In order to view this object you need Flash Player 9+ support!

Get Adobe Flash player
Joomla! Slideshow

VELO CAB2012


NOS BASTIDORES DA F 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

NOS BASTIDORES DO GP DA AUSTRÁLIA

 

COMENTOU-SE....

 

 

  1. Último rumor do paddock: o negócio McLaren-Mercedes estaria para breve e a Honda encontraria refúgio na Sauber para desenvolver a versão B da unidade motriz que está prometida para daqui a dois meses.

 

HAA NO G.P.AUSTRALIA

 

Evento:  Grande Prémio da Austrália (1º round de 20)

Data:  Domingo, 26 de Março

Local:  Circuito de Albert Park, em Melbourne

Layout:  5,303 quilómetros, 16 curvas

Condições climatéricas:  Sol

Temperatura da pista:  23.8-24.8ºC

Temperatura do asfalto:  30.9-36.5ºC

Vencedor:  Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari

Haas F1 Team:  

●  Kevin Magnussen – arrancou de 17º, abandonou (suspensão, completou 46/57 voltas)

●  Romain Grosjean – arrancou de , abandonou (fuga de água, completou 13/57 voltas)

 

 

 

A Haas F1 Team abordou a primeira ronda do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 com bastante optimismo. Infelizmente, o segundo Grande Prémio da Austrália da equipa deixou-a desapontada depois de ter sofrido dois abandonos, com os pilotos Kevin Magnussen e Romain Grosjean.

 

O optimismo era justificado pela forma de Grosjean, que assegurou o sexto lugar na qualificação, realizada no dia anterior. Foi a melhor performance da Haas F1 Team, em vinte e duas qualificações, desde há um ano no Grande Prémio da Austrália. O tempo realizado por Grosjean no circuito de 5,303 quilómetros e dezasseis curvas evidenciou a velocidade do VF-17 e, muito embora Magnussen se tenha qualificado apenas em décimo sétimo por ter saído em frente na sua volta mais rápida, também ele sentiu o potencial do segundo carro da Haas F1 Team.

 

Grosjean usou esse potencial a seu favor no início da corrida, mantendo atrás de si e, depois, afastando-se do Toro Rosso de Carlos Sainz. O aperto da primeira curva permitiu a Felipe Massa ultrapassá-lo, mas Grosjean rapidamente prosseguiu a corrida em sétimo. Uma fuga de água acabou por prejudicar Grosjean, enviando-o para as boxes quando estavam completadas treze voltas.

 

O primeiro golpe de azar de Magnussen ocorreu logo na primeira volta, quando um contacto com o Sauber de Marcus Ericsson enviou-o para a gravilha da Curva 3. Magnussen conseguiu ultrapassar a escapatória, regressando à pista, apesar de ter danos na asa dianteira do seu carro, que o obrigaram a passar pelas boxes. Com uma nova asa e pneus frescos, Magnussen regressou à corrida, mas muito atrasado. A onze voltas da bandeirada de xadrez, uma dificuldade com a suspensão, provavelmente decorrente do acidente que protagonizou com Ericsson, forçou Magnussen ao abandono.

 

Sebastian Vettel venceu o Grande Prémio da Austrália, batendo enfaticamente o tricampeão mundial Lewis Hamilton. Vettel deixou o piloto da Mercedes a 9,975s. Foi a primeira vitória de Vettel e da Scuderia Ferrari desde o Grande Prémio de Singapura de 2015. Esta foi a quadragésima terceira vitória de Vettel na Fórmula 1 e a sua segunda em Albert Park.

 

A Fórmula 1 terá agora um fim-de-semana de folga para regressar à acção no Grande Prémio da China, que se realiza no Circuito Internacional de Xangai no próximo dia 9 de Abril.

 

 

 

Subitamente perdi potência. Reportei-o às boxes e, de seguida, sabia que tinha que reduzir o andamento. É um resultado muito desapontante, mas, para já, ainda a quente, todos estamos desapontados por termos perdido o sétimo lugar, mas o carro esteve bem na qualificação, e conseguimos os sexto posto. A partida não foi ideal e temos que melhorar isso. Senti que era mais rápido que o Williams, portanto, temos um potencial enorme no carro. Penso que é importante para nós manter esta tendência e alcançar a consistência que não tivemos no ano passado, quando fui quinto no Bahrein e décimo nono na China. Quero que isso melhore e alcançar mais consistência quanto a resultados. Se conseguirmos isto, tenho a certeza de que teremos muitas corridas onde poderemos marcar pontos. Hoje foi desapontante, mas amanhã vou acordar e pensar sobre o grande carro que temos, portanto, aconteça o que acontecer, este ano vamos estar na luta.”

 

 

 

Tive um toque na Curva 3. Tinha o Ericsson por fora e subvirei e toquei-lhe, infelizmente. Perdi a minha asa dianteira e danifiquei um pouco o carro. Mudámos a asa dianteira e, depois, realizei uma longa sessão de testes para sentir o carro e aprender um pouco mais sobre ele, o que foi positivo. Oferece uma boa sensação e o carro é rápido. Este é um ponto positivo deste fim-de-semana. O carro é competitivo. Temos apenas que chegar ao fim e marcar pontos.”

 

 

 

Não foi a corrida que desejávamos, ou que esperávamos. No caso do Romain parece ter sido uma fuga de água. Ainda não sabemos como foi que surgiu. É evidente que a corrida do Kevin ficou destruída depois da terceira curva, após o contacto com o Ericsson. Mais tarde acabou por sofrer um problema de suspensão, estamos ainda a investigar o que o motivou. Ainda assim temos como aspecto positivo o carro, que parece rápido. Temos que trabalhar em algumas peças e, esperamos voltar mais fortes na China, dentro de duas semanas.”

 

 

 

O segundo round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 é o Grande Prémio da China e disputa-se no Circuito Internacional de Xangai. Os treinos-livres iniciam-se no dia 7 de Abril, a qualificação realiza-se no dia 8 e a corrida terá o seu arranque a 9.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

G.P.AUSTRALIA

 

AO100 Copy

 

GALERIA DE IMAGENS - GP F1 - AUSTRALIA

GALERIA DE IMAGENS

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

AUSTRÁLIA

 

Mais uma serie de imagens do Grande Premio da Austrália que teve lugar este fim de semana, onde a vitória foi pertença dF121 Copy_CopyF122 Copy_CopyF123 Copy_CopyF124 Copy_CopyF125 Copy_CopyF126 Copy_CopyF127 Copy_CopyF128 Copy_CopyF129 Copy_CopyF130 Copy_CopyF131 Copy_CopyF300 Copy_CopyF400 Copy_Copyf500 Copyf501 Copyf502 Copyf503 Copyf504 Copyf505 Copyf506 Copyf507 Copyf508 Copyf509 Copyf510 Copyf511 Copyf512 Copyf513 Copyf514 Copyf515 Copyf516 Copyf517 Copyf518 Copyf519 Copya Ferrari.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

LEWIS HAMILTON CLAIMS POLE FOR MERCEDES ON P ZERO PURPLE ULTRASOFT WITH FASTEST-EVER LAP OF MELBOURNE 
 
ONE-STOP STRATEGY LOOKS LIKELY FOR THE RACE  WITH NEW LOWER-DEGRADATION TYRES
 
LATEST GENERATION OF CARS MAKES STRATEGY HARDER TO PREDICT,  WITH NO PREVIOUS RACE DATA

  AO13 CopyThe extra speed from the 2017 cars and tyres meant that the fastest-ever lap of Melbourne was already set in FP3 this morning by Sebastian Vettel and Ferrari, but in qualifying Lewis Hamilton went even quicker for Mercedes on the P Zero Purple ultrasoft tyre. All the teams used the ultrasoft from the start of Q1, apart from both Ferraris. Vettel also completed Q1 on this compound. Track temperatures were 33 degrees centigrade at the end of qualifying, close to the time that the race will also finish, so similar conditions are expected tomorrow.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Lap times were around two seconds faster than last year, giving us a competitive and spectacular qualifying. There was low degradation on the compounds used in FPs, which makes a one-stop strategy likely for tomorrow, depending of course on track temperature. If that is higher than data collected during the weekend, this could push it towards two stops. With these cars being so different to the previous generation, and no previous race data to fall back on, tomorrow’s strategy is a bit harder to predict than usual.”
 
HOW THE TYRES BEHAVED TODAY
     
 
FREE PRACTICE 3 – TOP 3 TIMES
 
DRIVER TIME COMPOUND
Vettel 1m 23.380s ULTRASOFT NEW
Bottas 1m 23.859s ULTRASOFT NEW
Hamilton 1m 23.870s ULTRASOFT NEW
 
 
 
 
 
 
QUALIFYING TOP 10
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR 
 
 
 
BEST TIME BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m22.188s ULTRASOFT NEW
Vettel 1m22.456s ULTRASOFT NEW
Bottas 1m22.481s ULTRASOFT NEW
Raikkonen 1m23.033s ULTRASOFT NEW
Verstappen 1m23.485s ULTRASOFT NEW
Grosjean 1m24.074s ULTRASOFT NEW
Massa 1m24.443s ULTRASOFT NEW
Sainz 1m24.487s ULTRASOFT NEW
Kvyat 1m24.512s ULTRASOFT NEW
Ricciardo - 
COMPOUND DRIVER LAPS
SOFT  Wehrlein 25
SUPERSOFT Ericsson 24
SUPERSOFT Vettel 24
ULTRASOFT Hamilton 25
COMPOUND DRIVER TIME
SOFT  Hamilton 1m 25.096s
SUPERSOFT Hamilton 1m 24.542s
ULTRASOFT Hamilton 1m 22.188s
 
 
 
 
 
 

 

GALERIA DE IMAGENS - GP F1 - AUSTRALIA

GALERIA DE IMAGENS

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FORMULA 1

 

G.P. AUSTRALIAF72 Copy_CopyF73 Copy_CopyF74 Copy_CopyF75 Copy_CopyF76 Copy_CopyF77 Copy_CopyF78 Copy_CopyF79 Copy_CopyF80 Copy_CopyF81 Copy_CopyF82 Copy_CopyF83 Copy_CopyF84 Copy_CopyF85 Copy_CopyF100 CopyF101 CopyF102 CopyF103 CopyF104 CopyF105 CopyF106 CopyF107 CopyF108 CopyF109 CopyF111 CopyF112 CopyF113 CopyF114 CopyF115 CopyF116 CopyF117 CopyF118 CopyF119 CopyF120 Copy

 

G.P.AUSTRALIA

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

AUSTRÁLIA

 

CAVALINHO RAMPANTE FALOU MAIS ALTO

 

Finalmente a Ferrari venceu um Grande Premio, onde desta feita Vettel conseguiu superar os Mercedes de Hamilton e Bottas.Um pouco mais apagado, esteve o Ferrari de Raikonen, que por sua vez teve atrás de si o Red Bull de Verstappen.Um pouco mais para trás ficou o Williams de Massa, seguido pelo Force India de Perez, e pelos Toro Rosso de Sainz e Kvyat, ficando o "top ten " completo com a estreiF31 Copy_CopyF32 Copy_CopyF33 Copy_CopyF34 Copy_CopyF35 Copy_CopyF36 Copy_CopyF37 Copy_CopyF38 Copy_CopyF39 Copy_CopyF40 Copy_CopyF41 Copy_CopyF60 Copy_CopyF61 Copy_CopyF62 Copy_CopyF63 Copy_CopyF64 Copy_CopyF65 Copy_Copyf66 Copy_CopyF67 Copy_CopyF68 Copy_CopyF69 Copy_CopyF70 Copy_CopyF71 Copy_CopyF72 Copy_CopyF73 Copy_CopyF74 Copy_CopyF75 Copy_CopyF76 Copy_CopyF77 Copy_CopyF78 Copy_CopyF79 Copy_CopyF80 Copy_CopyF81 Copy_Copya de Ocon no Force India.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Grande Prémio da Austrália 2017 - Corrida

 

Grande Prémio da Austrália 2017 – Corrida
 
VETTEL VENCE PARA A FERRARI COM ESTRATÉGIA DE UMA PARAGEM.  NOVA ERA NA FORMULA 1 COM ARRANQUE ESPETACULAR
 
ESTRATÉGIA SEMELHANTE COM ULTRAMACIO-MACIO PARA OS PRIMEIROS QUATRO CLASSIFICADOS. OUTRAS QUATRO ESTRATÉGIAS UTILIZADAS ATÉ AO FINAL DA CORRIDA
 
BAIXO DESGASTE E DEGRADAÇÃO PERMITE AOS PILOTOS UM RITMO FORTE DO INICIO ATÉ FINAL EM CADA TURNO

   Sebastian Vettel em Ferrari venceu o grande prémio da Austrália após completar um longo e inicial turno com pneus ultramacios, surgindo à frente do Mercedes e autor da pole position, Lewis Hamilton, após a sua única paragem. Todos os restantes que terminaram a corrida apenas realizaram uma paragem à exceção de dois pilotos, com os primeiros quatro classificados a optarem pela mesma estratégia de ultramacio-macio. Todos os três compostos foram utilizados - com a volta mais rápida estabelecida no final da corrida – dois segundos mais rápida que o ano passado. A maioria dos pilotos iniciou com ultramacio, com o estreante Antonio Giovinazzi em Sauber a ser o melhor classificado dos que iniciaram com pneus macios.
 
MARIO ISOLA – DIRETOR DESPORTIVO “A nova era da Fórmula 1 teve um inicio fantástico na Austrália, com uma corrida disputada e os pilotos a impor um ritmo forte do inicio ao fim em cada turno. Como esperávamos a maioria dos pilotos adotou diferentes variações de estratégia de uma paragem, com os líderes a trocar para o composto macio no segundo turno assegurando uma boa “performance” até final. Tivémos um desgaste baixo e respetiva degradação num circuito que nunca é muito exigente para os pneus, de qualquer maneira, os pilotos estabeleceram as voltas mais rápidas no final da corrida com composto macio, e com mais de 30 voltas.”
 
 
 
MELHORES TEMPOS POR COMPOSTO
 
 
 
 
 
 
 
 
 
   Raikkonen 1m26.538s Verstappen 1m26.964s Kvyat 1m26.711s Bottas 1m26.593s Kvyat 1m27.983s Magnussen 1m27.568s Vettel 1m26.638s Massa 1m28.045s Hamilton 1m28.117s
 
 
 
 
 
MAIOR NÚMERO DE VOLTAS DA CORRIDA POR COMPOSTO 
 
 
 
 
PREVISÃO
 
Sebastian Vettel venceu a corrida com uma paragem, trocou de ultramacio para macio na volta 23. Inicialmente pensámos que a maioria dos pilotos optasse pela ultilização de supermacios para o Segundo turno: O piloto melhor classificado que seguiu esta estratégia foi Max Verstappen em quinto.

 

 

HAAS NO G.P.AUSTRALIA

 

Evento: 1ª e 2ª sessões de treinos-livres 

Data: sexta-feira, 24 de Março

Local: Circuito de Albert Park, em Melbourne

Layout:  5,303 quilómetros, circuito de 16 curvas

Condições climatéricas na 1ª sessão: Parcialmente encoberto

Temperatura na 1ª sessão: 21-23ºC

Temperatura da pista na 1ª sessão: 27-36ºC

Condições climatéricas na 2ª sessãoSol com períodos encobertos

Temperatura na 2ª sessão: 22-23ºC

Temperatura da pista na 2ª sessão: 28-31ºC

Pilotos:  Romain Grosjean e Kevin Magnussen

 

 

 

Grosjean:  8º (1m26,168s), 20 voltas completadas

Magnussen:  17º (1m27,667s), 20 voltas completadas

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m24,220s)

Mais voltas completadas:  Marcus Ericsson da Sauber (30 voltas)

 

 

 

Grosjean:  8º (1m25,436s), 29 voltas completadas

Magnussen:  19º (1m27,279s), 8 voltas completadas

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m23,620s)

Mais voltas completadas:  Esteban Ocon da Force India (37 voltas)

 

 

 

Depois de duas semanas de testes no Circuit de Barcelona – Catalunya entre os dias 27 de Fevereiro e 10 de Março, esta sexta-feira finalmente chegou o momento das equipas preparem no Circuito de Albert Park o Grande Prémio da Austrália, que se realiza no domingo.

 

O Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017 começou com duas sessões de treinos-livres que permitiu ao novo regulamento estar em acção no circuito de 5,303 quilómetros e dezasseis curvas.

 

O pacote aerodinâmico do carro deste ano foi concebido para criar um nível de apoio aerodinâmico mais elevado. Isto foi alcançado graças a uma asa dianteira mais larga, derivas laterais maiores, asa traseira mais larga e mais baixa e um difusor que cresceu cinquenta milímetros em altura e em largura. Juntamente com estas modificações, os pneus Pirelli são mais largos, sessenta milímetros à frente e oitenta atrás, um incremento de vinte e cinco porcento, deixando os pneumáticos dianteiros com trezentos e cinco milímetros e os traseiros com quatrocentos e cinco.

 

A evolução foi verificada imediatamente, com os tempos a descerem dois segundos relativamente às marcas alcançadas na última sessão de treinos-livres do Grande Prémio da Austrália do ano passado.

 

Romain Grosjean, piloto da Haas F1 Team, foi o primeiro piloto a aventurar-se no Circuito de Albert Park, com o seu colega de equipa, Kevin Magnussen, a ser o terceiro.

 

Ambos os pilotos registaram vinte voltas na primeira sessão, tendo realizado o mesmo programa – volta de instalação com pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio, oito voltas consecutivas com o mesmo jogo de macios para depois montar super-macios para séries de cinco e seis voltas.

 

Grosjean foi o oitavo mais rápido na primeira sessão, com a sua melhor marca, 1m26,168s, a surgir na sua décima quarta passagem pela linha de meta. Magnussen alcançou o décimo sétimo registo, 1m27,667s, garantido na décima segunda volta. Qualquer um deles assegurou o seu crono com pneus super-macios.

 

O duo da Mercedes, Lewis Hamilton e Valtteri Bottas, lideraram a primeira sessão. A melhor volta de Hamilton,. 1m24,220s, deixou Bottas a 0,583s. A melhor volta de Hamilton na primeira sessão deixou-o a apenas 0,691s do melhor tempo alguma vez realizado no Circuito de Albert Park – 1m23,529s alcançado por Sebastian Vettel, Red Bull, na qualificação de 2011.

 

A Haas F1 Team passou por algumas adversidades na segunda sessão. A equipa procurou uma fuga de água no carro de Magnussen, o que o limitou a apenas oito voltas, tendo sido a melhor de 1m27,279, realizada na sua quinta passagem pela meta quando montava pneus super-macios. Grosjean ultrapassou duas travagens queimadas – uma das quais obrigou-o a passar pela escapatória da Curva 1 e a outra lançou-o para uma passagem pela gravilha da Curva 3. Ainda assim, Grosjean pôde realizar vinte e nove voltas, tendo na nona registado a marca de 1m25,436s, com pneus ultra-macios.

 

Hamilton continuou com o seu ritmo forte, terminando a segunda sessão no topo. Foi o único piloto a completar uma volta em menos de 1m24s. O seu melhor tempo, 1m23,620s, deixou o seu perseguidor mais próximo, Vettel da Ferrari, a 0,547s e a apenas 0,091s do recorde da pista, conquistado por Vettel em 2011.

 

Nas duas sessões, a Haas f1 Team totalizou setenta e sete voltas – quarenta e nove realizadas por Grosjean e vinte e oito por Magnussen.

 

 

 

Do meu lado da boxe foi um bom dia. O carro está muito melhor do que nos testes de Inverno, o que é fantástico. É bom chegar aqui, colocar a afinação certa no carro, ir para a pista e divertirmo-nos. Completámos, na prática, o programa que tínhamos para hoje, o que é surpreendente para um primeiro dia na Austrália, muito embora tenham existido alguns problemas do outro lado da boxe. Vamos esperar poder partilhar os dados para sermos ainda mais rápidos amanhã. Tenho a certeza de que podemos melhorar em diversas áreas. Vamos esperar ter outro bom dia amanhã.”

 

 

 

Foi um dia frustrante. Não tirei grande partido. Vamos investigar e esperamos ultrapassar esta dificuldade. Vamos ver o que acontece amanhã. Não sabemos quais serão as condições meteorológicas. Poderá chover e tudo será diferente. Vamos ver o que acontece. No entanto, é bom perceber que o carro é competitivo. Isso é muito entusiasmante para a temporada. É o lado positivo do dia de hoje.”

 

 

 

Penso que tivemos dois cenários distintos. Um piloto, o Romain, teve uma boa sessão. Aprendeu muito, fez muitas voltas e parece competitivo. Com o Kevin, tivemos algumas dificuldades. De manhã não conseguimos encontrar a afinação para o carro e, da parte da tarde, estávamos a trabalhar nisso. Parecia que estávamos na direcção certa até termos uma fuga de água. Não realizámos muitas voltas. No geral, penso que foi um bom primeiro dia de temporada, não é muito grave. Como esperávamos, haverá uma luta muito intensa no meio do pelotão. Ainda não sabemos onde estamos, algo de que só teremos uma ideia clara na qualificação de amanhã. Vamos trabalhar arduamente para colocar em condições o carro do Kevin a tempo da terceira sessão e para tentar dar o nosso melhor.”

 

 

 

Os pilotos terão mais uma sessão de treinos-livres no sábado (14h00-15h00) antes do início da qualificação, às 17h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os dezasseis mais rápidos da Q1 a passarem para a Q2. Os dez mais rápidos da Q2 avançam para a Q3, onde disputam a pole-position.

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

NOS BASTIDORES

 

 

 

  1. Versttappen sentou-se no cockpit dum V 8 australiano

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

LEWIS HAMILTON COMFORTABLY FASTEST IN BOTH SESSIONS  WITH THE P ZERO PURPLE ULTRASOFT, MAKING ITS DEBUT IN AUSTRALIA
 
PERFORMANCE GAP OF AROUND 0.7 SECONDS PER LAP BETWEEN  THE COMPOUNDS SO FAR. LAP TIMES 5 SECONDS FASTER THAN LAST YEAR 
 
THE NEW ERA OF FORMULA 1 OPENS WITH A ‘GREEN’ AND DIRTY TRACK  AT MELBOURNE: HIGH LEVELS OF TRACK EVOLUTION EXPECTED 
 
   Formula 1’s new era began with Friday’s two free practice sessions on a ‘green’ track at Albert Park, so lap times are expected to improve further over the course of the weekend. Already, the fastest time in FP2 is quicker than last year’s pole, with Lewis Hamilton going fastest for Mercedes in both sessions today on the P Zero Purple ultrasoft tyre. Mercedes was the only team to use the ultrasoft in FP1, with the other teams trying it for the first time in FP2. The weather remained dry and warm for both sessions, with FP2 getting underway in ambient temperatures of 25 degrees centigrade. 
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “We saw times today that were around five seconds faster than the equivalent sessions last year, using the ultrasoft for the first time here. So far, there is a performance difference of around 0.7 seconds per lap between the soft and supersoft, as well as the supersoft and ultrasoft. During the Barcelona test, that gap was in the region of 0.3 -0.5 seconds. Now we need to look at degradation: it’s obviously much lower than last year, but along with the teams we have to see to what extent the difference between the compounds here will influence race strategy.”
 
FREE PRACTICE 1 – TOP 3 TIMES
 
 
FREE PRACTICE 2 – TOP 3 TIMES
 
 
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m 24.220s ULTRASOFT NEW
Bottas 1m 24.803s ULTRASOFT NEW
Ricciardo 1m 24.886s SUPERSOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m23.620s ULTRASOFT NEW
Vettel 1m 24.167s ULTRASOFT NEW
Bottas 1m 24.176s ULTRASOFT USED
 
 
 
 
 
 
FP1 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
FP2 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
TYRE STATISTICS OF THE DAY
 
 
* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined. ** Per compound, all drivers combined.
 
 
 
COMPOUND DRIVER TIME
SOFT Raikkonen 1m 25.994s
SUPERSOFT Ricciardo 1m 24.886s
ULTRASOFT Hamilton 1m 24.220s
COMPOUND DRIVER TIME
SOFT Hamilton 1m 25.096s
SUPERSOFT Vettel 1m 24.926s
ULTRASOFT Hamilton 1m 23.620s
COMPOUND DRIVER LAPS
SOFT  Wehrlein 25
SUPERSOFT Ericsson 24
SUPERSOFT Vettel 24
ULTRASOFT Hamilton 25
 
  
Kms driven* 1213 2258 1553
Sets used overall** 20 38 22
 
 
 
 
 
 
 
 
MINIMUM PRESCRIBED TYRE PRESSURES
 
 
22 psi (fronts) – 19.5 psi (rears)

 

HAAS NO G.P.AUSTRALIA

 

Evento:  Qualificação para o Grande Prémio da Austrália (1º de 20 rounds)

Data:  Sábado, 25 de Março

Local:  Circuito de Albert Park, em Melbourne

Layout:  5,303 quilómetros, circuito de 16 curvas

Condições climatéricas:  Sol com encobertas

Temperatura do ar:  28.3-29.7ºC

Temperatura da pista:  31.8-35.1ºC

Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m22,188s – novo recorde)

Resultado:  Romain Grosjean 6º / Kevin Magnussen 17º

 

 

 

●  Tem a duração de 18 minutos, participando os vinte pilotos

●  Os 15 mais rápidos avançam para Q2

Grosjean:  10º (1m25,419s), avançou para a Q2

Magnussen:  17º (1m26,847s)

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m24.,191s)

Cutoff:  15º Marcus Ericsson da Sauber (1m26,236s)

 

 

 

●  Tem a duração de 15 minutes, participando os 15 pilotos mais rápidos da Q1

●  Os 10 pilotos mais rápidos avançam para a Q3

Grosjean:  8º (1m24,718s), avançou para a Q3

Piloto mais rápido:  Valtteri Bottas da Mercedes (1m23,215s)

Cutoff:  10º Carlos Sainz Jr. da Toro Rosso (1m24,997s)

 

 

 

●  Tem a duração de 12 minutos, participando os 10 pilotos mais rápidos da Q2, que lutam pela pole-position

Grosjean:  6º (1m24,074s)

Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m22,188s)

Segundo:  Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari (1m22,456s)

 

 

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, qualificaram-se, respectivamente, no sexto e no décimo sétimo lugares para o Grande Prémio da Austrália, que se realiza no domingo no Circuito de Albert Park, em Melbourne.

 

A performance de Grosjean ofereceu à Haas F1 Team o seu melhor resultado em qualificação, melhorando o sétimo posto que o francês tinha alcançado no Grande Prémio do Brasil do ano passado. O Grande Prémio da Austrália abre o Campeonato do Mudo FIA de Fórmula 1 e marca apenas a vigésima segunda prova da Haas F1 Team.

 

Grosjean realizou o décimo crono na Q1, com uma volta ao circuito de 5,303 quilómetros e 16 curvas em 1m25,419s, o que o levou até à Q2. Então marcou o oitavo tempo, 1m24,718s, colocando-o confortavelmente entre os dez mais rápidos que migraram para a Q3.

 

Na Q3 foram protagonistas os pesos-pesados da Fórmula 1, tendo marcado presença a Mercedes, actual Campeã, título que venceu por cinco vezes, a Red Bull, com quatro títulos no currículo, e a Scuderia Ferrari com dezasseis campeonatos no seu historial. Grosjean bateu-se sozinho contra estes gigantes, qualificando-se no sexto lugar com uma volta de 1m24,074s.

 

Magnussen, por seu lado, saiu em frente na Curva 12 durante voltas consecutivas na Q1. A sua melhor volta foi de 1m26,847s, o que o colocou no décimo sétimo lugar. Apenas os quinze pilotos mais rápidos avançam para a Q2.

 

Tanto o Grosjean como o Magnussen rodaram exclusivamente com pneus Pirelli P Zero Roxo/Ultramacio ao longo de toda a qualificação.

 

Lewis Hamilton, da Mercedes, ficou com a pole-position para o Grande Prémio da Austrália. A sua melhor volta parou o cronómetro em 1m22,188s, o que lhe garantiu um novo recorde da pista para a qualificação e deixou o segundo classificado, Sebastian Vettel da Ferrari, a 0,268s. Foi a sexagésima segunda pole-position de Lewis Hamilton e a sua quinta consecutiva, começando esta senda no Grande Prémio dos Estados Unidos do ano passado.

 

Antes da qualificação, Grosjean, Magnussen e o resto dos pilotos participaram na sessão final de treinos-livres para prepararem os seus carros para o exercício que definiu a grelha de partida.

 

Grosjean completou onze voltas, garantindo na décima passagem pela meta o sétimo crono com uma marca de 1m25,581s. Magnussen também realizou onze voltas, e conseguiu o seu melhor tempo, 1m26,138s, na sua última volta lançada, ficando no décimo posto da tabela de tempos. Ambos os pilotos realizaram os seus tempos recorrendo a pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio.

 

O mais rápido da terceira sessão de treinos-livres foi Vettel, com o tempo de 1m23,380s, o que deixou o segundo mais rápido, o Mercedes de Valtteri Bottas, a 0,479s. Vettel bateu o recorde do Circuito de Albert Park, melhorando-o por 0,149s. Era Vettel quem detinha o recorde anterior – 1m23,529s alcançado durante a qualificação de 2011 quando estava na Red Bull. É claro que o seu recorde teve vida curta, uma vez que Hamilton obliterou o tempo de Vettel por 1,192s.

 

 

 

Foi um bom dia. Foi uma qualificação inacreditável para nós. É uma pena que não tenhamos levado até lá o Kevin, mas o carro parece bom, ainda melhor do que viramos recentemente. Fizemos um bom progresso ao longo do fim-de-semana. Há muito para perceber e analisar, mas no geral, foi um início fantástico para nós.

 

É sempre bom alcançar um bom resultado na qualificação. Diz-nos que, se conseguirmos continuar a melhorar o carro, podemos estar numa boa posição brevemente. Se esta é a nossa base, e podemos lutar pelas posições entre a sexta e a décima, onde tudo é tão competitivo, será muito bom estarmos lá na maioria das vezes e passar alguns bons momentos.

 

Amanhã o arranque é uma enorme incógnita. Temos vindo a treinar as partidas e algumas foram boas, outras nem por isso. Vamos esperar fazer uma boa partida amanhã.”

   

 

 

Saí de pista na Curva 12 em ambas as minhas voltas – isto deixou-me muito aborrecido. O carro estava bom na qualificação. A minha volta era boa, até sair de pista. Ambos os meus tempos eram bons. Estou desapontado. Deveríamos estar muito mais à frente. Agora, teremos que lutar bastante durante a corrida. Ainda pode acontecer muita coisa e eu darei o meu melhor amanhã.

 

O aspecto positivo é que o carro parece competitivo. O Romain alcançou a Q3, o que demonstra o potencial do carro. Estou seguro de que poderia estar perto dele, se não tivesse errado e saído de pista. Penso que estava ansioso por melhorar o meu fim-de-semana. Sabia que tinha que melhorar em alguns locais e quando estamos na qualificação e tentamos resolver as questões desta forma, não é ideal. Teria sido bom fazê-lo no último treino-livre, mas foi esta a situação em que me encontrei e acabei por sair de pista por duas vezes.

 

Tentei por duas vezes e, por duas vezes, errei. Da primeira vez foi a fundo para perceber onde estava o limite e saí. Da segunda vez, pedi um pouco mais de asa dianteira e fiz a curva um pouco mais devagar para acertar, mas não consegui. É muito aborrecido, sobretudo quando percebemos como o carro é competitivo. Estou desapontado por não estar lá em cima e por não me ter dado uma boa possibilidade de marcar pontos.”

 

 

 

É um grande fim-de-semana para o Romain. Não podemos dizer o mesmo do Kevin. Tivemos algumas dificuldades com o carro dele. Não conseguimos encontrar o melhor equilíbrio e não rodámos o suficiente nas sessões de treinos-livres. Nunca tentámos o pneus ultramacios ao longo do fim-de-semana, portanto, ele foi para a qualificação desconhecendo os pneus. Não correu bem. Penso que fizemos um bom progresso na terceira sessão e tudo vai correr bem.

 

Mais uma vez, foi fantástico para o Romain. Conseguiu uma volta incomparável, diria eu. Obrigado a todos, porque o que foi feito foi fantástico. É a nossa melhor qualificação – sexto lugar atrás das três grandes. É fantástico para a equipa mais nova da Fórmula 1.

 

Espero que tenhamos uma boa corrida amanhã. Estamos prontos. O carro parece ter um bom ritmo nas séries longas de voltas. Vamos esperar que consigamos que o Kevin suba na classificação. Penso que, mesmo da posição de onde o Kevin arranca poderemos chegar aos pontos. Se tivermos um bom arranque, tudo pode ser possível para ambos. O arranque é novo para todos e esperamos estar bem. Não sabemos, mas vamos dar o nosso melhor.

 

Será um dia interessante no topo. Parece tudo mais próximo do que se via há algum tempo. Vamos ver o que acontece.”

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2017 Australian Grand Prix – Race – Infographics

alt

 

UMA "MONTRA" DE TECNOLOGIA

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

UMA MONTRA DE TECNOLOGIA

 

A F 1 é deveras conhecida por usar tecnologia de vanguarda.Agora repare-se no inteiror desta jante utilizada pela equipa da Williams.....AN7 Copy

 

GP AUSTRÁLIA DE F 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

GP AUSTRÁLIA

 

TUDO NA MESMA COM O MERCEDES DE HAMILTON NA POLE

 

Pelos vistos as "cenas" do ano passado vão continuar nos GP de Fórmula 1, pois mesmo com os novos regulamentos, será o Mercedes de Hamilton a largar da 1ª linha da grelha, tendo a seu lado o Ferrari de Vettel.Na segunda linha encontra-se o Mercedes de Bottas e o Ferrari de Raikonen, tendo logo atrás de si o Red Bull de Verstappen e o Haas de Grosjean-Depois na 4ª linha está o Williams de Massa, tendo a seu lado o Toro Rosso de Sainz, seguido pelo seu colega de equipa Kvyat e Ricciardo no Red Bull.F1 CopyF2 CopyF3 CopyF4 CopyF5 CopyF6 CopyF7 CopyF8 CopyF9 CopyF11 CopyF12 CopyF14 CopyF15 CopyF16 CopyF17 CopyF18 CopyF19 CopyF20 CopyF21 CopyF22 CopyF23 CopyF24 CopyF25 CopyF25 CopyF27 CopyF28 CopyF29 CopyF30 CopyF31 CopyF32 CopyF33 CopyF34 CopyF35 CopyF36 CopyF37 CopyF38 CopyF39 CopyF40 Copy

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

AUSTRÁLIA

 

Por João Carlos Costa

 

 

 

  1. Lewis Hamilton iguala as poles de Senna na Austrália (6, quatro consecutivas) ao mesmo tempo que conquista a 62ª da carreira. Os Ferrari, mais com Vettel do que com Raikkonen (que teve o carro sempre a fugir muito de frente), mostram que a forma dos testes não era mera "conversa". Bottas tem de evoluir umas décimas, os Red Bull mais outras (tal como o motor Renault), mas há uma certeza: temos Mundial e os carros são os mais rápidos da história da F1!
    Quem não gosta... mude de "menu". Começo a não ter paciência para ah o barulho; ah os apêndices aerodinâmicos; ah são pilotos playsation. Nunca ninguém andou tão rápido ao volante de um carro de competição. PONTO!

 

MUDANÇAS NA EQUIPA DA SAUBER

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 2017

 

GRANDE PRÉMIO DA AUSTRÁLIA

 

MUDANÇAS NA EQUIPA DA SAUBERA1 CopyA2 Copy

 

 

 

  1. WEHRLEIN com dificuldades físicas para um GP deixa o lugar a Giovinazzi. Itália volta a ter piloto na F1, o que não acontecia desde Trulli em 2011.

 

STROOL SEM SORTE

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 -2017

 

GRANDE PREMIO DA AUSTRÁLIA

 

STROOL SEM SORTE

 

  1. Lance Strool bate no FP3 e tem de mudar a caixa do Williams. 5 lugares de penalização na grelha de partida.

 

HAA NO G.P.AUSTRALIA

 

Bourne Again

A Haas F1 Team Inicia A Sua Segunda Temporada Com O Grande Prémio da Austrália

 

KANNAPOLIS, Carolina do Norte (23 de Março de 2017) – O Grande Prémio da Austrália do ano passado assistiu à estreia da Haas F1 Team no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1. A primeira equipa americana em trinta anos foi impressionante, com Romain Grosjean a terminar no sexto posto na corrida de abertura da temporada. Foi a melhor estreia de uma equipa de Fórmula 1 desde 2002, quando Mika Salo, ao serviço da Toyota, terminou em sexto, também no Grande Prémio da Austrália.

 

Grosjean assegurou oito pontos naquele dia no Circuito de Albert Park, de 5,303 quilómetros e dezasseis curvas, somando mais vinte e um ao longo da temporada, o que colocou a Haas F1 Team no oitavo lugar do Campeonato de Construtores.

 

Agora a equipa americana regressa a Melbourne para o trigésimo terceiro Grande Prémio da Austrália, iniciando no próximo dia 26 de Março a sua segunda temporada, desta feita com um novo regulamento.

 

Depois de em 2016 construir o seu primeiro carro segundo um conjunto de regras da FIA, um novo regulamento em 2017 significou que um novo carro foi construído a partir de uma folha em branco. O Haas VF-17 exibe um pacote aerodinâmico concebido para criar um nível de apoio aerodinâmico mais elevado. Asa dianteira mais larga, derivas laterais maiores, asa traseira mais larga e mais baixa e um difusor que cresceu cinquenta milímetros em altura e em largura fazem parte das modificações, juntamente com pneus Pirelli mais largos, sessenta milímetros à frente e oitenta atrás, um incremento de vinte e cinco porcento, deixando os pneumáticos dianteiros com trezentos e cinco milímetros e os traseiros com quatrocentos e cinco.

 

Depois de em 2016 ter sido o “novo rapaz no bairro” em 2016, pelo menos, em 2017, o novo regulamento equilibra as novidades entre todas as equipas.

 

Para além de um novo carro, a Haas F1 Team tem também um novo piloto. Kevin Magnussen junta-se a Grosjean para formar uma dupla formidável que o dono da equipa, Gene Haas, crê permitir à sua organização avançar outra posição no Campeonato de Construtores.

 

“Será tão desafiante como o ano passado, mas penso que com o conhecimento que acumulámos, deveremos ter performances um pouco melhores este ano”, afirmou Haas. “Penso que no final do ano passado silenciámos os nossos críticos e, agora, a maior parte das pessoas veem-nos como um sério competidor”.

 

Magnussen e a Haas F1 Team têm já algo em comum – boas estreias em Melbourne.

 

Magnussen realizou o seu primeiro arranque para uma corrida de Fórmula 1 no Grande Prémio da Austrália de 2014. Foi uma excelente performance, uma vez que arrancou de quarto e terminou em segundo. Os dezoito pontos que marcou na sua estreia garantiu-lhe o segundo lugar entre os pilotos que mais pontos conquistaram na sua estreia. E a não ser que um piloto vença a sua primeira corrida, esse feito não será batido. (O terceiro é Felipe Nasr, que marcou dez pontos na sua estreia, graças ao quinto lugar que assegurou no Grande Prémio da Austrália de 2015.)

 

Com o seu segundo lugar, Magnussen juntou-se ao exclusivo grupo de pilotos que alcançaram o pódio na sua estreia na Fórmula 1. Jacques Villeneuve conseguiu-o em 1996 (segundo lugar) e Lewis Hamilton também em 2007 (terceiro). Ambos conquistaram esse feito no Grande Prémio da Austrália. Villeneuve conseguiu na sua carreira vencer um título de Fórmula 1, em 1997, e Hamilton é um tricampeão mundial (2008, 2014 e 2015).

 

Com pilotos que já subiram ao pódio, tanto Magnussen como Grosjean já garantiram segundos lugares, a Haas F1 Team está determinada para melhorar na sua segunda temporada.

Albert Park Circuit

 

Perímetros: 5,303 quilómetros  

Número de voltas: 58

Distância de corrida: 307,574 quilómetros

Transmissão televisivaSport TV1

Antevisão: 5h00

Corrida: 6h00

 

 

Sobre a Haas Automation, Inc

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal

 

 

A Haas F1 Team testou no Circuit de Barcelona – Catalunya ao longo de oito dias durante um período de doze jornadas. Como foi que correu e de que forma preparou a equipa para a Austrália?

Correu muito bem. Completámos muitas voltas, o que é positivo. Penso que rodámos num bom ritmo. Alguns dias foram melhores que outros, como é normal em testes. No geral, estou muito satisfeito com a fiabilidade do carro e também com a performance. Apenas necessitamos de manter um ritmo consistente, o que nem sempre aconteceu nos testes.”

 

Obviamente, aprenderam muito em Barcelona, mas não houve muito tempo entre o regresso dos carros à fábrica e a sua saída para a Austrália. O que foi que fizeram para aproveitar ao máximo o tempo?

Trazemos os carros de volta para a base logística no Reino Unido, onde os preparamos da melhor forma possível. Voltamos a pintá-los, ficam como novos, e os engenheiros analisam os dados para tentarem encontrar as melhores afinações para a Austrália.”

 

De que forma o novo regulamento técnico melhorou os tempos e alteraram a dinâmica das afinações dos carros?

No que diz respeito à afinação do carro, lidamos com ela de acordo com o comportamento do carro. Não existe uma alteração específica relativamente ao que se fazia anteriormente. É um carro diferente e temos que analisar os dados, aprender com eles e ajustar a afinação de acordo com ela.”

                                                                                                                         

O pneus são este ano são vinte e cinco porcento mais largos, notou alguma alteração nas características dos vários tipos de pneus ou estão em linha com as do ano passado?

Não, parecem comportar-se de forma diferente, mas é difícil dizer só com os testes de Barcelona, dado que as temperaturas são mais baixas que nas corridas. Testámos alguns pneus, alguns compostos, que nunca veremos numa corrida em Barcelona. Portanto, temos ainda muito que descobrir sobre os pneus, mas penso que continuarão a ser determinantes para termos boas performances este ano, tal como no ano passado. Os detalhes descobriremos quando chegarmos às corridas. Poderemos comparar os pneus do ano passado com os deste ano.”

 

Com os tempos por volta a baixarem cerca de cinco segundos, onde é ganho este tempo? Na entrada das curvas? Na saída das curvas? Em ambas as situações?

Em ambas. Na entrada e na saída das curvas. Sendo os carros mais largos, com mais aderência mecânica, assim como aerodinâmica, as velocidades em curva são muito mais elevadas.”

 

Foi dito que algumas curvas de diversas pistas passarão a não ser consideradas como curvas pelos engenheiros, uma vez que os pilotos passarão a fazê-las a fundo. Isto está correcto?

Sim, está correcto que as passam a fazer a fundo, mas continua a ser uma curva, caso contrário poderiam ir ainda mais depressa. A Curva 3 em Barcelona foi feita a fundo na maior parte das vezes. Penso que é bom para a categoria que os tempos por volta desçam.”

 

O novo regulamento técnico alterou a forma como os engenheiros olham para determinadas zonas das pistas, particularmente no Circuito de Albert Park?

Temos que adaptar tudo o que conhecemos aos novos pneus e às novas especificações aerodinâmicas, mas abordamos os fins-de-semanas de corridas exactamente como fazíamos.”

 

De que forma o Kevin Magnussen se ambientou à equipa e ao Haas VF-17?

Adaptou-se muito bem. A equipa está muito satisfeita com ele e penso que posso dizer o mesmo da parte dele. Parece estar a entrosar-se muito bem com os engenheiros e com vontade de contribuir para que possamos ter uma boa temporada.”

 

Com a início da segunda temporada da Haas F1 Team a aproximar-se, de que forma a preparação deste ano foi diferente relativamente à do ano passado?

Este ano pudemos verificar que estamos mais bem preparados, o que é natural, dado que temos um ano de experiência. Sabemos mais, e isso só se adquire com experiência. Temos um ano de experiência. Todos os nossos parceiros, Ferrari e Dallara, estão mais bem preparados, dado que também eles têm um ano de experiência. No geral, tudo correu muito melhor.”

 

No ultimo ano, a Haas F1 Team estava a começar do zero e isso representa um desafio único. Para se preparem para este ano tiveram que competir ao longo de 2016 e, simultaneamente, desenvolver o carro de 2017. Isso é o que qualquer equipa faz, mas esta foi a primeira vez que a Haas F1 Team o fez e, por isso, muitos observadores afirmam que a segunda temporada será mais dura que a primeira. Qual a sua opinião? Isto é verdade?

Não diria que, normalmente, a segunda temporada é mais dura que a primeira, mas muitas pessoas previram que teríamos muitos problemas. Mas também previram ainda antes do primeiro ano que teríamos grandes problemas e não os tivemos. A preparação correu muito melhor para nós este ano do que no ano passado, portanto, espero que a performance do carro também seja melhor. Seja como for, os testes correram muito bem e espero, também, alguma sorte na primeira corrida, tal como tivemos no ano passado, e possamos levar alguns pontos para casa. Sabemos que o segundo ano é mais difícil, portanto, tentámos preparar-nos o melhor que sabíamos. Vamos esperar algumas corridas para percebermos o que alcançámos.”  

 

Velocidade é obviamente o nome do jogo nas corridas. Mas com os carros construídos de acordo com o novo regulamento, a fiabilidade também é importante, sobretudo, no início da temporada?

É muito importante, dado que como vimos nos testes, muitas equipas podem ter problemas. O nosso carro foi fiável, muito fiável, para o primeiro teste e, é melhor bater na madeira, se nos mantivermos assim na primeira corrida, existe a possibilidade de marcamos pontos, se os outros sentirem problemas.”

 

O que gostaria de conquistar na Austrália?

“Pontos!”

 

 

 

A Haas F1 Team testou no Circuit de Barcelona – Catalunya ao longo de oito dias durante um período de doze jornadas. Como foi que correu e de que forma te preparou para a Austrália?

“Correu bem. Foi possível verificar uma diferença relativamente ao ano passado, quando tivemos o nosso primeiro teste. A equipa está muito mais bem preparada, todos sabíamos o que fazer. Tivemos alguns pequenos problemas, como era esperado, mas no geral tudo foi resolvido rapidamente. Não penso que estejamos completamente preparados para a Austrália com apenas quatro dias a pilotar o carro. É assim para todos, portanto, temos que tirar o partido máximo.”

 

Como descreverias o VF-17?

“É um carro muito sensual. Tem muito potencial, que ainda não descobrimos totalmente. É uma base e, até agora, sabe bem pilotá-lo. Há algumas coisas que gostaríamos de melhorar para as primeiras corridas, mas penso que é um carro que nos permitirá algumas boas provas.”

 

Muito foi dito acerca da exigência física destes novos carros. Depois dos testes de Barcelona, como foi que te sentiste fisicamente?

“Não me senti muito mal. Mas vamos colocar as coisas da seguinte forma, se tivesse a mesma condição física que tinha no ano passado, estaria destruído. Demos o máximo nos treinos físicos. Talvez até tenhamos exagerado. Não é tão duro como esperávamos. Os carros serão desafiantes e algumas corridas serão épicas, sobretudo, onde estiver calor com pistas de alta velocidade, será muito duro para o físico. Gosto do desafio e gosto de pensar que podemos sempre estar mais bem preparados e melhor fisicamente. Senti-me bem, por que me treinei devidamente. Os carros são muito mais difíceis de pilotar que os do ano passado.”

 

Houve alguma área do teu corpo em que tenhas sentido os efeitos do incremento das forças G?

“Não. Penso que todo o corpo, na primeira semana de testes, se adaptou. O pescoço é mais doloroso, assim como as costas, estamos a habituar-nos à posição das nossas pernas. Na segunda semana tudo parece muito mais normal. Não houve grandes problemas durante os testes, mas como disse, exigimos bastante dos treinos físicos e voltará a ser assim antes da Austrália, antes da China e na fase inicial da temporada. Vamos criar músculo e garantir que tudo corre bem.”

 

O pneus são este ano são vinte e cinco porcento mais largos, notaste alguma alteração nas características dos vários tipos de pneus ou estão em linha com os do ano passado?

“Penso que a Pirelli realizou um bom trabalho em tornar os pneus mais perdulários e menos sensíveis ao sobreaquecimento. Vamos esperar que isso nos permita seguir outro carro de perto, escorregar um pouco sem sobreaquecer e perder aderência. Vamos ver se em pista tudo corre como pensamos. Se for assim, podemos levar o carro até ao limite e divertirmo-nos mais.”

 

Com os tempos por volta a baixarem cerca de cinco segundos, onde é ganho este tempo? Na entrada das curvas? Na saída das curvas? Em ambas as situações?

“Em ambas, e também a meio das curvas. As curvas de alta-velocidade são muito mais rápidas e para as curvas de baixa-velocidade travamos mais tarde e entramos com mais velocidade. Basicamente, em todo lado, excepto nas rectas, onde perdemos tempo.”

 

O Ferrari 062 pareceu ser rápido e fiável nos testes. De que forma o comparas relativamente ao motor do ano passado?

“Pareceu-me muito bom. A Ferrari deu um bom passo em frente. A entrega de potência é muito boa. Ainda não tivemos o máximo de potência de qualificação, que só temos nas corridas, mas tenho a sensação de que este motor nos irá empurrar muito bem nas rectas.”

 

Velocidade é obviamente o nome do jogo nas corridas. Mas com os carros construídos de acordo com o novo regulamento, a fiabilidade também é importante, sobretudo, no início da temporada?

“A fiabilidade no início da temporada é sempre complicada. Todos os carros estão sob maior stress, mais forças G, etc. Todos os designers trabalharam arduamente para entender quais são as exigências e é por isso que vamos testar no Inverno. Tentamos perceber quais são as áreas onde podemos melhorar. É evidente que no início da temporada, existe sempre a possibilidade da fiabilidade não ser perfeita, mas podemos ganhar vantagem com isso.”

 

A Haas F1 Team estreou-se no Grande Prémio da Austrália do ano passado e foi inesquecível, com o teu sexto lugar, a melhor estreia para um nova equipa desde que Mika Salo, com a Toyota, também terminou no sexto posto o Grande Prémio da Austrália. Podes descrever o momento e o que significou para ti e para a equipa?

“Significou muito. Foi um resultado de que não estávamos decididamente à espera depois de uma qualificação complicada. Tivemos uma corrida brilhante. Quando recebemos a bandeirada de xadrez, para nós, foi como se tivéssemos ganho a corrida. Fomos afortunados, mas foi perfeito.”

 

Esse resultado validou a tua passagem da Renault para a Haas F1 Team?

“Não precisava disso para validar a minha decisão. No dia em que assinei sabia que tinha feito a melhor escolha para a minha carreira. É claro que, bons resultados são sempre bem-vindos, mas eu já estava convencido de que tinha tomado uma boa decisão.”

 

É importante começar o ano com resultados dentro dos pontos, uma vez que te pode dar alguma segurança para o resto da temporada, quando as equipas maiores desenvolvem os seus respectivos carros?

“Penso que este ano será o oposto. Este ano, se pudesse escolher, penso que iniciávamos a temporada mais devagar e terminávamos em força. Os carros de 2018 serão muito semelhantes aos de 2017 e, por isso, se terminarmos em alta, significa que entendemos bem o regulamento e tudo está a correr bem. O carro seguinte estará nessa senda. Queremos manter o ritmo de desenvolvimento e dar o máximo ao longo do ano, melhorar o carro corrida a corrida.

 

O que gostaria de conquistar na Austrália?

“Não coloco objectivos. Vamos ver como corre. Vamos dar o nosso melhor e, se tudo correr bem, recordaremos a corrida deste ano da mesma forma que nos lembramos da de 2016.

 

Qual é a tua zona preferida do Circuito de Albert Park?

“Adoro a recta traseira com a sua curva de alta-velocidade – as curvas 10 e 11.”

 

Descreve uma volta ao Circuito de Albert Park.

“Vamos pela recta da meta a caminho da Curva 1, temos sempre o Sol nos olhos. É uma curva agradável, direita, em quarta velocidade, tomamos um pouco de corrector interior, assim como na saída. A Curva 3 é um pouco complicada. Temos que ser cuidadosos na saída e colocarmo-nos bem para a esquerda seguinte, a Curva 4. A Curva 5, se tivemos um bom carro, é feita a fundo. A Curva 7 é uma direita realizada em terceira velocidade. É uma boa curva, também, com um corrector complicado na saída. A Curva 9 exige uma grande travagem. Temos que estar totalmente aplicados, dado que temos a recta da traseira e estamos muito próximos do muro, na saída.

Depois temos as minhas curvas preferidas – 11, 12 e 13. São de alta-velocidade, provavelmente em sexta. É uma boa sensação. Vamos para a Curva 14, temos uma grande travagem, dado que vamos muito depressa, naquela zona. A Curva 15 só exige levantar o pé um pouco, é uma curva à direita, é fantástica. Depois temos que estar bem posicionados para a última travagem para a esquerda, que é muito apertada. Na última curva queremos realizá-la a fundo, mas é um pouco complicada, com um ressalto a meio.

Gosto do Albert Park. Altera-se bastante ao longo do fim-de-semana. Não é um circuito permanente, portanto, a aderência muda bastante. A partida é bastante tarde, mas é um dos meus Grandes Prémios preferidos. Não é uma pista fácil. É muito exigente no que diz respeito ao consumo de combustível. Para primeira corrida da temporada, será interessante.”

 

 

 

 

 

 

A Haas F1 Team testou no Circuit de Barcelona – Catalunya ao longo de oito dias durante um período de doze jornadas. Como foi que correu e de que forma te preparou para a Austrália?

“Penso que correu bem. Nos meus dias completei muitas voltas, muito quilómetros, e fizemos bons testes. Foi bom para aprender o carro, sobretudo, este ano, com os carros muito diferentes dos do ano passado. Foi muito útil. Agora quero voltar ao carro na Austrália e voltar à competição.”

 

Como descreverias o VF-17?

“Penso que é rápido. A primeira impressão quando o pilotamos é a quantidade de aderência que temos. O que se passa este ano é que todos ganharam muito aderência e estou seguro de que todos tiveram essa sensação quando pilotaram os seus respectivos carros. Esperamos ser competitivos. Esperamos que seja um carro que possamos trabalhar e melhorar ao longo do ano. As primeiras sensações são muito positivas.”

 

Muito foi dito acerca da exigência física destes novos carros. Depois dos testes de Barcelona, como foi que te sentiste fisicamente?

“Depois do primeiro dia foi um pouco duro. Podia sentir o meu pescoço. Depois do segundo dia, e durante o resto do teste, correu bem. É uma boa sensação perceber que o trabalho que realizámos deu resultado e que estou fisicamente preparado para as corridas. Vou continuar a trabalhar e estou ainda mais motivado para treinar, agora que sinto que faz diferença.  Isso é muito bom.”

 

Houve alguma área do teu corpo em que tenhas sentido os efeitos do incremento das forças G?

“O pescoço foi onde senti mais. Pude até sentir nas minhas pernas, quando tentava manter os meus joelhos afastados e quando as tentava manter direitas. Isto foi algo que nunca tinha sentido ao longo das curvas. Os meus glúteos estavam a ser trabalhados no carro, o que é completamente novo. É uma sensação boa. É isto que queremos. Queremos andar o mais rápido possível e levar o carro aos limites. Estes carros permitem isso.”

 

O pneus são este ano são vinte e cinco porcento mais largos, notaste alguma alteração nas características dos vários tipos de pneus ou estão em linha com as do ano passado?

“É ainda muito cedo. É difícil perceber, mesmo depois dos testes de Barcelona, dado que as temperaturas não são representativas de grande parte das corridas que faremos. Algumas serão mais frescas, mas penso que na Austrália poderemos estar numa situação muito semelhante à que vivemos em Barcelona. Nesse caso, os pneus vão comportar-se bem. Têm durabilidade e podemos levá-los ao limite. Podemos andar no limite ao longo de todo turno. Vamos ver como se comportam quando chegarmos às corridas mais quentes.”

 

Com os tempos por volta a baixarem cerca de cinco segundos, onde é ganho este tempo? Na entrada das curvas? Na saída das curvas? Em ambas as situações?

“Em ambas. É desde o momento em que travamos até ao momento em que aceleramos. É aí que estamos a ganhar tempo. Podemos dizer que estamos a ganhar mais de cinco segundos nas curvas, dado que depois, perdemos tempo nas rectas, relativamente ao ano passado. Temos que ganhar mais que esses cinco segundos nas curvas. É impressionante.”

 

Tu tens a honra de ser a única pessoa que experimentou motores de cada um dos actuais fornecedores – Mercedes e Honda com a Mclaren, Renault com a Renault Sport F1 e Ferrari com a Haas F1 Team. De que forma o Ferrari 062 se compara com os outros motores?

“Para ser honesto, nenhum dos motores parece ser muito diferente. São bastante similares. Soam um pouco diferente e são operados de forma ligeiramente diferente, mas é muito fácil trabalhar com o Ferrari. É fácil compreende-lo e a entrega de potência é muito boa. A potência, este ano, parece ser muito boa, portanto, estou muito satisfeito.”

 

Velocidade é obviamente o nome do jogo nas corridas. Mas com os carros construídos de acordo com o novo regulamento, a fiabilidade também é importante, sobretudo, no início da temporada?

“É importante em todas as corridas. A fiabilidade é primordial. Temos que terminar a corrida e então podemos ter uma boa performance. Estivemos fiáveis nos testes. Não tivemos grandes problemas com a unidade de potência durante os testes, e a Ferrari também não. Penso que isso é um bom sinal e a potência disponível parece ser boa. Não temos queixas.”

 

A Haas F1 Team protagonizou uma estreia notável no Grande Prémio do ano passado. Em 2014, tu também tiveste uma estreia na Fórmula 1 notável no Grande Prémio da Austrália, arrancando de quarto e terminando em segundo, atrás do Nico Rosberg. Como foi que conseguiste alcançar um resultado tão bom na tua primeira corrida de Fórmula 1?

“Penso que cheguei até lá com um sorriso. Não pensei muito sobre a corrida. Não tinha nada a perder. Dei o máximo. Pilotei o melhor que sabia, tive um pouco de sorte, também, e acabei no pódio. Foi uma grande experiência e uma memória para a vida. É sempre fantástico poder dizer que terminei em segundo a minha primeira corrida de Fórmula 1, muito embora fosse simpático ter vencido. Fica para outra oportunidade.”

 

É importante começar o ano com resultados dentro dos pontos?

“É sempre importante ter um bom início de ano, para termos uma boa entrada. Dá-nos um boost ter um bom início. O final é também muito importante, mas é sempre simpático iniciar o ano com uma boa corrida. Vamos dar o nosso melhor e ver o que podemos conseguir.”

 

O que gostarias de conquistar na Austrália?

“O meu objectiva para a temporada, e é o mesmo para a equipa, é tentar melhorar os resultados do ano passado, que foram muito bons. Terminar o ano no oitavo lugar do Campeonato de Construtores, com vinte e nove pontos, foi um grande resultado para o primeiro ano de uma equipa de Fórmula 1. Para melhorar este resultado, mesmo um pouco, será um bom objectivo.”

 

Qual é a tua zona preferida do Circuito de Albert Park?

“Penso que as curvas um e dois são porreiras. Também gosto das zonas mais rápidas, com as curvas oito e nove, e da grande chicane.”

 

Descreve uma volta ao Circuito de Albert Park.

“É uma pista com alguns ressaltos, especialmente na Curva 1, o que torna difícil travar tarde. Se não bloquearmos ali uma roda, demos o primeiro passo para uma boa volta. Depois temos a zona lenta, ao longo das curvas três, quatro e cinco. Travar aqui é sempre complicado. Temos muitas sombras das árvores, que estão à volta do parque. Encontrar o ponto de travagem é sempre complicado. Começamos a rodar mais depressa na parte de trás da pista. Temos a grande chicane, finalmente, e terminamos a volta com uma secção difícil, que inclui curvas lentas complicadas – catorze, quinze e dezasseis.

 

 

 

 

 

 

Albert Park Circuit

  • Número de voltas: 58 
  • Distância de corrida: 307,574 quilómetros
  • Velocidade na via das boxes: 60 Km/h
  • O Circuito de Albert Park, de 5,303 quilómetros e dezasseis curvas, alberga a Fórmula 1 desde 1996, tendo sido o Grande Prémio do ano passado a vigésima primeira edição. No entanto, este é o trigésimo terceiro Grande Prémio da Austrália, tendo a corrida inaugural sido realizada no circuito citadino de Adelaide, em 1985, que foi vencida por Keke Rosberg, pai do Campeão em título, Nico Rosberg.
  • Michael Schumacher detém o recorde da volta de corrida no Circuito de Albert Park (1m24,125s), alcançado em 2004 ao serviço da Scuderia Ferrari.
  • Sebastian Vettel detém o recorde da volta de qualificação o Circuito de Albert Park (1m23,529s), alcançado em 2011 ao servido da Red Bull.
  • O Circuito de Albert Park é formado por rua públicas em redor do Lago de Albert Park, uma massa de água criada artificialmente a sul do centro de negócios de Melbourne. As ruas foram reconstruídas antes da estreia da Fórmula 1 na pista, em 1996, mas como o asfalto só é usado em competição uma vez por ano, a aderência é difícil de encontrar, sobretudo no início das sessões de treinos-livres. É um circuito citadino que, segundo alguns, se comporta mais como um circuito permanente.
  • Sabia que Albert Park albergou corridas nos anos cinquenta numa configuração de 5,03 quilómetros do actual circuito? Durante este período, no entanto, o sentido de corrida era oposto ao dos ponteiros do relógio, ao passo que actualmente os carros rodam no sentido dos ponteiros dos relógios.
  • Durante o Grande Prémio da Austrália, a temperatura mínima será de cerca de 13ºC e a máxima de cerca de 23ºC. A humidade relativa estará entre os 40% a 91%. A velocidade do vento variará entre os 3 Km/h e os 27 Km/h, raramente excedendo os 43 Km/h. 

 

  • 12 de Janeiro: O VF-17 passa os crash-tests exigidos pela FIA e o transporte marítimo rumo à Austrália deixa o porto.
  • 20 a 23 de Janeiro: Magnussen realiza trabalho de simulador.
  • 9 a 10 de Fevereiro: Grosjean realiza trabalho de simulador.
  • 8 de Fevereiro: Grosjean faz a bacquet.
  • 9 de Fevereiro: Magnussen faz a bacquet.
  • 20 de Fevereiro: Magnussen realiza trabalho de simulador.
  • 21 de Fevereiro: Às 16h45 CET, o motor do carro – o Ferrari 062 – é colocado em funcionamento pela primeira vez com sucesso.
  • 22 de Fevereiro: Haas F1 Team chega ao Circuit de Barcelona – Catalunya para os testes de pré-temporada.
  • 25 de Fevereiro: O VF-17 roda pela primeira em Barcelona com Grosjean aos comandos. A volta de instalação ao circuito de 4,655 quilómetros e dezasseis curvas foi realizada durante um dia de filmagens da equipa.
  • 26 de Fevereiro: O VF-17 é apresentado publicamente através de um lançamento digital nas redes sociais e no website da equipa.
  • 27 de Fevereiro: Primeiro dia dos testes de pré-temporada em Barcelona. Magnussen completa cinquenta e uma voltas, realizando na melhor o tempo de 1m22,894s.
  • 1 de Março: Grosjean assume os comandos do VF-17 pela primeira vez nos testes de Barcelona. Completa cinquenta e seis voltas, alcançando na melhor a marca de 1m22,118s.
  • 6 de Março: O transporte marítimo chega ao Circuito Albert Park.
  • 10 de Março: Os testes de pré-temporada em Barcelona terminam. A Haas F1 Team registou setecentas e quinze voltas (3328,325 quilómetros) durante oito dias ao longo de doze (de 27 de Fevereiro a 2 de Março e de 7 a 10 de Março). Isto foi mais duzentas e quarenta e um voltas (1121,855 quilómetros) que o registado pela Haas F1 Team em 2016.
  • 16 de Março: O transporte aéreo é enviado para a Austrália.
  • 18 de Março: Os carros e o equipamento chegam ao Circuito de Albert Park. 

 

  • A Pirelli leva para Austrália três compostos de pneus: 

 

  • P Zero Amarelo/Macio – Menos aderência, menos degaste (usados para séries longas de voltas)
    • Este é um dos pneus mais usados da gama da Pirelli, uma vez que tem um bom equilíbrio entre a performance e a durabilidade, com um acento tónico na performance. É construído com a velocidade em mente, por oposição a longas distâncias, mas mantem-se capaz de fornecer às equipas uma vantagem competitiva no início das corridas, quando os carros carregam o tanque cheio de combustível, e no final das provas quando o depósito tem menos gasolina e a corrida se torna num sprint. É um composto de grande amplitude de funcionamento.
  • P Zero Vermelho/Super-Macio – Mais aderência, desgaste médio (usado para séries curtos de voltas e para o primeiro segmento inicial da qualificação)
    • Este é o segundo pneu mais macio da gama da Pirelli e é ideal para circuitos apertados e sinuosos, especialmente com temperaturas baixas, quando a aderência máxima é necessária. Os super-macios aquecem rapidamente, o que os tornaram na escolha preferida para a qualificação. Mas com o aumento da aderência, incrementa-se a degradação. É um composto de baixa amplitude de funcionamento.
  • P Zero Roxo/Ultra-Macio – proporcionam o mais alto nível de aderência e o mais alto nível de desgaste (usados na qualificação e sem situações de corrida selecionadas)
    •  Este é o mais novo pneu da gama da Pirelli, tendo sido estreado no Grande Prémio do Mónaco do ano passado e sido utilizado pela última vez no Grande Prémio de Abu Dhabi, em Novembro último. É o pneu mais macio da gama da Pirelli, com um rápido aquecimento e uma performance massiva. O seu uso é privilegiado em circuitos apertados e sinuosos que colocam o foco na aderência mecânica. No entanto, por ser tão macio, tem uma vida limitada. É um composto de amplitude de funcionamento reduzida.

 

  • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada uma dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. (Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
  • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Para os cinco primeiros Grandes Prémios da temporada de 2017 a Pirelli disponibilizou – 2 jogos dos pneus mais duros, quatro do composto médio e sete do mais macio. A partir do Grande Prémio do Mónaco as equipas poderão escolher as especificações de dez dos treze jogos de pneus de cada um dos seus pilotos entre os três compostos selecionados pela Pirelli.

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

  1. Ser spotter num Spotter Guide. Porque o gozo está nos pequenos detalhes...

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

  1. O novo responsável comercial da F1, Sean Bratches, não tem dúvidas que o mundo digital vai mudar o panorama de como vamos lidar com aquilo que é a actual TV. A F1 está atrasada nesse capítulo, mas tem meios para recuperar, mesmo se os canais de televisão linear, sobretudo os premium, tentem fazer contra-corrente, face aos valores pagos pelos direitos já negociados. No entanto, como diz Bratches, há espaço de manobra, não só entre cada prova, como durante as mesmas.

 

ISTO É ARTE....

ISTO É ARTE.....ARTE1 CopyARTE2 Copy

 

A SINGELA HOMENAGEM A AYRTON SENNA

A SINGELA HOMENAGEM A AYRTON SENNA

 

 

Ayrton Senna faria 57 anos se ainda estivesse entre nós. Aqui está um carro especial para ele.

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

  1. Grande novidade em Melbourne - um novo construtor de motores na F1.

 

A TECNOLOGIA NOS ACTUAIS F 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

A TECNOLOGIA NOS ACTUAIS F 1

 

Conjunto de imagens que mostram as novas tecnologias utilizadas nos actuais F 1, que farãoAU21 CopyAU22 CopyAU23 CopyAU24 CopyAU25 CopyAU26 CopyAU27 CopyAU28 CopyAU29 CopyAU30 CopyAU31 CopyAU33 CopyAU34 CopyAU35 CopyAU36 CopyAU37 Copy a sua estreia a padtir de hoje.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

NOS BASTIDORES

 

As novas cores dos capacetes dos pilotos da Force India....AU50 CopyAU51 Copy

 

HUMOR NA FÓRMULA 1

HUMOR NA FÓRMULA 1

 

  1. Sebastien Vettel já escolheu o nome para o Ferrari 2017. E remete os mais velhos para outras "aventuras"...

 

MAIS BASTIDORES DA FÓRMULA 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE F1 - 2017

 

MAIS NOVIDADES DOS BASTIDORES

 

 

 

  1. F1 has launched a new travel deal for fans which promises unique behind-the-scenes access:
  2. Formula 1 today announces the launch of F1 Experiences, the organisation’s Official Ticket and Travel Package Programme.
  3. ...
  4. F1 Experiences will provide fans with benefits and access not available anywhere else. For the first time, fans will have the opportunity to access unique Formula 1 race weekend experiences, from touring the track and walking the pit lane to meeting legends of the sport and the race stars of tomorrow competing in racing series such as F2, GP3 and Porsche Super Cup.
  5. Race tickets, VIP Hospitality and premium hotels will also be offered as part of these exclusive packages.
  6. F1 Experiences will offer a range of price points, ensuring that fans at every level are given the chance to experience a full weekend of thrilling insights into this high-octane sport.
  7. Typical Formula 1 packages will include:
  8. • Carefully selected Grandstand seats, hospitality or VIP access to the world famous Formula One Paddock Club
    • Privileged access to the circuits including expert guided bus tours on the tracks themselves
    • Formula 1 Paddock tours
    • Exclusive welcome parties with racing legends past and present
    • Dedicated tours of the Support Race Paddock
    • Expert hosts giving unique insights into the Formula 1 race weekend
    • Best available hotels
    • Daily dedicated transfers direct into the circuits
    • Exclusive merchandise and premiums
  9. Managing Director, Commercial Operations, Sean Bratches said:
  10. “The launch of F1 Experiences offers Formula 1 fans a fantastic opportunity to get closer to the action both on and off the track.
  11. “We want people to experience the thrill of this exhilarating sport and that is what the F1 Experience programme will deliver.”
  12. Formula 1 has partnered with QuintEvents, a leader in sport events travel, to deliver these unique experiences.
  13. President of QuintEvents, Brian Ruede said:
  14. “Through this partnership, we will deliver the new gold standard in fan engagement for a truly global audience.”
  15. “We have an intimate understanding of what corporate and individual fans want to see and do when they go to a Formula 1 race.
  16. “QuintEvents’ role is to bundle the unique experiences of each circuit, along with travel requirements, into multiple package tiers and make it easy for customers to access them.”
  17. F1 Experiences guarantees a secure purchasing platform that gives fans exclusive, hassle-free access to buy packages with fixed pricing.
  18. Packages, which start at approximately $800, will be available for purchase from March 23rd from the official Formula 1 website:

 

MAIS NOTICIAS DOS BASTIDORES

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

MAIS NOTICIAS DOS BASTIDORES

 

  1.  O piloto SEAN GELAEL faz banco em Faenza. Será test-driver da Toro Rosso F1 no Bahrain, Hungria e Abu-Dhabi.

 

OS ULTIMOS PREPARATIVOS PARA O GP AUSTRÁLIA

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

OS ULTIMOS PREPARATIVOS PARA O GP DA AUSTRÁLIAAT8 CopyAT9 CopyAT10 CopyAT11 CopyAT12 CopyAT13 CopyAT14 CopyAT15 CopyAT16 CopyAT17 CopyAT18 Copy

 

Como se prepara um GP numa pista que só se usa uma vez por ano. Pilotos tiveram de fazer hoje, quarta-feira, o track-walk porque amanhã já há treinos neste evento que é o único, para além do Mónaco, onde o programa tem quatro dias de acção em pista. Pela tarde australiana já rodou um Minardi V10 bilugar e o som chegava ao centro de Melbourne.

 

HUMOR NA FÓRMULA 1

HUMOR NA FÓRMULA 1

 

AO QUE CHEGAMOS COM A INDUMENTÁRIA DOS PILOTOS DA FORCE INDIA.....

 

 

AT12 Copy

 

ALGUMAS CARAS DO MUNDIAL DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

ALGUMAS CARAS DOS PILOTOS PARTICIPANTES.....17264193 10208851113538117_6522573660627241463_n_Copy17308957 10208851109858025_3629973289509723336_n_Copy17308989 10208851113658120_2593541631531713278_n_Copy17309145 10208851114738147_4319659193432962417_n_Copy17353282 10208851110018029_1781051095445175949_n_Copy17353282 10208851110018029_1781051095445175949_n_Copy17353602 10208851109938027_7571752040889582146_n_Copy17361802 10208851109978028_5750476337507999776_n_Copy17362348 10208851112058080_1166799106924146480_n_Copy17362370 10208851110698046_8688046634698240970_n_Copy17362418 10208851110658045_7774386110283803110_n_Copy17362697 10208851113578118_3991554738655637278_n_Copy17362781 10208851110618044_8113536108601163523_n_Copy

 

AS NOVAS INDUMENTÁRIAS DOS PILOTOS DA FORCE INDIA

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

AS NOVAS INDUMENTÁRIAS DOS PILOTOS DA FORCE INDIA

 

 

 Escaparam AT9 CopyAT10 Copyao rosa total. É um misto de Pantera Cor de Rosa e Inspector Clouseau...

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

AUSTRALIAN GRAND PRIX PREVIEW Round 1 of 20 Melbourne, 24-26 March 2017

  A new season is born with brand new rules that are among the most revolutionary in recent history. Added to tyres that are 25% wider and cars around five seconds per lap faster (compared to 2015) is a new tyre philosophy for 2017: less degradation and fewer peaks of temperature, allowing Formula 1 drivers to push hard during every stint.
 
THE THREE NOMINATED COMPOUNDS
  
 
THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW
 
 
 A semi-permanent track: always ‘green’ and dirty at the start of the weekend.  Hard acceleration and braking: longitudinal forces are greater than lateral ones.  Lots of slow corners: emphasis on mechanical grip and high downforce.  Left-rear tyre is worked hardest.  Anything can happen with the weather: from bright sunshine to torrential rain.  Reasonably smooth asphalt, so tyre wear and degradation is comparatively low.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “The teams completed 7427 laps of Barcelona during pre-season testing, using all the compounds but concentrating on the medium and soft tyres, which were the ones best suited to Montmeló. In Melbourne, it's going to be interesting to collect more data on the ultrasoft and supersoft compounds, which we’ve not been able to fully assess up to now.”
 
WHAT’S NEW?     Pirelli takes the ultrasoft compound to Australia for the first time.  There are new rules governing race starts (where the drivers will have more clutch control) and re-starts after safety cars in wet conditions (from the grid).  From Australia to Spain, teams will have identical tyre allocations: seven sets of the softest compound available, four sets of the middle compound, and two of the hardest compound. In Australia, these are ultrasoft, supersoft and soft (in order).
 
 
 
 
From Monaco, normal rules apply: teams will select 10 sets of the 13 available. Pirelli will communicate the selections on the Tuesday, 10 days before the race.
 
MELBOURNE MINIMUM STARTING PRESSURES (SLICKS)
 
 
22  psi (fronts) – 19.5  psi (rears)
 
 
THE TYRES NOMINATED THIS SEASON 
 
 
 
 
 
  

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

AUSTRALIAN GRAND PRIX PREVIEW
Round 1 of 20
Melbourne, 24-26 March 2017

alt

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

OS PREPARATIVOS

 

Eis algumas imagens da retaguarda das boxes na Austrália, para o Grande Prémio que terá lugar já este fim de semana.AR8 Copy_CopyAR9 Copy_CopyAR10 Copy_CopyAR11 Copy_CopyAR12 Copy_CopyAR14 Copy_CopyAR15 Copy_Copy

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DOM MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

NOS BASTIDORES

 

A EQUIPAR4 CopyAR5 CopyAR6 CopyA DA SAUBER DE FÓRMULA 1 FOI ACARINHADA À SAIDA DE ZURIQUE

 

 

  A companhia de aviação da Singapore Airlines surpreendeu a equipa de Fórmula 1 da  Sauber na porta de embarque em Zurique, no início da viagem para Melbourne.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUN DO DE FORMULA 1 - 2017

 

AR1 CopyAR3 Copy

 

GP da Austrália 2017 é já no próximo fim de semana

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

A LOGISTICA NO SEIO  DA HAAS

 

Assim os nosso leitores ficam com uma ideia do que cada equipa transporta de materialav1 Copyav2 Copyav3 Copyav4 Copy para cada Grande Prémio, no caso do exemplo de hoje, da Haas, veja-se a quantidade de  ULD necessários para transportar por via aérea todo o material necessário.

 

Neste caso é o transporte de todo o material em direcção à Austrália para o primeiro Grande Prémio da temporada .

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

O AMBIENTE NO SEIO DA MCLAREN PODE NÃO SER O MELHOR.....

 

 

 

  1. Está muito diferente este McLaren. Num período de crise, de constante especulação com a troca de motor Honda por Mercedes, uma publicação destas não faria muita falta, pois não?! Volta Ron... estás perdoado!

 

KIMI RAIKONEN FALA DO NOVO FERRARI

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

KIMI RAIKONEN FALA DO NOVO FERRARI

 

 

  1. KIMI RAIKONEN FALA DO NOVO FERRARI MAS CAUTELOSO

 

Kimi Raikkonen rompe il silenzio stampa per dire la sua al termine dei test 2017. Il finlandese non si espone. Predica cautela ma, al tempo stesso, ammette chela Ferrari SF70H ha superato tutti gli esami a cui è stata sottoposta:“Il feeling con la nuova Ferrari c’è, ed è la cosa più importante. Siamo stati quasi sempre affidabili in questi test e anche questo è un segno del grande lavoro fatto dalla squadra durante l’inverno. Partiamo da una ba...se più forte rispetto all’anno scorso: ma quanto la macchina sia veloce rispetto alle altre, è veramente troppo presto per dirlo”, ha dichiarato su ferrari.com. Secondo Iceman, non basterà neppure la prima gara dell’anno per avere un quadro chiaro dei valori in campo:“Forse nemmeno Melbourne darà un quadro preciso al 100 per cento della situazione, perché la prima gara è sempre un po’ particolare. Forse bisognerà aspettare la Cina. In ogni caso ringrazio i ragazzi della squadra, perché sono sempre riusciti a intervenire per risolvere i piccoli problemi che proprio i test servono a risolvere”.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

 

  1. Aquilo que as equipas de Fórmula 1. mais gostam de esconder, eis o que está por debaixo da carroçaria de um Ferrari SF70-h.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

  1. As horas oficiais dos GP de F1 2017.

 

HAAS EM TESTES EM BARCELONA

 

Data:  Sexta-Feira, 10 de Março

Local:  Circuit de Barcelona – Catalunya  

Layout:  4,655 quilómetros, circuito de 16 curvas

Piloto:  Romain Grosjean

Voltas Completadas:  76

Distância Completada:  353,78 quilómetros

Melhor Volta:  1m21,110s

Volta Mais Rápida:  1m18,634s, Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari

Mais Voltas Completadas:  132, Carlos Sainz da Toro Rosso e Lance Stroll da Williams 

 

 

 

O piloto da Haas F1 Team, Romain Grosjean, esteve aos comandos do VF-17 no derradeiro dia de testes de pré-temporada, que se realizou esta sexta-feira no Circuit Barcelona – Catalunya. O francês de trinta anos registou setenta e seis voltas ao circuito de 4,655 quilómetros e 16 curvas, terminando as duas semanas de testes com 346 voltas, ou 1610,63 quilómetros, cobertos. O seu colega de equipa, Kevin Magnussen, assegurou 369 voltas, ou 1717,695 quilómetros, durante os testes da pré-temporada de 2017.

 

No total, a quilometragem alcançada este ano pela Haas F1 Team foi uma clara evolução relativamente a 2016, a sua primeira temporada de Fórmula 1. O ano passado a Haas F1 Team registou 474 voltas, ou 2206,47 quilómetros, ao longo do defeso. Em 2017, a Haas F1 Team bateu o seu anterior registo por 241 voltas, 1121,855 quilómetros, enquanto trabalhava com um novo carro construído de acordo com um regulamento completamente distinto do de 2016.

 

O VF-17 exibe um pacote aerodinâmico avançado concebido para criar níveis de apoio aerodinâmico mais elevados. Uma asa dianteira mais larga, maiores derivas laterais, uma asa traseira mais baixa e mais larga e um difusor estendido 50mm em altura e comprimento fazem parte das alterações, para além de pneus da Pirelli mais largos, 60mm à frente e 80mm a trás, o que significa um aumento de 25%, ficando os pneus dianteiros com uma largura de 305mm e os traseiros de 405mm.

 

O novo regulamento permitiu que os tempos por volta descessem quase cinco segundos, relativamente à visita que as equipas realizaram a Barcelona, para o Grande Prémio de Espanha, em Maio.

 

O melhor tempo de Grosjean no último dia de testes foi de 1m21,110s, tendo sido igualmente a sua melhor volta do Inverno. Grosjean realizou o seu melhor crono na sexagésima primeira volta quando rodava com pneus novos Pirelli P Zero Roxo/Ultra-Macio. Esta marca colocou Grosjean no décimo lugar da tabela de tempos entre os treze pilotos que participaram nas sessões de testes desta sexta-feira.

 

Alcançar este registo significou ultrapassar adversidades. Um pião a meio da manhã plantou o VF-17 na caixa de brita, o que resultou numa situação de bandeiras vermelhas. Sem danos no carro, Grosjean pôde continuar, mas ao fim de dezanove voltas uma dificuldade com um sensor imobilizou-o entre as curvas 9 e 10. A equipa recuperou também deste azar, com Grosjean a totalizar 44 voltas até à pausa para almoço. A sua melhor marca matinal foi de 1m21,429s, alcançada na sua trigésima quinta volta, quando rodava com pneus macios.

 

A parte da tarde ofereceu mais desafios, apesar de duas boas séries de cinco voltas com pneumáticos super-macios. A mudança para borrachas ultra-macias, depois das 16h00, permitiu a Grosjean efectuar a sua melhor volta. Os restantes setenta e cinco minutos da sessão espelharam o programa realizado por Magnussen na quinta-feira – uma simulação de corrida. Grosjean tinha completado catorze voltas com um jogo de pneus macios usados quando outra bandeira vermelha interrompeu o procedimento. Depois de Grosjean ter regressado com o VF-17 às boxes foi descoberta uma fuga de óleo, não saindo para a pista nos setenta e cinco minutos finais dos testes de pré-temporada.

 

Kimi Raikkonen, da Scuderia Ferrari, realizou a volta mais rápida do dia (1m18,634s), ao passo que Carlos Sainz, da Toro Rosso, e Lance Stroll, da Williams, foram quem completou mais voltas (132).

 

 

Bem, nunca estamos totalmente preparados, depois dos testes e antes de irmos para a Austrália. Temos apenas oito dias, dos quais eu tive apenas quatro no carro e um deles foi com a pista molhada. Sim, as grandes equipas estão prontas, mas para nós existem ainda alguns aspectos desconhecidos quando chegarmos a Melbourne. É esse o charme da Fórmula 1. Dito isto, penso que temos algumas boas ideias de como melhorar o carro e esperamos que as actualizações que temos para a Austrália funcionem. Penso que eu e o Kevin (Magnussen) identificámos onde poderemos ganhar alguma performance.”

 

 

 

Definitivamente, este não foi o nosso melhor dia. Tivemos algumas dificuldades com o comportamento do carro. Não conseguimos encontrar o melhor equilíbrio. Durante a tarde tivemos alguns problemas e parámos devido a uma fuga de água. Não a conseguimos resolver em tempo útil. Não terminámos a nossa simulação de corrida, infelizmente. Ao fim ao cabo, os testes correram muito bem até hoje. Agora vamos analisar o que aconteceu esta sexta-feira, analisar os dados e ver o que podemos fazer para estarmos preparados para Melbourne.”

 

 

 

A primeira etapa do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017 é o Grande Prémio da Austrália, que se realiza em Melbourne. Os treinos-livres iniciam-se no dia 24 de Março, a qualificação realiza-se a 25 e a corrida a 26.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

HUMOR NA FÓRMULA 1

 

HUMOR NA FÓRMULA 1

 

ISSO POR CAUSA DAS NOVAS CORES DO FORCE INDIA

 

DEIXOU A PANTERA COR DE ROSA SURPRENDIDA......

 

 

 

17309065 10208807220920829_2445351281150638216_n_Copy

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

 

  1. A F1 2017 é a cores!

 

FORCE INDIA TROCA DE LOOKING

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

FORCE INDIA MUDA DE LOOKING

 

 

 

 

  1. A equipa da Force India que vai participar no Campeonato do Mundo de Fórmula 1 este ano teve de mudar o aspecto do seu monlugar, trocando o cinza pelo rosa. Novo patrocínio com o BWT assim obriga.

 

 

HAAS EM TESTES EM BARCELONA

 

Data:  Quinta-Feira, 9 de Março

Local:  Circuit de Barcelona – Catalunya  

Layout:  4,655 quilómetros, circuito de 16 voltas

Piloto:  Kevin Magnussen

Voltas Completadas:  119

Distância Completada:  553,945 quilómetros

Melhor Volta:  1m20,504s (5º)

Volta Mais Rápida:  1m19,024s, Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari

Mais Voltas Completadas:  156 voltas, Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari

 

 

 

O piloto da Haas F1 Team, Kevin Magnussen, atingiu o impressionante número de cento e dezanove voltas esta quinta-feira, o seu último dia de testes aos comandos do Haas VF-17 no Circuit de Barcelona – Catalunya. Foi o número mais elevado de voltas alguma vez completado pela Haas F1 Team até agora, com Magnussen a melhorar a sua marca de cento e dezoito voltas, obtida no dia 28 de Fevereiro, na primeira semana de testes, no circuito de 4,655 quilómetros e dezasseis curvas, que foi igualada no dia 2 de Março por Romain Grosjean.

 

Grosjean assume os comandos do Haas VF-17 no derradeiro dia de testes deste defeso, amanhã, mas no penúltimo dia, Magnussen elevou o número de voltas completadas pela equipa nesta pré-temporada para trezentas e sessenta e nove voltas ou 1717, 695 quilómetros.

 

A melhor volta de Magnussen é o seu melhor registo das duas semanas de testes – 1m20,504s, obtida na sua sexagésima segunda passagem pela meta, quando usava pneus Pirelli P Zero Roxo/Ultra-Macio. Este tempo colocou Magnussen no quinto lugar entre os treze pilotos que participaram nas sessões de testes desta quinta-feira.

 

O plano matinal da Haas F1 Team consistiu numa série inicial de voltas de reconhecimento, seguidas de trabalho de afinação. Magnussen rodou com pneus médios na sua volta de instalação e nas suas primeiras três séries, totalizando vinte e duas voltas. Uma mudança para borrachas macias ofereceu-lhe um aumento de aderência, o que incrementou quando Magnussen montou super-macios para os trinta minutos que antecederam a hora de almoço. O seu melhor registo da manhã foi alcançado com pneus super-macios – 1m20,863s assegurada na trigésima nona volta.

 

Depois de uma breve passagem pela pista com um jogo de pneus macios usados no início da tarde, Magnussen mudou para os ultra-macios para realizar duas séries de voltas. Com os pneus mais aderentes da gama da Pirelli, Magnussen realizou a sua melhor volta do dia. O restante tempo em pista foi usado para efectuar uma simulação de corrida, com Magnussen a alcançar uma quilometragem que ficou a pouca distância de uma corrida. Rodou por duas vezes com pneus macios, completando trinta e cinco voltas, para depois terminar o dia com quinze voltas realizadas com médios.

 

Sebastian Vettel, da Scuderia Ferrari, realizou a melhor marca do dia (1m19,024s) e também foi quem mais voltas completou (156).

 

 

Outro bom dia. Estou muito satisfeito com os testes, no geral. Penso que aprendemos bastante sobre o carro. Sabemos o que temos que fazer até à Austrália. Estou ansioso por voltar ao carro para competir dentro de duas semanas.

 

 

 

Foi um dia muito bom. Quase conseguimos atingir uma distância de corrida. Faltou-nos apenas algumas voltas, apenas vinte voltas, da parte da tarde. Reunimos muitas informações. Realizámos um programa difícil, mas correu bem. Estamos muito satisfeitos com o dia de hoje, como tudo correu e como conseguimos tirar partido dos dados. Temos apenas mais um dia de testes e, depois, estaremos prontos para a Austrália.”

 

 

 

Grosjean regressa aos comandos do Haas VF-17 na sexta-feira para completar os testes de pré-temporada em Barcelona. A primeira etapa do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017 é o Grande Prémio da Austrália, que se realiza em Melbourne. Os treinos-livres iniciam-se no dia 24 de Março, a qualificação realiza-se a 25 e a corrida a 26.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Pre-season test 2: Barcelona, Spain, March 7-10, 2017

. Pre-season testing has now concluded, with all the teams taking part in the second four-day session this week and completing plenty of running. The fastest time of the latest session (and the whole test) was 1m18.634s, set on the final morning by Ferrari driver Kimi Raikkonen, using the P Zero Red supersoft tyre.

Unlike last week, there was no wet session during the second four-day test, meaning that the teams concentrated exclusively on the slick tyres from start to finish.

Mario Isola, Head of Car Racing: “During the eight days of pre-season testing, we’ve fulfilled most of the objectives that we had targeted. This week we confirmed the results of last week’s test, particularly with regard to the fast recovery of the tyres if they overheat, which was a particular wish of the drivers for the 2017 compounds. Compared to the general work we saw last week these last four days were more geared towards performance and race simulation in preparation for the season ahead. While the cars are yet to perform at their maximum potential, we saw the fastest-ever lap of Barcelona in the circuit’s current configuration this week, beating last year’s pole by more than three seconds and the 2015 pole by more than six seconds. The target of being five seconds faster than the 2015 times in Barcelona was already met last week and now that benchmark has been lowered further. Considering that many of the best times were set on compounds that are not particularly suited to Barcelona, and that the cars are sure to evolve rapidly over the course of the season, this indicates the phenomenal potential performance of the new generation of Formula 1, which we can say produces the fastest cars that the sport has ever seen.”

BEST TIMES DAY 5
Driver Team Compound LapTime
Massa Williams SUPERSOFT 01:19,726
Ricciardo Red Bull ULTRASOFT 01:19,900
Vettel Ferrari SOFT 01:19,906
Hamilton Mercedes SOFT 01:20,456
Bottas Mercedes SOFT 01:20,924
Ocon Force India SUPERSOFT 01:21,347
Hulkenberg Renault SOFT 01:21,589
Magnussen Haas SOFT 01:21,676
Kvyat Toro Rosso SUPERSOFT 01:21,743
Vandoorne McLaren SOFT 01:22,537
Wehrlein Sauber SOFT 01:23,336
Ericsson Sauber SOFT 01:23,630
Palmer Renault SOFT 01:24,790
BEST TIMES DAY 6
Driver Team Compound LapTime
Bottas Mercedes SUPERSOFT 01:19,310
Massa Williams ULTRASOFT 01:19,420
Raikkonen Ferrari SOFT 01:20,406
Verstappen Red Bull SOFT 01:20,432
Stroll Williams SUPERSOFT 01:20,579
Hamilton Mercedes SOFT 01:20,702
Hulkenberg Renault SUPERSOFT 01:21,213
Perez Force India SUPERSOFT 01:21,297
Sainz J Toro Rosso SOFT 01:21,872
Grosjean Haas ULTRASOFT 01:21,887
Wehrlein Sauber SOFT 01:23,000
Alonso McLaren SOFT 01:23,041
Ericsson Sauber SOFT 01:23,384
Palmer Renault SOFT 01:24,774
BEST TIMES DAY 7
Driver Team Compound LapTime
Vettel Ferrari ULTRASOFT 01:19,024
Hamilton Mercedes ULTRASOFT 01:19,352
Ocon Force India ULTRASOFT 01:20,161
Kvyat Toro Rosso SUPERSOFT 01:20,416
Magnussen Haas ULTRASOFT 01:20,504
Ricciardo Red Bull SOFT 01:20,824
Vandoorne McLaren ULTRASOFT 01:21,348
Bottas Mercedes SOFT 01:21,819
Wehrlein Sauber ULTRASOFT 01:22,347
Palmer Renault SOFT 01:22,418
Ericsson Sauber SOFT 01:23,330
Massa Williams MEDIUM 01:24,443
Stroll Williams MEDIUM 01:24,863
BEST TIMES DAY 8
Driver Team Compound LapTime
Raikkonen Ferrari SUPERSOFT 01:18,634
Verstappen Red Bull SUPERSOFT 01:19,438
Sainz J Toro Rosso ULTRASOFT 01:19,837
Bottas Mercedes SUPERSOFT 01:19,845
Hamilton Mercedes ULTRASOFT 01:19,850
Hulkenberg Renault ULTRASOFT 01:19,885
Perez Force India ULTRASOFT 01:20,116
Palmer Renault ULTRASOFT 01:20,205
Stroll Williams SOFT 01:20,335
Grosjean Haas ULTRASOFT 01:21,110
Alonso McLaren ULTRASOFT 01:21,389
Ericsson Sauber ULTRASOFT 01:21,670
Wehrlein Sauber SOFT 01:23,527
BEST TIMES – OVERALL TEST 2
Driver Team Compound LapTime Test Day
Raikkonen Ferrari SUPERSOFT 01:18,634 DAY 8
Vettel Ferrari ULTRASOFT 01:19,024 DAY 7
Bottas Mercedes SUPERSOFT 01:19,310 DAY 6
Hamilton Mercedes ULTRASOFT 01:19,352 DAY 7
Massa Williams ULTRASOFT 01:19,420 DAY 6
Verstappen Red Bull SUPERSOFT 01:19,438 DAY 8
Sainz J Toro Rosso ULTRASOFT 01:19,837 DAY 8
Hulkenberg Renault ULTRASOFT 01:19,885 DAY 8
Ricciardo Red Bull ULTRASOFT 01:19,900 DAY 5
Perez Force India ULTRASOFT 01:20,116 DAY 8
Ocon Force India ULTRASOFT 01:20,161 DAY 7
Palmer Renault ULTRASOFT 01:20,205 DAY 8
Stroll Williams SOFT 01:20,335 DAY 8
Kvyat Toro Rosso SUPERSOFT 01:20,416 DAY 7
Magnussen Haas ULTRASOFT 01:20,504 DAY 7
Grosjean Haas ULTRASOFT 01:21,110 DAY 8
Vandoorne McLaren ULTRASOFT 01:21,348 DAY 7
Alonso McLaren ULTRASOFT 01:21,389 DAY 8
Ericsson Sauber ULTRASOFT 01:21,670 DAY 8
Wehrlein Sauber ULTRASOFT 01:22,347 DAY 7
BEST TIMES OVERALL TEST 1 – 2
Driver Team Compound LapTime Test Day
Raikkonen Ferrari SUPERSOFT 01:18,634 DAY 8
Vettel Ferrari ULTRASOFT 01:19,024 DAY 7
Bottas Mercedes SUPERSOFT 01:19,310 DAY 6
Hamilton Mercedes ULTRASOFT 01:19,352 DAY 7
Massa Williams ULTRASOFT 01:19,420 DAY 6
Verstappen Red Bull SUPERSOFT 01:19,438 DAY 8
Sainz J Toro Rosso ULTRASOFT 01:19,837 DAY 8
Hulkenberg Renault ULTRASOFT 01:19,885 DAY 8
Ricciardo Red Bull ULTRASOFT 01:19,900 DAY 5
Perez Force India ULTRASOFT 01:20,116 DAY 8
Ocon Force India ULTRASOFT 01:20,161 DAY 7
Palmer Renault ULTRASOFT 01:20,205 DAY 8
Stroll Williams SOFT 01:20,335 DAY 8
Kvyat Toro Rosso SUPERSOFT 01:20,416 DAY 7
Magnussen Haas ULTRASOFT 01:20,504 DAY 7
Grosjean Haas ULTRASOFT 01:21,110 DAY 8
Vandoorne McLaren ULTRASOFT 01:21,348 DAY 7
Alonso McLaren ULTRASOFT 01:21,389 DAY 8
Ericsson Sauber ULTRASOFT 01:21,670 DAY 8
Wehrlein Sauber ULTRASOFT 01:22,347 DAY 7
Giovinazzi Sauber ULTRASOFT 01:22,401 DAY 4
Celis Force India ULTRASOFT 01:23,568 DAY 3
 

HUMOR FERRARISTA

HUMOR FERRARISTA

 

  1. A versão do SF70-h para Melbourne. Sendo Austrália, shark attack... e já tem barbatana(s)!

 

ATENÇÃO LEITORES

 

ATENÇÃO LEITORES

 

PRECISAM DE EMPREGO

 

BOA OPORTUNIDADE

 

 

 

  1. A equipa é a Mercedes AMG F1. Se estiverem interessados. 15000 mil libras ano para começar + bónus + seguro de saúde.

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

TESTESF1 CopyF2 CopyF3 CopyF4 CopyF5 CopyF6 CopyF7 CopyF8 CopyF9 CopyF10 CopyF11 CopyF12 CopyF14 Copy

 

  1. Os testes das jogadas na sombra, do bluff organizado? Resta saber se é em palavras ou em performance!
    Hamilton diz que a Ferrari anda a esconder o jogo e que pode ser mais rápida. Lauda deixou entender que as novidades testadas no Mercedes esta semana não terão dado os resultados esperados e que a vida pode não estar fácil para os pilotos dos W08. Vettel afirma que a Mercedes está, ela sim, a mostrar pouco, mas diz-se satisfeito com a forma como os números batem certo no SF70-H. Ricciardo não esconde que o Red Bull não está longe, mas também diz que Mercedes e Ferrari não mostraram tudo.
    Será que estamos a viver em Barcelona 7 dias de faz de conta? E se o bluff for, afinal, que tudo o que estamos a ver é a realidade?!...

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS
FOR THE 2017 GRANDS PRIX IN SPAIN, MONACO, CANADA AND AZERBAIJAN

Pirelli will bring the following compounds to the rounds on the 2017 Formula One season in Spain (May 12-14), Monaco (May, 26-28), Canada (June 9-11) and Azerbaijan (June 23-25) which will be held on the Montmelò, Monte-Carlo, Montréal and Baku circuits respectively.

alt

alt

alt

alt

alt

alt

alt

alt

(1) Each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.

(2) Each driver must have both these sets available for the race and must use at least one of them.

The teams are free to choose the remaining 10 sets (excluding the first five events this year, so until Spain, where Pirelli allocate the sets) thus making up 13 sets in total for the weekend.

THE TYRES NOMINATED SO FAR*:

alt

(*) The regulations mean that the tyre sets choice for the long-haul events has to be made by the teams 14 weeks in advance, whereas for the European races the deadline is 8 weeks in advance.

 

FIA

  1. A Fia está a trabalhar num conceito para manter a F1 com motores V6 turbo equipados com um MGU-K mais potente, mas sem MGU-H. Assim sendo, a partir de 2020, teríamos unidades motrizes menos complexas e, teoricamente, mais iguais.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

TESTES BARCELONA

 

E O FERRARI DESPISTOU-SE....a1 Copya2 Copya3 Copya4 Copya5 Copya6 Copy

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

FERNANDO ALONSO E OS JORNALISTAS

 

  1. JORNALISTA: Can you do T3 flat out?
    ALONSO: For us, all the corners are flat out"!

 

HAAS TESTA EM BARCELONA

 

Data:  Quarta-Feira, 8 de Março

Local:  Circuit de Barcelona – Catalunya  

Layout:  4,655 quilómetros, circuito de 16 curvas

Piloto:  Romain Grosjean

Voltas completadas:  96

Distância Completada:  446,88 quilómetros

Melhor Volta:  1m21,887s (10º)

Volta Mais Rápida:  1m19,310s, Valtteri Bottas da Mercedes

Mais Voltas Completadas:  102 voltas, Max Verstappen da Red Bull Racing

 

 

 

O piloto da Haas F1 Team, Romain Grosjean, teve um dia metódico de testes no Circuit de Barcelona – Catalunya, totalizando noventa e seis voltas ao traçado de 4,655 quilómetros e dezasseis curvas. Grosjean trabalhou sistematicamente em diversas variantes de afinações-base para o Haas VF-17 durante a manhã, antes de experimentar toda a gama de pneus da Pirelli ao longo da tarde.

 

A volta mais rápida de Grosjean foi de 1m21,887s, alcançada na sexagésima sexta passagem pela meta, quando utilizava os pneus Pirelli P Zero Roxo/Ultra-Macio. Esta marca colocou-o no décimo posto entre os catorze pilotos que se fizeram à pista.

 

A sessão matinal espelhou o esquema seguido por Kevin Magnussen na terça-feira – uma série de voltas madrugadoras com pneus médios, depois de uma volta de instalação com pneus duros. Posteriormente, montou macios, o que lhe conferiu mais aderência. O melhor tempo de Grosjean durante a manha foi de 1m22,428s, garantida na trigésima sexta volta. Assegurou cinquenta e quatro voltas antes da pausa para almoço.

 

A Haas F1 Team cedeu noventa minutos de tempo de pista da parte da tarde para resolver uma dificuldade com o escape. O plano da tarde foi encurtado e isso significou que a simulação corrida foi condensada, depois de séries de voltas duplas com pneus Super-Macios e Ultra-Macios, tendo sido com estes que Grosjean garantiu a sua melhor volta do dia. Duas situações de bandeiras vermelhas nos minutos finais da sessão impediram que Grosjean tivesse a oportunidade de ultrapassar as cem voltas.

 

Valtteri Bottas, da Mercedes, realizou a volta mais rápida do dia (1m19,310s) e Max Verstappen, da Red Bull Racing, foi quem completou mais voltas (102).

 

 

Foi um bom dia. Completámos quase todo o programa que tínhamos previsto. Estamos ainda a avaliar o comportamento do carro, a perceber a como forma poderemos melhorar a afinação e encontrar as suas fraquezas e capacidades. Vamos esperar ter tempo para realizar todos os pequenos ajustamentos, aerodinamicamente e mecanicamente, antes de Melbourne para chegarmos prontos para realizar uma boa performance. Estou ansioso pela sexta-feira.” 

 

 

 

Hoje realizámos um bom número de voltas, noventa. Da parte da tarde tivemos alguns problemas de comportamento, sobretudo subviragem. Temos que trabalhar nisto, para tornar o carro melhor. Parece que, quando a temperatura sobe, surge subviragem. É uma daquelas coisas que se encontram nos testes e depois temos que encontrar uma solução. Também tivemos uma pequena contrariedade com o escape. Todas estas pequenas dificuldades nestes carros demoram muito a resolver e perdemos noventa minutos até que ficasse solucionado, mas nada de muito mau.”

 

 

 

Magnussen regressa amanhã aos comandos do VF-17, ao passo que Grosjean voltará ao carro na sexta-feira para o último dia de testes deste Inverno.

 

A primeira etapa do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017 é o Grande Prémio da Austrália, que se realiza em Melbourne. Os treinos-livres iniciam-se no dia 24 de Março, a qualificação realiza-se a 25 e a corrida a 26.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

  1. Os fornecedores de discos e maxilas de travão para a F1 2017

 

É SÓ COMPARAR....

 

É SÓ COMPARAR O MONOLUGAR DE F1 E GP 2

 

 

  1. Prema... ou Ferrari GP2?

 

HAAS EM TESTES EM BARCELONA

 

Data:  Terça-Feira, 7 de Março

Local:  Circuit de Barcelona – Catalunya  

Layout:  4,655 quilómetros, circuito de 16 curvas

Piloto:  Kevin Magnussen

Voltas completadas:  81

Distância completada:  377,055 quilómetros

Melhor volta:  1m21,676s (oitavo)

Volta mais rápida:  1m19,726s, Felipe Massa da Williams

Mais voltas completadas:  168 por Felipe Massa da Williams e Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari

 

 

 

O piloto da Haas F1 Team, Kevin Magnussen, iniciou a segunda e última semana de testes no Circuit Barcelona – Catalunya com um regresso sólido ao cockpit do Haas VF-17. Magnussen entrou na pista de 4,655 quilómetros e dezasseis curvas pouco depois das 9h00, hora local. Nove horas depois, Magnussen tinha completado oitenta e uma voltas, após uma jornada de presença em pista consistente, aumentando o total de cento e sessenta e nove voltas alcançado na semana passada.

 

Magnussen iniciou a sessão matinal com um conjunto de voltas de reconhecimento, começando com pneus duros para uma volta de instalação para depois mudar para médios, com os quais realizou cinco séries, totalizando vinte e sete voltas. Na hora final trocou para macios para mais duas saídas para a pista. Com mais aderência à sua disposição, Magnussen assegurou o seu melhor tempo do dia – 1m21,676s, alcançada na sua trigésima sétima passagem pela linha de meta, o que o colocou no oitavo posto entre os treze pilotos que se fizeram à pista.

 

A Haas F1 Team realizou trinta e três voltas ao longo da tarde com Magnussen a prosseguir o seu trabalho matinal, continuando com os pneus macios. Posteriormente, realizou duas séries de voltas com pneumáticos Super-Macios, para fechar a jornada com borrachas macias.

 

Felipe Massa, da Williams, realizou a melhor marca (1m19,726s), empatando com Sebastian Vettel, da Scuderia Ferrari, no número de voltas completadas (168).

 

 

 

Foi mais um dia decente. Foi um bom teste. Tivemos que lidar com algumas dificuldades, mas isso não nos impediu de sair para a pista. Todos os quilómetros são importantes e fizemos um bom número de voltas. Tenho uma boa sensação no carro, estamos satisfeitos com o seu equilíbrio. Estou ansioso pelos próximos dias.”

 

 

 

Tivemos uma manhã muito produtiva. Aprendemos bastante e conseguimos somar muitas voltas. Á tarde não correu tão bem. Ainda assim, aprendemos algumas coisas, mas tivemos alguns problemas, o que nos impediu de realizar os quilómetros que pretendíamos. Faz parte dos testes. Não é preciso entrar em pânico. Não tivemos qualquer grande problema, apenas algumas pequenas dificuldades. Estamos a aprender sobre o carro e a descobrir mais coisas que necessitam da nossa atenção.”

 

 

 

Romain Grosjean toma as rédeas do VF-17 na quarta-feira e Magnussen na quinta-feira. Grosjean regressa ao carro na sexta-feira para o oitavo e último dia de testes da pré-temporada.

 

A temporada de 2017 do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 inicia-se com o Grande Prémio da Austrália, a 26 de Março em Melbourne. A sessão de ensaios realiza-se a 24 de Março, a qualificação a 25 e a corrida a 26.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal

 

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

ALGUMAS IMAGENS DOS TESTES EM BARCELONAF1 CopyF2 CopyF3 CopyF4 CopyF5 CopyF6 CopyF7 CopyF8 CopyF9 CopyF10 CopyF11 CopyF12 CopyF13 CopyF14 CopyF15 CopyF16 CopyF17 CopyF18 CopyF19 CopyF20 CopyF21 CopyF22 CopyF23 CopyF24 CopyF26 CopyF27 CopyF28 CopyF29 Copy

 

 

  1. Testes em Barcelona - semana 2 / dia 2: resultados e fotos de um dia de trabalho, muito trabalho, onde a procura de tempos não foi preocupação essencial, mas estes acabaram por ser os melhores dos seis dias para muitos pilotos.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FORMULA 1

 

TESTES EM BARCELONA

 

  1. A volta mais rápida até agora nos testes de inverno: Bottas no Mercedes W08.

 

ALGUÉM SE LEMBROU

  1. Alguém  se lembrou...

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

OS TESTES EM BARCELONA

 

 

  1. Ontem andou que se fartou. E tem o capacete mais bonito da F1 2017.A4 CopyA5 CopyA6 CopyA7 Copy

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

A TECNICA NOS MONOLUGARES

 

 

  1. Vejam a flexibilidade da T-Wing do Williams. Estes novos carros geram forças incríveis. Hamilton bem tem razão - nunca andou com tantas contusões nas pernas e nos braços...

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

NOS BASTIDORES

 

 

  1. Mais um longo acordo da Era Liberty: GP do Canadá de F1 em Montreal assegurado até... 2029!

 

AS DIFERENÇAS

 

 

 

 

  1. VEJAM AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE OS FÓRMULA 1 DE 2016 E O DE 2017....AS IMAGENS DIZEM TUDO....

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

 

 

  1. É só mais um dia de "vermelho". Amanhã, a F1 volta a ter luz verde em Barcelona para os últimos quatro dias de testes de pré-temporada. Será hora para perceber se a Mercedes e Ferrari estão mesmo a fazer jogo igual (e se mostraram o jogo todo...), se Red Bull está mais perto do que pareceu na primeira semana; se Renault evoluiu para um nível capaz de a colocar-se a par e até ultrapassar Force India; se a Williams é mais 2014 e menos 2016; se Toro Rosso "tem" motor e um pouco mais de fiabilidade; se a McLaren consegue surfar numa Honda mais forte; se a Haas trava mais para avançar melhor; e se a Sauber não vai ficar a anos-luz de quem viaja atrasada no tempo. Tantas interrogações com resposta para... Melbourne.

 

NOS BASTIDORES DA F 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

NOS BASTIDORES

 

 

  1. Quando a quantidade também é sinónimo de qualidade. A família Sky F1!

 

E QUE TAL ESTA CAMISOLA????

 

 

 

 

  1. E QUE TAL ESTA CAMISOLA ???

 

NOS BASTIDORES DA F 1

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

NOS BASTIDORES

 

 

  1. O Campeonato do Mundo de Fórmula 1 - 2017 tem um novo responsável técnico. Depois de ter passado pelo departamento aerodinâmico e de projecto de Ferrari e McLaren, o francês de origem polaca, Marcin Budkowski, chegou à FIA em 2015. Assume agora o papel que era de Charlie Whiting desde 1988. Este continua como Director de Corrida, tendo o ex-Toro Rosso, Laurent Mekies, com vice, no lugar de Herbie Blash, e também será responsável pela segurança. Jo Bauer passa a reportar a Budkowski, que é bem conhecido de... Ross Brawn, parecendo ser uma escolha pessoal deste último.

 

TESTES HAAS EM BARCELONA

 

Data:  Quinta-Feira, 2 de Março

Local:  Circuit de Barcelona – Catalunya  

Layout:  4,655 quilómetros, circuito de 16 curvas

Piloto:  Romain Grosjean

Voltas completadas:  118

Distância completada:  549,29 quilómetros

Melhor volta:  1m22,309s (4º)

Volta mais rápida:  1m20,872s, Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari

Mais voltas completadas:  118, Romain Grosjean da Haas F1 Team

 

 

 

A primeira semana de testes de pré-temporada no Circuit de Barcelona – Catalunya culminou uma jornada de testes com a pista molhada para ajudar a Pirelli a avaliar os novos pneus, mais largos, para chuva. A alteração nos pneumáticos devem-se ao novo regulamento técnico de 2017, que permite igualmente, uma aerodinâmica drasticamente diferente e avançada com a qual se pretende criar níveis mais elevados de apoio aerodinâmico. Os pneus são mais largos 25% que em 2016, com os pneumáticos dianteiros a alargarem até os 305 milímetros e os traseiros até aos 405.

 

Uma pista completamente encharcada deu as boas-vindas às equipas que iniciaram os trabalhos à 9h00, hora local. Os Pirelli Cinturato Azul/Chuva foi o tipo de pneus escolhido para iniciar a sessão, com o piloto da Haas F1 Team, Romain Grosjean, a registar nove voltas. Mas, com o aparecimento do Sol, a pista começou a secar e as equipas mudaram para os pneus Cinturato Verde/Intermédios. Grosjean realizou vinte e seis voltas com os intermédios até que a pista ficou suficientemente seca para slicks.

 

Com uma pista praticamente seca, Grosjean abandonou as boxes para realizar uma série de voltas com pneumáticos Pirelli P Zero Branco/Médio. A menos de dez minutos da pausa para almoço, a equipa montou no Haas VF-17 pneus super-macios. Grosjean efectuou cinco voltas, assegurando o seu melhor tempo da manhã na quadragésima nona e derradeira volta – 1m22,739s, que o colocou no segundo posto da tabela de tempos a um segundo de Kimi Raikkonen, da Scuderia Ferrari.

 

Autotanques voltaram a inundar a pista durante a pausa de almoço, obrigando as equipas a regressar aos pneus de chuva no início da sessão da tarde.

 

Grosjean realizou sessenta e nove voltas na segunda metade do dia, eclipsando as cinquenta e seis que tinha completado na quarta-feira. E tal como na sessão matinal, Grosjean percorreu a gama da Pirelli à medida que a pista foi evoluindo.

 

Completou nove voltas com pneus de chuva e dezanove com intermédios. Às 4h20, hora local, a pista estava pronta para slicks, novamente, e a equipa montou quatro médios novos no Haas VF-17. Durante a troca de intermédios por slicks, os mecânicos da Haas F1 Team realizaram diversas paragens nas boxes, uma vez que o carro não é o único componente que terá que estar pronto para a corrida de abertura da temporada, o Grande Prémio da Austrália, que se realiza a 26 de Março em Melbourne.

 

Com slicks para os cem minutos finais da sessão, Grosjean experimentou diferentes afinações. A sua melhor volta da tarde acabou por ser a sua melhor do dia – 1m22,309s, alcançada na sua centésima décima primeira volta quando tinha um jogo de pneus super-macios montado, batendo a sua marca matinal por 0,430s. Este registo colocou Grosjean no quarto posto da tabela de tempos entre os dez pilotos que participaram na jornada de testes.

 

Grosjean foi quem mais voltas completou, 118, vinte e cinco mais que o segundo piloto com mais voltas, Raikkonen. Esta jornada marcou a segunda vez que a Haas F1 Team completou mais voltas durante esta semana de testes, dado que Kevin Magnussen registou 118 na terça-feira, mais dez que Raikkonen, que foi, também, o segundo com mais voltas do dia.

 

Apesar de ter sido o segundo com mais quilómetros completados, Raikkonen foi o primeiro da tabela de tempos. Registou o melhor tempo com a marca de 1m20,872s.

 

Depois de quatro dias de testes em Barcelona, a Haas F1 Team marcou 343 voltas, um total de 1596,655 quilómetros. Magnussen registou 169 voltas (786,695 quilómetros), na segunda-feira e na terça-feira, e Grosjean 174 (809,97 quilómetros), na quarta-feira e na quinta-feira.

  

 

Foi um dia produtivo para nós. Conseguimos realizar algumas voltas com pneus de chuva, intermédios, treinámos as trocas de pneus, andámos com a pista seca e experimentámos diversas afinações que estudámos durante a noite. O carro está cada vez melhor. A equipa está a realizar um trabalho fantástico. As nossas paragens nas boxes correram muito bem. Estamos a tentar perceber tudo o que podemos. É claro que, isto são apenas testes de Inverno e nunca estamos perto das condições que teremos num fim-de-semana de corridas, mas no geral, penso que hoje realizámos um bom progresso. Esperamos poder analisar tudo durante o fim-de-semana e voltar na próxima semana mais fortes.”

 

 

 

Foi um bom dia. Muito melhor que ontem. Reunimos muitos dados. O Romain pôde pilotar o carro durante séries longas de voltas e teve boas sensações. Realizámos bons progressos, até com a pista molhada, o que na verdade não é ideal, mas tirámos o máximo de proveito. Agora temos que estar prontos para o segundo teste. A fiabilidade foi muito boa. Este ano tivemos poucos e dificuldades sem muita importância. Relativamente ao ano passado, correu muito melhor. É assim que tem que ser. A Ferrari realizou um bom trabalho este ano com o acondicionamento da unidade de potência. Tem-se mostrado muito fiável. Os engenheiros agora vão analisar os dados, os comentários dos pilotos e com toda esta informação estabelecermos um plano de testes para a próxima semana. Sabemos muito mais sobre o carro agora que há quatro dias. Agora podemos dar o próximo passo e afiná-lo para o tornar melhor.”

 

 

 

Com a primeira sessão de testes de pré-temporada ultrapassada, a equipa tem agora um intervalo de quatro dias até regressar a Barcelona para a segunda e derradeira sessão de testes deste Inverno, de 7 a 10 de Março. Magnussen pilotará o Haas VF-17 nos dias 7 e 9 de Março e Grosjean assumirá o controlo a 8 e 9.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

GALERIA DE IMAGENS - TESTES F1 EM BARCELONA

GALERIA DE IMAGENS

 

OS TESTES DA FÓRMULA 1 EM BARCELONAF1 CopyF2 CopyF3 CopyF4 CopyF5 CopyF6 CopyF7 CopyF8 CopyF9 CopyF10 CopyF11 CopyF12 CopyF14 CopyF15 CopyF16 CopyF17 CopyF18 CopyF19 CopyF20 CopyF21 CopyF22 CopyF23 CopyF24 CopyF25 CopyF26 CopyF27 CopyF28 CopyF29 CopyF30 CopyF31 CopyF32 CopyF33 CopyF34 CopyF35 Copyf36 Copy

 

HUMOR NA FÓRMULA 1

 

HUMOR NA FÓRMULA 1

 

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

NOS BASTIDORES

 

 

 

 

 

  1. A Russia fecha eestende contracto de F1 em Sochi até 2025. É o primeiro acordo a ser celebrado pela Liberty e ninguém fala em verbas reduzidas...

 

TESTES F1 BARCELONA

TESTES F1 EM BARCELONA

 

OS PASSATEMPOS DE FERNANDO ALONSO

 

 

  1. Ele é trabalho como câmera; agora como fotógrafo. Photo Oviedo pode ser um bom nome para uma futura reconversão...e quem sabe profissão no futuro quando arrumar as botas...


 

OS NOVOS FÓRMULA 1 PARA 2017

OS NOVOS FÓRMULA 1 PARA 2017

 

APRESENTAÇÕES E TESTES EM BARCELONAap40 Copyap41 Copyap42 Copyap43 Copyap44 Copyap46 Copyap50 Copyap51 Copyap52 Copyap61 Copyap62 Copyap63 Copyap64 Copyap65 Copyap66 Copyap67 Copyap68 Copyap71 Copyap72 Copyap73 Copyap74 Copyap75 Copyap76 Copyap77 Copyap78 Copyap79 Copyap80 Copyap81 Copyap82 Copyap83 Copyap84 Copyap85 Copy

 

OS NOVOS FÓRMULA 1 PARA 2017

OS NOVOS FÓRMULA 1 PARA 2017

 

IMAGENS DAS APRESENTAÇÕES E TESTES EM BARCEDLONAap1 Copyap2 Copyap3 Copyap4 Copyap5 Copyap6 Copyap7 Copyap8 Copyap9 Copyap10 Copyap10 Copyap20 Copyap21 Copyap22 Copyap23 Copyap24 Copyap25 Copyap26 Copyap27 Copyap28 Copyap30 Copyap31 Copyap32 Copyap33 Copyap34 Copyap35 Copyap40 Copyap41 Copyap42 Copyap43 Copyap44 Copyap46 Copy

 

HAAS TESTA EM BARCELONA

 

Data:  Quinta-Feira, 2 de Março

Local:  Circuit de Barcelona – Catalunya  

Layout:  4,655 quilómetros, circuito de 16 curvas

Piloto:  Romain Grosjean

Voltas completadas:  118

Distância completada:  549,29 quilómetros

Melhor volta:  1m22,309s (4º)

Volta mais rápida:  1m20,872s, Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari

Mais voltas completadas:  118, Romain Grosjean da Haas F1 Team

 

 

 

A primeira semana de testes de pré-temporada no Circuit de Barcelona – Catalunya culminou uma jornada de testes com a pista molhada para ajudar a Pirelli a avaliar os novos pneus, mais largos, para chuva. A alteração nos pneumáticos devem-se ao novo regulamento técnico de 2017, que permite igualmente, uma aerodinâmica drasticamente diferente e avançada com a qual se pretende criar níveis mais elevados de apoio aerodinâmico. Os pneus são mais largos 25% que em 2016, com os pneumáticos dianteiros a alargarem até os 305 milímetros e os traseiros até aos 405.

 

Uma pista completamente encharcada deu as boas-vindas às equipas que iniciaram os trabalhos à 9h00, hora local. Os Pirelli Cinturato Azul/Chuva foi o tipo de pneus escolhido para iniciar a sessão, com o piloto da Haas F1 Team, Romain Grosjean, a registar nove voltas. Mas, com o aparecimento do Sol, a pista começou a secar e as equipas mudaram para os pneus Cinturato Verde/Intermédios. Grosjean realizou vinte e seis voltas com os intermédios até que a pista ficou suficientemente seca para slicks.

 

Com uma pista praticamente seca, Grosjean abandonou as boxes para realizar uma série de voltas com pneumáticos Pirelli P Zero Branco/Médio. A menos de dez minutos da pausa para almoço, a equipa montou no Haas VF-17 pneus super-macios. Grosjean efectuou cinco voltas, assegurando o seu melhor tempo da manhã na quadragésima nona e derradeira volta – 1m22,739s, que o colocou no segundo posto da tabela de tempos a um segundo de Kimi Raikkonen, da Scuderia Ferrari.

 

Autotanques voltaram a inundar a pista durante a pausa de almoço, obrigando as equipas a regressar aos pneus de chuva no início da sessão da tarde.

 

Grosjean realizou sessenta e nove voltas na segunda metade do dia, eclipsando as cinquenta e seis que tinha completado na quarta-feira. E tal como na sessão matinal, Grosjean percorreu a gama da Pirelli à medida que a pista foi evoluindo.

 

Completou nove voltas com pneus de chuva e dezanove com intermédios. Às 4h20, hora local, a pista estava pronta para slicks, novamente, e a equipa montou quatro médios novos no Haas VF-17. Durante a troca de intermédios por slicks, os mecânicos da Haas F1 Team realizaram diversas paragens nas boxes, uma vez que o carro não é o único componente que terá que estar pronto para a corrida de abertura da temporada, o Grande Prémio da Austrália, que se realiza a 26 de Março em Melbourne.

 

Com slicks para os cem minutos finais da sessão, Grosjean experimentou diferentes afinações. A sua melhor volta da tarde acabou por ser a sua melhor do dia – 1m22,309s, alcançada na sua centésima décima primeira volta quando tinha um jogo de pneus super-macios montado, batendo a sua marca matinal por 0,430s. Este registo colocou Grosjean no quarto posto da tabela de tempos entre os dez pilotos que participaram na jornada de testes.

 

Grosjean foi quem mais voltas completou, 118, vinte e cinco mais que o segundo piloto com mais voltas, Raikkonen. Esta jornada marcou a segunda vez que a Haas F1 Team completou mais voltas durante esta semana de testes, dado que Kevin Magnussen registou 118 na terça-feira, mais dez que Raikkonen, que foi, também, o segundo com mais voltas do dia.

 

Apesar de ter sido o segundo com mais quilómetros completados, Raikkonen foi o primeiro da tabela de tempos. Registou o melhor tempo com a marca de 1m20,872s.

 

Depois de quatro dias de testes em Barcelona, a Haas F1 Team marcou 343 voltas, um total de 1596,655 quilómetros. Magnussen registou 169 voltas (786,695 quilómetros), na segunda-feira e na terça-feira, e Grosjean 174 (809,97 quilómetros), na quarta-feira e na quinta-feira.

  

 

Foi um dia produtivo para nós. Conseguimos realizar algumas voltas com pneus de chuva, intermédios, treinámos as trocas de pneus, andámos com a pista seca e experimentámos diversas afinações que estudámos durante a noite. O carro está cada vez melhor. A equipa está a realizar um trabalho fantástico. As nossas paragens nas boxes correram muito bem. Estamos a tentar perceber tudo o que podemos. É claro que, isto são apenas testes de Inverno e nunca estamos perto das condições que teremos num fim-de-semana de corridas, mas no geral, penso que hoje realizámos um bom progresso. Esperamos poder analisar tudo durante o fim-de-semana e voltar na próxima semana mais fortes.”

 

 

 

Foi um bom dia. Muito melhor que ontem. Reunimos muitos dados. O Romain pôde pilotar o carro durante séries longas de voltas e teve boas sensações. Realizámos bons progressos, até com a pista molhada, o que na verdade não é ideal, mas tirámos o máximo de proveito. Agora temos que estar prontos para o segundo teste. A fiabilidade foi muito boa. Este ano tivemos poucos e dificuldades sem muita importância. Relativamente ao ano passado, correu muito melhor. É assim que tem que ser. A Ferrari realizou um bom trabalho este ano com o acondicionamento da unidade de potência. Tem-se mostrado muito fiável. Os engenheiros agora vão analisar os dados, os comentários dos pilotos e com toda esta informação estabelecermos um plano de testes para a próxima semana. Sabemos muito mais sobre o carro agora que há quatro dias. Agora podemos dar o próximo passo e afiná-lo para o tornar melhor.”

 

 

 

Com a primeira sessão de testes de pré-temporada ultrapassada, a equipa tem agora um intervalo de quatro dias até regressar a Barcelona para a segunda e derradeira sessão de testes deste Inverno, de 7 a 10 de Março. Magnussen pilotará o Haas VF-17 nos dias 7 e 9 de Março e Grosjean assumirá o controlo a 8 e 9.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

HAAS EM TESTES EM BARCELONA

 

Data:  Quarta-Feira, 1 de Março

Local:  Circuit de Barcelona – Catalunya  

Layout:  4,655 quilómetros, circuito de 16 curvas

Piloto:  Romain Grosjean

Voltas completadas:  56 voltas

Distância completada:  260,68 quilómetros

Melhor volta:  1m22,118s (8º)

Volta mais rápida:  1m19,705s, Valtteri Bottas da Mercedes

Mais voltas completadas:  139, Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari

 

 

 

A Haas F1 Team teve um dia de testes metódico esta quarta-feira com Romain Grosjean aos comandos do VF-17 no Circuit Barcelona – Catalunya. O francês de trinta anos completou cinquenta e seis voltas ao circuito de 4,655 quilómetros e dezasseis curvas, realizando diversas verificações de sistema de manhã e experimentado um elevado número de afinações ao longo da tarde.

 

O melhor tempo de Grosjean foi de 1m22,118s, alcançado na sua quadragésima nona volta quando tinha montado no seu monolugar pneus super-macios. Esta marca colocou-o no oitavo lugar da tabela de tempos entre treze pilotos que se fizeram à pista. Grosjean completou 260,68 quilómetros no seu primeiro dia de testes. O seu colega de equipa, Kevin Magnussen, esteve em acção na terça-feira e na quarta-feira.

 

Grosjean iniciou a manhã com voltas de reconhecimento com pneus macios para, depois, mudar para borrachas médias para realizar algumas voltas lançadas até à pausa para almoço. A sua melhor marca de manhã foi de 1m25,133s na sua vigésima segunda volta, o que o deixou no décimo lugar.

 

Depois de ter realizado vinte e sete voltas durante a manhã, Grosjean registou mais vinte e nove ao longo da tarde. Começou com pneumáticos médios, mudando depois para macios, para os substituir por super-macios nos quinze minutos finais de sessão. Estes pneus ajudaram Grosjean a realizar a sua melhor volta. Uma breve série de três voltas com borrachas macias terminou o dia.

 

Valtteri Bottas, da Mercedes, marcou a melhor volta (1m19,705s) e Sebastian Vettel, da Scuderia Ferrari, foi quem mais voltas completou (139).

 

 

Não foi um dia fácil, dado que tivemos algumas pequenas contrariedades. Não fizemos tantas voltas como planeámos. Não completámos o nosso programa. No que diz respeito a afinações, encontrámos o caminho que pretendíamos, portanto, temos ainda algumas coisas onde trabalhar e entender. No geral, os carros são porreiros de conduzir – vamos depressa para as curvas rápidas, travamos tarde e levamos muita velocidade para as curvas, o que é bom. Penso que a Pirelli deu um bom passo com os pneus, podemos puxar durante três voltas seguidas. Estou apenas desapontado por não termos tantos quilómetros como queríamos, especialmente porque amanhã será um dia de testes no molhado”

 

 

 

Hoje não tivemos um dia perfeito. Esperávamos mais, mas estamos em testes. Temos que manter a cabeça levantada e tentar fazer melhor amanhã. Sabemos que o podemos fazer, e é por isso que testamos. Tivemos diversas dificuldades e trabalhámos bastante nas afinações. Tivemos alguns problemas eléctricos, que nos fizeram perder algum tempo. Existem sempre pequenas contrariedades que nos podem obrigar a permanecer parados por meia hora, uma hora, e se isso acontece, o dia passa depressa e não estamos em pista o que gostaríamos. Pode sempre ser pior e, felizmente, ontem tivemos um bom dia.” 

 

 

 

Grosjean, quinta-feira, regressa amanhã aos comandos do VF-17 para terminar a semana de testes, que será um dia de pista molhada artificialmente. Os pilotos experimentarão os Pirelli Cinturato Azul/Chuva e os Cinturato Verde/Intermédio. Depois de uma pausa de quatro dias, as equipas regressam a Barcelona para a segunda e derradeira sessão de testes, entre os dias 7 e 10 de Março. Magnussen pilotará nos dias 7 e 9 de Março e Grosjean nos dias 8 e 10.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Pre-season test 1: Barcelona, Spain, February 27- March 2, 2017

The first four days of pre-season Formula 1 testing concluded today at the Spanish circuit of Montmelò. A total of 3185 laps were covered, that means 14.826 kms.

From Monday to Wednesday, the drivers tested the new wider slick tyres on 2017 cars for the first time. Today they also tried the wet-weather tyres on an artificially-dampened circuit, using both the full wet and intermediate.

Mario Isola, Pirelli Racing Manager: “We’re satisfied with the results of these four days. From what we can see up to now, the new product is in line with our expectations. For the 2017 season, the sport asked us to develop tyres with less degradation, which allow drivers to push to the maximum. That’s what we’ve seen during these four days of testing so far, and what we’ll continue to see in the second four-day session next week.

During the first session, the lap times have already been lowered considerably. The target was for lap times that were five seconds faster compared to Barcelona in 2015. Yesterday, Valtteri Bottas set a best time of 1m19.705s on ultrasoft tyres. Considering that the pole time in 2015 at Barcelona was 1m24.681s, I would say that this objective has been met.

Today, we also saw the new wet weather tyres on track for the first time on the 2017 cars. The combination of new dimensions and a new tread pattern means that the water expulsion capacity of the Cinturato Blue full wet tyre has gone up from 65 to 85 litres of water per second, per tyre, at 300kph. The Cinturato Green intermediate also has an increase: from 25 to 30 litres of water per second dispersed.

We’ve now collected plenty more data for our engineers to analyse ahead of the next test session that takes place from March 7-10, again in Barcelona.”

BEST TIMES DAY 1
Driver Team Compound LapTime
Hamilton Mercedes SOFT 01:21,765
Vettel Ferrari MEDIUM 01:21,878
Massa Williams SOFT 01:22,076
Magnussen Haas SOFT 01:22,894
Ricciardo Red Bull SOFT 01:22,926
Bottas Mercedes SOFT 01:23,169
Perez Force India SOFT 01:23,709
Sainz J Toro Rosso MEDIUM 01:24,494
Hulkenberg Renault MEDIUM 01:24,784
Alonso McLaren SOFT 01:24,852
Ericsson Sauber MEDIUM 01:26,841
BEST TIMES DAY 2
Driver Team Compound LapTime
Raikkonen Ferrari SOFT 01:20,960
Hamilton Mercedes SUPERSOFT 01:20,983
Verstappen Red Bull SOFT 01:22,200
Magnussen Haas SUPERSOFT 01:22,204
Ocon Force India SUPERSOFT 01:22,509
Kvyat Toro Rosso SOFT 01:22,956
Bottas Mercedes SOFT 01:22,986
Palmer Renault SOFT 01:24,139
Giovinazzi Renault SOFT 01:24,617
Vandoorne McLaren SOFT 01:25,600
Stroll Williams MEDIUM 01:26,040
BEST TIMES DAY 3
Driver Team Compound LapTime
Bottas Mercedes ULTRASOFT 01:19,705
Vettel Ferrari SOFT 01:19,952
Ricciardo Red Bull SOFT 01:21,153
Palmer Renault SOFT 01:21,396
Hulkenberg Renault SOFT 01:21,791
Ericsson Sauber SUPERSOFT 01:21,824
Hamilton Mercedes SOFT 01:22,090
Grosjean Haas SUPERSOFT 01:22,118
Stroll Williams SOFT 01:22,351
Alonso McLaren ULTRASOFT 01:22,598
Sainz J Toro Rosso MEDIUM 01:23,540
Celis Force India ULTRASOFT 01:23,568
Kvyat Toro Rosso MEDIUM 01:23,952
BEST TIMES DAY 4
Driver Team Compound LapTime
Raikkonen Ferrari SOFT 01:20,872
Verstappen Red Bull SOFT 01:21,769
Palmer Renault SOFT 01:21,778
Grosjean Haas MEDIUM 01:22,309
Giovinazzi Sauber ULTRASOFT 01:22,401
Perez Force India SUPERSOFT 01:22,534
Vandoorne McLaren ULTRASOFT 01:22,576
Bottas Mercedes SOFT 01:23,443
Hulkenberg Renault SOFT 01:24,974
BEST TIMES – OVERALL
Driver Team Compound LapTime Test Day
Bottas Mercedes ULTRASOFT 01:19,705 DAY 3
Vettel Ferrari SOFT 01:19,952 DAY 3
Raikkonen Ferrari SOFT 01:20,960 DAY 2
Hamilton Mercedes SUPERSOFT 01:20,983 DAY 2
Ricciardo Red Bull SOFT 01:21,153 DAY 3
Palmer Renault SOFT 01:21,396 DAY 3
Verstappen Red Bull SOFT 01:21,769 DAY 4
Hulkenberg Renault SOFT 01:21,791 DAY 3
Ericsson Sauber SUPERSOFT 01:21,824 DAY 3
Massa Williams SOFT 01:22,076 DAY 1
Grosjean Haas SUPERSOFT 01:22,118 DAY 3
Magnussen Haas SUPERSOFT 01:22,204 DAY 2
Stroll Williams SOFT 01:22,351 DAY 3
Giovinazzi Sauber ULTRASOFT 01:22,401 DAY 4
Ocon Force India SUPERSOFT 01:22,509 DAY 2
Perez Force India SUPERSOFT 01:22,534 DAY 4
Vandoorne McLaren ULTRASOFT 01:22,576 DAY 4
Alonso McLaren ULTRASOFT 01:22,598 DAY 3
Kvyat Toro Rosso SOFT 01:22,956 DAY 2
Sainz J Toro Rosso MEDIUM 01:23,540 DAY 3
Celis Force India ULTRASOFT 01:23,568 DAY 3
 

NOS BASTIDORES DA F 1

 

NOS BASTIDORES DA F 1

 

 

  1. Liberty Media... aqui estão em Barcelona os miúdos/jovens que é preciso conquistar para a F1. Estranhamente, ou talvez não, alguns vestem de laranja...

 

TESTES HAAS EM BARCELONA

 

Data:  Terça-Feira, 28 de Fevereiro

Local:  Circuit de Barcelona – Catalunya  

Layout:  4,655 quilómetros, circuito de 16 curvas

Piloto:  Kevin Magnussen

Voltas completadas:  118

Distância completada:  549,29 quilómetros

Volta mais rápida:  1m22,204s (quarto mais rápido)

Melhor volta:  1m20,960s Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari

Mais voltas completadas:  118 Kevin Magnussen da Haas F1 Team

 

 

 

Kevin Magnussen teve outro dia produtivo aos comandos do Haas VF-17, durante o segundo dia dos testes de pré-temporada, esta terça-feira no Circuit Barcelona – Catalunya. Depois de ter entrado no circuito de 4,655 quilómetros e dezasseis curvas o mais cedo possível, às 9h00 locais, nove horas depois Magnussen tinha completado cento e dezoito voltas, totalizando 549,29 quilómetros, mais que qualquer outro piloto.

 

Este resultado duplicou o total que Magnussen alcançou na segunda-feira, quando realizou cinquenta e uma voltas, e suplantou o máximo de quilómetros que a Haas F1 Team tinha alcançado em qualquer outro teste. Até esta terça-feira, o máximo que a Haas F1 Team tinha alcançado num dia de testes em Barcelona tinha sido 105 voltas, a 18 de Maio de 2016.

 

Para além de ter sido quem mais voltas completou, Magnussen permaneceu rápido. Realizou o quarto tempo do dia, com uma volta efectuada em 1m22,204s durante a sua centésima terceira volta, tinha montados pneus Pirelli P Zero Vermelho/Super-Macio.

 

Magnussen começou a sessão matinal com uma série de voltas de reconhecimento, primeiro usando pneus duros, para depois optar por médios e macios. Após cinco voltas para verificar sistemas, foi tempo para realizar séries de voltas, primeiro com médios e depois com macios. Quando o relógio se aproximou da pausa para almoço, os tempos de Magnussen foram baixando. A sua melhor marca da manhã foi de 1,23,200s, alcançada com pneus macios durante a sua trigésima sexta e última volta da sessão, o que o colocou no quarto posto.

 

O segmento vespertino viu a Haas F1 Team experimentar quase todos os pneus da gama da Pirelli, com os duros, médios, macios e super-macios entrarem ao serviço. Magnussen tirou o máximo partido da segunda metade do dia de trabalho, completando oitenta e duas voltas. A equipa treinou paragens nas boxes, montando pneus novos no Haas VF-17, para depois enviar Magnussen de novo para a pista. Os super-macios forneceram mais aderência e Magnussen, sem surpresa, bateu a sua melhor marca do dia a trinta minutos da bandeirada de xadrez.

 

Kimi Raikkonen, da Scuderia Ferrari, assinou a volta mais rápida (1m20,960s) e foi o segundo que mais voltas completou (108).

 

 

Foi um bom dia. Completei mais voltas que todos os outros, isso demonstra o bom dia que foi, com muitos quilómetros em pista. É para isto que fazemos os testes de Inverno. Queremos realizar o máximo de quilómetros no carro, encontrar pequenos problemas que podem surgir durante uma sessão, para os resolver o mais rapidamente possível. Estou muito satisfeito com a sensação que tenho no carro e da forma como trabalho com a equipa. Foi bom ter regressado ao carro.”

 

 

 

Aprendemos bastante neste teste, tem corrido muito bem até agora. Esperamos que continue assim ao longo dos próximos dois dias e na próxima semana, também. Hoje completámos o nosso programa. Esta manhã tivemos uma pequena contrariedade, nada de importância, e durante a tarde fizemos tudo que tínhamos para fazer. O que não fizemos da parte da manhã, fizemos à tarde. Aprendemos muito sobre o comportamento do carro. Fizemos alterações na afinação do carro. Sabemos que ainda temos trabalho para fazer no carro, para tirar todo o seu potencial, mas é por isso que estamos a testar. Agora os rapazes vão analisar os dados toda a noite e amanhã, com o Romain (Grosjean), vamos pôr em prática o que aprendemos hoje e tentar tornar o carro mais rápido. Parece que o carro é muito fiável. A Ferrari fez um trabalho fantástico com o motor, caixa de velocidades e tudo o resto. Esteve muito fiável, hoje, sem qualquer problema. Temos que bater na madeira três vezes para que seja assim no resto do teste, mas até agora estamos muito satisfeitos.”

 

 

 

Romain Grosjean assume os commandos do Haas VF-17 na quarta-feira e na quinta-feira, para terminar esta semana de testes. Depois de quatro dias de pausa, as equipas regressam a Barcelona para a segunda e final bateria de testes da pré-temporada, que se realiza entre os dias 7 e 10 de Março. Magnussen pilota nos dias 7 e 9 de Março e Grosjean nos dias 8 e 10.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

NOS BASTIDORES DA F 1

 

NOS BASTIDORES DA F1

 

  1. F1 vai deixar de pagar renda a Ecclestone. Ou pelo menos, parte dela...

  2.  

 

The Formula One group is moving offices from Prince’s Gate in Knightsbridge to new facilities on Lower Regent Street, in the recently-rebuilt St James’s Market, £400 million redevelopment that creates a new public square. The development was a partnership between the Crown Estate, which owns most the property on Regent Street and Oxford Properties.

Formula 1 will be taking ne...arly 21,000 sq ft over the fourth and fifth floors in No 2 St James’s Market.

“Formula 1 is a global sport, attracting audiences of 400 million, and London is the perfect place to grow our international fan base,” says Sacha Woodward Hill, General Counsel at Formula One.“We’re pleased to be opening our new global HQ in St James’s Market. The new space will accelerate our business transformation and help us to attract the best talent as we move forward.”
The current offices at Prince’s Gate are owned by Bernie Ecclestone. It remains to be seen what will happen to the Formula One Facility at Biggin Hill, where the TV operations are currently based. This too is owned by Ecclestone.

 

TESTES FÓRMULA 1 - BARCELONA

TESTES FÓRMULA 1 EM BARCELONA

 

 

 

  1. Os tempos do quarto e último dia da primeira sessão de testes 2017 da F1. Ferrari outra vez na frente.

 

AINDA OS TESTES DOS F 1 CLÁSSICOS

GALERIA DE IMt200 Copy_Copyt201 Copyt202 Copyt203 Copyt204 Copyt205 Copyt206 Copyt207 CopyAGENS

 

AINDA OS TESTES DOS FÓRMULA 1 CLÁSSICOS NO ESTORIL

 

Fotos de Rui Reis - www.velocidadeonline.com

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

OS TESTES DE BARCELONA

 

Eis uma interessante imagem do novo Mercedes, equipado com todo o tipo de antenas com sensores16998851 1501110989907594_9186490098154517763_n_Copy

 

GALERIA DE IMAGENS - TESTES F1 EM BARCELONA

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

TESTES EM BARECELONA

 

Grupo de imagens referentes aos testes que as equipas de Fórmula 1 estão a fazer na pista espanhola de Barcelona, onde pela primeira vez se pode ver os novos carros que irão animar as pistas que fazem parte do calendário.f1 Copyf2 Copyf3 Copyf4 Copyf5 Copyf6 Copyf7 Copyf8 Copyf9 Copyf10 Copyf11 Copyf12 Copyf14 Copyf15 Copyf16 Copyf17 Copyf18 Copyf19 Copyf20 Copyf21 Copyf22 Copyf23 Copyf24 Copyf25 Copyf26 Copyf27 Copyf28 Copyf29 Copyf30 Copyf32 Copyf33 Copyf34 Copyf35 Copyf36 Copyf37 Copyf38 Copyf39 Copyf40 Copyf41 Copyf42 Copyf43 Copyf44 Copyf45 Copyf46 Copyf47 Copyf48 Copyf49 Copyf50 Copyf51 Copyf52 Copyf53 Copyf54 Copyf55 Copyf56 Copyf57 Copyf58 Copy

 

HAAS TESTA EM BARCELONA

 

Date:  Segunda-Feira, 27 de Fevereiro

Local:  Circuit de Barcelona – Catalunya  

Layout:  4,655 quilómetros, circuito de 16 curvas

Piloto:  Kevin Magnussen

Voltas completadas:  51

Distância completada:  237,405 quilómetros

Melhor tempo:  1m22,894s (4º mais rápido)

Volta mais rápida:  1m21,765s Lewis Hamilton da Mercedes

Mais voltas completadas:  128 voltas Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari

 

 

 

Kevin Magnussen realizou as suas primeiras voltas com a Haas F1 Team esta segunda-feira no Circuit Barcelona – Catalunya. O piloto de 24 anos originário de Roskilde, Dinamarca, entrou em pista prontamente às nove horas locais e foi o primeiro a completar uma volta ao circuito de dezasseis curvas e 4,655 quilómetros. Quando o dia estava terminado, Magnussen tinha realizado cinquenta e uma voltas aos comandos do Haas VF-17 animado pela unidade de potência Ferrari, registando 237,405 quilómetros.

 

O melhor tempo de Magnussen foi de 1m22,984s, alcançado na sua quadragésima quarta volta e com pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio. Esta marca colocou o piloto que realizará este ano a sua terceira temporada de Fórmula 1 no quarto posto entre os onze pilotos que tomaram parte neste primeiro dia de testes.

 

Magnussen começou a manhã com uma série de saídas à pista de reconhecimento, primeiro, usando pneumáticos Pirelli P Zero Laranja/Duro, para depois mudar para pneus Pirelli P Zero Branco/Médio. O seu melhor registo da manhã foi de 1m26,404s foi realizado na sua penúltima passagem pela meta da sessão matinal. A sua volta final envolveu um pião na curva 10 que provocou o embate do nariz do Haas VF-17 numa barreira, partindo-o. O resto do carro não sofreu qualquer dano e Magnussen pôde regressar às boxes, onde o nariz foi substituído durante a pausa de almoço.

 

Quatro séries de voltas foram realizadas durante a sessão da tarde, com Magnussen a usar pneus médios durante stints de nove e cinco voltas, para posteriormente montar macios para a hora final da jornada de testes. Com os macios a proporcionarem mais aderência, não foi uma surpresa que Magnussen assegurasse a sua melhor marca do dia.

 

Lewis Hamilton, da Mercedes, realizou a melhor da jornada (1m21,765s) e Sebastian Vettel, da Scuderia Ferrari, foi quem mais voltas completou (128).

 

 

Tivemos algumas dificuldades, mas o positivo é que não foram muito importantes. Apesar de nos terem impedido de estar em pista, não foi algo de preocupante para os restantes dias. São problemas típicos dos primeiros passos que temos quando os carros são completamente novos. Tirando isto, a sensação com o carro é boa. É bom, finalmente, ter sensações com o carro depois de termos olhado para ele, e de toda antecipação que estes monolugares, mais rápidos, suscitaram. Foi uma boa sensação. Gostei muito do dia de hoje.”

 

 

 

"O plano passava por fazer mais, mas por vezes os primeiros dias correm assim. Tivemos algumas dificuldades, mas isso é normal. São esperadas quando temos um carro novo, mas nós resolvemo-las. Estamos aqui para aprender e foi isso que fizemos. O nosso processo de aprendizagem é muito melhor que o do ano passado, dado que as pessoas trabalharam juntas durante um ano e sabemos mais sobre o carro. Estamos muito mais bem preparados.”

 

 

 

Magnussen mantem-se aos comandos do VF-17 ao longo de terça-feira, estando Romain Grosjean, o seu colega de equipa, no carro na quarta-feira e na quinta-feira para terminar a primeira semana de testes. Depois de quatro dias de intervalo, a última bateria de testes realiza-se entre os dias 7 e 10 de Março. Magnussen será o piloto escalado para os dias 7 e 9 de Março e Grosjean para os dias 8 e 10.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

AÍ ESTÁ O NOVO TORO ROSSO

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

AÍ ESTA O NOVO TORO ROSSO

 

A1 CopyA2 CopyA3 CopyA4 CopyA5 CopyA6 Copy

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

VF-17 Impulsiona a Haas F1 Team para a 2ª Época

Novo carro encerra o lema da Haas Automation ‘Maior, Melhor, Mais Rápido, Mais Leve’

 

 

 

– O contendor da Haas F1 Team para o Campeonato do Mundo FIA de Formula 1 2017, o VF-17, foi hoje apresentado oficialmente através das redes sociais e do website da equipa. Entrará em pista pela primeira vez no primeiro dia de testes da pré-temporada, que se realizará no Circuit de Barcelona – Catalunya.

 

O VF-17 segue o primeiro carro da equipa, o VF-16, que levou a Haas F1 Team até ao oitavo lugar no Campeonato de Construtores de 2016. Foram marcados vinte e nove pontos pelo VF-16, durante a temporada de estreia da Haas F1 Team, o maior número de pontos alcançado por uma nova equipa neste novo milénio.

A incorporação do “VF” no nome do carro é uma referência à história da Haas Automation, o patrocinador-título da equipa. A primeira máquina CNC contruída pela Haas Automation foi a VF-1, em 1988. O “V” significa vertical, que é uma designação standardizada para fresadora vertical. Gene Haas, o fundador da Haas Automation, acrescentou “F1” ao nome para a designar oficiosamente como a companhia “Very First One” (a primeira de todas).

 

Como presidente da Haas F1 Team, a designação “F1” daquela primeira máquina assume um maior significado, quando a Haas F1 Team se prepara a sua segunda temporada na Fórmula 1.

 

“Ser um participante da Fórmula 1 oferece uma nível de credibilidade que não se alcança através da publicidade tradicional”, disse Haas, que em 2016 tornou a sua estrutura na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. “As pessoas, de certa forma, querem que lhes mostrem o que se consegue fazer para depois acreditar. Esse foi o conceito inicial – convencer as pessoas da nossa habilidade de fazer coisas que outros não conseguem fazer, e isso é importante quando se é um construtor de máquinas CNC”.

Maior, Melhor, Mais Rápido, Mais Leve é o que procuramos na indústria das máquinas CNC e é o que buscamos no desporto automóvel. As pessoas veem o que podemos fazer na Fórmula 1 e acreditam que a Haas Automation pode construir máquinas CNC de classe mundial”.

 

O VF-17 foi construído de acordo com um novo regulamento que alberga um avançado pacote aerodinâmico concebido para criar níveis de apoio aerodinâmico mais elevados. Uma asa dianteira mais larga, derivas laterais mais largas, uma asa traseira mais baixa e larga e um difusor que se expande cinquenta milímetros tanto na altura como na largura fazem parte das alterações, assim como a introdução de pneus da Pirelli mais largos, 60 milímetros à frente e oitenta atrás, o que significa um incremento de vinte e cinco porcento para alargar os pneumáticos dianteiros para os trezentos e cinco milímetros e os traseiros para o quatrocentos e cinco.

Penso que os pedais são os mesmos, mas tudo o resto é muito diferente do ano passado”, afirmou Guenther Steiner, o chefe de equipa da Haas F1 Team. “Tentamos sempre tornar o carro mais rápido, que normalmente é um carro leve. Agora podemos colocar mais lastro e conseguir uma melhor distribuição de peso. A aerodinâmica é completamente nova, tal como os pneus, portanto, tivemos que ter alguma adaptação na construção”.

 

Esteticamente, o carro tem um aspecto muito mais agressivo. É mais leve e aerodinamicamente mais eficiente. Tudo o que aprendemos com o nosso primeiro carro foi aplicado no nosso novo carro”.

 

As cores do carro original foram utilizadas no VF-17, mas o esquema é diferente. Um cinza escuro ocupa a maior parte da decoração, com motivos vermelhos, pretos, brancos e cinza claros, o aspecto da linha completa de centros de maquinação verticais e horizontais, centro de torneamento, mesas rotativas e indexadores da Haas Automation. Aproximadamente mil e trezentos funcionários constituem a Haas Automation, com a companhia baseada em Oxnard, Califórnia, a exportar máquinas para mais de sessenta países. O VF-17 evidencia perante uma audiência apaixonada e global o compromisso da Haas Automation com a tecnologia e inovação.

 

O VF-17 testa em Barcelona entre os dias 27 de Fevereiro e 2 de Março e, depois, entre os dias 7 e 10 de Março, antes do início da temporada, que será realizada em Melbourne, Grande Prémio da Austrália.

 

-HaasF1Team-

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team

 

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

HUMOR NA FÓRMULA 1

HUMOR NA FÓRMULA 1humor1 Copy

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

RED BULL

 

Ainda não se viu o carro, mas os novos fatos dos pilotos, já são conhecidos....

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

A "MODA"DESTE ANO EM TERMOS AERODINAMICOS

 

 

  1.  A "moda" da barbatana... para o MUndial de 2017

 

O NOVO LOOKING

O NOVO LOOK DO CAPACETE DE SAINZ JRaz3 Copyaz4 Copyaz5 Copyaz6 Copy

 

 

 

GALERIA DE IMAGENS - TESTES FÓRMULA 1 HISTORICOS

GALERIA DE IMAGENS

 

TESTES DOS FÓRMULA 1 HISTÓRICOS

 

Grupo de imagens dos monolugares que marcaram presença no autódromo do Estoril.

 

Fotosd de Mário Monteiro - Fast Track - www.velocidadeonline.comf1 Copyf2 Copyf3 Copyf4 Copyf5 Copyf6 Copyf7 Copyf8 Copyf9 Copyf10 Copyf11 Copyf12 Copyf14 Copyf15 Copyf16 Copyf17 Copyf19 Copyf20 Copyf21 Copyf22 Copyf23 Copyf24 Copyf25 Copyf26 Copyf27 Copyf28 Copyf29 Copyf29 Copyf31 Copyf32 Copyf33 Copyf34 Copyf35 Copyf36 Copyf37 Copyf38 Copyf39 Copyf40 Copyf41 Copy

 

AÍ ESTÁ O NOVO MCLAREN

AÍ ESTÁ O N OVO MCLAREN

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017AS1 CopyAS2 CopyAS3 CopyAS4 CopyAS5 CopyAS6 CopyAS8 CopyAS9 CopyAS10 Copy

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017AQ30 CopyAQ31 CopyAQ33 CopyAQ34 CopyAQ35 CopyAQ36 CopyAQ38 CopyAQ39 CopyAQ40 CopyAQ41 CopyAQ323 Copy

 

O NOVO MERCEDES EM DETALHE

 

AÍ ESTÁ O NOVO FERRARI

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

AI ESTÁ O NOVO FERRARI

 

  1. FERRARI F1 2017 deve chamar-se Ferrari SF 70 H para comemorar os 70 anos oficiais da marca. AQ10 CopyAQ11 Copy

 

SEGUNDO AS PREVISOES DA PIRELLI

 

PIRELLI TAKES TO THE TRACK WITH MORE THAN 3500 TYRES AT PRE-SEASON TESTING IN BARCELONA: THE DEBUT FOR THIS YEAR’S NEW WIDER TYRES ON THE ALL-NEW 2017 CARS

WET TESTING WILL TAKE PLACE ON THURSDAY MARCH 2 USING AN ARTIFICIALLY-DAMPENED TRACK, TO FOCUS ON THE CINTURATO INTERMEDIATE AND FULL WET TYRES

 PIRELLI TO BE TITLE SPONSOR OF THE GRANDS PRIX IN SPAIN, HUNGARY AND BELGIUM THIS YEAR

– Pirelli will bring more than 3500 tyres to Barcelona for the first eight days of testing with the latest-generation 2017 cars (from February 27-March 2, then again from March 7-10).
Last year, Mercedes, Red Bull and Ferrari carried out a series of tests with mule cars from August to November: 2015 chassis that had been modified to simulate the increased downforce levels of the 2017 technical regulations. The other teams had full access to the data generated by the mule car tests, but for them the tests in Spain will be a very first taste of the new wider 2017 tyres. At the front, the tyres grow from 245mm to 305mm in width: at the back, they grow from 325mm to 405mm. The diameter of the wheel rims remains unchanged at 13 inches.

WET TEST. The forthcoming tests also include one day on a wet track, to focus on the 2017 intermediate and full wet tyres, for which it has only been possible to undertake limited testing so far. The date for this test is scheduled to be March 2: the final day of the first session. However, this could be revised (following a meeting with the teams) if one of the previous three days looks set to be rainy.

COMPOUNDS AVAILABLE. All the compounds will be taken to Barcelona, including the intermediates and full wets. Every compound is brand new for this year, with entirely new constructions as well. The objective for all these tyres, shared with the FIA and the teams, is to deliver tyres with a higher level of performance together with lower degradation, allowing the drivers to push hard during every phase of the race.

HOW MANY COMPOUNDS AND WHICH ONES?There will be 810 sets of 2017 tyres in total requested by the teams in Barcelona. This is how the allocation is divided by compound:

  • Hard                      23 sets
  • Medium                263
  • Soft                        287       
  • Supersoft              74
  • Ultrasoft               51
  • Intermediate       67
  • Wet                        45

PIRELLI AS TITLE SPONSOR. The first steps of Formula 1’s new look at Montmeló also provides a perfect opportunity to announce that Pirelli will be title sponsor of the Spanish Grand Prix from May 12-14. This is the first of three grands prix where Pirelli will be title sponsor, followed by Hungary in late July and Belgium in late August

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

 

 

 

Uma pequena parte da logistica da equipa de Fórmula 1 da REd Bull....

 
Mais artigos...

João Raposo

Telemóvel: +351 961 686 867
E-mail: jraposo-air@portugalmail.pt