246s Supersoft new
      Verstappen 1m45.570s Supersoft used
      Hamilton 2m01.954s Supersoft new

      Longest stint so far of the weekend

      Medium  Haryanto   11 laps 
       Soft  Palmer 19
       Supersoft  Magnussen 20

      Highest laps per compound of the weekend

      Medium  Hulkenberg 15 laps 
      Soft Palmer 28
      Supersoft Magnussen 28

       Best time by compound so far

      Medium Rosberg 1m45.792s
      Soft Hamilton 1m45.102s
      Supersoft Rosberg 1m42.520s

       

       

       alt

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      2016 Europe Grand Prix – Practice Sessions

       HAMILTON FASTEST WITH SUPERSOFT TYRE ON THE WORLD’S
      QUICKEST STREET CIRCUIT

      SLIPPERY SURFACES AND HIGH TRACK EVOLUTION UP TO NOW

      PERFORMANCE GAP OF ABOUT ONE SECOND SO FAR BETWEEN SOFT
      AND SUPERSOFT COMPOUNDS

      The teams today got to grips with the second-longest track on the calendar, which contains a number of unique characteristics such as an extremely high top speed in excess of 350kph.

      As a result, the priority was track familiarisation and data collection with all three P Zero tyres nominated: medium (used only for FP1 installation), soft and supersoft, which different teams ran during the course of both sessions. As expected, there were warm temperatures and a high degree of track evolution with an extremely slippery surface at the start of the day in particular. In the afternoon, conditions were more overcast.

      Following FP1 a problem was identified with the kerbing, resulting in damage to some of the rear-left tyres, but with no deflations or loss of pressure. The problem was rectified prior to FP2, although the race director advised drivers to stay off certain kerbs, which will be fixed tonight

      Mercedes driver Lewis Hamilton set the fastest time of the day, establishing what is currently the lap record on the supersoft tyre, during FP2. There is a performance gap of a second between the soft and supersoft tyres for now, but with the track still evolving so rapidly, the definitive gap – and therefore the likely race strategy – will only be seen following FP3 tomorrow.

      Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “Baku has proven to be a different challenge compared to the majority of circuits we visit. Being a new track, initial running was on a slightly dirty surface that evolved throughout the sessions. The high winds weren’t helping today as teams searched for the ideal set up to maximise performance and maintain tyre performance in the optimal window. We will now compare our actual running data to the pre-race simulations in order to understand any differences between the two.”

      FP1 – TIMES    FP2 – TIMES
      1. Hamilton 1m46.435s Supersoft new   1. Hamilton 1m44.223s Supersoft new
      2. Rosberg 1m46.812s Supersoft new   2. Rosberg 1m44.913s Supersoft new
      3. Bottas 1m47.096s Soft new   3. Perez 1m45.336s Supersoft new

      FP1 – BEST TIME PER COMPOUND

      Medium Hulkenberg 1m49.301s
      Supersoft Hamilton 1m46.435s
      Soft Bottas 1m47.096s

      FP2 – BEST TIME PER COMPOUND

      Medium Rosberg 1m45.792s
      Soft Hamilton 1m45.102s
      Supersoft Hamilton 1m44.223s

      MOST LAPS BY COMPOUND

      Supersoft    Magnussen 20
      Soft    Palmer 19
      Medium    Haryanto 11

      Tyre statistics of the day:

      Medium Soft Supersoft
      kms driven * 528 4122 2496
      sets used overall ** 16 54 26
      highest number of laps ** 15 27 28

      * The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined.
      ** Per compound, all drivers combined.

      Minimum prescribed tyre pressures: 22 psi (fronts) 22 psi (rears) 

      Pirelli fact of the day: Baku is the only capital city – and grand prix – in the world to be located below the level of the sea, and also the largest city in the world to be found below sea level. The ‘altitude’ in the ‘City of Winds’ is minus 28. 

      Spotted in the paddock: Gulhuseyn Abdullayev. The 19-year-old is currently Azerbaijan’s only racing driver, who had the honour of completing the very first laps of the Baku City Circuit in a GP3 car last month. He’s hoping this race will kick-start a new motorsport scene in Azerbaijan: to begin his career, he had to travel to Turkey for his first seasons in karting.  

       

       

      alt

       

      HAAS EM BAKU

      Grande Prémio da Europa: Resumo da Qualificação

       

      alt

       

      Evento:  Qualificação para o Grande Prémio da Europa (8º de 21 rounds)

      Data:  Sábado, 18 de Junho

      Local:  Circuito Citadino de Baku, no Azerbaijão

      Layout:  6,003 quilómetros, circuito de 20 curvas

      Condições Climatéricas:  Sol, 28ºC

      Record da Volta:  Nico Rosberg da Mercedes (1m42,520s), marcada durante a Q2

      Autor da Pole-Position:  Nico Rosberg da Mercedes (1m42,758s)

      Resultado:

      Romain Grosjean 11º, alinhará do lado de fora da sexta linha

      Esteban Gutiérrez 15º, alinhará do lado de fora da oitava linha

       

      • tem a duração de 18 minutos e todos os vinte e dois pilotos participam
      • os dezasseis pilotos mais rápidos passam à Q2

      Gutiérrez:  12º (1m45,300s), avançou para a Q2

      Grosjean:  14º (1m45,507s), avançou para Q2

      Piloto mais rápido:  Nico Rosberg da Mercedes (1m43,685s)

      Cutoff:  16º Felipe Nasr da Sauber (1m45,549s)

      • tem a duração de 15 minutos e participam os dezasseis pilotos mais rápidos da Q1
      • os dez pilotos mais rápidos passam à Q3

      Grosjean:  11º (1m44,755s)

      Gutiérrez:  15º (1m45,349s)

      PIloto mais rápido:  Nico Rosberg da Mercedes (1m42,520s)

      Cutoff:  10º, Felipe Massa da Williams (1m44,696s)

       

      • tem a duração de 12 minutos e participam os dez mais rápidos da Q2, que lutam pela pole-position

      Autor da Pole-Position:  Nico Rosberg da Mercedes (1m42,758s)

      Segundo:  Sérgio Pérez da Force India (1m43,515s)

      *Tem uma penalização de 5 lugares na grelha de partida devido a troca da caixa de velocidades.

       


      A preparação para o Grande Prémio da Europa, que se realiza no Circuito Citadino de Baku no domingo, continuou este sábado com a acção e a temperatura a aumentar durante a terceira sessão de treinos-livres e a qualificação no traçado de 6,003 quilómetros. Na sessão final de treinos de sessenta minutos verificou-se a subida dos termómetros até aos 46ºC no que diz respeito ao asfalto e aos 28 no que diz respeito ao ambiente.


      Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez, totalizaram quarenta e duas voltas na terceira sessão, divididas irmamente entre os dois. Ambos utilizaram os Pirelli P Zero Branco/Médio no início para depois mudaram para P Zero Vermelho/Supermacio. Grosjean liderou a Haas F1 Team na terceira sessão de treinos-livres, com o décimo terceiro tempo (1.46,361s), realizado na sua décima quinta volta, efectuada durante uma série de dez voltas que o levou até ao final da sessão. Gutiérrez, também com duas saídas das boxes, depois das voltas de instalação, alcançou a sua melhor marca durante a sua décima quarta volta ao circuito, o que o colocou no décimo quinto lugar.


      O piloto da Mercedes manteve o seu domínio em todas as sessões de treinos-livres de Baku, conquistando o topo da terceira sessão de treinos-livres com a marca de 1m44,352s.


      A qualificação teve um resultado mais positivo para a Haas F1 Team, com Grosjean e Gutiérrez avançarem para a Q2 pela terceira corrida seguida. Grosjean assinou o décimo primeiro tempo (1m44,755s), que foi o seu segundo melhor resultado da temporada, com o nono lugar alcançado no Bahrein a continuar a ser o melhor. O melhor tempo do Gutiérrez (1m45,349s) colocou-o no décimo quinto lugar na grelha de partida. O caminho para a Q2 foi garantido quando Gutiérrez alcançou o décimo segundo tempo na Q1, ao passo que Grosjean alcançou o décimo quarto. Apenas os dezasseis mais rápidos avançaram da Q1 para a Q2. Ambos os pilotos usaram apenas pneus P Zero Vermelho/Supermacio.


      A primeira pole-position alcançada no Circuito Citadino de Baku ficou nas mãos de Nico Rosberg com a marca de 1m42,758s. Foi a vigésima quinta pole-position da carreira de Rosberg e a sua terceira da temporada. Rosberg registou também o recorde da pista, com o seu crono da Q2, 1m42,520s, a melhor marca alcançada este fim-de-semana no Grande Prémio da Europa. O piloto da Force India, Sérgio Pérez, foi o segundo mais rápido da qualificação, com a sua melhor volta a ficar a 0,757s de Rosberg. No entanto, Pérez foi obrigado a trocar a caixa de velocidades do seu carro, o que lhe vale uma penalização de cinco lugares na grelha de partida.



      “No final, foi um bom resultado. Foi o máximo a que poderia aspirar. Ficar logo à saída dos dez primeiros é muito positivo para a nossa estratégia para amanhã. Tive dificuldades com a aderência e com os travões na Q1. Fui prejudicado algumas vezes e fiquei um pouco preocupado. Na segunda saída para a pista precisava de uma volta limpa e foi isso que fizemos. O carro estava fantástico na Q2 e consegui tirar alguma aderência dos pneus, o que ajudou bastante. Ainda temos que investigar os nossos travões, para garantir que o carro tem um pouco mais de performance. No geral, foi uma boa performance da parte da nossa equipa. Tem vindo a trabalhar muito bem ao longo de todo o fim-de-semana, o que me deixa muito satisfeito.”



      “Hoje não foi um bom dia para mim. Tive algumas dificuldades com os travões. Na última volta assumi alguns riscos e cometi um pequeno erro. Infelizmente, depois não tive outra oportunidade. No geral, penso que por vezes temos que correr alguns riscos e este tipo de coisas acontecem. Nas corridas temos que tentar tirar o máximo partido das oportunidades e, ocasionalmente, acontecem coisas destas. Olhando para amanhã, vamos tentar tirar alguma vantagem e tirar o máximo partido da nossa performance. Esta pista permite realizar algumas ultrapassagem, portanto, será uma boa corrida de seguir.”



      “Foi uma boa qualificação para nós. Décimo primeiro para o Romain, que é uma posição onde queremos estar, e décimo quinto para o Esteban, o que também é um bom resultado. É difícil prever o que acontecerá amanhã na pista, portanto, penso que podemos ter uma corrida imprevisível pela frente. No entanto, se continuarmos a lutar arduamente, evitarmos pequenos erros, certamente que tornará a corrida interessante. Espero uma corrida positiva para nós. Se nos mantivermos à margem dos problemas, poderemos voltar a casa com pontos.”


       

      -HaasF1Team-

       

       

      Sobre a Haas Automation

      A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

      Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

      A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ou facebook.com/haasportugal.

       

      HAAS EM BAKU

      Grande Prémio da Europa: Resumo de Sexta-Feira

       

      alt

      Evento: 1ª e 2ª Sessões de Treinos-Livres para o Grande Prémio da Europa(8º round de 21)

      Data: Sexta-Feira, 17 de Junho

      Local: Baku City Circuit no Azerbaijão

      Layout: 6,003 quilómetros, circuito de 20 curvas

      1ª Sessão – Condições Climatéricas: Sol, 27ºC

      2ª Sessão – Condições Climatéricas: Encoberto, 25ºC

      Pilotos: Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez

       

       

      Grosjean: 11º (1m49,611s), 20 voltas

      Gutiérrez: 14º (1m50,167s), 25 voltas

      Piloto Mais Rápido: Lewis Hamilton da Mercedes (1m46,435s)

      Mais Voltas Completadas: Valtteri Bottas da Williams (34 voltas)

       

       

      Grosjean: 12º (1m46,681s), 29 voltas

      Gutiérrez: 15º (1m46,830s), 26 voltas

      Piloto Mais Rápido: Lewis Hamilton da Mercedes (1m44,223s)

      Mais Voltas Completadas: Felipe Nasr da Sauber (38 voltas)

       


      Depois de uma visita relativamente fresca a Montreal, no Canadá, a visita inaugural da Fórmula 1 ao Azerbaijão foi inundada por calor e humidade. As equipas experimentaram o Circuito Citadino de Baku, de 6,003 quilómetros e vinte curvas, pela primeira vez durante duas sessões de treinos-livres de noventa minutos que visam preparar o vigésimo terceiro Grande Prémio da Europa, que se disputa no próximo domingo, e a primeira edição desde a de 2012, então realizada em Valência, Espanha. Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez, completaram cem voltas ao traçado realizado no sentido contrário ao do ponteiros dos relógios, tendo Grosjean registado quarenta e nove e Gutiérrez cinquenta e uma.


      A sessão que abriu a tarde foi realizada com uma temperatura ambiente de 27ºC, 61% de humidade e ventos de norte com uma velocidade de 38Km/h. Surpreendentemente, dada a natureza confinada do layout fluentemente rápido, a sessão foi marcada apenas por uma situação de bandeira vermelha, quando o Red Bull de Daniel Ricciardo embateu nas barreiras de protecção da Curva 15, faltavam vinte minutos para a bandeirada de xadrez.


      A sessão foi interrompida precisamente quando Grosjean tinha acabado de registar o seu melhor tempo, alcançado na sua décima volta (1m49,611s), que o colocou no décimo primeiro lugar. Rodando exclusivamente com os Pirelli P Zero Amarelo/Macio, tanto Grosjean como Gutiérrez assinaram as suas melhores marcas com jogos de pneus usados. Gutiérrez alcançou a sua melhor marca na terceira e última série de voltas. O seu tempo de 1m50,167s foi registado na sua vigésima segunda volta, o que o colocou no décimo quarto posto entre vinte e dois carros.


      O duo da Mercedes, Lewis Hamilton e Nico Rosberg, dominaram a tabela de tempos na primeira sessão com o melhor tempo de Hamilton (1m46,435s) a deixar Rosberg a 0,377s, os dois com Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio.


      Ao fim da tarde o céu mostrou-se encoberto, mas a temperatura manteve-se consistente. Grosjean e Gutiérrez dividiram as estratégias de pneus. Grosjean efectuou três séries de sete de voltas com Pirelli P Zero Branco/Médio. Posteriormente, montou borrachas supermacias para realizar uma simulação de qualificação, tendo alcançado na sua décima quarta volta o seu melhor registo, o que o colocou no décimo segundo lugar. A sua terceira e série final foi composta por quinze voltas efectuada com pneus supermacios usados.


      Gutiérrez iniciou a segunda sessão com pneus macios, antes de imitar Grosjean e montar pneumáticos supermacios para a sua segunda saída para a pista. Ao realizar o crono de 1m46,830s na sua décima quinta volta, ficou no décimo quinto posto da tabela de tempos. Mais tarde, a cinco minutos da bandeirada de xadrez, Gutiérrez raspou na barreira da Curva 8, o que colocou um ponto final na sua série longa de voltas.


      Mais uma vez, Hamilton impôs-se a Rosberg na luta pela primeira posição, aumentando a margem para o seu colega de equipa para 0,690s, com uma volta de 1m44,223s realizada com Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio.



      “Descobrir uma nova pista pode ser excitante, mas também pode ser complicado. Não é fácil encontrar o equilíbrio certo, mas estou mais satisfeito que nas provas mais recentes, e isso é muito positivo. Tenho a certeza de que ainda temos muito para melhorar em todos os aspectos. Não foi fácil, com a temperatura a cair, encontrar a afinação certa, mas penso que estamos numa posição a partir da qual encontraremos um bom equilíbrio. Amanhã podemos melhorar um pouco. Estamos à porta da Q3, o que não é um mau sítio para começar. O carro está definitivamente melhor que nas últimas provas e os pneus estão a funcionar melhor. Existe ainda alguns problemas que temos que resolver, mas no geral estou satisfeito.”



      “Foi uma sexta-feira produtiva para nós. Tivemos um bom programa e conseguimos completar tudo que queríamos fazer. Foi muito interessante conhecer o circuito. É uma pista divertida. O carro parece estar a comportar-se bem e a aderência parece melhor que o esperado, o que é um aspecto positivo para o fim-de-semana. É evidente que a pista vai continuar a melhorar, portanto, temos que garantir que a seguimos com a afinação do carro para maximizar o seu potencial. Tive um pequeno toque nas barreiras no final da segunda sessão, onde a pista se torna mais estreita, devido a um pouco de subviragem, mas correu tudo bem e o carro não teve danos. Agora estou ansioso por amanhã e pela qualificação.”



      “Foi um bom dia para ambos os pilotos numa nova pista. Conseguimos completar o programa de testes que tínhamos previsto, portanto, estamos muito satisfeitos. Não parece que tenhamos qualquer problema com os pneus, como nos aconteceu na última corrida, e parece que estamos um pouco mais no controlo da situação. Agora estamos focados nos nossos esforços de amanhã e em afinar o carro para a qualificação, dado que estamos a tentar melhorar a nossa performance para avançarmos um pouco mais na grelha de partida.”


      Os pilotos terão mais uma sessão de treinos-livres no sábado (14h00 – 11500) antes da qualificação, que terá o seu início às 17h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os dezasseis pilotos mais rápidos a avançarem da Q1 para a Q2. Posteriormente, os dez pilotos mais rápidos na Q2 seguem para a Q3, durante a qual lutarão pela pole-position.


       

      -HaasF1Team-

       

       

      Sobre a Haas Automation

      A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

      Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

      A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ou facebook.com/haasportugal.

       

      FI EM BAKU

       

      Tudo é novidade em Baku

      A estreante Haas F1 Team segue para a estreia de um circuito na Fórmula 1


      KANNAPOLIS, Carolina do Norte (16 de Junho de 2016) – Apesar das mudanças de elevações que o novo Circuito Citadino de Baku, no Azerbaijão, proporcionará às equipas de Fórmula 1 no próximo fim-de-semana, que se preparam para o Grande Prémio da Europa do próximo domingo, o circuito de 6,003 quilómetros e vinte curvas é o mais próximo que a Haas F1 Team terá de um plano de igualdade ao longo de 2016.


      O mais recente palco a garantir um lugar no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 significa que a mais nova equipa de Fórmula 1 tem a mesma quantidade de informação gerada localmente do Circuito Citadino de Baku que todas as outras equipas – zero.


      A Haas F1 Team – que se estreou no Grande Prémio da Austrália, o primeiro da temporada, tornando-se na primeira equipa americana em trinta anos a competir na Fórmula 1 – chega a Baku com apenas sete corridas de experiência. Entretanto, as suas adversárias nesta competição de automobilismo que se movimenta por todo o globo têm a sagacidade de décadas de experiência. Um novo palco com um novo layout, que deverá ser o circuito citadino mais rápido do mundo, poderá ser um verdadeiro equalizador.


      Muito embora nenhuma equipa nunca tenha colocado uma roda no Circuito Citadino de Baku, as equipas já estabelecidas e, especialmente, as equipas maiores com profundos recursos, tornaram Baku City na Sim City.


      As simulações de uma volta ao circuito em forma de haltere permitiram a pilotos e aos seus engenheiros fortalecer a sua força mental para quando abordarem o verdadeiro Circuito Citadino de Baku. Uma simulação vai além da possibilidade de um piloto se aclimatizar com as curvas que atravessa a sobreposição da História de Baku e a modernidade do design new-age. Nível aerodinâmico, curso das suspensões, desgaste dos travões – tudo pode ser simulado, com dinheiro, a única fronteira que confina a simulação são os seus infinitos cenários. Inteligência e desejo – dois atributos que proliferam ao longo do paddock de Fórmula 1 – fazem parte de uma corrida intelectual, com as simulações a serem o baluarte da batalha da equipa.


      Apesar de nova, a Haas F1 Team provou ser capaz de manter uma posição frente ao establishment. Marcou vinte e dois pontos após sete dos vinte e um rounds que compõem o calendário da Fórmula 1, colocando-se no oitavo lugar do Campeonato de Construtores, a dois pontos da sétima classificada, a McLaren, e com uma vantagem dezasseis para a nona classificada, a Renault.


      Esses vinte e dois pontos foram registados em três corridas, tendo os últimos sido alcançados no quarto round – o Grande Prémio da Rússia, no Autódromo de Socchi. A Haas F1 Team não conquistou pontos desde então, tendo o ritmo de desenvolvimento da competição reduzido a vantagem estabelecida pela equipa americana no início da temporada, quando chegou a estar no quinto lugar do Campeonato de Construtores.


      Depois de um punhado de corridas em que as condições climatéricas foram incaracteristicamente frescas, os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez, esperam pelo calor de Baku, não apenas no ar, mas também na pista. Os melhores resultados da equipa surgiram quando as temperaturas estavam mais quentes e a janela de funcionamento dos pneus é alcançada rapidamente e mantida. Baku promete ambas e alguns ventos de mudança na apropriadamente baptizada de Cidade dos Ventos pode enviar a Haas F1 Team de regresso aos pontos.

      Baku City Circuit

      Perímetro: 6.003 Km

      Voltas: 51

      Race Distance: 306,153 Km

      Transmissão televisiva:Eurosport 2Xrta

      13h00: programa de antevisão

      14h00: transmissão da corrida

      alt

      Sobre a Haas Automation

      A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitarwww.HaasCNC.com.

      Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal


      A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ oufacebook.com/haasportugal.

      alt

       

      Como se preparam para um circuito onde nunca estiveram?

      “Logisticamente, tivemos lá o nosso coordenador de viagens há seis meses para verificar e procurar hotéis. A pista não estava ainda pronta, portanto, não podíamos olhar para ela. Sei que algumas das outras equipas foram lá para inspeccionar as boxes e o nosso responsável logístico conversou com essas pessoas para garantir alguma informação sobre isso. As equipas ajudam-se umas às outras a esse respeito, dado que, muito embora exista competição, se todos estivermos bem informados, proporcionaremos um melhor espetáculo. A rapaziada da vertente técnica assimilam o máximo de informação que obtêm da parte da FIA sobre o traçado do circuito e o seu asfalto. Então, fazem a sua melhor previsão sobre como afinar o carro.”


      Os pilotos usaram o simulador para se aclimatizarem ao Circuito Citadino de Baku. Muito embora não exista um substituto da realidade, o simulador é uma ferramenta precisa para que um piloto chegue ao circuito com uma ideia clara do que o espera?

      “É uma simulação, não é a realidade, mas é o mais próximo que conseguimos. É sobretudo para que os pilotos aprendam o layout da pista. Normalmente, na primeira vez que vamos para um novo circuito os níveis de aderência estão muito longe das simulações, dado que a pista está ainda muito verde. Vai melhorando significativamente à medida que vai ganhando borracha.”


      A Haas F1 Team é uma equipa nova, portanto, não tem informação do ano passado. Mas em Baku ninguém tem informação do ano passado. Acredita que Baku é, talvez, o circuito onde o nível das equipas está mais equilibrado, dado que é novo para todos?

      “As grandes equipas têm mais informação, dado que conseguem reunir mais informação. Normalmente, estão em vantagem uma vez que têm mais gente para se preparar. Terão sempre uma vantagem, mas numa nova pista como Baku, por vezes, podemos ter sorte.”


      Baku foi projectado para ser o mais rápido circuito citadino de Fórmula 1, passando o seu layout pela zona histórica da cidade. Existe algum traçado com o qual possa ser comparado? Se existir, pode a informação obtida em outro circuito ser benéfica para Baku?

      “Analisamos as curvas e o nível de aderência e confrontamos com zonas de outros circuitos, mas não existe uma área em que possamos dizer, ‘podemos fazer aqui o que dizemos ali’. Baku será uma experiência de aprendizagem para todos.”


      Ultrapassámos agora o primeiro terço da temporada de estreia da Haas F1 Team. Que balanço faz actualmente?

      “Estamos ainda a aprender. Tornámo-nos muito mais estáveis. Penso que podemos estar sempre em posição de marcar pontos. Estamos sempre a tentar melhorar, a ficar melhor, especialmente em qualificação. Penso que a nossa performance de corrida é melhor que a nossa performance de qualificação. Mas como disse, estamos numa fase de aprendizagem. Estamos muito satisfeitos com toda a equipa e de como todos evoluíram ao longo dos últimos três meses, sobretudo, se nos lembrarmos onde começámos. Realizámos apenas sete corridas. Continuo a esquecer-me disso. Baku é apenas a nossa oitava corrida, mas competimos com equipas que estão aqui há anos. Vamos continuar a tentar realizar um trabalho ainda melhor em cada uma das corridas, enquanto preparamos o carro para o próximo ano.”

       

       

      Como te preparas para uma pista onde nunca estiveste?

      “Tivemos uma sessão no simulador e isso é tudo o que podemos fazer.”


      Como se compara um simulador a um carro de corridas, no que diz respeito à velocidade e ao circuito?

      “Os simuladores estão cada vez melhor, todos os anos se notam evoluções, mas ainda não é um verdadeiro carro de corridas.”


      O simulador é usado para compreensão do circuito, do seu layout e dos pontos de travagem, ou é mais envolvente que isso?

      “É mais envolvente que isso. Há muitas coisas que podemos fazer com o simulador, o que é fantástico, mas não é a mesma coisa que estar com o carro em pista. No simulador podemos experimentar diferentes direcções para as afinações. Podemos também tentar filosofias distintas e actualizações para incorporar no carro mais para a frente da temporada e antes de as prepararmos para as corridas.”


      A Haas F1 Team é uma equipa nova, portanto, não tem informação do ano passado. Mas em Baku ninguém tem informação do ano passado. Acreditas que Baku é, talvez, o circuito onde o nível das equipas está mais equilibrado, dado que é novo para todos?

      “Em algumas situações sim, em outras não. Quanto mais experiência temos enquanto equipa, mais bem preparados estamos para novas pistas e layouts diferentes. Por outro lado, ninguém sabe o que esperar de Baku, portanto, isso será interessante para nós.”


      Baku foi projectado para ser o mais rápido circuito citadino de Fórmula 1, passando o seu layout pela zona histórica da cidade. Existe algum traçado com o qual possa ser comparado? Se existir, pode a informação obtida em outro circuito ser benéfica para Baku?

      “Será muito interessante a visita a Baku. É certamente um circuito diferente de tudo o que temos vindo a visitar. Temos que esperar para ver como corre na realidade.”

      Muito embora tenhas visto o Circuito Citadino de Baku apenas no simulador, tens alguma zona da pista preferida ou estás mais curioso em vê-lo ao vivo?

      “Penso que a zona antiga, ao longo do castelo, será bastante interessante.”


      Descreve uma volta ao Circuito Citadino de Baku.

      “Temos rectas muito longas e muitas curvas de noventa graus. Temos um secção mais elevada, no castelo, e descemos para a última curva, que parece ser muito interessante.”


       

      Como te preparas para uma pista onde nunca estiveste?

      “O simulador foi muito importante. Foi uma grande experiência. Baku é uma pista muito desafiadora e gostei muito. Estou ansioso por a ver ao vivo.”


      Como se compara um simulador a um carro de corridas, no que diz respeito à velocidade e ao circuito?

      “É completamente diferente. A sensação não é exactamente a mesma, mas é muito útil para aprender a pista – as curvas e os seus ângulos. Dá-nos uma pequena ideia de como são os correctores e da filosofia da afinação do carro.”


      O simulador é usado para compreensão do circuito, do seu layout e dos pontos de travagem, ou é mais envolvente que isso?

      “É um pouco mais que isso. Sobretudo, serve para conhecer o layout do circuito e para perceber a afinação do carro, o que é crucial para que todos os sistemas funcionem correctamente. Dá-nos uma ideia da abordagem que teremos que ter.”


      A Haas F1 Team é uma equipa nova, portanto, não tem informação do ano passado. Mas em Baku ninguém tem informação do ano passado. Acreditas que Baku é, talvez, o circuito onde o nível das equipas está mais equilibrado, dado que é novo para todos?

      “Penso que será um pouco mais equilibrado, mas isso não invalida que sejamos a equipa menos experiente de todas. Isso torna difícil realizar previsões, dado que, quando temos mais informação e mais experiência, podemos realizar melhores previsões. Será interessante conhecer Baku e as suas características e perceber onde estamos. Aconteça o que acontecer, vamos abordar o o fim-de-semana de uma forma positiva e tentar extrair o potencial máximo do carro neste novo circuito.”


      Baku foi projectado para ser o mais rápido circuito citadino de Fórmula 1, passando o seu layout pela zona histórica da cidade. Existe algum traçado com o qual possa ser comparado? Se existir, pode a informação obtida em outro circuito ser benéfica para Baku?

      “Não consigo compará-lo a nenhum. Do que vi no simulador, é uma pista completamente diferente. Será um verdadeiro desafio e penso que isso tornará as coisas interessantes para todos. Gostei da pista no simulador, espero que seja assim na realidade.”


      Muito embora tenhas visto o Circuito Citadino de Baku apenas no simulador, tens alguma zona da pista preferida ou estás mais curioso em vê-lo ao vivo?

      “Não sabia nada sobre o Azerbaijão até à corrida ser anunciada, mas depois fiz alguma pesquisa para tentar conhecer melhor o país e Baku. Estou ansioso por conhecer e de passar um bom fim-de-semana.


       

      Baku City Circuit

      • Número de voltas: 51
      • Distância de corrida: 306,153 quilómetros
      • Velocidade na via das boxes: 80 Km/h
      • Este circuito de 6,003 quilómetros e 20 curvas é novo para a Fórmula 1. Concebido por Hermann Tilke, este deverá ser o traçado citadino mais rápido do mundo com uma volta prevista de cerca de 101 segundos. O traçado em forma de haltere será realizado no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio, com uma curva à esquerda a dar as boas-vindas aos pilotos no final da recta da meta, semelhante ao Circuit of the Americas em Austin, o palco do Grande Prémio dos Estados Unidos da América, também desenhado pela Tilke. O Circuito Citadino de Baku é único, uma vez que combina o antigo com o moderno. Na zona Este elevam-se os hotéis e as lojas, na zona histórica as ruas são estreitas e íngremes, para depois regressar à zona frontal do circuito. O traçado desafiador será potenciado pelos ventos que são sempre uma presença. De facto, a Cidade dos Ventos é nome oficioso, mas literal, de Baku.
      • Durante o fim-de-semana do Grande Prémio de Baku as temperaturas mínimas rondarão os 17/21ºC e as máximas os 26/29ºC. A probabilidade de chuva em média andará pelos 19% ao longo dos três dias. A velocidade do vento pode variar entre entre os 5Km/h e os 30Km/h, raramente excedendo os 47Km/h.
      • DYK? Baku está localizada a 28 metros abaixo do nível do mar, tornando-a na capital mundial de mais baixa altitude e a maior cidade localizada abaixo do nível do mar. 

      • A Pirelli leva para Baku os seguintes compostos:
        • P Zero Branco/Médio – menos aderência, menos desgaste (usado para séries longas de voltas)
        • P Zero Amarelo/Macio – mais aderência, desgaste médio (usado para séries curtas de voltas, e para a Q1)
        • P Zero Vermelho/Super-Macio – proporciona a maior aderência e maior índice de desgaste (usado na qualificação e para momentos da corrida seleccionados
      • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada uma dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. (Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis). 
      • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Desses 13 jogos, os pilotos e as suas respectivas equipas podem escolher as especificações de 10 deles entre os três compostos disponíveis. Os restantes três jogos são definidos pela Pirelli – dois tipos obrigatórios para a corrida (um jogo de P Zero Amarelo/macio e um de P Zero Branco/médio) e um tipo obrigatório para a Q3 (um jogo de P Zero Vermelho/super-macios). A Haas F1 Team seleccionaram os seguintes jogos:
        • Grosjean: dois jogos de pneus P Zero Branco/Médio, três jogos de P Zero Amarelo/Macio eoito jogos de P Zero Vermelho/Super-Macio

        • Gutiérrez: um jogo de P Zero Branco/Médio, quatro jogos de P Zero Amarelo/Macio e oitojogos de P Zero Vermelho/Super-Macio.

       

      PIRELLI NA F 1 ATÉ 2019

       

      PIRELLI IN FORMULA ONE UNTIL 2019

       Pirelli will remain as exclusive tyre supplier to the FIA Formula One World Championship for a further three years, once this season is completed. The Italian tyre manufacturer and the FIA have renewed their current contract, which will now extend from 2017 to 2019.

      This deal was completed over the winter, during which the FIA and Pirelli – in collaboration with the Teams – agreed important changes to the technical regulations. From 2017 there will be new technical regulations, including significant changes to the bodywork and wider tyres.

      To prepare for these major changes, Pirelli put forward the need to modify the sporting regulations regarding tyre testing to the Teams and the FIA. The resulting modification now means that the following tyre tests can take place this year:

      1. Tests with 2012, 2013 or 2014-specification cars, using tyres in the current size but with prototype elements (in the constructions or compounds) to prepare for 2017.

      2. A total of 25 days of testing with modified 2015 cars, using prototype tyres in 2017 size: 305/670-13 at the front and 405/670-13 at the rear (for slick tyres).
      The testing described in point one is already underway, based on an agreement with the FIA and the teams.

      The second type of testing (with tyres in 2017 size) will start during the summer, according to a programme that has been agreed between the FIA and the participating Teams.

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS
      FOR THE 2016 GRAND PRIX OF MALAYSIA

       Pirelli will bring the following three compounds to the sixteenth round of the 2016 Formula One season in Malaysia*, to be held (September 29 – October 2) on the Sepang circuit:
           P Zero Orange hard
           P Zero White medium
           P Zero Yellow soft

      These are the tyres that Pirelli has said must be used at some point in the race:
           Two sets of P Zero Orange hard.
      Each driver must have both these sets available for the race, and must use at least one of them.

      There are the tyres assigned for Q3 in qualifying:
           One set of P Zero Yellow soft
      Following the regulations, each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race.

      The teams are free to choose the remaining 10 sets; making up 13 sets in total for the weekend.

      *The new 2016 tyre regulations mean that tyre nomination for long-haul events have to be made 14 weeks in advance, whereas for European races the deadline is eight weeks in advance.

      The tyres nominated so far:

      Purple Red Yellow White Orange
      Australia Supersoft Soft Medium
      Bahrain Supersoft Soft Medium
      China Supersoft Soft Medium
      Russia Supersoft Soft Medium
      Spain Soft Medium Hard
      Monaco Ultrasoft Supersoft Soft
      Canada Ultrasoft Supersoft Soft
      Azerbaijan Supersoft Soft Medium
      Austria Ultrasoft Supersoft Soft
      Great Britain Soft Medium Hard
      Hungary Supersoft Soft Medium
      Germany Supersoft Soft Medium
      Singapore* Ultrasoft Supersoft Soft
      Malaysia* Soft  Medium  Hard

      alt

      alt

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      2016 Canada Grand Prix – Race – Infographics

      alt

      alt

       

      CAMPEONATO DO MUNDO DE F 1 - 2016

      CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

       

       

      LD301909 Copyewis Hamilton alcançou ontem no Circuito Gilles-Villeneuve, em Montreal, a 45ª vitória da sua carreira, a 5ª neste Circuito, e a 2ª esta época de Fórmula 1;

      ·        Nico Rosberg terminou na 5ª posição depois de um início conturbado onde perdeu a 2ª posição que tinha ocupado na grelha de partida;

      ·        Nico Rosberg mantém mesmo assim a liderança no Mundial de Pilotos com 116 pontos a apenas 9 pontos do segundo classificado - Lewis Hamilton (107);

      ·        A equipa MERCEDES-AMG PETRONAS lidera o Mundial de Construtores com 223 pontos, mais 76 pontos do que o segundo classificado, a Ferrari.

       

      SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

      SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

       

      OS FÓRMULA 1 VÃO PASSAR POR ESTE LOCAL....

       

      Aqui está a curva da Cidadela de Baku na sua versão final. Merece algum reparo? 

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      ANTEVISÃO GRANDE PRÉMIO EUROPEU PIRELLI

      8ª prova de 21

      Baku, Azerbaijão, 16-19 Junho 2016

       

       

       A Fórmula 1 visita o seu novo primeiro país desde a Rússia em 2014 (o 32º país do campeonato desde 1950), com o Grande Prémio Europeu – um rótulo desaparecido do calendário desde Valência em 2012 – a ser realizado em Baku. Para aquele que é considerado o circuito urbano mais rápido até à data, a Pirelli nomeou os pneus médios, macios e supermacios. Como acontece sempre com um novo evento, a Pirelli baseou-se em simulações e em informações adquiridas ao invés de dados reais, o que torna a tarefa de nomeação dos pneus ainda mais complexa.

       

      O CIRCUITO DO PONTO DE VISTA DOS PNEUS:

       

      •  Dado que este é um circuito urbano, com novo asfalto, são esperadas pouca aderência e uma evolução desta ao longo do fim de semana.
      • O desgaste e a degradação devem ser mínimos, razão pela qual foi escolhido o composto médio de pneus.
      •  A ultrapassagem é complicada com uma pista estreita, o que significa que a qualificação e a estratégia são vitais.
      • Dado que as equipas não têm um conhecimento da pista, é de esperar a maior recolha de informação nos treinos livres.
      • Velocidades elevadas são esperadas na longa reta de 2.2 quilómetros ao longo da marginal.
      • Baku terá também a segunda volta mais longa do ano (6.003 Km) depois de Spa.

       

       

      OS TRÊS COMPOSTOS NOMEADOS:

       

      • Médio (branco): Este não tem sido extensivamente escolhido, pelo que é improvável que surja com regularidade.
      • Macio (amarelo): Uma classe recorrente de pneus, que pode tornar-se muito importante no calor de Baku.
      •  Supermacio (vermelho): A escolha mais popular, que será extensivamente utilizada nas qualificações e na corrida.

       

       

      O ÚLTIMO GRANDE PRÉMIO EUROPEU:

       

      •  O último Grande Prémio Europeu aconteceu há quatro anos, em Valência (onde também foi a oitava corrida da temporada). Fernando Alonso venceu pela Ferrari, partindo em 11º lugar na grelha.

       

       

      PAUL HEMBERY, PIRELLI MOTOSPORT DIRECTOR:

       

      •  “Ouvimos coisas muito interessantes sobre o circuito e parece que o seu caráter, a distância da sua volta e a velocidade certamente o farão destacar-se. Obviamente que nunca é fácil quando se corre num circuito pela primeira vez, mas as condições e os pneus são, claro, os mesmos de sempre para todos. A seleção dos compostos nomeados deve cooperar com um amplo leque de potenciais condições; contudo, compete às equipas extrair o máximo das suas escolhas e identificar as melhores estratégias possíveis, daí que a condução nos treinos livres seja particularmente importante.”

       

       

      O QUE HÁ DE NOVO?

       

      •  Tudo, basicamente!
      •  O seu início será mais tarde do que o normal: o Grande Prémio começará às 17:00, num total de 51 voltas.

       

       

      OUTROS ASPETOS QUE NOS CHAMARAM A ATENÇÃO RECENTEMENTE:

       

      •  Não tem havido uma variação excecional na escolha dos pneus para cada equipa em Baku.
      • As previsões meteorológicas preveem temperaturas quentes, mas também com humidade elevada: é possível que chova.
      •  Enquanto o circuito recorre a ruas existentes, muito do pavimento conta com asfalto novo.

       

      A NOMEAÇÃO DOS COMPOSTOS DE PNEUS ATÉ À DATA:

       

      Roxo

       

      Vermelho

       

      Amarelo

       

      Branco

       

      Laranja

      Austrália

      Supermacio

      Macio

      Médio

      Bahrein

      Supermacio

      Macio

      Médio

      China

      Supermacio

      Macio

      Médio

      Rússia

      Supermacio

      Macio

      Médio

      Espanha

      Macio

      Médio

      Duro

      Mónaco

      Ultramacio

      Supermacio

      Macio

      Canadá

      Ultramacio

      Supermacio

      Macio

      Azerbaijão

      Supermacio

      Macio

      Médio

       

      Austria

      Ultramacio

      Supermacio

      Macio

      Great Britain

      Macio

      Médio

      Duro

      Hungria

      Supermacio

      Macio

      Médio

      Singapura

      Ultramacio

      Supermacio

      Macio

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      2016 Grande Prémio do Canadá - Corrida

       

      LEWIS HAMILTON REIVINDICA A VITÓRIA A PARTIR DA POLE COM A ESTRATÉGIA DE UMA PARAGEM, ATRASANDO SEBASTIAN VETTEL PARA DUAS PARAGENS

       

      COM AS CONDIÇÕES MAIS FRIAS DA HISTÓRIA RECENTE, DISTINTAS ESTRATÉGIAS AJUDARAM OS PILOTOS A AVANÇAR EM PISTA

       

      A VOLTA MAIS RÁPIDA DA CORRIDA FOI FEITA COM PNEUS MACIOS E FOI 1.4S MAIS RÁPIDA DO QUE A DE 2015, REALIZADA COM SUPERMACIOS

       

       

       O Grande Prémio do Canadá realizou-se numas das condições mais frias registadas recentemente num fim-de-semana de corrida, com temperaturas em pista de apenas 20 graus centígrados, relevando assim a importância do aquecimento dos pneus e da manutenção. Houve uma grande variedade de estratégias de uma e duas paragens, com o “polesitter” Lewis Hamilton a parar apenas uma vez com o seu Mercedes, mas atrasando o Ferrari de Sebastian Vettel, que parou duas vezes, tendo este ultrapassado Hamilton na linha de partida para a liderança na primeira curva.

       

      Hamilton fez a sua única paragem na volta 24, ressurgindo em segundo lugar atrás de Vettel. Após Vettel ter feito a sua segunda paragem, ficou com um défice de seis segundos para compensar e tentar apanhar Hamilton em 33 voltas, usando pneus macios que eram 13 voltas mais novos do que os usados no Mercedes.

       

      Apesar das condições frias, Nico Rosberg estabeleceu a volta mais rápida da corrida com pneus macios, a 10 voltas do fim, conduzindo o seu Mercedes 1.4 segundos mais rapidamente do que a volta de 2015, realizada com supermacios.

       

      Valtteri Bottas alcançou o primeiro pódio da temporada para a Williams ao recorrer a uma estratégia semelhante à de Hamilton, enquanto o restante top 10 parou duas vezes, após começar com supermacios – o composto mais rápido em cerca de 0.6s por volta.

       

      Uma estratégia alternativa foi utilizada por Sergio Perez, da Force India, que começou com pneus macios e completou um primeiro longo stint de 31 voltas antes de fazer a sua única paragem para trocar para supermacios. A subida mais impressionante da tabela pertenceu a Carlos Sainz, da Toro Rosso, que aplicou a estratégia de duas paragens (terminando a corrida com os velozes ultramacios) para terminar em nono, após ter iniciado em 20º na grelha.

       

      Paul Hembery, Pirelli Motosport Director: “Graças às diferentes estratégias de corrida, contemplámos um final de honra, com Vettel e as suas duas paragens a aproximar-se de Hamilton, que parou apenas uma vez. Baixas temperaturas em pista tornaram crucial a manutenção dos pneus, com algumas equipas a alterar também as estratégias quando se tornou claro que essa seria mais rápida. A maioria dos pilotos efetivamente parou duas vezes, quando comparado com a corrida de uma paragem do ano passado no Canadá. A chave para fazer o trabalho de uma paragem foi controlar os pneus o mais eficazmente possível, o que Hamilton e Bottas fizeram brilhantemente.”

       

       

       

                        Macio                   Supermacio            Ultramacio

      Primeiro    VES 1m16.319s             VET 1m17.143s                   ROS 1m15.599s

      Segundo    SAI  1m16.578s             RAI  1m17.932s                   HAM 1m15.981s

      Terceiro     KVY 1m16.942s            PER 1m18.427s                    VET  1m16.297s

       

       

      TURNOS MAIS LONGOS DA CORRIDA:

       

      Composto Macio                Alonso                     52 voltas       

      Composto Supermacio      Vettel                       26 voltas

      Composto Ultramacio        Magnussen              29 voltas

       

       

      A NOSSA PREVISÃO: Prevemos que a estratégia de uma paragem seria a melhor opção para esta corrida pelo curso normal dos eventos, começando com ultramacio e trocando para macio na volta 25. Hamilton seguiu a nossa estratégia quase exatamente como previsto, parando na volta 24.

       

      G.P CANADA

      Grande Prémio do Canadá: Resumo da corrida

       

       

      alt

      Evento:  Grande Prémio do Canadá (7º Round de 21)

      Data:  Domingo, 12 de Junho

      Local:  Circuit Gilles Villeneuve em Montreal

      Layout:  4,361 quilómetros, circuito de 14 curvas

      Condições Climatéricas:  Enevoado, 12ºC

      Vencedor:  Lewis Hamilton da Mercedes

      Haas F1 Team:

      Esteban Gutiérrez – arrancou de 13º, terminou em 13º (completou 68 das 70 voltas)

      Romain Grosjean – arrancou de 14º, terminou em 14º (completou 68 das 70 voltas)

       


      Os pilotos da  Haas F1 Team, Esteban Gutiérrez e Romain Grosjean, terminaram nas décima terceira e décima quarta posições, respectivamente, o Grande Prémio do Canadá, disputado este domingo no Circuit Gilles Villeneuve, em Montreal.


      Ambos iniciaram a corrida de setenta voltas ao circuito de 4,361 quilómetros e catorze curvas prontos para uma estratégia de uma paragem, mas a equipa estava pronta para se adaptar e para passar para um táctica de duas paragens se fosse necessário. Acabou por ser.


      Cada um dos pilotos ganhou uma posição ainda antes da corrida começar, dado que Daniil Kvyat, que se tinha qualificado na décima terceira posição à frente de Gutiérrez e Grosjean, pagou uma penalização de três lugares oriunda ainda do Grande Prémio do Mónaco. Com Kvyat a cair para o décimo sexto posto, Gutiérrez e Grosjean subiram para o décimo terceiro e décimo quarto lugares, respectivamente.


      Desde o momento que os semáforos se apagaram que a aderência foi de capital importância no Grande Prémio do Canadá, uma vez que a temperatura ambiente estava consistentemente no 12ºC. Tanto Gutiérrez como Grosjean iniciaram a prova com pneus Pirelli P Zero Roxo/Ultramacio com o intuito de realizar dezanove voltas até pararem nas boxes para montar pneumáticos Pirelli P Zero Amarelo/Macio que os levariam até à bandeirada de xadrez. Mas analisando os tempos e o degaste dos pneus, quando estavam dez voltas cumpridas, ficou claro que era necessária uma estratégia de duas paragens.


      Gutiérrez foi o primeiro a parar na décima terceira volta, seguido pelo Grosjean, na décima sétima. Ambos os pilotos rodaram à entrada dos dez primeiros até à segunda ronda de paragens nas boxes. Depois de todas as paragens nas boxes realizadas, Grosjean estava no décimo terceiro lugar e Gutiérrez no décimo quarto.


      Grosjean, porém, teve que efectuar uma derradeira paragem nas boxes na quadragésima sexta volta devido à quebra da asa dianteira, que sucumbiu finalmente a danos provocados ainda na primeira volta. Com um novo nariz e outro jogo de pneus ultramacios usados, Grosjean regressou à corrida no décimo quarto lugar, uma posição atrás do seu colega de equipa. Vinte e quatro voltas depois era mostrada a bandeira axadrezada, ficando Gutiérrez e Grosjean nas mesmas posições – décimo terceiro e décimo quarto, respectivamente.


      Após sete das vinte e uma corridas, a Haas F1 Team mantém-se no oitavo lugar do Campeonato de Construtores com vinte e dois pontos, a dois pontos da sétima classificada, a McLaren, e dezasseis à frente da nona classificada, a Renault.


      Lewis Hamilton venceu o Grande Prémio do Canadá. O piloto da Mercedes arrancou da pole-position e assumiu uma estratégia de uma paragem para vencer a sua quadragésima quinta vitória na Fórmula 1, a sua segunda da temporada e a sua quinta no Circuit Gilles Villeneuve. Sebastian Vettel, piloto da Scuderia Ferrari, terminou no segundo posto, a 5,011s de Hamilton.

       


      “Não estamos muito longe dos pontos. Cheguei a estar no décimo primeiro lugar, lutar arduamente era tudo o que podia fazer. A terceira paragem nas boxes definitivamente custou-nos tudo pelo que estávamos a lutar. Temos que olhar aprofundadamente sobre esse problema para o resolver. Existem muitas outras áreas onde podemos melhorar, mas no geral, quanto mais fazemos, melhor será o nosso entendimento do carro e melhor ficam as coisas. Voar para o Canadá e não marcar pontos é difícil. Estou certo de que a próxima corrida será mais um passo e, se aprendermos mais, mais fortes ficaremos.”



      “Não foi uma grande corrida. Senti muitas dificuldades em colocar os pneus a funcionar e no final de cada turno era difícil manter a sua temperatura e, assim que a perdemos, o carro começa a escorregar e é como pilotar no gelo. Este fim-de-semana sabíamos que seria difícil, devido às baixas temperaturas, mas agora precisamos de analisar e perceber como compensar e tentar colocar mais enfâse nos pneus para que funcionem melhor e nos possam permitir ter uma corrida mais fácil. Não tive grande prazer, dado que não me estou a sentir muito bem, mas o fim-de-semana terminou e agora estou já a olhar para Baku.”



      “Foi uma corrida um pouco desapontante para nós. No entanto, terminámos com os dois carros, portanto, isso é verdadeiramente um aspecto positivo. Demos o nosso melhor e tivemos alguns desafios e terminámos no décimo terceiro e décimo quarto lugares. Algumas corridas simplesmente não correm tão bem como esperamos. Tivemos dificuldades com a gestão dos pneus. Tivemos que os mudar para depois os voltarmos a trocar. Tivemos também um problema com a asa dianteira do carro do Romain pouco depois do arranque. No entanto, estamos agora concentrados na próxima corrida, que se realiza no próximo fim-de-semana em Baku.”


      O oitavo round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 é o Grande Prémio da Europa, que se realiza no Baku City Circuit, Azerbaijão. Os treinos-livres iniciam-se no dia 17 de Junho, a qualificação a 18 e a corrida a 19.


       

      -HaasF1Team-

       

       

      Sobre a Haas Automation

      A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

      Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

      A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ou facebook.com/haasportugal.

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      2016 Canadian Grand Prix

      TYRE SETS AVAILABLE FOR THE RACE

      Please find attached the tyre sets available for each driver at the start of the Canadian Grand Prix:

      alt

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      PIRELLI EUROPE GRAND PRIX PREVIEW
      Round eight of 21
      Baku, Azerbaijan, 16-19 June 2016

      Formula One visits its first all-new country since Russia in 2014 (the 32nd country the championship has been to since 1950) when the European Grand Prix – a label not seen on the calendar since Valencia in 2012 – is held in Baku. For what is meant to be the fastest street circuit seen so far, Pirelli has nominated the medium, soft and supersoft tyres. As is always the case with a brand new venue, Pirelli has had to rely on simulation and acquired information rather than real data, which makes the task of nominating tyres more complex.

      THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW:

      • As this is a street circuit, with new asphalt, low grip and high track evolution is expected.
      • Wear and degradation might be quite low, which is why a medium spectrum of tyres is chosen.
      • Overtaking is tricky with a narrow track, which means that qualifying and strategy is vital.
      • As teams have no knowledge of the track, we would expect a lot of running in free practice.
      • Very high top speeds are expected on the long 2.2-kilometre straight along the esplanade.
      • Baku will also be the second-longest lap of the year (6.003km) after Spa.

      THE THREE NOMINATED COMPOUNDS:

      • White medium: this has not been extensively chosen, so unlikely to figure prominently.
      • Yellow soft: a high working range tyre, which could make it very important in the heat of Baku.
      • Red supersoft: the most popular choice, which will be used heavily in qualifying and the race.

      THE LAST EUROPEAN GRAND PRIX:    

      • The last European Grand Prix was actually held four years ago, in Valencia (where it was also the eighth race of the season). Fernando Alonso won for Ferrari from 11th on the grid.

      PAUL HEMBERY, PIRELLI MOTORSPORT DIRECTOR:                      

      • “We’ve heard lots of interesting things about the circuit, and it seems that its character, lap length, and speed will certainly make it stand out. Obviously it’s never easy when you go to a circuit for the first time, but the conditions and the tyres are of course as always the same for everyone. The selection of compounds we have nominated should cope with a wide range of potential conditions; now of course it is down to the teams to get the most out of their choices and to identify the best possible strategies, which is why the running we see in free practice will be particularly important.”

      WHAT’S NEW?  

      • Everything, basically!
      • There’s a later start than normal: the grand prix begins at 17:00, for a total of 51 laps.

      OTHER THINGS THAT HAVE CAUGHT OUR EYE RECENTLY:

      • There hasn’t been an exceptional variation in the tyre choices from each team for Baku.
      • Weather forecasts have predicted warm weather but also high humidity: rain is possible.
      • While the circuit uses existing streets, a lot of the surface is brand new asphalt.

      TYRES NOMINATED SO FAR:

      Purple Red Yellow White Orange
      Australia Supersoft Soft Medium
      Bahrain Supersoft Soft Medium
      China Supersoft Soft Medium
      Russia Supersoft Soft Medium
      Spain Soft Medium Hard
      Monaco Ultrasoft Supersoft Soft
      Canada Ultrasoft Supersoft Soft
      Azerbaijan Supersoft Soft Medium
      Austria Ultrasoft Supersoft Soft
      Great Britain Soft Medium Hard
      Hungary Supersoft Soft Medium
      Singapore Ultrasoft Supersoft Soft

       

      alt

       

      CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2016

      CAMPEONATO DO MUNF1 CopyF2 CopyF3 CopyF4 CopyF5 CopyF6 CopyF7 CopyF8 CopyF10 CopyF11 CopyF12 CopyF15 CopyF17 CopyF18 CopyF19 CopyF20 CopyF21 CopyF22 CopyF24 CopyF24 CopyF25 CopyF27 CopyF28 CopyF28 CopyF30 CopyF31 CopyF32 CopyF33 CopyF34 CopyF35 CopyF40 CopyF41 CopyF42 CopyF44 Copyf50 Copyf51 Copyf52 Copyf53 Copyf54 Copyf55 Copyf56 Copyf57 Copyf58 Copyf59 Copyf60 Copyf61 Copyf62 Copyf63 Copyf64 Copyf65 Copyf66 Copyf67 Copyf61 Copyf62 Copyf67 Copyf68 Copyf69 Copyf71 Copyf72 Copyf73 Copyf80 Copyf81 Copyf82 Copyf83 Copyf84 Copyf85 Copyf86 CopyDO DE FÓRMULA 1

       

      G.P.CANADÁ

       

      HAMILTON DE NOVO

       

      Lewis Hamilton foi o vencedor do Grande Premio do Canadá, que correu ontem nas ruas de Montreal.Atrás do Mercedes de Hamilton, surge o Ferrari de Vettel, tendo na sua esteira o Williams de Bottas.

       

      Na 4ª posição  foi para o Red Bull de Verstappen, seguido do Mercedes de Rosberg, ficando o  "top ten" completo com o Ferrari de Raikonen, o Red Bull de Ricciardo, o Force India de Hulkenberg, o Toro Rosso de Sainz e o Force India de Perez.

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      2016 Canada Grand Prix – Race

      LEWIS HAMILTON CLAIMS VICTORY FROM POLE WITH A ONE-STOP
      STRATEGY, HOLDING OFF SEBASTIAN VETTEL ON A TWO-STOPPER

      WITH THE COLDEST CONDITIONS IN RECENT HISTORY, DIFFERING
      STRATEGIES HELP DRIVERS TO CLIMB UP THROUGH THE FIELD

      FASTEST RACE LAP WAS ON SOFT TYRES AND 1.4s
      QUICKER THAN 2015 FASTEST LAP, WHICH WAS ON SUPERSOFT

       The Canadian Grand Prix got underway in some of the coldest conditions seen recently during a race weekend, with track temperatures of just 20 degrees centigrade: putting the accent on tyre warm-up and management. There was a wide variety of one and two stop strategies, with polesitter Lewis Hamilton stopping just once in his Mercedes, but holding off the Ferrari of Sebastian Vettel, which stopped twice, having beaten Hamilton off the line to lead into the first corner.

      Hamilton made his sole stop on lap 24, re-emerging in second place behind Vettel. Once Vettel made his second stop, he had a six-second deficit to try and make up to Hamilton in 33 laps, using soft tyres that were 13 laps younger than those on the Mercedes.

      Despite the cold conditions, Nico Rosberg set the fastest lap of the race on the soft tyre, 10 laps from the end, lapping his Mercedes 1.4 seconds quicker than the 2015 fastest lap, which was set on supersoft. 

      Valtteri Bottas took the first podium of the season for Williams by using a similar strategy to Hamilton, while the remainder of the top 10 stopped twice, after starting on the ultrasoft – the fastest compound by around 0.6s per lap.

      An alternative strategy was run by Force India’s Sergio Perez, who started on the soft tyre and completed a long first stint of 31 laps before making his sole stop for supersofts. The most impressive climber was Toro Rosso’s Carlos Sainz, who used a two-stop strategy (finishing the race on the rapid ultrasoft) to end up ninth, after starting 20th on the grid.

      Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “Thanks to differing race strategies, we saw a grandstand finish, with the two-stopping Vettel closing in on the one-stopping Hamilton. Cool track temperatures made tyre management crucial, with some teams also switching strategies as it became clear that this might be quicker. Most drivers in fact stopped twice, compared to the one-stop race last year in Canada. Key to making a one-stopper work was looking after the tyres as effectively as possible, which Hamilton and Bottas both did brilliantly.”

      Ultrasoft Supersoft Soft
      First VES 1m16.319s VET 1m17.143s ROS 1m15.599s
      Second SAI  1m16.578s RAI  1m17.932s HAM 1m15.981s
      Third KVY 1m16.942s PER 1m18.427s VET  1m16.297s

      Longest stint of the race:

      Soft      Alonso 52 laps
      Supersoft      Vettel 26
      Ultrasoft      Magnussen 29

      Truthometer: We predicted a one-stop strategy as being the best option for this race in the normal course of events, starting on ultrasoft and changing to soft on lap 25. Hamilton followed our pattern almost exactly as predicted, stopping on lap 24.

      For more information: please visit our all-new website, which is regularly updated with exclusive in-depth features, news and reviews. To find out more, please visit:
      www.pirelli.com/global/en-ww/montreal-2016-race

       

      alt

       

      SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

       

      2016 Canada Grand Prix, Qualifying

      LEWIS HAMILTON CLAIMS POLE ON P ZERO PURPLE ULTRASOFT
      WITH A TIME MORE THAN 1.5s FASTER THAN HIS POLE LAST YEAR

      ONE-STOP STRATEGY EXPECTED IF THE RACE STAYS COOL AND DRY:
       WEATHER CONDITIONS FOR SUNDAY REMAIN UNCERTAIN

      MONTREAL IS THE RACE WHERE POLE STATISTICALLY COUNTS LEAST: STRATEGY COULD BOOST GRID POSITIONS  

       Mercedes driver Lewis Hamilton has claimed his fifth Canadian Grand Prix pole position using the P Zero Purple ultrasoft, in the coolest qualifying session held all year. Despite temperatures at the start of the session of just 17 degrees centigrade ambient and 20 degrees on track, Hamilton’s pole time of 1m12.812s was only around half a second slower than the all-time lap record (1m12.275s) set by Ralf Schumacher in 2004.

      The ultrasoft was used from the very start of qualifying by all the teams with the exception of Force India, which also ran the supersoft. By the end of qualifying, all the top 10 drivers had used four sets of ultrasoft, apart from the Red Bulls, which used five.

      Drivers had to balance the constant track evolution (with more rubber being laid on track) versus the risk of weather deteriorating when it came to the timing of their final qualifying laps. In these cool conditions, tyre warm-up was crucial, with comparatively long runs possible even on the ultrasoft. However, Montreal is traditionally the circuit where pole counts for least: only six from the last 14 races here have resulted in a win from pole.

      Paul Hembery, Pirelli motorsport director: “With uncertain weather conditions both today and tomorrow, there were a number of question marks during qualifying that will be carried through to the race. Track temperature is clearly a key aspect to tyre behaviour here, but we won’t know exactly how that develops until just before the race: cool temperatures seem to be indicated, and there might even be some rain. With low wear and degradation, a one-stopper seems the most likely scenario. However, teams will have to keep an open mind on strategy and react to changing conditions as they happen: a traditional hallmark of this fantastic track. We’ve seen in the past that pole position is not necessarily the key to success here, so everything is still wide open.”

      How the tyres behaved today:
      Soft: used in free practice but not qualifying. A mandatory set for the race (if it’s dry).
      Supersoft: quite close to the ultrasoft here both in terms of wear and degradation.
      Ultrasoft: the fastest tyre by 0.6s per lap, making it the default choice from Q2 onwards.

      Race strategy: Track temperature will determine what the optimal strategy is for the 70-lap race tomorrow. If it’s cold, we’re looking at a one-stopper: starting on supersoft and then moving to soft on lap 26 is theoretically the fastest way. If starting on ultrasoft (which all the top 10 will do), the strategy is extremely similar, with the change to soft coming one lap earlier, on lap 25.

      FREE PRACTICE 3 – TOP THREE TIMES

      Vettel 1m13.919s UltraSoft – New
      Verstappen 1m14.158s UltraSoft – New
      Rosberg 1m14.316s UltraSoft – New

      QUALIFYING TOP 10

      Hamilton 1m12.812s UltraSoft – New
      Rosberg 1m12.874s UltraSoft – New
      Vettel 1m12.990s UltraSoft – New
      Ricciardo 1m13.166s UltraSoft – New
      Verstappen 1m13.414s UltraSoft – New
      Raikkonen 1m13.579s UltraSoft – New
      Bottas 1m13.670s UltraSoft – New
      Massa 1m13.769s UltraSoft – New
      Hulkenberg 1m13.952s UltraSoft – New
      Alonso 1m14.260s UltraSoft – New

      LONGEST STINT SO FAR

      Soft Palmer 31 (laps)
      Supersoft Hulkenberg 20
      Ultrasoft Grosjean 23

      BEST TIME BY COMPOUND SO FAR

      Soft Hamilton 1m14.941s
      Supersoft Verstappen 1m14.310s
      Ultrasoft Hamilton 1m12.812s

       

      alt

       

      HAAS NO G.P.DO CANADÁ

      Grande Prémio do Canadá: Resumo da Qualificação

       

       

      alt

      Evento  Qualificação para o Grande Prémio do Canadá (7º round de 21)

      Data:  Sábado, 11 de Junho

      Local:  Circuit Gilles Villeneuve

      Layout:  4,361 quilómetros, circuito de 14 curvas

      Condições Climatéricas:  céu enevoado e aguaceiros

      Temperatura:  15ºC

      Recorde da volta: 1m12,275s assinado por Ralf Schumacher em 2004 com a Williams

      Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m12,812s)

      Resultado:

      Esteban Gutiérrez 14º, alinhará do lado de fora da sétima linha

      Romain Grosjean 15º, alinhará do lado de dentro da oitava linha

       

      • tem a duração de 18 minutos e todos os vinte e dois pilotos participam
      • os dezasseis pilotos mais rápidos passam à Q2

      Gutiérrez:  15º (1m15,148s), avançou para a Q2

      Grosjean:  16º (1m15,444s), avançou para a Q2

      Piloto mais rápido:  Nico Rosberg da Mercedes (1m13,714s)

      Cutoff:  16º Romain Grosjean da Haas F1 Team (1m1,.444s)

      • tem a duração de 15 minutos e participam os dezasseis pilotos mais rápidos da Q1
      • os dez pilotos mais rápidos passam à Q3

      Gutiérrez:  14º (1m14,571s)

      Grosjean:  15º (1m14,803s)

      Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m13,076s)

      Cutoff:  10º Fernando Alonso da McLaren (1m14,260s)

       

      • tem a duração de 12 minutos e participam os dez mais rápidos da Q2, que lutam pela pole-position

      Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m12,812s)

      Segundo:  Nico Rosberg da Mercedes (1m12,874s)

       

       

      As equipas foram recebidas este sábado no Circuit Gilles Villeneuve com frio e aguaceiros, dia em que prosseguiu a preparação para o Grande Prémio do Canadá, que se realiza no domingo. Foi uma mudança brusca relativamente a sexta-feira, quando o Sol banhou o circuito de 4,361 quilómetros e catorze curvas, promovendo temperaturas temperadas.


      A última sessão de treinos-livres permitiu aos pilotos da Haas F1 Team completar trinta voltas – dezasseis realizadas por Esteban Gutiérrez e catorze por Romain Grosjean. Ambos efectuaram as suas respectivas voltas de instalação com pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio para depois montarem P Zero Roxo/Ultramacio para a restante sessão.


      Gutiérrez realizou duas séries de voltas – uma de doze voltas seguida de outra de quatro. Foi planeado uma terceira série, mas quando Gutiérrez saía da boxe, foi mostrada a bandeira vermelha devido a um toque num muro protagonizado por Kevin Magnussen e, com apenas doze minutos por cumprir, a sessão não foi retomada. A melhor marca de Gutiérrez (1m15,444s) foi alcançada na sua décima quinta volta, colocando-o no décimo quinto posto. Grosjean realizou um programa semelhante, com uma série de dez voltas a preceder uma de quatro. A sua melhor volta (1m15,704s) surgiu na sua décima passagem pela meta, colocando-o no décimo sétimo lugar. O mais rápido na terceira sessão de treinos-livres foi o piloto da Scuderia Ferrari, Sebastian Vettel (1m13,919s).


      As condições climatérica mantiveram-se estáveis durante a qualificação, onde Gutiérrez e Grosjean avançaram para a Q2, assegurando o décimo quarto e décimo quinto postos, respectivamente, num plantel de vinte e dois pilotos. Ambos usaram apenas pneus ultramacios.


      O tempo de Gutiérrez na Q1 foi de 1m15,148s colocou-o no décimo quinto posto e o de Grosjean foi de 1m15,444s, o que lhe valeu o décimo sexto lugar. Apenas os dezasseis mais rápidos avançaram para a Q2. Na Q2, a melhor marca do Gutiérrez foi de 1m14,571s, levando-o à décima quarta posição e a de Grosjean foi de 1m14,803s, assegurando o décimo quinto posto. Apenas os dez primeiros avançaram para a Q3.


      A pole-position ficou nas mãos do Mercedes de Lewis Hamilton, cuja melhor volta de 1m12,812s deixou o seu colega de equipa, Nico Rosberg, a 0,062s. Foi a quinquagésima terceira pole-position de Hamilton, a sua quarta da temporada e a sua quinta no Circuit Gilles Villeneuve.



      “O equilíbrio do carro não está muito longe do ideal, mas não temos aderência nos pneus. Não estamos a conseguir que eles funcionem bem. Por alguma razão, conseguíamos que funcionassem no início do ano, mas desde então não temos conseguido que entrem na sua janela de funcionamento. Isso significa que não conseguimos pilotar o carro como gostaríamos. Ontem, o nosso andamento nas séries longas foi bom, portanto, esperamos que na corrida de amanhã tudo corra melhor.”



      “Foi uma sessão complicada para nós, devido às constantes mudanças nas condições da pista. Tivemos um pouco de chuva durante a sessão e tivemos que nos adaptar. Penso que é interessante tentar tirar o máximo do carro. Este fim-de-semana tem sido difícil manter a concentração, dado que não me sinto muito bem, mas estou satisfeito com o que alcançámos hoje. Vou descansar e recuperar para que possa ter uma boa corrida amanhã.”